Torce, retorce, procuro, mas não vejo... | Ruy Goiaba | Digestivo Cultural

busca | avançada
30976 visitas/dia
949 mil/mês
Mais Recentes
>>> Peter Burke navega pela história do conhecimento para oferecer nova perspectiva da Sociedade da Info
>>> Palavras Cruzadas Brasil recebe Ignácio de Loyola Brandão ao vivo nesta quarta (24) na TV Brasil
>>> Liliane Reis entrevista Mc Soffia e Kali C no Estúdio Móvel da TV Brasil
>>> Editora Tordesilhinhas promove contação de histórias na Bienal Internacional do Livro de São Paulo
>>> Segundo romance da autora paraibana Marilia Arnaud é tema de debate em João Pessoa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius
>>> Sobre os três primeiros romances de Lúcio Cardoso
>>> Meu querido mendigo
>>> Na hora do batismo
>>> Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida
>>> Existe na cidade alguém, assim como você...
>>> Eleições nos Estados Unidos
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
>>> A que ponto chegamos, EUA!
>>> Caiu na rede, virou social
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Casulo de névoas
>>> 24 de Agosto, um dia na recente historia do Brasil
>>> Ray-Banless
>>> Primeiro Debate dos Candidatos à Prefeitura
>>> Sem palavras
>>> Contrariando os pessimistas
>>> Fervura
>>> Sobre o Encerramento das Olimpíadas do Rio em 2016
>>> Raízes
>>> Na tessitura da toalha
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mar de Gente, de Ivaldo Bertazzo
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> O que é ser jornalista?
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Declínio e queda do império de papel
>>> Flip 2008, bastidores I
>>> Meu querido mendigo
>>> Choque de realidade no cinema
>>> Choque de realidade no cinema
>>> Re: Intestino Descarregado
Mais Recentes
>>> Almanaque de Bichos que dão em Gente-Vermes, Fungos,Bactérias,Virus & outros bichos. Como Reconhecer, Evitar e Tratar
>>> Quebrando as Maldições Hereditárias-O entendimento e a apropriação dos benefícios da cruz
>>> José de Alencar - Teatro Completo (2 volumes)
>>> Gonçalves Dias - Teatro Completo
>>> Leonor de Mendonça (Teatro de Gonçalves Dias)
>>> Obra dispersa - Manuel Antônio de Almeida
>>> O novo Otelo - Joaquim Manuel de Macedo
>>> Joaquim Manuel de Macedo - Teatro Completo (3 volumes)
>>> As melhores comédias de Martins Pena
>>> Comédias de Martins Pena
>>> Folhetins: A semana Lírica - Martins Pena
>>> Dramas de Martins Pena (Teatro)
>>> O Poeta e a Inquisição - Gonçalves de Magalhães
>>> Obras de D. J. Gonçalves de Magalhães (Teatro) RARIDADE
>>> A vida de Esopo e Guerras do Alecrim e da Manjerona (Duas comédias de Antonio José)
>>> Perda e Restauração da Bahia de Todos os Santos (Obra teatral do século XVII)
>>> Hay amigo para amigo (Obra teatral)
>>> A vida de esopo e Guerras do Alecrim e da Mangerona
>>> O "Judeu" no Teatro Romântico Brasileiro
>>> A Outra Crítica - Miroel Silveira
>>> Cacilda Becker - O Teatro e suas chamas
>>> João Caetano - Décio de Almeida Prado
>>> Machado de Assis - Teatro (Antologia)
>>> As noites difíceis
>>> Teatro Completo de Machado de Assis
>>> Crítica Theatral - Machado de Assis
>>> A árvore do Halloween
>>> Machado de Assis (Esaú e Jacó/Críticas Literárias/Críticas Teatrais)
>>> João Caetano dos Santos (Ensaio Biographico) - Os fluminenses no Theatro Brasileiro
>>> Figuras do Theatro - Lafayette Silva
>>> O Teatro da Minha Vida - Luiz Iglezias
>>> Artistas de Outras Eras - Lafayette Silva
>>> Sergio Cardoso
>>> Ziembinski e o Teatro Brasileiro - Yan Michalski
>>> Revista Problemas: Vianinha: 10 Anos
>>> Dulcina e o Teatro de seu tempo
>>> 30 Annos de Theatro - Humorismo
>>> A Contribuição Italiana ao Teatro Brasileiro
>>> O Palco dos Outros - Cadernos de Viagens
>>> Depoimentos III - Entrevistas com Atores e Atrizes
>>> Depoimentos I - Entrevistas com Atores e Atrizes
>>> Revista: Ciclo de Debates do Teatro Casa Grande
>>> Yan Michalski - Ciclo de Palestras sobre o Teatro Brasileiro - 2
>>> Tônio Carvalho - Ciclo de Palestras sobre o Teatro Brasileiro - 11
>>> Alcione Araújo - Ciclo de Palestras sobre o Teatro Brasileiro - 8
>>> Geração em Transe - Memórias do tempo do Tropicalismo
>>> Oficina: do Teatro ao Te-Ato
>>> Teatro Oficina - Onde a Arte não dormia
>>> Teatro - Anos 70
>>> O Sertão Medieval - Origens europeias do Teatro de Ariano Suassuna
COLUNAS

