Digestivo nº 461 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
28449 visitas/dia
949 mil/mês
Mais Recentes
>>> Estação Plural entrevista VJ e blogueira Titi Müller em novo dia na TV Brasil
>>> Samba na Gamboa celebra a obra de Lupicínio Rodrigues nesta segunda (29/8)
>>> Escritora Conceição Evaristo conversa com Aderbal Freire-Filho no Arte do Artista
>>> TV Brasil estreia premiada série O Tempo entre Costuras nesta sexta (26)
>>> Baile da Melhor Idade no Pátio Alcântara
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
>>> Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
>>> Meu querido mendigo
>>> Na hora do batismo
>>> Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida
>>> Existe na cidade alguém, assim como você...
>>> Eleições nos Estados Unidos
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> A que ponto chegamos, EUA!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Bel Pesce, empreendedorismo e crowdfunding
>>> Todos à USP!
>>> O acumulador
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Rua da infância
>>> Nada disso estaria acontecendo...
>>> 180°
>>> Espírito Olímpico
>>> O homem nu
>>> Casulo de névoas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Na hora do batismo
>>> A soprano insaciável
>>> A Paris de Chico Buarque
>>> Livro (e filme) sobre Facebook
>>> Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora
>>> Entrevista com Marici Salomão
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Leitura, segundo Eça
>>> A volta do quadrinho nacional
Mais Recentes
>>> Memória de Elefante
>>> Respiração Artificial
>>> Planeta 23
>>> Prolegômenos a toda Metafísica Futura, que Possa Apresentar-se como Ciência
>>> Bibliografia de Antônio Cândido e Textos de Intervenção
>>> Eneagrama- Um Caminho para o seu Sucesso Individual e Profissional
>>> Apocalipse II
>>> A cartilha da nova mãe
>>> Vila dos Confins
>>> Showrnalismo- A notícia como espetáculo
>>> Arte de Ser Mulher- Manual de Consciência Corporal
>>> Freud- Estudo Crítico da Psicanálise.
>>> Revolução da Esperança
>>> Espírito de Miséria
>>> Jornada Xamânica ( Inclui CD para Meditação)
>>> O Simbolo da Transformação na Missa
>>> Planeta 15
>>> Angústia
>>> O Graal- Arthur e Seus Cavaleiros- Leitura Simbólica
>>> Tavares Bastos (Aureliano Cândido 1839-1875)
>>> Epitecto e a Sabedoria Estoica
>>> Ensaios de antropologia brasiliana
>>> Do Brasil Filipino ao Brasil de 1640
>>> Cenas Noturnas na Bíblia- Tardes e Manhãs, que conduzem ao dia perfeito
>>> Assuma o Controle de Sua Vida-Como dizer Não à Manipulação Emocional
>>> A conquista do deserto ocidental
>>> Individuação Junguiana
>>> Mar Morto
>>> Viagem ao centro da Terra
>>> Cordel para Crianças (Caixinha com 10 Títulos)
>>> 40 Anos de Teatro (Volume 3) - Mario Nunes
>>> 40 Anos de Teatro (Volume 2) Mário Nunes
>>> Curso de Cenografia - Di Cavalcanti
>>> Apolonia Pinto e o seu tempo - Coleção DIONYSOS
>>> Revista DIONYSOS - nº 5 (Fevereiro de 1955)
>>> Revista DIONYSOS - nº 26 (Especial: Teatro Oficina)
>>> Revista DIONYSOS - nº 24 (Especial: Teatro de Arena)
>>> Revista DIONYSOS - nº 22 (Os Comediantes)
>>> Revista DIONYSOS nº 16 (Teatro)
>>> Revista DIONYSOS - nº 25 (TBC - Teatro Brasilerio de Comédia)
>>> Revista DIONYSOS nº 23 (Teatro)
>>> Janeiro de Grandes Espetáculos - Origem e Perspectivas - 2ª Edição Revista e Ampliada
>>> Janeiro de Grandes Espetáculos - Origem e Perspectivas
>>> Incidentes em Antares - Érico Veríssimo
>>> Sabedoria Persa
>>> O Barão nas Árvores - Italo Calvino
>>> Solano Trindade - Poemas Antológicos
>>> A invenção de Hugo Cabret
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Cidades Brasileiras - O passado e o presente
DIGESTIVOS

