Digestivo nº 478 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29583 visitas/dia
870 mil/mês
Mais Recentes
>>> Crianças travessas também podem gostar de ler
>>> Banda Silibrina, de Gabriel Nóbrega, lança o álbum O Raio com temporada de shows no Jazz nos Fundos
>>> Dom Quixote chega a USP Leste
>>> Documentário
>>> Windsor Marapendi apresenta Conexão Rio com convidado especial Celso Fonseca
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
>>> Minha finada TV analógica
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
Colunistas
Últimos Posts
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
Últimos Posts
>>> Hoje Ella Fitzgerald faz 100 anos
>>> Vermelho (série: Sonetos)
>>> Os vãos nunca em vão
>>> O VERBO ALQUÍMICO
>>> Procissão
>>> Questionamento
>>> As 13 Razões Pra se Escolher a Vida!
>>> Black Mirror, nós e os outros
>>> Quadro negro
>>> Ilusão de ótica
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rumos, rumores e rumeiros
>>> Os três gêneros de artistas
>>> Longa vida à fotografia
>>> A importância do nome das coisas
>>> O lado louco de Proust
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> Cachorros e Lágrimas
>>> O Orkut é coisa nossa
>>> E-book Novos Jornalistas
>>> Breve análise sobre Umberto Eco
Mais Recentes
>>> Ensaios sobre a Psicologia de C. G. Jung
>>> Judas Iscariotes
>>> Carisma Espírito Renovação- Fé Cristã Renovada
>>> O Testemunho do Senhor e a Necessidade do Mundo
>>> Física parte 3
>>> Física parte 2
>>> Física - Caderno de revisão e exercícios
>>> Ética. Direito, Moral e Religião no Mundo Moderno
>>> Tempo de Reportagem. Histórias que marcaram época no jornalismo brasileiro
>>> Dirceu. A biografia
>>> As Veias Abertas da América Latina
>>> A Revolução dos Bichos
>>> The Secret O Segredo
>>> A Insustentável Leveza do Ser
>>> As Veias Abertas da América Latina
>>> A Revolução dos Bichos
>>> The Secret O Segredo
>>> A Insustentável Leveza do Ser
>>> Oeste. A guerra do jogo do bicho
>>> Descobrindo A Historia da Arte
>>> Filosofia- por uma inteligência da complexidade
>>> As Cariocas
>>> Infância e Juventude: Narrativas Contemporâneas
>>> Zero
>>> Como usar outras linguagens na sala de aula
>>> Contos Brasileiros
>>> Temas de literatura Brasileira-Um passo por sua história e crítica
>>> Édipo Rei
>>> Os 7 Hábitos dos Adolescentes Altamente Eficazes: O guia definitivo de sucesso para o adolescente
>>> Como ler livros: O Guia Clássico para a Leitura Inteligente
>>> Biologia molecular básica
>>> Fundamentos de Física-Gravitação, ondas e termodinâmica. Vol. 2
>>> Arquitetura - A Arte de Criar Espaços
>>> Princípios de Física - Eletromagnetismo
>>> Experiências e Dinâmicas de Inclusão-Um olhar comprometido e afetivo
>>> Cérebro e Aprendizagem-um Jeito Diferente de Viver
>>> Como e por que ler os clássicos universais desde cedo
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Finanças Corporativas
>>> Introdução à Música
>>> Comportamento organizacional-Integrado conceitos da administração e da psicologia
>>> Gestão de Produtos e Marcas
>>> Marketing
>>> O Trabalho - II Colóquio Brasileiro de Direito do Trabalho
>>> Introdução ao Cálculo - Vol. 1 - Cálculo Diferencial
>>> Os mais belos pensamentos de todos os tempos
>>> Direito Constitucional - Questões da ESAF com gabarito comentado
>>> As Responsabilidades no Direiro Internacional do Meio Ambiente
>>> Pode-se Provar a Existência de Deus?( Ordinatio)
>>> A Viagem Infinita: estudos sobre Terra Sonâmbula, de Mia Couto
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 27/4/2011
Digestivo nº 478
Julio Daio Borges

