Digestivo nº 475 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27585 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Feira de gravura do Atelier Piratininga
>>> Autora Helena Lima relança títulos infantojuvenis no RJ
>>> TV Brasil estreia animação SOS Fada Manu nesta segunda (5/12)
>>> Bazar bairrista leva o melhor de São Paulo a vizinhos e visitantes para as compras de Natal
>>> Arte Em Tempo Real !
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Omissão
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Fazendo a coisa certa
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Lembrança de Plínio Zalewski
>>> Que tal fingir-se de céu?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
Últimos Posts
>>> Ferreira Gullar (1930-2016)
>>> 4 de Dezembro de 2016
>>> Carta aberta ao povo brasileiro
>>> Que bela lição a Colômbia está dando ao mundo
>>> No rastro de Augusto dos Anjos (série: sonetos)
>>> Taxi Driver 40 anos - um retrovisor do presente.
>>> Rio, ontem e hoje
>>> Arrogância
>>> Febre dos metais
>>> Fogo que se alastra
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crítica de Jerônimo Teixeira
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Temporada de Gripe
>>> História dos Estados Unidos
>>> Michelle Campos e a poesia dentro do oco
>>> E Viva a Abolição - a peça
>>> O Conselheiro também come fast-food
>>> Animazing
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Amor e dor para crianças em três passos
Mais Recentes
>>> Corações Descontrolados
>>> Os 100 segredos dos bons relacionamentos
>>> Organize-se em um minuto
>>> Saber Viver Profissionalmente
>>> Como Fazer Propostas e Relatórios
>>> O Orçamento
>>> Um Minuto Para Mim
>>> Batalha da Vida - Máximo Górki (Literatura Russa/Memórias)
>>> Adolescência - Máximo Górki (Literatura Russa/Memórias)
>>> O Que Podemos Aprender com os Gansos
>>> La ciudad del diablo amarillo y Otro ensayos - Máximo Górki (Memórias)
>>> Seja um ótimo orador
>>> Cuentos Escogidos - Máximo Górki (Em Espanhol) - Literatura Russa
>>> Clim Samguine (2 volume/Obra Integral) Máximo Górki (Literatura Russa)
>>> Humanos Institucionais
>>> Contos - Antón Tchekhov (Literatura Russa/Contos)
>>> Uma vida - Anton Tchekhov (Literatura Russa/Romance)
>>> Una cosa bien simple (Contos Soviéticos/Russos)
>>> Batman 01 Primeira revista da DC publicada pela Panini
>>> O Ciclo da Auto-Sabotagem
>>> O Eterno Marido - Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> A Casa do Mortos - Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século (Literatura Brasileira)
>>> Dôra, Doralina - Rachel de Queiroz (Literatura Brasileira)
>>> Três Romances (O quinze/João Miguel/caminho das pedras) Rachel de Queiroz (Literatura Brasileira)
>>> Venderam a Mãe Gentil - Fausto Wolf (Crônicas Políticas Brasileiras)
>>> Contos - Artur Azevedo (Literatura Brasileira)
>>> Enciclopédia dos Museus - RIJKSMUSEUM Amsterdam
>>> Amor, Medicina e Milagres
>>> Livro Oracle DataBase SQL 11G
>>> The Concorde story - 21 years in service (em inglês)
>>> O livro de ouro da MENTE
>>> O homem voa - a vida de Santos Dumont o conquistador do ar
>>> Fora de mim
>>> Deus uma biografia
>>> O que toda mulher inteligente deve saber - Como lidar com os homens com sabedoria
>>> Prazos Trabalhistas - 2700 Indicações da Prática Processual
>>> A luneta mágica
>>> O sertanejo
>>> Odeio reuniões
>>> Um minuto para mim
>>> Questão de Sangue
>>> Fernão Capelo Gaivota
>>> O perfume - historia de um assassino
>>> Paula
>>> Droga - Disfarce irresistível
>>> Aqueducte 92 - II Biennal Internacional de Fotografia
>>> Aqueducte 90 - I Biennal Internacional de Fotografia
>>> Os Ressuscitados
>>> O Enigmista
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 26/1/2011
Digestivo nº 475
Julio Daio Borges

+ de 2600 Acessos




Internet >>> Julian Assange, o homem por trás do WikiLeaks
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [Comente esta Nota]
>>> WikiLeaks and Julian Paul Assange
 



Literatura >>> A desmoralização dos prêmios literários no Brasil
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [3 Comentário(s)]
>>> A política dos prêmios literários
 



Artes >>> Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [Comente esta Nota]
>>> Conversas com Paul Rand
 



Imprensa >>> The Daily, de Rupert Murdoch, no iPad
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [1 Comentário(s)]
>>> Why the iPad Newspaper is Doomed
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O NOVO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO
JOSÉ CARALOS BARBOSA MOREIRA
FORENSE
(2008)



O SACERDÓCIO EXPIATÓRIO DE JESUS CRISTO
FRANK B. HOLBROOK
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2002)
+ frete grátis



EL LIBRO DE ORO DE LA VERDADERA VIDA CRISTIANA
JUAN CALVINO
CLIE
(1991)
+ frete grátis



CONCEITOS-CHAVE DA BÍBLIA
DAVID GOODING
A VERDADE
(2013)
+ frete grátis



ÁLBUM FIFA COPA DO MUNDO 2010 - COMPLETO
PANINI EDITORA
PANINI
(2010)
+ frete grátis



NUNCA MAIS (INFORME DA COMISSÃO NACIONAL SOBRE O DESAPARECIMENTO DE PESSOAS NA ARGENTINA, PRESIDIDA POR ERNESTO SÁBATO)
ERNESTO SÁBATO
L&PM
(1984)
+ frete grátis



NESTS ABOVE THE ABYSS
ISOBEL KUHN
MOODY PRESS
(1972)
+ frete grátis



MODERNO TEATRO BRASILEIRO (CRÔNICAS DE SUAS RAÍZES) - GUSTAVO A. DORIA
GUSTAVO A. DORIA
MEC-SNT
(1975)
+ frete grátis



EXAME DA OAB 1ª FASE - TODAS AS DISCIPLINAS
FLAVIA CRISTINA, JULIO FRANCESCHET, LUCAS PAVIONE
JUSPODIVM
(2015)
+ frete grátis



O MAU VIDRACEIRO
NUNO RAMOS
GLOBO
(2010)
+ frete grátis





busca | avançada
27585 visitas/dia
957 mil/mês