Quarta-feira, 28/5/2003
Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
Ruy Goiaba

+ de 6600 Acessos

Houve um período, no início dos anos 60, em que os jazzistas pareciam especialmente interessados em usar músicas "para crianças" nas suas improvisações. Quase simultaneamente, Miles Davis gravava o tema da Branca de Neve ("Someday My Prince Will Come"), o pianista Bill Evans incluía em seus shows "Alice in Wonderland" e John Coltrane fazia sucesso com "My Favorite Things", do musical "The Sound of Music" -na época, ainda não transformado no filme "A Noviça Rebelde".

Claro que a transformação dessas músicas era, muitas vezes, radical. Coltrane gravaria, alguns anos depois, uma versão "free" de uma das músicas de "Mary Poppins" ("Chim Chim Cheree"), além de tocar, ao vivo, longas e ensurdecedoras "coisas favoritas" -sem nenhum traço da melodia original.

Mas isso não desmente o fato de que elas eram, sim, musicalmente interessantes. E seu uso pela música dita "séria" é, na verdade, uma tradição que remonta aos clássicos, com seu aproveitamento de temas folclóricos. Até Mahler usou o "Frères Jacques" para compor o sombrio (e bota sombrio nisso) terceiro movimento de sua primeira sinfonia ("Titã").

Tudo isso para dizer que não devemos desprezar o Gilliard quando ele canta a "Festa dos Insetos". Um dia, algum novo Mahler descobrirá essa maravilha.

Não vi e não gostei
Essa frase, atribuída ao Oswald de Andrade, sintetiza minha reação diante de coisas-que-estejam-na-moda (ou, em português castiço, hype). Basta que "todo mundo" esteja lendo um livro, ouvindo um CD ou vendo um filme para que meu cérebro emita um impulso que pode ser traduzido assim: "Deve ser uma merda! Não vou ver". Livro, CD e filme podem ser ótimos, mas não adianta. Esse impulso é mais forte que eu (e vivam os clichês).

Goiabas conceituais
E eu perdi a oportunidade de participar da Bienal de artes plásticas. Pois é: também sou um artista conceitual, multimídia e performático. Criei a seguinte instalação: eu mesmo, sentado na frente do computador, vestindo um escafandro azul-royal, com pés-de-pato combinando. Sobre o terminal, meu pingüim de louça e uma tabuleta com uma citação de santo Agostinho ("Dai-me a castidade e a continência, mas não para já").

O que significa? Ora, a impossibilidade de ser casto diante dos apelos eróticos e cibernéticos do mundo contemporâneo. Ou a contradição entre nossas limitações corporais e intelectuais (daí o pingüim) e o desejo de mergulhar no mar de informações da internet (o que explica o escafandro). Ou a prova cabal de que o "artista" é um xarope. Ou tudo isso junto. Ou não.

Quer saber? Na verdade, há algo faltando. Vou fazer como o Tunga e contratar cinco mulheres para ficar dando voltas em torno da minha instalação. Peladas, é claro.

Sem sacanagem; afinal, é tudo conceitual.

Welcome to the club
Sempre desconfiei de que Narcisa "Ai, Que Loucura" Tamborindeguy fosse goiaba pura, até a medula. Agora, não tenho mais dúvidas. Dêem só uma olhada no que, em seu site, ela chama de "grandes destaques da literatura": Albert Camus, Barbara Cartland, Agatha Christie e Ernest Hemingway. Uma mulher que equipara, numa frase, Camus e Hemingway a Barbara Cartland é feita sob medida para um homem como eu, que guarda seus quartetos de cordas do Haydn no meio dos CDs do Nelson Ned. Só não proponho casamento porque meu salário é modesto demais para comprar o talco medicinal de que ela gosta.

