Digestivo nº 475 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
33355 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> A cantora Paula Souto lança seu disco:
>>> La Esquina apresenta especial Guns N' Roses
>>> Venha conhecer o trabalho de Daniel Lie no Programa Arte- Papo da Fundação Ema Klabin
>>> Lançamento de Paulinas Editora convida crianças a conhecerem a vida de São Francisco
>>> Ana Salvagni e Eduardo Lobo apresentam 'Canção do Amor Distante' em Campinas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> Breve resenha sobre um livro hediondo
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
Últimos Posts
>>> Olhar perdido
>>> O que está acontecendo com elas ?
>>> Armaduras
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
>>> Natureza do som
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Considerações Sobre a Segunda Divisão Poética
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Perfil
>>> Rubem Fonseca e a inocência literária perdida
>>> Ausência do mal?
>>> Bananalização
>>> Saint-John Perse: o oxigênio da profundeza
>>> Guimarães Rosa: linguagem como invenção
Mais Recentes
>>> Um Sonho na Amazônia - Volume 3
>>> Teorias da Psicopatologia e Personalidade-Ensaios e Críticas
>>> Natureza e Seres Vivos 4º edição
>>> Planejamento e Estratégia Empresarial
>>> Estação Carandiru
>>> Planejamento Estratégico: Conceitos, Metodologia e Práticas
>>> O Silêncio Amoroso de Deus
>>> Mestre Dos Mares
>>> Balzac E A Costureirinha Chinesa
>>> Che Guevara: A Vida em Vermelho
>>> Samuel Klein e Casas Bahia - Uma Trajetória de Sucesso
>>> Base teórica de crítica textual - 2ª ed.
>>> Quando A Vida Escolhe
>>> Educação, Teatro e Matemática Medievais
>>> Chá das cinco com Aristóteles e outros artigos
>>> Revolucione seu negócios
>>> O menino no espelho
>>> Factotum
>>> A condição judaica
>>> Radiônica e Radiestesia
>>> A vida na ponta dos pés
>>> Corinthians x Outros
>>> História da Música Brasileira
>>> Manual do candidato as eleições- Carta do bom administrador Público-Pensamentos Políticos
>>> Pesquisa operacional na tomada de decisões
>>> Deixados para Trás Teen - Vol. 2 - Segunda Chance
>>> Uma História De Trabalho E Superação - Votorantim 90 Anos
>>> Anjos e Demônios - A Primeira Aventura de Robert Langdon
>>> Dicionário de Nomes
>>> Memórias eróticas de Paris na Belle Epoque
>>> Ser Negro no Brasil Hoje
>>> Contos do dia a dia
>>> Direito de ser Feliz
>>> Só o Amor Consegue
>>> Giselle - A amante do inquisidor
>>> O Código da Vinci
>>> Os Homens que Não Amavam as Mulheres
>>> Primeiras Estórias
>>> Histórias e Conversas de Mulher
>>> De Moto Pela América Do Sul
>>> Humilhados E Ofendidos
>>> Memórias Perdidas
>>> Coraline
>>> A Revolução Dos Bichos
>>> Quase todos segredos de uma vida
>>> Lula É Minha Anta
>>> Moderna orientação de leitura e abordagem literária - Poesia e Prosa
>>> Direção de arte em propaganda
>>> Como Reconhecer a arte rococó
>>> E Por Falar Em Amor
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 26/1/2011
Digestivo nº 475
Julio Daio Borges

+ de 2600 Acessos




Internet >>> Julian Assange, o homem por trás do WikiLeaks
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [Comente esta Nota]
>>> WikiLeaks and Julian Paul Assange
 



Literatura >>> A desmoralização dos prêmios literários no Brasil
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [3 Comentário(s)]
>>> A política dos prêmios literários
 



Artes >>> Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [Comente esta Nota]
>>> Conversas com Paul Rand
 



Imprensa >>> The Daily, de Rupert Murdoch, no iPad
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [1 Comentário(s)]
>>> Why the iPad Newspaper is Doomed
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A UM PASSO DO ARMAGEDOM
ELLEN G. WHITE
VIDA PLENA
(1993)



PASSEIO DO FAROL
VIRGINIA WOOLF
NOVA FRONTEIRA
(1982)



DORAMUNDO
GERALDO FERRAZ
ÁTICA
(1984)



RELIGIÕES DO MUNDO - EM BUSCA DOS PONTOS COMUNS
HANS KÜNG
VERUS
(2004)



ESTRELA DE COURO - A ESTÉTICA DO CANGAÇO
FREDERICO PERNAMBUCANO DE MELLO
ESCRITURAS
(2010)



O MENDIGO E O CAÇADOR E OUTRAS PEÇAS - ERLON JOSÉ PASCHOAL (TEATRO BRASILEIRO)
ERLON JOSÉ PASCHOAL
FLORECULTURA
(2000)



OS SETE MINUTOS
WALLACE, IRVING
NOVA FRONTEIRA



POST-MORTEM
PATRICIA D. CORNWEL
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)



CONSTELAÇÕES
HELENA ZELIC
PATUÁ
(2016)
+ frete grátis



O MEDO DE MONTALBANO
ANDREA CAMILLERI
RECORD
(2009)
+ frete grátis





busca | avançada
33355 visitas/dia
846 mil/mês