Cornell e o Alice Mudgarden | Digestivo Cultural

busca | avançada
33365 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Em agosto, o Largo do Machado receberá a segunda edição do Hoje é dia de comer na rua
>>> ÀTMA - De que tamanho é o teu deserto?
>>> Vivo EnCena traz Paulo Betti a São Paulo com Autobiografia Autorizada
>>> EAS, novo filme de ação brasileiro tem toque de Hollywood
>>> Memória da Eletricidade realiza a terceira edição do Preserva.ME
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
>>> Pesquisa e blog discutem "Marca Amazônia"
>>> Náiades
>>> Equino
>>> Vágado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> Renato Russo: arte e vida
>>> Fragmentos para a História da Filosofia, de Schopenhauer
>>> O inventário da dor de Lya Luft
>>> Auto lá!
>>> Seu minuto, meu segundo
>>> A internet e os blogs
>>> Cleópatra, a rainha enigmática
>>> Sempre cabe mais um
>>> De fato e ficção
Mais Recentes
>>> Peça e Sera Atendido
>>> As Sete Leis Espirituais do Sucesso
>>> A Saude Da Mulher
>>> A magia da Arrumação
>>> Contos de Pânico
>>> Piadas Oxigenadas
>>> O grande desafio
>>> O Gênio do crime
>>> CSI: Investigação da cena do crime. Jogo duplo
>>> Fala sério, mãe
>>> O Mito de Maria. Uma abordagem simbólica
>>> Mal. O lado sombrio da realidade
>>> Puer Aeternus. A luta do adulto contra o paraíso da infância
>>> O Caminho da Transformação segundo C. G. Jung e a alquimia
>>> A Prostituta Sagrada. A face etern do feminino
>>> Bíblia e Psique. Simbolismo da individuação no Antigo Testamento
>>> A Doença que somos nós. A crítica de Jung ao cristianismo
>>> Psicologia Profunda e Nova Ética
>>> A Psique como sacramento
>>> A menina que descobriu o Brasil
>>> Tempo de menino
>>> Um país chamado infância
>>> Tintino o espetáculo continua
>>> O Conde Futreson
>>> Fala sério, professor
>>> Amor não tem cor
>>> Que país é este?
>>> O Assassinato de Cristo
>>> Análise do Caráter
>>> Escuta Zé Ninguém
>>> Ensinar a pensar
>>> Man Repeller (novo)
>>> Pedir Agradecer Admirar - As três orações essenciais
>>> Sobre formigas e cigarras
>>> 50 Regras de Ouro para Emagrecer
>>> O Castelo Interior
>>> Trilogia Completa A Seleçao
>>> A Escolha (da trilogia A Seleção)
>>> A Vida do Toxicômano
>>> O Livro que revela Deus Tao - te King
>>> Ela disse, Ele disse: o namoro - Nova Ortografia
>>> Hotel Atlântico
>>> Jung e Astrologia
>>> Breve História das Heresias
>>> Apócrifos. Os proscritos da Bíblia
>>> Meditação e Gnose - Como Desenvolver Tranquilidade e Sabedoria
>>> O Evangelho É a Força de Deus que Salva
>>> Arte como Terapia
>>> A Vida Eterna hoje;
>>> Qualidade e Produtividade nos Transportes
BLOG >>> Posts

Sábado, 20/5/2017
Cornell e o Alice Mudgarden

+ de 3200 Acessos


Chris Cornell partiu e, em meio a especulações, incompreensão e ao moralismo que um suicídio traz à tona, creio ser mais válido celebrar sua obra. Dono de uma poderosa voz, certamente uma das maiores do rock, o músico também será lembrado como um grande compositor e letrista. Ainda que sua carreira solo tenha sido irregular, Cornell foi peça fundamental de duas bandas relevantes: o Audioslave, que embora não seja unanimidade, representou uma injeção de energia no moribundo rock do século XXI, e, sobretudo, o Soundgarden, vigoroso pilar da cena grunge.

Há muitas boas canções para celebrarmos o talento de Chris Cornell. Como “Flower”, “Outshined” e “Black Hole Sun”, no Soundgarden; o início triunfal no Audioslave, com “Cochise”, à balada “Revelations”, do derradeiro álbum do supergrupo; “Hunger Strike”, dueto com Eddie Vedder no projeto Temple of the Dog; ou “The Keeper” e “Seasons”, na carreira solo. Dentre muitos, muitos outros.



