Digestivo nº 400 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29583 visitas/dia
870 mil/mês
Mais Recentes
>>> Crianças travessas também podem gostar de ler
>>> Banda Silibrina, de Gabriel Nóbrega, lança o álbum O Raio com temporada de shows no Jazz nos Fundos
>>> Dom Quixote chega a USP Leste
>>> Documentário
>>> Windsor Marapendi apresenta Conexão Rio com convidado especial Celso Fonseca
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
>>> Minha finada TV analógica
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
Colunistas
Últimos Posts
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
Últimos Posts
>>> Hoje Ella Fitzgerald faz 100 anos
>>> Vermelho (série: Sonetos)
>>> Os vãos nunca em vão
>>> O VERBO ALQUÍMICO
>>> Procissão
>>> Questionamento
>>> As 13 Razões Pra se Escolher a Vida!
>>> Black Mirror, nós e os outros
>>> Quadro negro
>>> Ilusão de ótica
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rumos, rumores e rumeiros
>>> Os três gêneros de artistas
>>> Longa vida à fotografia
>>> A importância do nome das coisas
>>> O lado louco de Proust
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> Cachorros e Lágrimas
>>> O Orkut é coisa nossa
>>> E-book Novos Jornalistas
>>> Breve análise sobre Umberto Eco
Mais Recentes
>>> Ensaios sobre a Psicologia de C. G. Jung
>>> Judas Iscariotes
>>> Carisma Espírito Renovação- Fé Cristã Renovada
>>> O Testemunho do Senhor e a Necessidade do Mundo
>>> Física parte 3
>>> Física parte 2
>>> Física - Caderno de revisão e exercícios
>>> Ética. Direito, Moral e Religião no Mundo Moderno
>>> Tempo de Reportagem. Histórias que marcaram época no jornalismo brasileiro
>>> Dirceu. A biografia
>>> As Veias Abertas da América Latina
>>> A Revolução dos Bichos
>>> The Secret O Segredo
>>> A Insustentável Leveza do Ser
>>> As Veias Abertas da América Latina
>>> A Revolução dos Bichos
>>> The Secret O Segredo
>>> A Insustentável Leveza do Ser
>>> Oeste. A guerra do jogo do bicho
>>> Descobrindo A Historia da Arte
>>> Filosofia- por uma inteligência da complexidade
>>> As Cariocas
>>> Infância e Juventude: Narrativas Contemporâneas
>>> Zero
>>> Como usar outras linguagens na sala de aula
>>> Contos Brasileiros
>>> Temas de literatura Brasileira-Um passo por sua história e crítica
>>> Édipo Rei
>>> Os 7 Hábitos dos Adolescentes Altamente Eficazes: O guia definitivo de sucesso para o adolescente
>>> Como ler livros: O Guia Clássico para a Leitura Inteligente
>>> Biologia molecular básica
>>> Fundamentos de Física-Gravitação, ondas e termodinâmica. Vol. 2
>>> Arquitetura - A Arte de Criar Espaços
>>> Princípios de Física - Eletromagnetismo
>>> Experiências e Dinâmicas de Inclusão-Um olhar comprometido e afetivo
>>> Cérebro e Aprendizagem-um Jeito Diferente de Viver
>>> Como e por que ler os clássicos universais desde cedo
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Finanças Corporativas
>>> Introdução à Música
>>> Comportamento organizacional-Integrado conceitos da administração e da psicologia
>>> Gestão de Produtos e Marcas
>>> Marketing
>>> O Trabalho - II Colóquio Brasileiro de Direito do Trabalho
>>> Introdução ao Cálculo - Vol. 1 - Cálculo Diferencial
>>> Os mais belos pensamentos de todos os tempos
>>> Direito Constitucional - Questões da ESAF com gabarito comentado
>>> As Responsabilidades no Direiro Internacional do Meio Ambiente
>>> Pode-se Provar a Existência de Deus?( Ordinatio)
>>> A Viagem Infinita: estudos sobre Terra Sonâmbula, de Mia Couto
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 30/1/2009
Digestivo nº 400
Julio Daio Borges

+ de 1300 Acessos




Internet >>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [2 Comentário(s)]
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
 



Imprensa >>> A Democracia Traída, de Raymundo Faoro
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> A Democracia Traída
 



Além do Mais >>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> São Paulo, 455 anos
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VAN GOGH - UM TOQUE DE AMARELO - COLEÇÃO JARDIM DOS PINTORES
JACQUELINE LOUMAYE
SALAMANDRA
(1990)
R$ 9,10



A ORFÃ DE GOIÁS - NAPOLEÃO GOULART (TEATRO BRASILEIRO)
NAPOLEÃO GOULART
TEIXEIRA
(1956)
R$ 15,00



LOUCURAS DO FUTEBOL
EMEDÊ
PANDA BOOKS
(2005)
R$ 15,00



O DEUS DE ABRAÃO, ISAQUE E JACÓ
WATCHMAN NEE
ÁRVORE DA VIDA
(1997)
R$ 49,90
+ frete grátis



A CONFRARIA DO MEDO
REX STOUT
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 15,00



IRACEMA
JOSÉ DE ALENCAR
CEDIC
(2009)
R$ 5,00



O ÚLTIMO JURADO
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2004)
R$ 10,00



AUTO DA COMPADECIDA - ARIANO SUASSUNA (TEATRO NORDESTINO)
ARIANO SUASSUNA
AGIR
R$ 8,00



ZIEMBINSKI - MESTRE DO PALCO
ANTONIO GILBERTO
IMPRENSA OFICIAL
(2010)
R$ 75,00



SENHOR E SERVO - LEON TOLSTOI (LITERATURA RUSSA)
LEON TOLSTOI
CLUBE DO LIVRO
(1953)
R$ 10,00





busca | avançada
29583 visitas/dia
870 mil/mês