Digestivo nº 400 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
28111 visitas/dia
949 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil estreia premiada série O Tempo entre Costuras nesta sexta (26)
>>> Baile da Melhor Idade no Pátio Alcântara
>>> Mattel apresenta lançamentos em livros na Bienal de São Paulo
>>> Companhia de Danças de Diadema apresenta "por+vir" na Galeria Olido
>>> Universidade do Livro oferece curso a distância de preparação e revisão
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
>>> Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
>>> Meu querido mendigo
>>> Na hora do batismo
>>> Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida
>>> Existe na cidade alguém, assim como você...
>>> Eleições nos Estados Unidos
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> A que ponto chegamos, EUA!
>>> Caiu na rede, virou social
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Todos à USP!
>>> O acumulador
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Rua da infância
>>> Nada disso estaria acontecendo...
>>> 180°
>>> Espírito Olímpico
>>> O homem nu
>>> Casulo de névoas
>>> 24 de Agosto, um dia na recente historia do Brasil
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> Chico Buarque falou por nós
>>> Os 100 maiores cientistas
>>> Um estranho incidente literário
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> Livros de literatura podem ser objetos de consumo?
>>> A juventude nas livrarias
>>> Elon Musk Code Conference 2016
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> Como parecer culto
Mais Recentes
>>> A cartilha da nova mãe
>>> Vila dos Confins
>>> Showrnalismo- A notícia como espetáculo
>>> Arte de Ser Mulher- Manual de Consciência Corporal
>>> Freud- Estudo Crítico da Psicanálise.
>>> Revolução da Esperança
>>> Espírito de Miséria
>>> Jornada Xamânica ( Inclui CD para Meditação)
>>> O Simbolo da Transformação na Missa
>>> Planeta 15
>>> Angústia
>>> O Graal- Arthur e Seus Cavaleiros- Leitura Simbólica
>>> Tavares Bastos (Aureliano Cândido 1839-1875)
>>> Epitecto e a Sabedoria Estoica
>>> Ensaios de antropologia brasiliana
>>> Do Brasil Filipino ao Brasil de 1640
>>> Cenas Noturnas na Bíblia- Tardes e Manhãs, que conduzem ao dia perfeito
>>> Assuma o Controle de Sua Vida-Como dizer Não à Manipulação Emocional
>>> A conquista do deserto ocidental
>>> Individuação Junguiana
>>> Mar Morto
>>> Viagem ao centro da Terra
>>> Cordel para Crianças (Caixinha com 10 Títulos)
>>> 40 Anos de Teatro (Volume 3) - Mario Nunes
>>> 40 Anos de Teatro (Volume 2) Mário Nunes
>>> Curso de Cenografia - Di Cavalcanti
>>> Apolonia Pinto e o seu tempo - Coleção DIONYSOS
>>> Revista DIONYSOS - nº 5 (Fevereiro de 1955)
>>> Revista DIONYSOS - nº 26 (Especial: Teatro Oficina)
>>> Revista DIONYSOS - nº 24 (Especial: Teatro de Arena)
>>> Revista DIONYSOS - nº 22 (Os Comediantes)
>>> Revista DIONYSOS nº 16 (Teatro)
>>> Revista DIONYSOS - nº 25 (TBC - Teatro Brasilerio de Comédia)
>>> Revista DIONYSOS nº 23 (Teatro)
>>> Janeiro de Grandes Espetáculos - Origem e Perspectivas - 2ª Edição Revista e Ampliada
>>> Janeiro de Grandes Espetáculos - Origem e Perspectivas
>>> Incidentes em Antares - Érico Veríssimo
>>> Sabedoria Persa
>>> O Barão nas Árvores - Italo Calvino
>>> Solano Trindade - Poemas Antológicos
>>> A invenção de Hugo Cabret
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Cidades Brasileiras - O passado e o presente
>>> Clarice - Uma vida que se conta
>>> Orações Que Deus Gostaria de Ouvir
>>> Paula Pryke Living Colour
>>> Herança Explosiva
>>> A um Passo do Armagedom
>>> O Estudo Bíblico Indutivo
>>> Sigueme Uno Como Crecer Espiritualmente
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 30/1/2009
Digestivo nº 400
Julio Daio Borges

+ de 1200 Acessos




Internet >>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [2 Comentário(s)]
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
 



Imprensa >>> A Democracia Traída, de Raymundo Faoro
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> A Democracia Traída
 



Além do Mais >>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> São Paulo, 455 anos
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MAÇONARIA
P. NAUDON
DIFEL
(1968)



A NOITE DA ENCRUZILHADA
GEORGES SIMENON
NOVA FRONTEIRA
(1979)



O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO
SARAMAGO, JOSÉ
CIA DE BOLSO
(2015)



PROCLAMAÇÕES
ANDERSON BRAGA HORTA
THESAURUS
(2013)



O MATRIMÔNIO DO CÉU E DO INFERNO- O LIVRO DE THEL (BILINGUE)
WILLIAM BLAKE
ILUMINURAS
(1987)
+ frete grátis



FUNDAMENTOS DE LA SOCIOLOGIA DEL ARTE
ARNOLD HAUSER
GUADARRAMA
(1982)
+ frete grátis



HQ FANTASMA - PACOTE COM 8 NÚMEROS
LEE FALK
GLOBO/RIOGRÁFICA
(1984)
+ frete grátis



MÁGICO VENTO Nº 37 -A VIA OBSCURA 
SERGIO BONELLI
MYTHOS
(2005)
+ frete grátis



OCULTOS NA ESCURIDÃO
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
(1983)
+ frete grátis



HQ BATMAN MESTRE DO FUTURO + SÉRIE TÚNEL DO TEMPO
BRIAN AUGUSTYN & EDUARDO BARRETO
ABRIL JOVEM
(1992)
+ frete grátis





busca | avançada
28111 visitas/dia
949 mil/mês