Todavia, vou destacar aqui uma música bastante subestimada da cena grunge, que conta com a participação de Chris Cornell: “Right Turn”, presente no EP Sap, do Alice in Chains, de 1992. Composto por faixas acústicas e contabilizando, ao todo, pouco mais de 20 minutos, o álbum teve a participação de Ann Wilson, do Heart, nas faixas “Brother” e “Am I Inside”, enquanto “Right Turn” teve Chris Cornell e Mark Arm, vocalista do Mudhoney – por isso, no encarte do disco, a excussão da música é creditada à “Alice Mudgarden”.

O primeiro a soltar a voz em “Right Turn” é Jerry Cantrell, seu autor e a segunda voz mais protagonista do rock. A seguir, surge a imponente e inconfundível voz de Cornell, na segunda estrofe. Após o refrão, é a vez de Layne Stayle, vocalista principal do Alice in Chains, seguido por Mark Arm. Enfim, podemos ouvir, puxados por Chris Cornell, todos juntos.

A canção dura pouco mais de 03 minutos, é simples e seguramente não cairia nas graças como música de trabalho na indústria fonográfica. Mas justamente por essa simplicidade e, sobretudo, pelo talento de seus cantores, é uma música única e, porque não, uma obra-prima.



Hoje, ao lembrar das bandas rotuladas como grunge, é inevitável pensar no fim trágico que rondou a trajetória de alguns daqueles músicos. O vício em drogas e bebida foi avassalador para muitos deles, somado ao não menos destrutivo efeito de doenças mentais, sobretudo a depressão. Garanto que há muitas reflexões e análises econômicas e culturais a serem feitas sobre o assunto.

Limito-me, porém, a indicar que contemplemos a obra daquelas bandas. Porque a vida é artigo que se perde e, sobretudo por isso, não podemos perder a oportunidade de ouvir música boa.


Postado por Luís Fernando Amâncio
Em 20/5/2017 às 14h01


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mehmari e os 75 anos de Gil de Julio Daio Borges
02. Pulga na praça de Ana Elisa Ribeiro
03. Anchieta Rocha de Julio Daio Borges
04. Skyscraper (1988) de Julio Daio Borges
05. Propaganda, Duel (1985) de Julio Daio Borges


Mais Luís Fernando Amâncio no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEX Nº 194 - GRITO DE GUERRA 
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1985)
R$ 5,00



CAPITÃES DA AREIA OBRAS ILUSTRADAS DE JORGE AMADO
JORGE AMADO
LIVRARIA MARTINS
(1970)
R$ 5,00



COMO APRIMORAR AS VENDAS - SEU GUIA DE ESTRATÉGIA PESSOAL
ROBERT HELLER
PUBLIFOLHA
(2000)
R$ 5,00



DISPUTA DE GUARDA E VISITA: NO INTERESSE DOS PAIS OU DOS FILHOS?
LIDIA ROSALINA FOLGUEIRA CASTRO
GRUPO A
(2016)
R$ 25,00



A CIDADE E AS SERRAS
EÇA DE QUEIROZ
FTD
(1995)
R$ 13,65
+ frete grátis



A MOSQUETA - ANGELO BEOLCO (RUZZANTE) - TEATRO ITALIANO
ANGELO BEOLCO (RUZZANTE)
EDITORIAL ESTAMPA
(1973)
R$ 15,00



TEMPOS DE PLANÍCIE
JOSÉ DIRCEU
ALAMEDA
(2011)
R$ 10,00



ALTERNATIVAS PARA O TEATRO INFANTIL (EXPERIÊNCIAS NA ALEMANHA FEDERAL)
INSTITUTO GOETHE DO BRASIL
INSTITUTO GOETHE DO BRASIL
(1976)
R$ 12,00



CONAN Nº 6
BUSIEK NORD YEATES STEWART
MYTHIS
R$ 15,00



HISTÓRIA DO ESTRUTURALISMO - O CANTO DO CISNE, DE 1967 A NOSSOS DIAS
FRANÇOIS DOSSE
ENSAIO
(1994)
R$ 79,00





busca | avançada
33365 visitas/dia
862 mil/mês