Digestivo nº 325 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 20/4/2007
Digestivo nº 325
Julio Daio Borges

+ de 2500 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Literatura >>> Contar tem um preço
Depois de quase se esterilizar como escritor, por causa da experiência suicida com o Teatro da Vertigem, Bernardo Carvalho retoma sua trajetória como romancista em O sol se põe em São Paulo. Apesar do título, e da capa (bonita) cinza, não se trata de denuncismo social (estilo “experimental” Geração 90); nem de pontos de vista dos marginalizados-“autores” (Ninguém é inocente em São Paulo e afins). Pobre São Paulo, como tema terminou associada, na literatura contemporânea, com o que há de pior no Brasil: as desigualdades, o caos social, os maus escritores. Pobre paulista, que tem de aturar tudo isso (e que ainda tem de se sentir “representado” por esses arrivistas). Bernardo Carvalho, um carioca, felizmente não caiu nessa armadilha. Seu livro, pelo contrário, talvez seja, até agora, a melhor tentativa em literatura de registrar as marcas da imigração japonesa, que produziu – em São Paulo – a maior colônia de japoneses fora do Japão. E mais difícil do que captar o clima da Paulicéia, e algumas vezes do interior de São Paulo, Carvalho mergulhou na tradição do romance japonês moderno para, justamente, reconstituir o ramo da história que começa, evidentemente, no Japão, para desembocar, aqui, entre nós. O livro termina sendo um belo teaser para autores como Tanizaki, que Bernardo Carvalho elogiou tanto, num dos lançamentos em São Paulo. Cheia de reviravoltas emocionantes, a história de mal-entendidos, que remonta à Segunda Guerra Mundial e até ao último imperador, revela que por trás da cordialidade e da contenção dos nossos imigrantes japoneses pode haver um histórico de paixões, desastres e, sim, resignação. Ainda em São Paulo, Carvalho se queixou de ter de responder, na época do vestibular, a questões sobre a Mongólia (título de seu romance anterior). Não deveria se espantar, portanto, se, a partir de agora, o procurarem para falar... do Japão. Afinal, em O sol se põe em São Paulo, um pouco da alma do País do Sol Nascente foi, efetivamente, retratada. [Comente esta Nota]
>>> O sol se põe em São Paulo
 



Música >>> Fênix
Pedro Mariano, no auge de sua carreira ao lado do pai (na época do CD Piano & Voz, ainda pela Trama), declarou sua admiração por Jorge Vercilo, que, segundo ele, vinha de uma carreira de mais de dez anos e estava então estourando. Descontando um exagero ou outro (a carreira, por exemplo, era de menos de dez anos), a aposta estava correta, num cenário em que estreava, justamente, “Maria Rita”, e a MPB vivia um vácuo também sem Marcos Sacramento. Vercilo foi criticado pela Veja como “cover” de Djavan, mas o próprio Djavan, via participação em faixa bônus, não se incomodou e até incentivou. Muitos hits, muitas telenovelas e minisséries depois, Vercilo chega a São Paulo, para lançamento do seu CD (e DVD) Ao Vivo, no Tom Brasil Nações Unidas, tendo batido Pedro Mariano, que hoje desponta para o anonimato, e tendo emplacado uma composição, em parceria com Ana Carolina (refeita dos ataques de Dori Caymmi), no elogiado CD Pirata, de Maria Bethânia. Tudo bem, difícil soar mal na boca de Bethânia no auge da maturidade, mas difícil, igualmente, negar que Vercilo vem se esforçando para fugir da antiga pecha de “genérico”, muito embora a beatlemania das fãs lhe permita atualmente mandar uma banana para o cânone musical do Brasil (leia-se: legado da MPB). Entre sério (momento “Luz do Sol”, de Caetano Veloso) e festeiro (“Que nem maré”, “Monalisa” e a nova “Vela de acender, vela de navegar”), Vercilo está ensaiado com uma banda afinadíssima e pode até escolher: quer continuar sendo um artista popular ou quer amadurecer numa outra vertente? Depois do fogo-fátuo de Chico César e Daniela Mercury nos anos 90, a batida MPB encontra uma nova chance de ressurreição, talvez a última, antes da aposentadoria dos Pais Fundadores. Vercilo caminha nessa direção? [Comente esta Nota]
>>> CD | DVD
 



