Digestivo nº 502 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31563 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 19/08 - BAR PÁTIO SP PARTICIPA DA 1ª FESTA OFICIAL DE ANIVERSÁRIO DE 124 ANOS DA VILA MADALENA
>>> Final de semana cultural na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Sesc Consolação apresenta o infantil Histórias de Alexandre com direção de Cristiane Paoli Quito
>>> Rabina e líderes religiosas debaterão em São Paulo visão feminina sobre a paz
>>> Saiba quais são os 10 cursos mais procurados no vestibular
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Ritmo binário
>>> A imagem de Haroldo Maranhão
>>> Rimas geométricas
>>> Por um cisco
>>> Em relação a ti
>>> Sobre os papéis
>>> Universo ardente
>>> Gramática geral
>>> O CIRCO ESOTÉRICO
>>> Elenco
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Os narradores de Eliane Caffé
>>> O Público Contra Yayoi Kusama
>>> Claro Enigma, de Carlos Drummond de Andrade
>>> Uma nova corrida espacial?
>>> Modelos plus size: as novas mulheres irreais
>>> A morte de Gilberto Dupas
>>> Além do bem e do mal
>>> Picasso e Matisse: documentos
Mais Recentes
>>> Evangelho das Estrelas
>>> Freud - Vida e Obra
>>> Vênus e Marte - A Química do Amor
>>> On the Road
>>> Conexão Inuz
>>> Biblioteca Jurídica/ Código Comercial - Estatuto da Micro e pequena empresa - Falências (Volume 4)
>>> Yussef Said Cahali - Dos Alimentos
>>> Teresa Ancona Lopez de Magalhães - O dano estético (Jurídico)
>>> Decida-se pelo Sucesso
>>> Decida-se pelo Sucesso
>>> Decida-se pelo Sucesso
>>> Enquanto Escorre o Tempo
>>> Enquanto Escorre o Tempo
>>> Enquanto Escorre o Tempo
>>> Conversando com São Francisco
>>> Conversando com São Francisco
>>> O Despertar do Amor
>>> O Despertar do Amor
>>> O Despertar do Amor
>>> A Prosperidade ao seu Alcance - Manual Prático
>>> A Prosperidade ao seu Alcance - Manual Prático
>>> A Prosperidade ao seu Alcance - Manual Prático
>>> No Jardim do Pensador
>>> No Jardim do Pensador
>>> A Grande Virada - Do Império Global à Comunidade da Terra
>>> A Grande Virada - Do Império Global à Comunidade da Terra
>>> A Grande Virada - Do Império Global à Comunidade da Terra
>>> Por que Não Conseguimos Ser Bons?
>>> Por que Não Conseguimos Ser Bons?
>>> Por que Não Conseguimos Ser Bons?
>>> Um Deus Social
>>> Um Deus Social
>>> O Programa de Saúde de Rudiger Dahlke
>>> O Programa de Saúde de Rudiger Dahlke
>>> O Programa de Saúde de Rudiger Dahlke
>>> Cristo Cósmico
>>> Cristo Cósmico
>>> Cristo Cósmico
>>> Tempo Ruim - série Saber Horrível
>>> Ligando os Pontos
>>> Ligando os Pontos
>>> Ligando os Pontos
>>> Mundos em Conexão
>>> Mundos em Conexão
>>> Mundos em Conexão
>>> Um Despertar Planetário
>>> Um Despertar Planetário
>>> Um Despertar Planetário
>>> Prosperidade com Qualidade de Vida
>>> Prosperidade com Qualidade de Vida
DIGESTIVOS

