Carandiru, do livro para as telas do cinema | Clarissa Kuschnir | Digestivo Cultural

busca | avançada
35732 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Big Band Infanto-Juvenil do Guri traz o melhor do Jazz para Casa-Museu Ema Klabin
>>> Pátio Alcântara realiza a '6ª Mostra de Orquídeas'
>>> Espetáculo 'Ana Bastarda' dança o feminismo no Brasil
>>> Série Bravos! apresenta a trajetória da artista maranhense Thabata Lorena
>>> Caminhos da Reportagem discute preconceito, tabu e silêncio em torno do suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> No compasso de espera
>>> O que sei do tempo V
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Meu Primeiro Livro
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> O Mistério dos Incas
>>> Black Sabbath 2013
>>> 20 anos do Dois
>>> Dentro da maré cósmica: Saint-John Perse
>>> Orquestra de Câmara F. Liszt
>>> perversão sexual
>>> Amy e a hipocrisia coletiva
Mais Recentes
>>> Revista de literatura
>>> Revista de literatura
>>> Vida acadêmica - Guia Prático do Universitário
>>> A Cidade de Mil Olhos
>>> A Saúde em Estado de Choque
>>> O Futuro do EU- um Estudo da Sociedade da Pós-Identidade
>>> Kathryn Kuhlman- uma Biografia autorizada
>>> Fundamentos de Engenharia de Petróleo
>>> Como Fazer Seu Filho Trocar O Não Pelo Sim
>>> Paratii: Entre Dois Polos
>>> Resposta Certa
>>> Lineamentos De Direito Eleitoral
>>> A Moda
>>> Comer Rezar Amar
>>> A Ponte
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber
>>> Agora estou sozinha... 3ª ed.
>>> A Invasão Cultural Norte Americana
>>> Manual De Ética, Redação E Estilo Zero Hora
>>> Feias, quase cabeludas
>>> Como Fazer As Pessoas Gostarem De Você À Primeira Vista
>>> Tópicos Em Bancos De Dados, Multimídia E Web
>>> O Papel Do Educador Na Era Da Interdependência
>>> Sexo Na Cabeça
>>> Comprometida - Uma história de amor
>>> O Livreiro De Cabul
>>> Disputas Antigas E Outras Citações
>>> O Levante de 44 - A Batalha Por Varsóvia
>>> BR 040 - Na Trilha Das Capitais Do Brasil
>>> Os Eleitos
>>> Cálculo Volume 2
>>> Tempo de travessia - O segredo das pedras II
>>> Contabilidade Geral Fácil
>>> Administração de Vendas - PLT
>>> Villa-Lobos e a Música Popular Brasileira: Uma Visão Sem Preconceito
>>> A Escola como Sistema Complexo- A ação, o poder e o sagrado
>>> Estudos afro-asiáticos 5 - O pensamento de Frantz Fanon...
>>> Os condenados da terra
>>> Mães Pais & Filhos
>>> Para Tarsila
>>> Corações Blues E Serpentinas
>>> Nunca Antes Na História Deste País
>>> Diário De Uma Encrenqueira - Pérolas Ou Pegas
>>> Terceirização E Multifuncionalidade
>>> Adequação Empresarial - Direção E Foco
>>> Anábase - História Da Gazeta Mercantil
>>> O Longo Inverno - A Batalha do Bulgre
>>> 30 Segundos de Televisão Valem Mais do que 2 Meses de Bienal de São Paulo - Isto é Bom ou é Ruim?
>>> Diário de Berlim Ocupada - 1945 - 1948
>>> As Leis Fundamentais Para O Crescimento Na Vida
COLUNAS

Terça-feira, 8/4/2003
Carandiru, do livro para as telas do cinema
Clarissa Kuschnir

+ de 9900 Acessos

Um soco no estômago. É o que se pode sentir com o filme "Carandiru": o mais novo, e tão esperado, longa-metragem do cineasta Hector Babenco.

Eu digo "soco no estômago", porque, com certeza, o filme irá levantar questões polêmicas por parte público. Principalmente, por trazer à tona o assunto do massacre ocorrido no dia 2 de outubro de 1992, que culminou com a morte de 111 presos. Um fato inesquecível que entrou para a História e chocou uma nação.

