Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger | Digestivo Cultural

busca | avançada
34499 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> Ana Salvagni e Eduardo Lobo apresentam 'Canção do Amor Distante' em Campinas
>>> Diálogos com um gênio da literatura mundial que marcaram toda a cultura ocidental
>>> 'Chet Baker, Apenas Um Sopro' com Paulo Miklos estreia dia 06/10 no CCBB/RJ
>>> Bolo de chocolate recheado de frutas com cobertura de chocolate
>>> Homenagem ao nascimento de Heidegger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
Últimos Posts
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
>>> Natureza do som
>>> Insone
>>> Sobre a Filosofia (obrigatória) no ensino médio
>>> Estátuas de areia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> O retorno à cidade natal
>>> Confissões de um jornalista que virou suco
>>> Nelson Rodrigues e o Vestido
>>> O filósofo da contracultura
>>> Elegia 1938
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Erro imperdoável
Mais Recentes
>>> A Senhoria
>>> Noite na Taverna
>>> As Brasas
>>> Nassau - Governador do Brasil holandês
>>> Balada para as Meninas Perdidas
>>> Gracias A La Vida
>>> Os Ciganos na Umbanda
>>> Diário da Tarde
>>> Navalha na Tela;plinio Marcos e o Cinema Brasileiro
>>> O Psicanalismo
>>> A Arte de Lidar Com as Mulheres
>>> A Mancha
>>> As Avós
>>> Introdução à Física do Estado Sólido
>>> Cuentos Fantásticos - Edicción Íntegra
>>> A perversão do trapezista - o romance em Cornélio Penna
>>> Literatura Brasileira - A arte da palavra e Literatura Brasileira e os vestibulares com CD
>>> Manual de Contabilidade Societária
>>> As tardes de um pintor
>>> Capitães da areia
>>> Histórias para o rei
>>> Nada na língua é por acaso
>>> O advogado do diabo
>>> Os limites do sentido
>>> A linguística e o ensino da língua portuguesa
>>> Textualidade e ensino
>>> História da escola em São Paulo e no Brasil
>>> Resenha
>>> Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística
>>> Ensino de gramática: descrição e uso
>>> Pequena gramática do português brasileiro
>>> A emoção e a regra
>>> A fórmula do texto
>>> Descobertas acidentais em ciências
>>> Gabriela cravo e canela
>>> O rei, o Rio e suas hiistórias
>>> Esboço para uma teoria das emoções
>>> Verdes vales do fim do mundo
>>> O Jogador
>>> A Humilhação do Redentor- Encarnação e Sofrimento
>>> Automotivação- ''É Fácil''- O Caminho do Sucesso
>>> As Múltiplas Faces da Velhice no Brasil
>>> Desenvolvendo Relacionamentos Familiares
>>> Manual do Auxiliar de Célula
>>> Noções Básicas de Discipulado - Para Jovens - Jumoc
>>> Manual da Escola de Oraçao
>>> Limites do Sofrimento
>>> Quero Minha Vida de Volta
>>> Quero Minha Vida de Volta
>>> Quero Meu Filho de Volta
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Artes

Quarta-feira, 12/1/2011
Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger
Julio Daio Borges

