Digestivo nº 400 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
34566 visitas/dia
921 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Ópera na Tela traz Raphaël Sikorski para masterclass de canto lírico
>>> Empresa de tecnologia oferece prêmio de R$10.000 para a melhor resolução de case com problema real
>>> Especialistas apresentam a relação entre tradução e edição
>>> Com direção de Vivien Buckup, Ney Piacentini estreia solo com contos de Machado de Assis e Guimarães
>>> Teatro do Incêndio comemora 20 anos com nova temporada de O Santo Dialético
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> Breve resenha sobre um livro hediondo
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Últimos Posts
>>> Pano de despir
>>> Último debate dos candidatos à prefeitura na Globo
>>> Olhar perdido
>>> O que está acontecendo com elas ?
>>> Armaduras
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Toupeira, ph.D
>>> Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria
>>> Trem Fantasma
>>> O Sociólogo Machado de Assis
>>> Os meus conflitos
>>> Obrigado, GV
>>> Ânsia
>>> Eu, hein, Rosa!
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Por que não estudo Literatura
Mais Recentes
>>> Quem é você,Alasca?
>>> O Teorema Katherine
>>> A Guerra dos Tronos - as Crônicas de Gelo e Fogo (livro Um)
>>> O Que Eu Quero Pra Mim
>>> O Pagador de Promessas
>>> Cantare Estórias
>>> Problemas? Oba! - A Revolução para Você Vencer no Mundo dos Negócios
>>> Poemas de Álvaro de Campos
>>> Quem Ama, Educa!
>>> Ensaio Sobre a Cegueira
>>> Jesus, O Homem Mais Sábio Que Já Existiu
>>> Médiuns, Como Estão? Para Onde Vão?
>>> O Governo Luiza Erundina - Cronologia de 4 anos de administração do PT na cidade de São Paulo, de 1989 a 1992
>>> Relacionamento Amoroso - Como Encontrar Sua Metade Ideal e Cuidar Dela
>>> Triste fim de Policarpo Quaresma
>>> Meu querido Vlado - A história de Vladimir Herzog...
>>> Rebuliço no pomar das goiabeiras
>>> Eu não sou macaco
>>> Pra quem pesquisamos para quem escrevemos. O impasse dos intelectuais
>>> Superando a dor do suicídio
>>> Minha formação
>>> Diáspora- Os longos caminhos do exílio
>>> O presente
>>> A Rainha Do Castelo De Ar
>>> Demitido? Sorte sua!
>>> A dieta de Marte e Vênus e a solução por exercícios
>>> A morte do rei Tsongor
>>> Terapia do recém-nascido
>>> O jogo das diferenças- O multiculturalismo e seu contextos
>>> O aspite
>>> Gestão da segurança da informação
>>> A Segunda Vinda de Steve Jobs
>>> Nas entrelinhas do horizonte
>>> Por Que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor ?
>>> Viva Com Esperança - Segredos Para Ter Saúde e Qualidade de Vida
>>> Deixados Para Trás - Através das Chamas - Vol. 3
>>> Aspectos das Artes Plásticas no Brasil - Mário de Andrade
>>> Baudolino - Umberto Eco
>>> Gargântua e Pantagruel - Françoise Rabelais
>>> Revista JOAQUIM (Exemplares de 1 a 21)
>>> 80 Anos de Poesia
>>> Melhores Poemas de Paulo Leminski
>>> Oscar Wilde (Vidas Literárias)
>>> Goethe (Gigantes da Literatura Universal)
>>> Goethe 1749-1832 (Biografia)
>>> Oswald de Andrade (Biografia)
>>> Oswald de Andrade (Literatura Comentada)
>>> Greta Garbo(Biografia)
>>> Gonçalves Dias (Biografia)
>>> Nijinsky - Romola Nijinsky
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 30/1/2009
Digestivo nº 400
Julio Daio Borges

+ de 1200 Acessos




Internet >>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [2 Comentário(s)]
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
 



Imprensa >>> A Democracia Traída, de Raymundo Faoro
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> A Democracia Traída
 



Além do Mais >>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> São Paulo, 455 anos
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IRA XADREZ, TRUCO E OUTRAS GUERRAS
JOSÉ ROBERTO TORERO
OBJETIVA
(1998)



DO SEXO À DIVINDADE- A RELIGIÃO E SEUS MISTÉRIOS
JORGE ADOUM
PENSAMENTO
(1997)



A TAL QUE ENTROU NO ESCURO - GASTÃO TOJEIRO (TEATRO BRASILEIRO)
GASTÃO TOJEIRO
ORGANIZAÇÃO SIMÕES
(1952)



ADOLPHE MONODS FAREWELL
OWEN THOMAS - TRANSLATOR
THE BANNER OF TRUTH
(1962)
+ frete grátis



NADANDO CONTRA A MORTE - LOURENÇO CAZARÉ
LOURENÇO CAZARÉ
FORMATO
(1998)
+ frete grátis



HQ ROBIN II - THE JOKER'S WILD - FOUR-ISSUE MINISERIES
CHUCK DIXON & TOM LYLE & BOB SMITH
DC COMICS
(1991)
+ frete grátis



O LINDO QUARTO VAZIO
EDMUND WHITE
MANDARIM
(1996)
+ frete grátis



FLORAÇÃO DE IMAGINÁRIOS
JORGE DE SOUZA ARAÚJO
VIA LITTERARUM
(2008)
+ frete grátis



STEVE JOBS - A BIOGRAFIA
WALTER ISAACSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
+ frete grátis



O CONDENADO
BERNARD CORNWELL
RECORD
(2005)
+ frete grátis





busca | avançada
34566 visitas/dia
921 mil/mês