Digestivo nº 475 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29366 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> LANÇAMENTO DO BLOG DO JUSTINO
>>> Curso de História da Arte Latino Americana na FAAP
>>> Sérgio Mamberti será homenageado nesta segunda (21) na Alesp
>>> PIONEIRA NO ENSINO DAS ARTES, FAAP OFERECE NOVA PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS E PRÁTICAS CURATORIAIS
>>> Oxigênio Hardcore Fest 2017
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Pétalas neon
>>> À Lígia
>>> Um biombo oscila entre o côncavo e o convexo
>>> Síndrome da desesperança
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
>>> Plagas e pragas
>>> Elas por elas
>>> Ritmo binário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O engano do homem que matou Lennon
>>> Exibir sem mostrar
>>> It's my shout
>>> É batata!
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> Eu blogo, tu blogas?
>>> Cidade de Deus
>>> Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares
>>> O desafio de formar leitores
>>> Lugar Nenhum
Mais Recentes
>>> Para sair do Século XX
>>> A terra e o céu de Jacques Dorme
>>> Mito e Metafísica
>>> Ponto de Impacto
>>> Cabeça de Porco
>>> Um romântico incorrigível
>>> Constituintes da Ciência da Religião: Cinco ensaios em prol de uma disciplina autônoma
>>> O espectro disciplinar da Ciência da Religião
>>> Estudo das Religiões: Desafios contemporâneos
>>> Religião no Brasil: Enfoques, dinâmicas e abordagens
>>> História das religiões: Desafios, problemas e avanços teóricos, metodológicos e historiográficos
>>> Imaginário da Magia. Magia do Imaginário
>>> Transformações. Ensaios sobre culturas e sociabiliddes
>>> A morte branca do feiticeiro negro. Umbanda e Sociedade Brasileira
>>> Manual de Sociologia da Religião
>>> Tolerância e Intolerância nas manifestações religiosas
>>> História de Nossa Senhora do Desterro
>>> Memórias de Gustav Hermann Strobel. Relatos de um pioneiro da imigração alemã no Brasil
>>> Memória de uma Colônia Italiana: Colombo - Paraná, 1878-2013
>>> Sociologia da religião: enfoques teóricos
>>> Nome de toureiro - 7ª ed.
>>> Diário de Classe - 2ª ed. Nova Ortografia
>>> O caminho do poço das lágrimas
>>> O Homem Demolido
>>> Uma Viagem aos Contos Clássicos Ingleses- Leituras Perfumadas 6
>>> Além do Véu e Fora do Arraial
>>> Os Grandes Enigmas de Nossa História - 12 Volumes
>>> Fertilidade do Solo
>>> Pragas do Coqueiro e Dendezeiro
>>> O Preparo do Solo: Implementos Corretos
>>> Contabilidade Introdutória
>>> Manual de Fitopatologia Vol. I e Vol. II
>>> Conservação e Atração das Aves
>>> Inseticidas e Acaricidas
>>> Construções Rurais - Volume 1 e 2
>>> Mecanização Agrícola Preparo do Solo
>>> A semente da Vitória
>>> Steve Jobs
>>> Cuidado do Corpo Curando a Mente
>>> Curso de Direito Romano - Tomo I
>>> Manual Geral da Redação Folha de São Paulo
>>> Vocabulário Jurídico Vol. V
>>> Ecologia, Meio Ambiente e Poluição
>>> Receituário Caseiro: Alternativas para o controle de pragas e doenças de plantas cultivadas e de seus produtos
>>> Watchaman nele ( o homem espiritual v. 3 )
>>> Watchaman nele ( o homem espiritual v. 2 )
>>> ''Ele é o Senhor e dá a Vida''- Creio no Espírito Santo 2
>>> Operação Cavalo 5 de. Tróia Cesaréia
>>> Era Lisboa e chovia- 2ª ed.
>>> Watchman nee ( O homem espiritual volume 1 )
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 26/1/2011
Digestivo nº 475
Julio Daio Borges

+ de 2700 Acessos




Internet >>> Julian Assange, o homem por trás do WikiLeaks
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [Comente esta Nota]
>>> WikiLeaks and Julian Paul Assange
 



