Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey | Digestivo Cultural

busca | avançada
19055 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> Extra é ponto de encontro para trocar figurinhas da Copa
>>> Eduardo Ferraz faz palestra gratuita em Curitiba
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Franceses, de Ricardo Corrêa Coelho
>>> Jogando uma pedra no poço sem fundo
>>> A arte contemporânea refém da insensatez
>>> Quem é Gian Danton
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O pós-modernismo morreu
>>> Nelson ao vivo, como num palco
>>> Furo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
Mais Recentes
>>> A Garota do Lago
>>> O Elo de Alexandria
>>> A Profecia Romanov
>>> o mito de Lincoln
>>> Vingança em Paris
>>> Quadribol através dos Séculos
>>> Não Pare!
>>> Deusa da Primavera
>>> Deusa do Mar
>>> Sobre a Morte e o Morrer
>>> Saúde no Brasil - Políticas e Organização de Serviços
>>> Família brasileira, a base de tudo
>>> Aristóteles - Volume I dos argumentos sofísticos - Os Pensadores -
>>> Avaliação de Políticas Sociais: Uma questão em Debate
>>> 300 Propostas de Artes Visuais
>>> Pesquisa Social em saúde
>>> Ainda existe esperança
>>> A Mitologia Templária - Os Conceitos Esotéricos da Ordem do Templo
>>> Historia Social da Criança e da Família
>>> Dicionário de Filosofia
>>> Che Guevara - o pensamento vivo
>>> Saúde e Democracia - A luta do CEBES
>>> Desenvolvimento de Iniciativas Sociais
>>> Maquiavel - Os pensadores
>>> Historia Menuda De Un País Que Ya No Existe
>>> Comunicação Científica - Normas Técnicas para Redação Científica
>>> Piores Inimigas/ Melhores Amigas
>>> Más Notícias/ boas notícias
>>> Cartas Da Alma
>>> Ultrapassando Limites
>>> Promessas e Mais Promessas
>>> Hq Camelot 3000 Nº 1-2-3-4 Completa Formatinho Dc
>>> O Lago Rescue
>>> Em Pânico
>>> Amuleto da Sorte
>>> Paixão Pela Moda
>>> Brincadeirinha!
>>> Novo Universo Força Psi Hq Formatinho Do 1 Ao 12
>>> Cidade Fantasma
>>> Acabou o Tempo
>>> Algas Verdes e Guerra de Chicletes
>>> Garotas Da Rua Beacon 14 - Alerta De Paixão
>>> Garotas Da Rua Beacon 15 - A Grande Caça Ao Tesouro
>>> Garotas Da Rua Beacon 16 - Meus Doces 13 Anos
>>> Mil Oitocentos e Oito
>>> Mil Oitocentos e Vinte e Dois
>>> Mil Oitocentos Oitenta e Nove
>>> Demian
>>> Le capital - (Livre 1)
>>> Psicologia e Religião Oriental
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Artes

Segunda-feira, 28/7/2014
Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
Julio Daio Borges

