Digestivo nº 400 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31493 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Tradicional empório de São Paulo tem sua história contada em livro
>>> Banda Estralo agita férias de julho com shows em São Paulo
>>> Miami/ESPM faz bate-papo gratuito sobre portfólio
>>> Saber negro e plantas medicinais em debate no Jardim Botânico
>>> O Globo marca presença em mais uma edição da FLIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Brasil em Cannes
>>> Radiohead e sua piscina em forma de lua
>>> O bosque das almas infratoras
>>> Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I
>>> A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura
>>> A Garota do Livro: uma resenha
>>> Sarkozy e o privilégio de ser francês
>>> Noturno para os notívagos
>>> Wanda Louca Liberal
>>> Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco
Colunistas
Últimos Posts
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
>>> 75 anos de Charlie Watts
>>> Blockchain by William Mougayar
>>> Caravana em BH
Últimos Posts
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> Onde a onça bebe água
>>> Sonhos olímpicos nos Lençóis Maranhenses
>>> Viva o Brasil
>>> A vida passa
>>> É normal casar duas vezes com o mesmo homem?
>>> Mesa de bar, livro de arte
>>> A estátua viva
>>> Deus é brasileiro ─ (Filmes)
>>> A constituição europeia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Steve Jobs 1983
>>> Um estranho incidente literário
>>> As duas divas da moderna literatura romântica
>>> O Mito da Eleição
>>> Cinzas e sombras
>>> Elon Musk Code Conference 2016
>>> TV Made in Brazil
>>> Entrevista com Luis Salvatore
>>> Reinaldo Azevedo Contra o Consenso
>>> Roland Barthes e o prazer do texto
Mais Recentes
>>> A História Militar do Brasil
>>> CRISTO, AQUELE QUE CURA
>>> A VOLTA DO FILHO PRÓDIGO- A história de um retorno para casa
>>> Totalitarismo, o paroxismo do poder
>>> 42 SONETOS ( edição bilíngue- inglês-português)
>>> Ensaios em ANTROPOLOGIA DO PODER
>>> 1984
>>> ENTRE QUATRO PAREDES
>>> A Índia Secreta
>>> O Egito Secreto
>>> Conversaciones con Lukács
>>> Fundamentos de la sociologia del arte
>>> Sociologia del arte
>>> Noites do sertão
>>> O ANDARILHO
>>> EM CAMINHO PARA DEUS- Meditando com Marthe Robin
>>> A FILOSOFIA NA IDADE TRÁGICA DOS GREGOS
>>> REVISTA Placar Nº 1043 15/06/2016
>>> Cavaleiros Do Zodíaco - Nº 19 E 20
>>> gibi Edição Maravilhosa Nº 89 - Cangaceiros ( Ebal-1ª Série-1954
>>> RAUL SEIXAS - UMA ANTOLOGIA
>>> RAUL SEIXAS - O TREM DAS SETE
>>> DIZIONARIO COMPLETO - ITALIANO-PORTUGUESE (Brasiliano)
>>> DICIONÁRIO DE ESPANHOL-PORTUGUÊS
>>> O EVANGELHO HOJE
>>> NUNCA MAS (Informe de la Comisión Nacional sobre la Desaparición de Personas)
>>> E O VENTO LEVOU
>>> O ZERO E O INFINITO
>>> Lote 15 Gibis: Superaventuras Marvel Nº 101 Ao 115 Abril1991
>>> LAMPIÃO EM QUADRINHOS
>>> FÁBULAS DE LA FONTAINE
>>> IDEIAS TEATRAIS ( O século XIX no Brasil)
>>> FURACÃO SOBRE CUBA - Jean-Paul Sartre
>>> CONTOS DO ESCONDERIJO - Anne Frank
>>> MÉXICO REBELDE
>>> EL ÚLTIMO TESTAMENTO DE OSCAR WILDE
>>> O Guia da Viagem Perfeita - Nova York
>>> UM BOÊMIO NO CÉU (Teatro) - Catullo da Paixão Cearense
>>> Administração de Marketing
>>> Fisica 3
>>> O PRIMEIRO AMOR DE LAURINHA (Literatura juvenil)
>>> A BELA E A FERA E OUTROS CONTOS DE FADAS
>>> Fisica 2
>>> Fundamentos da Física 1 - Mecanica
>>> Fisica III - Eletromagnetismo
>>> Fisica IV - Ótica e Física Moderna
>>> Física II - Termodinamica e Ondas
>>> Física I - Mecanica
>>> Cálculo - Volume II
>>> Cálculo - Volume I
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 30/1/2009
Digestivo nº 400
Julio Daio Borges

+ de 1200 Acessos




Internet >>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [2 Comentário(s)]
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
 



Imprensa >>> A Democracia Traída, de Raymundo Faoro
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> A Democracia Traída
 



Além do Mais >>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> São Paulo, 455 anos
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA EXAME - 17-02-2016 - EDIÇÃO 1107
DIVERSOS
ABRIL
(2016)



A DINÂMICA DO INCONSCIENTE- A NATUREZA DA PSIQUE.
C.G. JUNG
VOZES
(2011)



PRIMEIROS PRINCÍPIOS
HERBERT SPENCER
EX MACHINA
(2015)
+ frete grátis



FILOSOFIA E HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA
PAULO GHIRALDELLI JR.
MANOLE
(2003)
+ frete grátis



EMPRESA RICA EMPRESA POBRE- O SUCESSO ESTÁ NA ESTRATÉGIA.
ROBERTO LIMA NETTO
CAMPUS
(2006)
+ frete grátis



MARÍLIA DE DIRCEU
TOMÁS ANTÔNIO GONZAGA
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
+ frete grátis



A PERVERSÃO DO TRAPEZISTA- O ROMANCE EM CORNÉLIO PENNA
LUIZ COSTA LIMA
IMAGO
(1976)
+ frete grátis



A LEI DE MURPHY - SEGUNDA PARTE
TRADUZIDO POR MILLÔR FERNANDES
RECORD
(1980)
+ frete grátis



CACUÍ O CURUMIM ENCANTADO
JOSÉ ARRABAL
PAULINAS
(2006)
+ frete grátis



CANDIDO PORTINARI 1903-1962
PINAKOTHEKE
PINAKOTHEKE
(2002)
+ frete grátis





busca | avançada
31493 visitas/dia
1,2 milhão/mês