+ de 2900 Acessos




Internet >>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
Sinistro. É o clima que permeia o antigo prédio do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), originalmente projetado por Ramos de Azevedo (parte da São Paulo Railway e da Estrada de Ferro Sorocabana), que hoje, restaurado e reformado (por R$ 12 milhões, sob a condução do arquiteto Haron Cohen), vai abrigar museus, memoriais, exposições e mostras. É nítido o esforço feito para tentar reabilitar a construção. Apesar de seus 50 anos de Dops, a repressão nunca foi sua única e exclusiva vocação. É, por exemplo, um marco em termos de estrutura metálica na cidade, embora pouquíssimo estudado. Claro que as vítimas de ditaduras e governos militares, que por lá passaram, fora o pessoal dos Direitos Humanos, não quer que seja removida a nódoa. Durante a abertura para visitação, inclusive, algumas vezes aflorava a disputa entre o arquiteto responsável e o casal de ex-presos políticos (lá presentes). Há também um certo sadismo em, por exemplo, manter as celas da época dos regimes de exceção, com as portas e janelas intactas. É patente a sensação de desconforto dos visitantes, ainda que as paredes tenham sido pintadas de cinza grafite, o piso tenha sido trocado e o teto tenha ganhado holofotes. Como se não bastasse, houve quem se insurgisse contra a “descaracterização”. À parte a discussão ideológica, a iniciativa se inclui no programa de revitalização do centro, que já passou pela Sala São Paulo (logo ao lado), pelo Centro de Estudos Musicais Tom Jobim (logo à frente), pelo Teatro São Pedro e pela Pinacoteca do Estado. Siron Franco é o primeiro artista convidado para preencher o novo espaço, com sua sugestiva mostra “Intolerância”. Também estão previstos trabalhos de Paulo Caruso, Maria Bonomi, Cláudio Tozzi e Mário Gruber. Que o novo centro cultural aproveite bem esse renascimento, e que a militância de esquerda lhe conceda uma chance de renovar-se. [7 Comentário(s)]
>>> Blog da Bethânia, o projeto
 



Imprensa >>> As Entrevistas da Paris Review, pela Companhia das Letras
Sinistro. É o clima que permeia o antigo prédio do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), originalmente projetado por Ramos de Azevedo (parte da São Paulo Railway e da Estrada de Ferro Sorocabana), que hoje, restaurado e reformado (por R$ 12 milhões, sob a condução do arquiteto Haron Cohen), vai abrigar museus, memoriais, exposições e mostras. É nítido o esforço feito para tentar reabilitar a construção. Apesar de seus 50 anos de Dops, a repressão nunca foi sua única e exclusiva vocação. É, por exemplo, um marco em termos de estrutura metálica na cidade, embora pouquíssimo estudado. Claro que as vítimas de ditaduras e governos militares, que por lá passaram, fora o pessoal dos Direitos Humanos, não quer que seja removida a nódoa. Durante a abertura para visitação, inclusive, algumas vezes aflorava a disputa entre o arquiteto responsável e o casal de ex-presos políticos (lá presentes). Há também um certo sadismo em, por exemplo, manter as celas da época dos regimes de exceção, com as portas e janelas intactas. É patente a sensação de desconforto dos visitantes, ainda que as paredes tenham sido pintadas de cinza grafite, o piso tenha sido trocado e o teto tenha ganhado holofotes. Como se não bastasse, houve quem se insurgisse contra a “descaracterização”. À parte a discussão ideológica, a iniciativa se inclui no programa de revitalização do centro, que já passou pela Sala São Paulo (logo ao lado), pelo Centro de Estudos Musicais Tom Jobim (logo à frente), pelo Teatro São Pedro e pela Pinacoteca do Estado. Siron Franco é o primeiro artista convidado para preencher o novo espaço, com sua sugestiva mostra “Intolerância”. Também estão previstos trabalhos de Paulo Caruso, Maria Bonomi, Cláudio Tozzi e Mário Gruber. Que o novo centro cultural aproveite bem esse renascimento, e que a militância de esquerda lhe conceda uma chance de renovar-se. [Comente esta Nota]
>>> As Entrevistas da Paris Review | Leia um trecho em pdf
 