+ de 6200 Acessos




Digestivo nº 475 >>> Paul Rand foi um revolucionário do design. A cada década, como Miles Davis no jazz, revolucionava sua atividade. Nos anos 30, levou o que Steven Heller chama de "arte comercial" da prática artesanal à profissionalização. Nos anos 40, consolidou o papel do design na propaganda e nas capas de revistas e de livros. Nos 50, introduziu o conceito de "identidade visual" nas grandes corporações. E, nos 60, criou marcas eternas como IBM, ABC e Westinghouse (entre outras). Na visão do mesmo Heller, que prefacia Conversas com Paul Rand (Cosac Naify, 2010), combinou ideias do construtivismo russo, do De Stijl holandês e da Bauhaus alemã, desaguando tudo na pujante arte comercial norte-americana. E Rand foi longevo. Ainda dava seus pitacos em meados da década de 90, quando já passara dos 80 anos. Acumulou seis décadas de carreira e quarenta anos como professor, entre Yale e Brissago, na Suíça. Concebeu, por exemplo, a imagem da Big Blue, que a Apple combatia nos seus primórdios (com o computador pessoal), até receber um abraço de Steve Jobs — "um cliente durão" —, quando criava a marca da Next. Mas Rand não era, apenas, um artista brilhante. Era um pensador da atividade, tendo seu Thoughts on Design (de 1947, quando ele tinha apenas 32 anos) se tornado "a bíblia do design gráfico moderno", ainda segundo Heller. (Agora, pensando bem, talvez seja daí que Jobs tenha tirado inspiração para seu Thoughts on Music [2007] e até para seu mais prosaico Thoughts on Flash.) Rand, contudo, não considerava o design "um fim em si mesmo" (Heller), uma "arte", mas, modestamente, "um serviço". Ainda que buscasse inspiração na grande arte e nunca engolisse a chamada arte pop. Apontava a origem do design, como conceito, no biógrafo renascentista Giorgio Vasari, que já havia escrito que o design — ou, simplesmente, o "desenho" — era fundamental, servia de base para outras artes, como pintura, escultura, arquitetura e até escrita. Rand, aliás, criticava a proliferação das "fontes" na contemporaneidade. E olhava para o computador com bastante desconfiança. Achava que a poderosa máquina não deixava mais tempo "para se ser contemplativo". E que — em linguagem bem direta — o computador ficava dando sucessivos "chutes" no "traseiro" do usuário, impedindo que seu pensamento fluísse (na obrigatoriedade de transformar tudo em ação, em cliques de mouse). Rand, irascível, definia o design como conflito, "um conflito entre a forma e o conteúdo". Avisando aos navegantes: "Nunca discuta estética com seu cliente". Fechando ainda, com uma sabedoria que pode ser aplicada, novamente, às demais artes: "O processo vai da complexidade à simplicidade". O livro Conversas com Paul Rand reúne transcrições de duas aulas de Rand, em que, como um Sócrates do design, persegue as raízes dos problemas levantados. (Sem poupar os alunos ou interlocutores.) E termina com depoimentos de discípulos ou amigos seus, que contam um pouco sobre Paul Rand na intimidade. Numa época de correção política, faltam homens como Rand, que viviam e agiam conforme suas verdades.
>>> Conversas com Paul Rand
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RUBAIYAT
OMAR KHAYYAM
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1972)



O VELHO E O MAR
ERNEST HEMINGWAY
BERTRAND BRASIL
(2002)



A FÓRMULA DO TEXTO
WANDER EMEDIATO
GERAÇÃO EDITORIAL
(2007)



1001 STORIES FOR CHILDREN AND CHILDRENS WORKERS
ALICE MARIE NEIGHBOUR KNIGHT
W B EERDMANS PUB
(1952)
+ frete grátis



GINÁSTICA AERÓBICA - ESTRUTURA E METODOLOGIA
ARTUR MONTEIRO
CID
(1996)
+ frete grátis



A JOGADORA DE GO
SHAN SA
ROCCO
(2004)
+ frete grátis



TEATRO MEXICANO CONTEMPORÂNEO - EL CAMINO ROJO A SABAIBA
ÓSCAR LIERA
LA CENTENA
(2002)
+ frete grátis



POR CAUSA DA NOITE
JAMES ELLROY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
+ frete grátis



MR MERCEDES
STEPHEN KING
SUMA DAS LETRAS
(2016)
+ frete grátis



QUEBRA DE SCRIPT - UMA INCRÍVEL HISTÓRIA DE REINVENÇÃO PESSOAL
THOMAZ MAGALHÃES
AGIR
(2009)
+ frete grátis





busca | avançada
34499 visitas/dia
846 mil/mês