Segunda-feira, 28/7/2014
Digestivo nº 502
Julio Daio Borges

+ de 22000 Acessos




Artes >>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
Quem conheceu o Ettore Scola de "Concorrência Desleal" (2001) e "O Jantar" (1998) provavelmente não imagina o realizador denso e profundo que também está por trás de "Um Dia Muito Especial" (1977). Por que será que todo grande artista começa desafiador e revolucionário para depois assentar a poeira no conformismo e na trivialidade? Talvez porque a intensidade do gênio seja uma coisa insustentável a longo prazo. Não importa. O que importa é que Marcello Mastroianni e Sophia Loren estão nos esperando novamente na sala de cinema, para viver um dia insólito, deslocado no tempo e no espaço, quando Hitler foi visitar Mussolini e toda a Itália resolveu saudá-lo. O destino então uniu, de novo, um homem e uma mulher. E o mundo foi só deles outra vez - com apenas duas ressalvas: Sophia Loren era também uma tremenda dona de casa, mãe de família, e Marcello Mastroianni... bem, melhor não contar. A naturalidade, a falta de jeito e o aparente despropósito, vividos a cada cena pelo casal, enchem justamente de beleza os olhos do espectador - tão acostumado à previsibilidade, ao encadeamento dos atos e à lógica das ações; qualquer subversão de uma existência tão racional se torna, portanto, divinamente elevatória. A platéia, já condicionada a perguntar "por quê", "para quê" e "como", pode de repente jogar todas as suas perguntas fora - e desarmar-se perante a vida que, segundo Clarice Lispector, dispensa todo entendimento. Se hoje o cinema brasileiro quer impor o "desconforto" pelo mal-estar social, e o cinema americano, o entretenimento por força de sua indústria milionária, o cinema europeu (de ontem) ainda pode abrir uma porta para o realismo mágico. [Comente esta Nota]
>>> Daily Rituals - How Artists Work
 



Literatura >>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
Quem conheceu o Ettore Scola de "Concorrência Desleal" (2001) e "O Jantar" (1998) provavelmente não imagina o realizador denso e profundo que também está por trás de "Um Dia Muito Especial" (1977). Por que será que todo grande artista começa desafiador e revolucionário para depois assentar a poeira no conformismo e na trivialidade? Talvez porque a intensidade do gênio seja uma coisa insustentável a longo prazo. Não importa. O que importa é que Marcello Mastroianni e Sophia Loren estão nos esperando novamente na sala de cinema, para viver um dia insólito, deslocado no tempo e no espaço, quando Hitler foi visitar Mussolini e toda a Itália resolveu saudá-lo. O destino então uniu, de novo, um homem e uma mulher. E o mundo foi só deles outra vez - com apenas duas ressalvas: Sophia Loren era também uma tremenda dona de casa, mãe de família, e Marcello Mastroianni... bem, melhor não contar. A naturalidade, a falta de jeito e o aparente despropósito, vividos a cada cena pelo casal, enchem justamente de beleza os olhos do espectador - tão acostumado à previsibilidade, ao encadeamento dos atos e à lógica das ações; qualquer subversão de uma existência tão racional se torna, portanto, divinamente elevatória. A platéia, já condicionada a perguntar "por quê", "para quê" e "como", pode de repente jogar todas as suas perguntas fora - e desarmar-se perante a vida que, segundo Clarice Lispector, dispensa todo entendimento. Se hoje o cinema brasileiro quer impor o "desconforto" pelo mal-estar social, e o cinema americano, o entretenimento por força de sua indústria milionária, o cinema europeu (de ontem) ainda pode abrir uma porta para o realismo mágico. [Comente esta Nota]
>>> Fernando Pessoa - O Livro das Citações
 



Internet >>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
Quem conheceu o Ettore Scola de "Concorrência Desleal" (2001) e "O Jantar" (1998) provavelmente não imagina o realizador denso e profundo que também está por trás de "Um Dia Muito Especial" (1977). Por que será que todo grande artista começa desafiador e revolucionário para depois assentar a poeira no conformismo e na trivialidade? Talvez porque a intensidade do gênio seja uma coisa insustentável a longo prazo. Não importa. O que importa é que Marcello Mastroianni e Sophia Loren estão nos esperando novamente na sala de cinema, para viver um dia insólito, deslocado no tempo e no espaço, quando Hitler foi visitar Mussolini e toda a Itália resolveu saudá-lo. O destino então uniu, de novo, um homem e uma mulher. E o mundo foi só deles outra vez - com apenas duas ressalvas: Sophia Loren era também uma tremenda dona de casa, mãe de família, e Marcello Mastroianni... bem, melhor não contar. A naturalidade, a falta de jeito e o aparente despropósito, vividos a cada cena pelo casal, enchem justamente de beleza os olhos do espectador - tão acostumado à previsibilidade, ao encadeamento dos atos e à lógica das ações; qualquer subversão de uma existência tão racional se torna, portanto, divinamente elevatória. A platéia, já condicionada a perguntar "por quê", "para quê" e "como", pode de repente jogar todas as suas perguntas fora - e desarmar-se perante a vida que, segundo Clarice Lispector, dispensa todo entendimento. Se hoje o cinema brasileiro quer impor o "desconforto" pelo mal-estar social, e o cinema americano, o entretenimento por força de sua indústria milionária, o cinema europeu (de ontem) ainda pode abrir uma porta para o realismo mágico. [Comente esta Nota]
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon
 