Nas duas horas e vinte e seis minutos de filme, dá para ser se ter idéia do trabalho que o médico cancerologista, Drauzio Varella, fez na que já foi considerada a maior casa de detenção da América Latina, "o Carandiru".

Babenco conseguiu adaptar de forma brilhante, para as telas do cinema, o livro de Drauzio Varella, "Estação Carandiru". Resta o filme obter o sucesso que o livro teve, pois, tecnicamente e esteticamente, a fita é perfeita: desde a atuação dos atores até os cenários (alguns feitos em estúdio e outros na própria casa de detenção, retratando muito bem o presídio).

Com um orçamento de 12 milhões de reais, "Carandiru" contou com um elenco de primeira e cerca de 8 figurantes para o longa.

A história é sobre os anos em que Drauzio Varella passa no presídio fazendo um trabalho voluntário de prevenção à AIDS. Um esforço árduo, mas que rendeu, ao médico, uma experiência extraordinária, convivendo alguns anos com presos de todos os níveis, conhecendo muitos deles particularmente.

O filme não é uma crítica ao sistema carcerário, mas conta o que se vê no dia-a-dia dos presos: a vida que eles levam dentro do presídio e como foram parar lá.

O interessante é ver a relação do médico com os presos: ele não crítica, ele ouve e dá conselhos de pai para filho. Enfim, um trabalho humano e corajoso do especialista. Para interpretar o médico foi escolhido Luiz Carlos Vasconcelos, que está bem no papel, mas não excepcional.

Entre os personagens, vale destacar velho Seu Chico (interpretado pelo veterano Milton Gonçalves), que está prestes a ser solto e que é aficionado por balões. Também os amigos Zico (Wagner Moura, que protagonizou recentemente "Deus é Brasileiro") e Deusdete (Caio Blat): amigos desde a infância, que vão parar juntos na cadeia, o que acaba culminando em um destino trágico. Igualmente, o traficante Majestade: com suas duas mulheres, que consegue conciliar (junto aos quatro filhos), mesmo dentro da cadeia. Vale destacar, por fim, o trabalho da atriz Maria Luisa Mendonça, como uma das esposas de Majestade: ela é a perfeita mulher de malandro, com toda a sensualidade nata das meninas de periferia.

De todos os personagens, o mais sensível, para mim, é o personagem de Rodrigo Santoro. Ele vive o travesti Lady Di e tem um intenso romance com o "filósofo" Sem Chance (Gero Camilo). Por mais denso que seja para o ator interpretar um travesti (principalmente para Santoro que é conhecido como um galã global), seu papel está muito sutil, sem vulgaridade. Mostra uma pessoa que, acima de tudo, ama sem preconceitos.

Para quem leu o livro, é impressionante como Babenco conseguiu caracterizar cada aspecto da casa de detenção: desde o pátio, o refeitório, até os pavilhões cheios de pichações e cartazes nas paredes. Rita Cadillac, que costumava promover shows no presidio, dá o ar da graça na fita (seu papel foi de certa maneira educativo: mostrou aos presos como se prevenir contra a AIDS).

Para o massacre, foram utilizados mais de 800 figurantes. São cenas que realmente chocam pelos efeitos reais (imagino que, até para os atores e figurantes, deve ter sido difícil).

Claro que, na visão do livro, Drauzio Varella retratou o massacre exatamente como os presos contaram. Então, tudo leva a crer, pelos relatos e agora pelo filme, que a tropa de choque da PM atacou de forma brutal e totalmente desumana: sem pensar nas conseqüências que isso poderia trazer.

No filme, Babenco traz depoimentos dos personagens que sobreviveram ao massacre (não depoimentos verdadeiros, mas dos atores interpretando como se fossem reais). Drauzio Varella arremata com uma frase que aparece no fim da fita: "Só Deus e os detentos podem contar o que houve naquele dia. Eu ouvi estes últimos". E, realmente, a verdade só sabe quem esteve lá dentro: o resto fica por conta de cada pessoa tirar a sua própria conclusão.

Por trás das câmeras

Para divulgar "Carandiru", o elenco tem visitado diversas cidades do Brasil. Em São Paulo, aconteceu ontem (dia 7 de abril), reunindo praticamente todos os atores, o diretor e os roteiristas.