+ de 11800 Acessos




Digestivo nº 502 >>> Produtividade pessoal é um tema da vida moderna. Com o fim das divisões estanques entre ambiente de trabalho e vida pessoal, precisamos encontrar um novo equilíbrio. Também com as interrupções frequentes de celulares, messengers e e-mails, acostumamos a viver nossas vidas fragmentadas. Como a evolução tecnológica não para, ou até se acelera, quando começamos a nos adaptar, surge um novo dispositivo, e a nossa rotina é transformada, mais uma vez (supostamente para melhor). Não existe uma solução definitiva no curto, médio prazo. Alguns tentam romper com o progresso e se isolar do presente, mas vivem em luta contra o mundo e não sabemos se, depois de um tempo, terá realmente valido a pena. Não há como olhar pra frente, pois não sabemos o que vai ser. Alguém conseguiria prever iPods, iPhones e iPads, para se falar apenas na Apple? Alguém previu, por acaso, a internet? E o microcomputador, o PC? Como não há meio de buscar respostas no porvir, devemos olhar para trás. Ou, ao menos, tentar. Mason Currey não pensou exatamente nisso, mas fundou um blog chamado Daily Routines, onde pesquisava o dia a dia de gênios, artistas, pessoas criativas e/ou produtivas. (Não necessariamente executivos de empresas ― o que talvez retirasse todo o charme do projeto.) O fato é que Currey reuniu suas melhores descobertas em livro: Daily Rituals compila relatos de grandes mentes criativas, sobre o seu dia a dia. Há, nele, de tudo. Desde rotinas aborrecidas como a de Simone Beauvoir, que permaneceu ligada a Sartre, mesmo quando tinham outros relacionamentos, e que vivia uma existência pacata ― produtiva, mas sem muita sofisticação e, como dizemos, sem "badalação". Ao mesmo tempo, há Toulouse-Lautrec, que viveu no limite, como se cada dia fosse o último, e pagou o preço, apesar da obra admirável. Auden, o poeta, por exemplo, anotou: "A rotina, num homem inteligente, é um sinal de ambição". E Patricia Highsmith, autora do Ripley, observou: "Não existe vida real fora do [meu] trabalho, ou seja, fora da imaginação". Fellini apreciava, em sua profissão, o que chamou de "uma combinação muito rara entre trabalho e a vida em comunidade, que a realização de filmes proporciona". Voltaire trabalhava de 18 a 20 horas por dia, e concluía: "Eu amo meu local de trabalho". Já Trollope afirmava que 3 horas era o máximo que um escritor deveria entregar por dia. Chopin podia passar 6 semanas numa única página de música. E Flaubert, com seu estilo, antecipou Steve Jobs: "Não é fácil ser simples". Flaubert também diria que "apesar de tudo, trabalhar é o melhor jeito de escapar da vida". (Paulo Francis ecoaria isso.) Marx, um rebelde, registrava que não poderia deixar que "a sociedade burguesa" o transformasse "numa máquina de fazer dinheiro". Freud ponderaria: "Não posso imaginar a vida sem trabalhar como algo confortável". Já Jung, seu discípulo, depois seu antagonista, acreditava que "estar cansado e continuar trabalhando não é algo inteligente". E Murakami, o escritor japonês, diz que a repetição, em si, é importante: "É hipnotizante. Eu me hipnotizo deliberadamente, para atingir um estado de consciência mais profundo". Chuck Close, artista plástico, coroaria uma máxima que se tornou famosa: "Inspiração é para amadores. O resto de nós apenas senta e trabalha". John Adams, o compositor, precisa de "um estilo de vida quase irresponsável" para liberar sua criatividade. Dr. Johnson, o crítico, levava ao extremo: "Nunca persisti num plano por dois dias seguidos". William James, um dos pais da psicologia, acreditava que "quanto mais automatizamos nossas vidas nos pequenos detalhes", "mais conseguimos liberar espaço para a verdadeira criatividade". Joyce calculou que passou 20 mil horas escrevendo o Ulisses. Proust achava "odioso" subordinar sua vida à produção de uma única obra. Mas fez isso. Shostakovich escrevia toda a música na sua cabeça antes, para, só depois, passá-la a limpo. Yeats, o poeta irlandês, acreditava que, para viver criativamente, havia que se pagar um preço: o dele era escrever resenhas para jornal. Mencken, olhando para trás, diria que seu único arrependimento era não ter trabalhado "ainda mais duro". E Thomas Edison reconheceu: "Tive muitos assistentes esforçados, mas você leva a taça". Ele se referia a Nikola Tesla. Glenn Gould, surpreendentemente, dizia que tocava melhor quando ficava "um mês longe do instrumento". E Philip Roth resumiu assim: "Escrever não é um trabalho duro, é um pesadelo". Daily Rituals tem preciosidades, e deveria ser traduzido em português brasileiro por alguma editora de visão.
>>> Daily Rituals - How Artists Work
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho (Literatura)
02. A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone (Internet)
03. A arte do romance, por Milan Kundera (Literatura)
04. Entrevistas com Grandes Líderes, por Cristiane Correa (Além do Mais)
05. Noel — Poeta da Vila (Cinema)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NERUDA PARA JOVENS - ANTOLOGIA POÉTICA - EDIÇÃO BILÍNGUE - 3ª EDIÇÃO
PABLO NERUDA
JOSÉ OLYMPIO
(2013)
R$ 7,00



A EVOLUÇÃO DO MERCADO FUTURO DE AÇÕES DA BOLSA DO RIO
BOLSA DE VALORES DO RIO DE JANEIRO
RJ
(1982)
R$ 7,00



AS CULTURAS, A IGREJA E A FÉ - INICIAÇÃO A TEOLOGIA - VOL. 4
EDIÇÕES PAULINAS
PAULINAS
(1979)
R$ 8,98



SEM MEDO DE SABER - A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE
ILAN GORIN
SEXTANTE
(2010)
R$ 9,00



A MESA COM BURLE MARX
CECILIA MODESTO E CLAUDIA PINHEIRO
CONTRACAPA
(2018)
R$ 75,00



HUNGARY
ZOLTÁN HALÁSZ EDIT
CORVINA PRESS
(1960)
R$ 30,00



ESPIRITÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



O CARTÃO POSTAL - DE SÓCRATES A FREUD E ALÉM
JACQUES DERRIDA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2007)
R$ 25,40



POR QUE AS COMUNICAÇÕES E AS ARTES ESTÃO CONVERGINDO?
LUCIA SANTAELLA
PAULUS
(2005)
R$ 12,00



LINHA DE RISCO: O MOVIMENTO DA MORTE DE DEUS
CHARLES BENT
MORAES
(1968)
R$ 16,00





busca | avançada
19055 visitas/dia
829 mil/mês