Literatura >>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
Quem conheceu o Ettore Scola de "Concorrência Desleal" (2001) e "O Jantar" (1998) provavelmente não imagina o realizador denso e profundo que também está por trás de "Um Dia Muito Especial" (1977). Por que será que todo grande artista começa desafiador e revolucionário para depois assentar a poeira no conformismo e na trivialidade? Talvez porque a intensidade do gênio seja uma coisa insustentável a longo prazo. Não importa. O que importa é que Marcello Mastroianni e Sophia Loren estão nos esperando novamente na sala de cinema, para viver um dia insólito, deslocado no tempo e no espaço, quando Hitler foi visitar Mussolini e toda a Itália resolveu saudá-lo. O destino então uniu, de novo, um homem e uma mulher. E o mundo foi só deles outra vez - com apenas duas ressalvas: Sophia Loren era também uma tremenda dona de casa, mãe de família, e Marcello Mastroianni... bem, melhor não contar. A naturalidade, a falta de jeito e o aparente despropósito, vividos a cada cena pelo casal, enchem justamente de beleza os olhos do espectador - tão acostumado à previsibilidade, ao encadeamento dos atos e à lógica das ações; qualquer subversão de uma existência tão racional se torna, portanto, divinamente elevatória. A platéia, já condicionada a perguntar "por quê", "para quê" e "como", pode de repente jogar todas as suas perguntas fora - e desarmar-se perante a vida que, segundo Clarice Lispector, dispensa todo entendimento. Se hoje o cinema brasileiro quer impor o "desconforto" pelo mal-estar social, e o cinema americano, o entretenimento por força de sua indústria milionária, o cinema europeu (de ontem) ainda pode abrir uma porta para o realismo mágico. [Comente esta Nota]
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA SURF TIME VOLUME 2 - Nº 4
VÁRIOS
EXTREME SPORT MEDIA
(2001)
R$ 10,00



A SALAMANDRA
MORRIS WEST
NOVA CULTURAL
(1989)
R$ 2,30



MAGISTRATURA ESTADUAL
JUAREZ FELIX
MÉTODO
(2005)
R$ 21,00



AS GUERRAS SECRETAS DE CLINTON
RICHARD SALE
NOSSA CULTURA
(2009)
R$ 40,00



DE ÉDIPO A MOISÉS. FREUD E A CONSCIÊNCIA JUDAICA
MARTHE ROBERT
IMAGO
(1989)
R$ 15,00



DISCERNIMENTO DOS ESPÍRITOS
PHILIPPE MADRE
SANTUÁRIO
(1994)
R$ 5,30



POR QUE MENTIMOSLIVRO NOVO. - OS FUNDAMENTOS BIOLÓGICOS E PSICOLÓGICOS DA MENTIRA
DAVID LIVINGSTONE SMITH
CAMPUS
(2006)
R$ 49,00



EXILADA EM SEU PAÍS
DORIS LESSING
RECORD
(1970)
R$ 10,00



SABEDORIA DO ORIENTE
GILBERT SINOUÉ
MARTINS FONTES
(2006)
R$ 30,00



QUADRADOS MÁGICOS EM FUNÇÃO DOS NÚMEROS FIGURADOS-II LIVRO DOS QUADRADOS MÁGICOS
LYDIO MACHADO BANDEIRA DE MELLO
DO AUTOR
(1957)
R$ 40,00





busca | avançada
31563 visitas/dia
1,1 milhão/mês