Cinema >>> Julie (Powell) & Julia (Child), com Meryl Streep
Sinistro. É o clima que permeia o antigo prédio do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), originalmente projetado por Ramos de Azevedo (parte da São Paulo Railway e da Estrada de Ferro Sorocabana), que hoje, restaurado e reformado (por R$ 12 milhões, sob a condução do arquiteto Haron Cohen), vai abrigar museus, memoriais, exposições e mostras. É nítido o esforço feito para tentar reabilitar a construção. Apesar de seus 50 anos de Dops, a repressão nunca foi sua única e exclusiva vocação. É, por exemplo, um marco em termos de estrutura metálica na cidade, embora pouquíssimo estudado. Claro que as vítimas de ditaduras e governos militares, que por lá passaram, fora o pessoal dos Direitos Humanos, não quer que seja removida a nódoa. Durante a abertura para visitação, inclusive, algumas vezes aflorava a disputa entre o arquiteto responsável e o casal de ex-presos políticos (lá presentes). Há também um certo sadismo em, por exemplo, manter as celas da época dos regimes de exceção, com as portas e janelas intactas. É patente a sensação de desconforto dos visitantes, ainda que as paredes tenham sido pintadas de cinza grafite, o piso tenha sido trocado e o teto tenha ganhado holofotes. Como se não bastasse, houve quem se insurgisse contra a “descaracterização”. À parte a discussão ideológica, a iniciativa se inclui no programa de revitalização do centro, que já passou pela Sala São Paulo (logo ao lado), pelo Centro de Estudos Musicais Tom Jobim (logo à frente), pelo Teatro São Pedro e pela Pinacoteca do Estado. Siron Franco é o primeiro artista convidado para preencher o novo espaço, com sua sugestiva mostra “Intolerância”. Também estão previstos trabalhos de Paulo Caruso, Maria Bonomi, Cláudio Tozzi e Mário Gruber. Que o novo centro cultural aproveite bem esse renascimento, e que a militância de esquerda lhe conceda uma chance de renovar-se. [Comente esta Nota]
>>> Julie & Julia
 



Literatura >>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
Sinistro. É o clima que permeia o antigo prédio do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), originalmente projetado por Ramos de Azevedo (parte da São Paulo Railway e da Estrada de Ferro Sorocabana), que hoje, restaurado e reformado (por R$ 12 milhões, sob a condução do arquiteto Haron Cohen), vai abrigar museus, memoriais, exposições e mostras. É nítido o esforço feito para tentar reabilitar a construção. Apesar de seus 50 anos de Dops, a repressão nunca foi sua única e exclusiva vocação. É, por exemplo, um marco em termos de estrutura metálica na cidade, embora pouquíssimo estudado. Claro que as vítimas de ditaduras e governos militares, que por lá passaram, fora o pessoal dos Direitos Humanos, não quer que seja removida a nódoa. Durante a abertura para visitação, inclusive, algumas vezes aflorava a disputa entre o arquiteto responsável e o casal de ex-presos políticos (lá presentes). Há também um certo sadismo em, por exemplo, manter as celas da época dos regimes de exceção, com as portas e janelas intactas. É patente a sensação de desconforto dos visitantes, ainda que as paredes tenham sido pintadas de cinza grafite, o piso tenha sido trocado e o teto tenha ganhado holofotes. Como se não bastasse, houve quem se insurgisse contra a “descaracterização”. À parte a discussão ideológica, a iniciativa se inclui no programa de revitalização do centro, que já passou pela Sala São Paulo (logo ao lado), pelo Centro de Estudos Musicais Tom Jobim (logo à frente), pelo Teatro São Pedro e pela Pinacoteca do Estado. Siron Franco é o primeiro artista convidado para preencher o novo espaço, com sua sugestiva mostra “Intolerância”. Também estão previstos trabalhos de Paulo Caruso, Maria Bonomi, Cláudio Tozzi e Mário Gruber. Que o novo centro cultural aproveite bem esse renascimento, e que a militância de esquerda lhe conceda uma chance de renovar-se. [Comente esta Nota]
>>> Mecanismos Internos
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VAN GOGH - UM TOQUE DE AMARELO - COLEÇÃO JARDIM DOS PINTORES
JACQUELINE LOUMAYE
SALAMANDRA
(1990)
R$ 9,10



A ORFÃ DE GOIÁS - NAPOLEÃO GOULART (TEATRO BRASILEIRO)
NAPOLEÃO GOULART
TEIXEIRA
(1956)
R$ 15,00



LOUCURAS DO FUTEBOL
EMEDÊ
PANDA BOOKS
(2005)
R$ 15,00



O DEUS DE ABRAÃO, ISAQUE E JACÓ
WATCHMAN NEE
ÁRVORE DA VIDA
(1997)
R$ 49,90
+ frete grátis



A CONFRARIA DO MEDO
REX STOUT
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 15,00



IRACEMA
JOSÉ DE ALENCAR
CEDIC
(2009)
R$ 5,00



O ÚLTIMO JURADO
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2004)
R$ 10,00



AUTO DA COMPADECIDA - ARIANO SUASSUNA (TEATRO NORDESTINO)
ARIANO SUASSUNA
AGIR
R$ 8,00



ZIEMBINSKI - MESTRE DO PALCO
ANTONIO GILBERTO
IMPRENSA OFICIAL
(2010)
R$ 75,00



SENHOR E SERVO - LEON TOLSTOI (LITERATURA RUSSA)
LEON TOLSTOI
CLUBE DO LIVRO
(1953)
R$ 10,00





busca | avançada
29583 visitas/dia
870 mil/mês