Imprensa >>> Literária, colorida, sonante, tropical
Hoje, na imprensa-impressa, as entrevistas parecem todas iguais. Não têm nada do entrevistado, muito menos do entrevistador. Mas houve um tempo em que, nessa área, a imprensa-impressa dava das cartas. E publicava entrevistas de jovens de 23 anos como Maria Ignez Corrêa da Costa Barbosa. Gentíssima, o livro relançado pela Ateliê Editorial, quase quarenta anos depois, é a prova viva de que, tudo bem, o Rio de Janeiro era mais rico em personalidades, mas, também, o jornalismo era melhor porque arriscava mais. Maria Ignez entrevista praticamente o século XX, de Salvador Dalí a Juscelino Kubitschek, de Guimarães Rosa ao Barão de Itararé, de Nara Leão a Henry Moore. Admira que ela ainda esteja viva, para contar a história; e não admira que mereça a orelha dupla de Pedro Corrêa do Lago (seu primo mais novo) e Carlos Eduardo Lins da Silva. Da edição original de 1968, Gentíssima mantém o prefácio de João Cabral de Mello Neto e acrescenta, por exemplo, a entrevista com Érico Veríssimo. Maria Ignez continua escrevendo bem, depois de quase quatro décadas longe do jornal, e aborda a questão-chave, inescapável depois da leitura: se era tão brilhante, tão precoce e tão reconhecida, por que abandonou o ofício de todo? Maria Ignez, no auge da inteligência e dos 20 anos, dedicaria um exemplar a seu futuro marido na noite de autógrafos, e ele, diplomata como o pai dela, afastaria a intrépida entrevistadora do jornalismo e a levaria pelo mundo afora. Tão intrigantes quanto suas bem elaboradas perguntas é a indagação maior sobre o que Maria Ignez poderia ter sido e não foi. Gentíssima, felizmente, ressurge para inspirar toda uma nova geração digital. Que os vinte e poucos anos de Maria Ignez Corrêa da Costa Barbosa contaminem os vinte de bloggers e outros mais. [Comente esta Nota]
>>> Gentíssima
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/4/2007
09h54min
Carissimos: a entrevista tem que falar do entrevistado: do entrevistador carece apenas de ter competencia, conhecimento da obra do entrevistado, técnica para realizar uma entrevista e agora o espaço acabou....
[Leia outros Comentários de AnaLu Vasconcelos]
20/4/2007
11h37min
Interessante! Gostei do assunto. O que faz uma mulher como essa abandonar tão promissora carreira para seguir o marido?? O amor?? Bem, você faz parte desse grupo seleto de entrevistadores que são peculiares, originais e buscam de fato a essência do entrevistado, seja de suas obras ou de sua personalidade. Não desista também, por favor. Abraço. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ZAC POWER - MISSÃO TREINAMENTO RADICAL
H. I. LARRY
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 9,90



A PROSA FRATURADA
DONALDO SCHULER
UNIVERSIDADE FEDERAL RS
(1983)
R$ 26,82



A REVOLUÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS
ANDRÉ TELLES
M.BOOKS
(2010)
R$ 15,00



SALAMBÔ
G. FLAUBERT
EDIBOLSO
(1969)
R$ 10,00



QUEM É GETÚLIO VARGAS
PEDRO LUÍS
NOVA JURISPRUDÊNCIA
R$ 50,00



INFRAESTRUTURA: OPÇÃO DE INVESTIMENTO AOS FUNDOS DE PENSÃO NO BRASIL
GUILHERME NOGUEIRA LOPES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



JEAN PIAGET O HOMEM E SUAS IDÉIAS
RICHARD I. EVANS
FORENSE
(1980)
R$ 19,83



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA VOL 1
SILVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



HISTÓRIA DE CANÇÕES CHICO BUARQUE
WAGNER HOMEM
LEYA
(2009)
R$ 20,00



30 ANNOS DE THEATRO - HUMORISMO
REGO BARROS
TYPOGRAPHIA COELHO
(1932)
R$ 45,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês