Digestivo nº 461 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27585 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Feira de gravura do Atelier Piratininga
>>> Autora Helena Lima relança títulos infantojuvenis no RJ
>>> TV Brasil estreia animação SOS Fada Manu nesta segunda (5/12)
>>> Bazar bairrista leva o melhor de São Paulo a vizinhos e visitantes para as compras de Natal
>>> Arte Em Tempo Real !
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Omissão
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Fazendo a coisa certa
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Lembrança de Plínio Zalewski
>>> Que tal fingir-se de céu?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
Últimos Posts
>>> Ferreira Gullar (1930-2016)
>>> 4 de Dezembro de 2016
>>> Carta aberta ao povo brasileiro
>>> Que bela lição a Colômbia está dando ao mundo
>>> No rastro de Augusto dos Anjos (série: sonetos)
>>> Taxi Driver 40 anos - um retrovisor do presente.
>>> Rio, ontem e hoje
>>> Arrogância
>>> Febre dos metais
>>> Fogo que se alastra
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crítica de Jerônimo Teixeira
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Temporada de Gripe
>>> História dos Estados Unidos
>>> Michelle Campos e a poesia dentro do oco
>>> E Viva a Abolição - a peça
>>> O Conselheiro também come fast-food
>>> Animazing
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Amor e dor para crianças em três passos
Mais Recentes
>>> Corações Descontrolados
>>> Os 100 segredos dos bons relacionamentos
>>> Organize-se em um minuto
>>> Saber Viver Profissionalmente
>>> Como Fazer Propostas e Relatórios
>>> O Orçamento
>>> Um Minuto Para Mim
>>> Batalha da Vida - Máximo Górki (Literatura Russa/Memórias)
>>> Adolescência - Máximo Górki (Literatura Russa/Memórias)
>>> O Que Podemos Aprender com os Gansos
>>> La ciudad del diablo amarillo y Otro ensayos - Máximo Górki (Memórias)
>>> Seja um ótimo orador
>>> Cuentos Escogidos - Máximo Górki (Em Espanhol) - Literatura Russa
>>> Clim Samguine (2 volume/Obra Integral) Máximo Górki (Literatura Russa)
>>> Humanos Institucionais
>>> Contos - Antón Tchekhov (Literatura Russa/Contos)
>>> Uma vida - Anton Tchekhov (Literatura Russa/Romance)
>>> Una cosa bien simple (Contos Soviéticos/Russos)
>>> Batman 01 Primeira revista da DC publicada pela Panini
>>> O Ciclo da Auto-Sabotagem
>>> O Eterno Marido - Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> A Casa do Mortos - Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século (Literatura Brasileira)
>>> Dôra, Doralina - Rachel de Queiroz (Literatura Brasileira)
>>> Três Romances (O quinze/João Miguel/caminho das pedras) Rachel de Queiroz (Literatura Brasileira)
>>> Venderam a Mãe Gentil - Fausto Wolf (Crônicas Políticas Brasileiras)
>>> Contos - Artur Azevedo (Literatura Brasileira)
>>> Enciclopédia dos Museus - RIJKSMUSEUM Amsterdam
>>> Amor, Medicina e Milagres
>>> Livro Oracle DataBase SQL 11G
>>> The Concorde story - 21 years in service (em inglês)
>>> O livro de ouro da MENTE
>>> O homem voa - a vida de Santos Dumont o conquistador do ar
>>> Fora de mim
>>> Deus uma biografia
>>> O que toda mulher inteligente deve saber - Como lidar com os homens com sabedoria
>>> Prazos Trabalhistas - 2700 Indicações da Prática Processual
>>> A luneta mágica
>>> O sertanejo
>>> Odeio reuniões
>>> Um minuto para mim
>>> Questão de Sangue
>>> Fernão Capelo Gaivota
>>> O perfume - historia de um assassino
>>> Paula
>>> Droga - Disfarce irresistível
>>> Aqueducte 92 - II Biennal Internacional de Fotografia
>>> Aqueducte 90 - I Biennal Internacional de Fotografia
>>> Os Ressuscitados
>>> O Enigmista
DIGESTIVOS

Quinta-feira, 29/4/2010
Digestivo nº 461
Julio Daio Borges

+ de 1800 Acessos




Imprensa >>> E o iPad não salvou os jornais e as revistas...
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [1 Comentário(s)]
>>> Google's Chief Economist: The iPad Is Not Going To Save Newspapers
 



Literatura >>> Chá das Cinco com o Vampiro, de Miguel Sanches Neto
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> Chá das Cinco com o Vampiro | Blog do Livro
 



Cinema >>> Coco antes de Chanel, com Audrey Tautou
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> Coco antes de Chanel
 



Literatura >>> Franz Kafka, por Louis Begley
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> O mundo prodigioso que tenho na cabeça
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O NOVO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO
JOSÉ CARALOS BARBOSA MOREIRA
FORENSE
(2008)



O SACERDÓCIO EXPIATÓRIO DE JESUS CRISTO
FRANK B. HOLBROOK
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2002)
+ frete grátis



EL LIBRO DE ORO DE LA VERDADERA VIDA CRISTIANA
JUAN CALVINO
CLIE
(1991)
+ frete grátis



CONCEITOS-CHAVE DA BÍBLIA
DAVID GOODING
A VERDADE
(2013)
+ frete grátis



ÁLBUM FIFA COPA DO MUNDO 2010 - COMPLETO
PANINI EDITORA
PANINI
(2010)
+ frete grátis



NUNCA MAIS (INFORME DA COMISSÃO NACIONAL SOBRE O DESAPARECIMENTO DE PESSOAS NA ARGENTINA, PRESIDIDA POR ERNESTO SÁBATO)
ERNESTO SÁBATO
L&PM
(1984)
+ frete grátis



NESTS ABOVE THE ABYSS
ISOBEL KUHN
MOODY PRESS
(1972)
+ frete grátis



MODERNO TEATRO BRASILEIRO (CRÔNICAS DE SUAS RAÍZES) - GUSTAVO A. DORIA
GUSTAVO A. DORIA
MEC-SNT
(1975)
+ frete grátis



EXAME DA OAB 1ª FASE - TODAS AS DISCIPLINAS
FLAVIA CRISTINA, JULIO FRANCESCHET, LUCAS PAVIONE
JUSPODIVM
(2015)
+ frete grátis



O MAU VIDRACEIRO
NUNO RAMOS
GLOBO
(2010)
+ frete grátis





busca | avançada
27585 visitas/dia
957 mil/mês