busca | avançada
18092 visitas/dia
954 mil/mês
Segunda-feira, 21/10/2002
Cenas da vida carioca

Julio Daio Borges




Digestivo nº 104 >>> Ninguém mais se lembra de Marques Rebelo; muito menos de Edi Dias da Cruz, seu nome verdadeiro. A editora Nova Fronteira, no entanto, vem reparando essa injustiça ao reeditar, pouco a pouco, a obra do jornalista e escritor, que se lançou nos anos 1930 e que cresceu entre o Rio de Janeiro e Barbacena (MG). Para quem quer se aventurar, não poderia haver volume mais propício que o de "Contos Reunidos", nas prateleiras desde setembro. Josué Montello assina o prefácio, comparando Rebelo à tríade insuperável da forma curta, no século XIX: Machado de Assis, Lima Barreto e Manuel Antônio de Almeida. No que está certo, afinal, é imediata a lembrança dos três mestres quando se passeia pelas páginas de "Oscarina" (1931), "Três Caminhos" (1933) e "Stela me abriu a porta" (1942), os livros reunidos em bloco no atual lançamento. Acontece que, se por um lado Rebelo reproduz com perfeição a técnica e a temática de seus antecessores, por outro prende-se por demais a eles e se distancia do leitor deste século (o XXI). Não custa reforçar que, em 1943 (um ano depois de "Stela"), "Vestido de Noiva" explodiria nos palcos do Rio de Janeiro e que, 20 anos mais tarde, Rubem Fonseca iniciaria sua particular revolução com "Os Prisioneiros" (1963). Para o leitor de hoje, alimentado à base de fitas de cinema, a ação parece lenta, a descrição excessivamente minuciosa, o vocabulário bastante exigente. Mas o esforço de concentração e paciência compensa. Sobretudo em "Oscarina" (o clássico conto), "Na rua Dona Emerenciana" (do qual Graciliano recitava trechos inteiros), "Vejo a lua no céu" ("capítulo imperfeito" de um "romance tentado"), "Stela" (a história) e "A derrota", entre outros. Os assuntos principais de Rebelo são a família, as moças (também a mocidade) e a fragilidade da existência. Embora apegado às tradições, seu estilo é moderno (uma aula para os que se iniciam no gênero) e sua ambientação é urbana quase sempre. Há nele, por certo, diversão e lirismo, de modo que as quase 400 páginas parecem menos, muito menos.
>>> Contos Reunidos - Marques Rebelo - 382 págs. - Nova Fronteira
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
18092 visitas/dia
954 mil/mês