Quinta-feira, 29/4/2010
Digestivo nº 461
Julio Daio Borges

+ de 1700 Acessos




Imprensa >>> E o iPad não salvou os jornais e as revistas...
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [1 Comentário(s)]
>>> Google's Chief Economist: The iPad Is Not Going To Save Newspapers
 



Literatura >>> Chá das Cinco com o Vampiro, de Miguel Sanches Neto
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> Chá das Cinco com o Vampiro | Blog do Livro
 



Cinema >>> Coco antes de Chanel, com Audrey Tautou
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> Coco antes de Chanel
 



Literatura >>> Franz Kafka, por Louis Begley
A Cult, antes a publicação onde os acadêmicos da USP divulgavam o resumo de suas teses, depois da aquisição pela Editora 17 (gestão Daysi Bregantini), vem conquistando seu lugar ao sol das bancas de revista. Manuel da Costa Pinto, o heróico fundador, permanece na direção do periódico, mas o agente catalisador dessa “renovação” tem sido, fica claro, Luís Antônio Giron, um dos pais do legendário Caderno Fim de Semana, da Gazeta Mercantil. Giron assina, neste mês de junho, a reportagem de capa (primeira na história da Cult): “Crepúsculo dos Gramáticos”. Nela, fomenta a discussão que está na iminência de acontecer (mas que todos os lados desejam evitar): por que, de repente, os guardiões da inculta e bela saíram de cena? e por que, também de repente, fomos invadidos pelos consultores, pelos apresentadores de tevê e pelos professores de cursinho? A contenda obviamente gira em torno de duas figuras-chave: Pasquale Cipro Neto (o eterno “darling” da mídia letrada, de quem Giron colheu depoimentos) e Evanildo Cavalcante Bechara (o último bastião do português castiço, de quem se tem uma entrevista). Para completar a paisagem, há ainda a injunção dos revisores e copidesques dos grandes jornais que, graças a seus manuais de redação (num País cujo ensino público e privado anda à beira da indigência), converteram-se nos derradeiros oráculos do que é “certo” e do que é “errado”. Como se não bastassem os galicismos (seculares), os anglicismos (turbinados pela era da informática), as aberrações (vide “gerundismo”) e as arbitrariedades (vide Folha de S. Paulo, que aboliu o uso do trema), o idioma luso-português viu-se retalhado em feudos, onde os senhores têm poder de vida e de morte sobre seus vassalos. Que a intelligentsia local silencie a esse respeito, não é fato que configure propriamente uma novidade. Que a Cult traga à baila esse assunto é sinal de que, apesar dos pesares, alguém ainda se importa. [Comente esta Nota]
>>> O mundo prodigioso que tenho na cabeça
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BAÍA DE GUANABARA: DESCASO E RESISTÊNCIA
EMANUEL ALENCAR
MÓRULA EDITORIAL
(2016)



COMO UTILIZAR O SEU PODER DE CURA
JOSEPH MURPHY
RECORD
(1994)



O PALCO AMORDAÇADO - YAN MICHALSKI
YAN MICHALSKI
AVENIR
(2016)
+ frete grátis



LUIZ GONZAGA
LUIZ CHAGAS
MARTIN CLARET
(1990)
+ frete grátis



TEX MINISSÉRIE - MERCADORES DE MORTE Nº 1 
SERGIO BONELLI
MYTHOS
(2004)
+ frete grátis



O PESO DE GLÓRIA
C;S; LEWIS
VIDA
(2011)
+ frete grátis



PREDESTINAÇÃO
SAMUEL FALCÃO
CASA E. PRESBITERIANA
(1981)
+ frete grátis



O MECANISMO DA VIDA CONSCIENTE
CARLOS BERNARDO GONZALEZ PECOTCHE
LOGOSÓFICA
(2002)
+ frete grátis



VOCÊ PODE MUDAR A SUA VIDA COM O PROCESSO HOFFMAN DA QUADRINIDADE
TIM LAURENCE
NOVA ERA
(2005)
+ frete grátis



QUARTO DE DESPEJO-DIÁRIO DE UMA FAVELADA
CAROLINA MARIA DEJESUS
ÁTICA
(1995)
+ frete grátis





busca | avançada
28449 visitas/dia
949 mil/mês