Literatura >>> A desmoralização dos prêmios literários no Brasil
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [3 Comentário(s)]
>>> A política dos prêmios literários
 



Artes >>> Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [Comente esta Nota]
>>> Conversas com Paul Rand
 



Imprensa >>> The Daily, de Rupert Murdoch, no iPad
Catarse. Caos. Carnaval. Todas as considerações ficam menores diante da comemoração do Pentacampeonato. Talvez o dionisíaco de Nietzsche seja isso: uma impossibilidade de racionalizar o que quer que seja, entregando o corpo e a alma às festividades alucinadas. E o Brasil parou. E, pelo menos por um dia, fugimos à imposição do calendário. Até mesmo do domingo ficamos livres. Por um tempo. O dia seguinte exige, nem que seja, um esboço de explicação para o que aconteceu. Bem. O mais importante, e o mais duro para o brasileiro certamente, é admitir que essa seleção (tanto quanto a de 94) não faz jus às campeãs de 58, 62 e 70. Aliás, é quase um chavão. Apesar de Ronaldo Nazário (fenômeno para uns, amarelão para outros). Apesar de tantos outros (inclusive Luiz Felipe Scolari, para quem o futebol tático tinha como modelo supremo [adivinhe se puder...] Carlos Alberto Gomes Parreira). Ainda que a celebração tenha libertado, por algumas horas, os brasileiros das amarras, em campo, o talento nunca esteve tão sufocado. Não havia definitivamente uma “campanha” em curso. As oportunidades de gol pareciam, quase sempre, tão aleatórias que, por um momento, qualquer time poderia sair vencedor. Qualquer um (vide os arroubos de países como Coréia do Sul, Turquia e Senegal). A teoria da “caixinha de surpresas” nunca esteve tão em voga. Ainda que exorcizados por Ronaldinho, Ronaldinho Gaúcho e Rivaldo, é de se pensar que os melhores jogadores em campo tenham sido os goleiros, como Kahn e Marcos. Que raio de esporte é esse em que a defesa pode brilhar mais que o ataque? Mas, como foi dito, considerações como essa se tornam menores diante do Pentacampeonato. Por mais alienado que pareça aos nossos olhos, o País esteve unido, pôs as diferenças de lado, e acreditou em si mesmo. Não é um exercício fácil. Nem deve ser desprezado. E isso não tem nada a ver com gostar ou não de futebol. O Pentacampeonato está aí. Que inspire então as melhores ações e os melhores sentimentos. [1 Comentário(s)]
>>> Why the iPad Newspaper is Doomed
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOLOCAUSTO - GERALD GREEN (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
GERALD GREEN
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 5,00



A VISITA CRUEL DO TEMPO
JENNIFER EGAN
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 12,00



GOETHE (GIGANTES DA LITERATURA UNIVERSAL)
NORBERTO AVILA (ORG.)
EDITORIAL VERBO
(1972)
R$ 15,00



DROGA DO AMOR
PEDRO BANDEIRA
MODERNA
(2017)
R$ 10,00



DE COSTAS PARA A SÉRVIA
ASNE SEIERSTAD
RECORD
(2007)
R$ 10,00



EU E ELE
ALBERTO MORAVIA
EXPRESSÃO E CULTURA
(1971)
R$ 5,20



A ABORDAGEM GESTÁLTICA E TESTEMUNHA OCULAR DA TERAPIA
FRITZ PERLS
ZAHAR
(1981)
R$ 24,90



TEATRO MODERNO
ANATOL ROSENFELD
PERSPECTIVA
(1977)
R$ 22,00



INDEPENDÊNCIA: REVOLUÇÃO E CONTRA-REVOLUÇÃO 1 - A EVOLUÇÃO POLÍTICA
JOSÉ HONÓRIO RODRIGUES
FRANCISCO ALVES
(1975)
R$ 13,00



OS RESSUSCITADOS
IAN RANKIN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2008)
R$ 30,60





busca | avançada
29366 visitas/dia
1,1 milhão/mês