Durante o bate-papo, o elenco conseguiu falar um pouco sobre o trabalho árduo de compor cada personagem.

Um assunto que foi bem discutido e relembrado pelos atores foi a morte do Rapper Sabotage, que participou do filme como o detento Fuinha, mas que, infelizmente, foi assassinado no dia 24 de janeiro deste ano (ele nem chegou a ver o filme pronto). Para o elenco, a participação do Rapper foi muito importante pela ligação que ele fez entre a periferia e o centro: Sabotage trazia grupos de produção de elenco, ajudando na pré-produção do filme.

Rodrigo Santoro, que interpreta Lady Di, foi também um dos assuntos em pauta. O ator disse que pesquisou muito e que conversou com os próprios travestis, tanto no Rio como em São Paulo, para poder incorporar o personagem. Disse que sua relação com a ator Gero Camilo foi sensacional e que não houve problema nenhum em beijar o ator na boca. Rodrigo revela que teve de perder o pudor em se tratando de um travesti. Procurou, ainda, interpretar a personagem com muita dignidade e humanidade (o que já era uma proposta do próprio Hector Babenco). Independente de ser homem ou mulher: sem preconceitos.

Sem dúvida que, para o elenco, a experiência de conviver no Carandiru foi indescritível. Desde o cheiro forte daquela comida de prisão até as paredes pixadas, as celas minúsculas. Maria Luisa Mendonça (que interpreta Dalva) diz que realmente o ambiente é muito carregado e que, quando entrou ali, começou a entender e compreender mais a realidade da vida carcerária.

Drauzio Varella também esteve presente. Confessou, como está no livro, que sempre gostou de ver filmes de cadeia, mas que nunca imaginaria que pudesse escrever a respeito e, muito menos, ver o resultado disso nas telas de cinema. Drauzio chegava a atender de 60 a 70 pacientes por dia: via de tudo; uma quantidade de doenças que não se vê em um consultório comum. Afirmou que cresceu muito como médico.

Enfim, uma lição de vida. "Carandiru" modificou a maneira do elenco olhar o mundo, como modificará certamente a do espectador.


Clarissa Kuschnir
São Paulo, 8/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
02. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Meu Primeiro Livro de Julio Daio Borges
04. Por uma lógica no estudo da ortografia de Marcelo Spalding
05. Convocação para uma outra luta de Marilia Mota Silva


Mais Clarissa Kuschnir
Mais Acessadas de Clarissa Kuschnir em 2003
01. Prenda-me se for capaz - 18/2/2003
02. Carandiru, do livro para as telas do cinema - 8/4/2003
03. A Promessa de Nicholson e o bem-acabado Desmundo - 6/5/2003
04. Violência e sangue em Gangues de Nova York - 4/2/2003
05. As 8 mulheres de François Ozon - 25/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A VIA DE CHUANG TZU
THOMAS MERTON
VOZES
(2002)
R$ 40,00



JOGO DE EXTORSÃO 8001X
R. J. KAISER
BEST SELLER
(2003)
R$ 15,00



COMO IMPLANTAR UMA ÁREA DE COMUNICAÇÃO INTERNA
PAULO CLEMEN
MAUAD
(2008)
R$ 21,90



POR QUE ALMOCEI MEU PAI
ROY LEWIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1993)
R$ 20,00



O PRAZER DA LEITURA - COMO A ADAPTAÇÃO DE CLÁSSICOS AJUDA A FORMAR LEITORES
MÁRIO FEIJÓ
ÁTICA
(2010)
R$ 24,00



A BRUXA DE PORTOBELLO
PAULO COELHO
PLANETA
(2006)
R$ 6,00



A MAGIA EXISTE?
SILAS GUERRIERO
PAULLUS
(2003)
R$ 13,00



SEREIS UMA SÓ CARNE
FELIPE R.Q.AQUINO
RABONI
(1994)
R$ 7,50



LEGADO DE HONRA
JAMES A. MICHENER
RECORD
R$ 6,30



EL TEATRO DE STANISLAVSKI - V.O. TOPORKOV
V.O. TOPORKOV
BIBLIOTECA DEL PUEBLO - CUBA
(1962)
R$ 120,00





busca | avançada
35732 visitas/dia
993 mil/mês