Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger | Digestivo Cultural

busca | avançada
41818 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> A literatura em transe
>>> Solitária cidadã do mundo
>>> Repensando a esquerda
>>> Ficção hiper-real
>>> Intervenção militar constitucional
>>> 'Eu quero você como eu quero'
>>> Reunião de pais, ops, de mães
>>> O gueto dos ricos
>>> Pendurados no Pincel
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> O Bolero, com Dudamel
>>> 120 anos da Poli
>>> Conheça General Rodriguez
>>> Ama teu vizinho
>>> Boca no Trombone
>>> Eduardo Galeano (1940-2015)
>>> Lembrança de Paulo Brossard
>>> Barbara Heliodora e a crítica
>>> Max Weber e o jornalismo
>>> Kiko Loureiro no Megadeth
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Passado e futuro da comunicação
>>> Os Jornais Podem Desaparecer?, de Philip Meyer
>>> O gênio, e alguns assuntos menos elevados
>>> A importância do nome das coisas
>>> A importância do nome das coisas
>>> Música para olhar
>>> Boca de siri
>>> Jornais: conteúdo pago?
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Artes

Quarta-feira, 12/1/2011
Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger
Julio Daio Borges

+ de 5300 Acessos




Digestivo nº 475 >>> Paul Rand foi um revolucionário do design. A cada década, como Miles Davis no jazz, revolucionava sua atividade. Nos anos 30, levou o que Steven Heller chama de "arte comercial" da prática artesanal à profissionalização. Nos anos 40, consolidou o papel do design na propaganda e nas capas de revistas e de livros. Nos 50, introduziu o conceito de "identidade visual" nas grandes corporações. E, nos 60, criou marcas eternas como IBM, ABC e Westinghouse (entre outras). Na visão do mesmo Heller, que prefacia Conversas com Paul Rand (Cosac Naify, 2010), combinou ideias do construtivismo russo, do De Stijl holandês e da Bauhaus alemã, desaguando tudo na pujante arte comercial norte-americana. E Rand foi longevo. Ainda dava seus pitacos em meados da década de 90, quando já passara dos 80 anos. Acumulou seis décadas de carreira e quarenta anos como professor, entre Yale e Brissago, na Suíça. Concebeu, por exemplo, a imagem da Big Blue, que a Apple combatia nos seus primórdios (com o computador pessoal), até receber um abraço de Steve Jobs — "um cliente durão" —, quando criava a marca da Next. Mas Rand não era, apenas, um artista brilhante. Era um pensador da atividade, tendo seu Thoughts on Design (de 1947, quando ele tinha apenas 32 anos) se tornado "a bíblia do design gráfico moderno", ainda segundo Heller. (Agora, pensando bem, talvez seja daí que Jobs tenha tirado inspiração para seu Thoughts on Music [2007] e até para seu mais prosaico Thoughts on Flash.) Rand, contudo, não considerava o design "um fim em si mesmo" (Heller), uma "arte", mas, modestamente, "um serviço". Ainda que buscasse inspiração na grande arte e nunca engolisse a chamada arte pop. Apontava a origem do design, como conceito, no biógrafo renascentista Giorgio Vasari, que já havia escrito que o design — ou, simplesmente, o "desenho" — era fundamental, servia de base para outras artes, como pintura, escultura, arquitetura e até escrita. Rand, aliás, criticava a proliferação das "fontes" na contemporaneidade. E olhava para o computador com bastante desconfiança. Achava que a poderosa máquina não deixava mais tempo "para se ser contemplativo". E que — em linguagem bem direta — o computador ficava dando sucessivos "chutes" no "traseiro" do usuário, impedindo que seu pensamento fluísse (na obrigatoriedade de transformar tudo em ação, em cliques de mouse). Rand, irascível, definia o design como conflito, "um conflito entre a forma e o conteúdo". Avisando aos navegantes: "Nunca discuta estética com seu cliente". Fechando ainda, com uma sabedoria que pode ser aplicada, novamente, às demais artes: "O processo vai da complexidade à simplicidade". O livro Conversas com Paul Rand reúne transcrições de duas aulas de Rand, em que, como um Sócrates do design, persegue as raízes dos problemas levantados. (Sem poupar os alunos ou interlocutores.) E termina com depoimentos de discípulos ou amigos seus, que contam um pouco sobre Paul Rand na intimidade. Numa época de correção política, faltam homens como Rand, que viviam e agiam conforme suas verdades.
>>> Conversas com Paul Rand
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

>>> Curitiba Companhia de Dança estreia, em São Paulo, "Quando se calam os anjos"
>>> Grupo Pixote de malas prontas para turnê nos EUA
>>> Mariana Kotscho e Roberta Manreza conversam com mães refugiadas na TV Brasil
>>> Série musical traça panorama da obra de Luiz Ayrão
>>> Mariana Muniz encerra temporada de "D'Existir", em Votorantim
>>> Documentário 'Flamengo Paixão' estreia na TV Brasil nesta sexta (24)
* clique para encaminhar

WMF Martins Fontes
Nova Fronteira
Editora Perspectiva
Civilização Brasileira
Editora Conteúdo
Companhia das Letras
Arquipélago Editorial
Best Seller
Hedra
Editora Record
Bertrand Brasil
Globo Livros
Primavera Editorial
Cortez Editora
José Olympio
Intrínseca
LIVROS


ENCANTO MORTAL
SARAH CROSS

De R$ 39,00
Por R$ 19,50
50% off
+ frete grátis



O NOVO CÉREBRO DA GE
DAVID MAGEE

De R$ 73,00
Por R$ 36,50
50% off
+ frete grátis



ARCA SEM NOÉ
REGINA RHEDA

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



AMANDINE
MARLENA DE BLASI

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



JOÃO DO RIO - VIDA, PAIXÃO E OBRA
JOÃO CARLOS RODRIGUES

De R$ 55,00
Por R$ 27,50
50% off
+ frete grátis



POIS É
PAULO RONAI

De R$ 39,00
Por R$ 19,50
50% off
+ frete grátis



A ESPADA DE MEDINA
SHERRY JONES

De R$ 40,00
Por R$ 20,00
50% off
+ frete grátis



PALMEIRAS - O ALVIVERDE IMPONENTE
ORLANDO DUARTE

De R$ 36,00
Por R$ 18,00
50% off
+ frete grátis



VOZES ESQUECIDAS DA PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL
MAX ARTHUR

De R$ 52,00
Por R$ 26,00
50% off
+ frete grátis



UM CORPO NA NEVE
A. D. MILLER

De R$ 40,00
Por R$ 20,00
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
41818 visitas/dia
1,4 milhão/mês