Digestivo nº 400 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
26563 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cursinho da Poli oferece curso gratuito de matemática
>>> Núcleo de Dança e Performance Marcos Sobrinho estreia "Prelúdio", um outro Rito de Carnaval
>>> Teatro do Incêndio promove Rodas de Conversa com mestres e comunidades tradicionais
>>> RELEASE ESPETÁCULO INFANTIL 'VOAR - UM MUSICLOWN'
>>> Êxodos: mostra sobre a luta dos refugiados, de Sebastião Salgado, retorna à Ampliart
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
>>> O Natal de Charles Dickens
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
>>> O sapo e a princesa
>>> Ato reflexo
>>> Do remoto (série: sonetos)
>>> @nuvens.
>>> "Trocatrilhos" existenciais
>>> Do nó ao laço
>>> Não terá a grandeza de Getúlio.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A pirataria, a numeração e o mercado da música
>>> Curitiba Literária
>>> Textos movediços
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> Esse Caro Objeto do Desejo
>>> Underground Grammarian
>>> Além do Mais
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Trabalhar e cantar
Mais Recentes
>>> Crianças da Noite
>>> Poderes Paranormais
>>> À Primeira Vista
>>> Uma Carta de Amor
>>> A Última Música - 20ª Impressão
>>> Querido John - 26ª Impressão
>>> O Casamento
>>> O Guardião
>>> O Resgate
>>> Um Homem de Sorte - 16ª Impressão
>>> Coleção Nicholas Sparks - 4 Volumes - a Escolha; Diário de uma Paixão
>>> Jogos Vorazes: Box da Trilogia
>>> Projeto Prosa História (Ensino Fundamental ) - 5 ano
>>> Projeto Prosa História (Ensino Fundamental ) - 5 ano
>>> Meninas do Brasil
>>> A Cidade do Homem Nú
>>> Numerologia Prática
>>> Meninas Inseparáveis
>>> O Testamento
>>> A Auto-estimulação Precoce do Bebê
>>> Lorde do Deserto
>>> Sob o Sol da Toscana
>>> Formação Continuada de Docentes da Educação Básica
>>> Formação Continuada de Docentes da Educação Básica
>>> História Econômica e Administrativa do Brasil
>>> Memórias do Patrimônio
>>> Albert Einstein e Seu Universo Inflável
>>> Ciúme Zelo Doentio
>>> Ciúme Zelo Doentio
>>> Ratos
>>> O Casamento de Mentirinha de Katie Simpson
>>> Querido Diário Otário - Pois é, Acho Que Eu Tenho Superpoderes
>>> The Snoopy Ant - Story Telling Collection
>>> O Cortiço
>>> Era uma Vez no Brasil Holandês
>>> Sr. Gum e os Cristais de Poder
>>> O Chamado do Cuco
>>> Histórias Que o Rádio Não Contou
>>> Literatura de Cordel - Antologia
>>> Lunivers des Connaissances - Sociologie de Linformation
>>> Introdução ao Mundo do Romance
>>> Tarsila do Amaral - Mestres das Artes do Brasil
>>> Madame Bovary - Grandes Clássicos da Literatura Em Quadrinhos
>>> Procura-se! Galeria de Animais Ameaçados de Extinção
>>> A Menina Que Descobriu o Brasil
>>> Cartilha do Dólar
>>> O Jargão Comunista
>>> Comunicaçção, Igreja e Estado na América Latina
>>> Meu Tataravô era Africano
>>> 321 Fast Comics Vol. II
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 30/1/2009
Digestivo nº 400
Julio Daio Borges

+ de 1200 Acessos




Internet >>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [2 Comentário(s)]
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
 



Imprensa >>> A Democracia Traída, de Raymundo Faoro
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> A Democracia Traída
 



Além do Mais >>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
Ter Robert Altman como cineasta hoje em dia é um luxo só. O homem não dá a mínima para coisas como a “viabilidade comercial” de seus filmes; despreza solenemente o público (que majoritariamente não o entende); persiste num ideal de “independência artística” (suicida e acintosa, ante a política dos grandes estúdios). Sobrevive graças à condescendência da indústria; a mais absoluta veneração da classe artística; o deslumbrar premeditado dos críticos; a curiosidade mórbida da audiência (que não cansa de se ver ridicularizada na tela grande). Essa aparente tranqüilidade, e até uma certa bonomia (que o permite produzir), terminaram conduzindo-o ao mar da acomodação. “Gosford Park” persiste no virtuosismo estético, na máxima de que Deus está nos detalhes, e na maestria do “timing”. Mas não vai além. É um mero exercício de estilo. Uma prova de que o velho capitão ainda continua no vigor de suas habilidades. Não convence, porém, aqueles que esperavam dele um passo adiante. Sim, são boas as tiradas sobre os ingleses (esnobes) e os americanos (mundanos). Claro, o diretor espreme o “cast”, extraindo de cada qual performances memoráveis (de quinze minutos cada). E, óbvio, a trama se fecha engenhosamente (apesar de desandar do meio para o final). “Gosford Park”, enfim, não compromete. Ao mesmo tempo, não acrescenta nada à cinematografia de Robert Altman. Ironicamente – ou não – conceder-lhe-á um Oscar. [1 Comentário(s)]
>>> São Paulo, 455 anos
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VEN2 LIBRO DEL ALUMNO
F. CASTRO E F. MARIN E R. MORALES E S. ROSA
EDELSA GRUPO DIDASCALIA
(2000)
R$ 25,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 6,00



ÚLTIMO ROUND (TOMO II)
JULIO CORTÁZAR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2008)
R$ 25,00



SOLIDÃO - JOSÉ MARIA MAYRINK (PSICOLOGIA/SOCIOLOGIA)
JOSÉ MARIA MAYRINK
EMW EDITORES
(1983)
R$ 10,00



O ZAHIR - PAULO COELHO
PAULO COELHO
ROCCO
(2005)
R$ 10,00



A CIENTISTA QUE CUROU SEU PRÓPRIO CÉREBRO
TAYLO. JILL BOLTE
EDIOURO
(2008)
R$ 20,00



CINCO MINUTOS E A VIUVINHA
JOSÉ DE ALENCAR
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 7,00



RITOS MÁGICOS E OCULTOS
IDRIES SHAH
PLANETA/TRÊS
(1973)
R$ 33,00
+ frete grátis



FRANCISCO E OS PÁSSAROS
ANA VIEIRA PEREIRA
BOOKS AND WRITERS
(2016)
R$ 7,00



IMPÉRIO
GORE VIDAL
ROCCO
(1989)
R$ 26,60





busca | avançada
26563 visitas/dia
586 mil/mês