O velhinho "serial killer"
Nelson Rodrigues estava certo quando dizia aos jovens: "Envelheçam depressa, antes que seja tarde". A supervalorização do simples fato de ser jovem, de algumas décadas para cá, aumentou exponencialmente a concentração de cretinice por metro quadrado neste planetinha. Muitos crêem que a data de nascimento numa certidão seja, por si só, uma excelsa qualidade e que "novo" seja sinônimo de "melhor" (o que faz da Aids, por exemplo, uma coisa bem "melhor" e mais "muderrrna" do que a gonorréia). No fundo, é compreensível: jovens descerebrados são ótimos consumidores e excelente massa de manobra.

Contra esse estado de coisas, já pensei em escrever um conto, tendo como protagonista um velhinho "serial killer". Um belo dia, ele se cansa de ler Schopenhauer, Ortega y Gasset e Cioran, porque acha que a simples leitura não vai resolver os problemas do mundo -e passa das palavras à ação. Começa a freqüentar assembléias estudantis, shopping centers e shows do Natiruts ("liberdade pra dentro da cabeeeçaaa"...), entre outros lugares insalubres, para seqüestrar jovens cretinos e empalá-los com sua bengala pontiaguda ou sufocá-los com seu fraldão geriátrico (usado, of course). Não pensei ainda no final, mas acho melhor fazer com que isso vire logo ficção -ou, daqui a 30 anos, eu mesmo vou me transformar nesse velhinho.

Diálogos impertinentes
Aqui em São Paulo, há um evento com esse nome -promovido, se não me engano, pelo Sesc e pela PUC-, que é transmitido pela TV a cabo. Os organizadores convidam, a cada programa, uma dupla de seres iluminados (filósofos, ociólogos, pepsicólogos etc.) para discutir assuntos geralmente estratosféricos. Eu acho que os debates seriam muito mais interessantes se eles chamassem interlocutores realmente impertinentes. Seguem sugestões:

* Milton Neves e Roberto Avallone: "Avallone, você é medíocre!" "O quê? Eu sou medíocre, interrogação? Medíocre é a senhora sua mãe, exclamação!"

* Luiz Mott e Jorge Lafond: "Calminha, Vera Verão! Você está nervosa!" "Você é uma bicha gooorda, escrooota! Se eu estivesse aí, quebrava a sua cara!" (A troca de gentilezas era por telefone.)

* Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes: "As sílabas servem para batucar, Brown?" "Sim, Arnaldo. Para batu-educar, para batu-alimentar, para baco-vinhar, para basco-escoar e para basquear-pintar."

(Nota do Ruy: os principais trechos desses diálogos não são ficcionais. Está cada vez mais difícil competir com a goiabice do dito mundo real. Ai ai ai de mim, como diria o João Bosco.)

Nota do Editor
Ruy Goiaba assina o blog puragoiaba, onde estes textos foram originalmente publicados.


Ruy Goiaba
São Paulo, 28/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
02. A Imagem do Som de Fabio Gomes
03. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
04. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
05. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos


Mais Ruy Goiaba
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CURANDO A ALMA MASCULINA - O CRISTIANISMO E A JORNADA MÍTICA
DWIGHT H JUDY
PAULUS
(1998)
+ frete grátis



DEL RORAIMA AL ORINOCO
THEODOR KOCH-GRUNBERG
ARMITANO
(1981)
+ frete grátis



HEGEL
FRANÇOIS CHÂTELET
ZAHAR
(1995)
+ frete grátis



MEMÓRIAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO
ROBERTO DA SILVA BIGONHA
SBC
(2014)
+ frete grátis



CÂNTICOS DE SALVAÇÃO PARA CRIANÇAS - COM PAUTA MUSICAL - VOLUME 3
DR. ANTÔNIO ALMEIDA - MARIA OLINDA SIQUEIRA
APEC
(1988)
+ frete grátis



AUDITORIA 
MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA
ATLAS
(1996)
+ frete grátis



PLUMAS NEGRAS
MARGERY ALLINGHAM
JOSÉ OLYMPIO
(1986)
+ frete grátis



MOVIMENTOS SOCIAIS, POLÍTICAS SOCIAIS E QUESTÃO SOCIAL: ELEMENTOS PARA UMA ANÁLISE DA REALIDADE NO BRASIL E AMÉRICA LATINA
ORG: LUCÍ FARIA PINHEIRO
GRAMMA
(2011)
+ frete grátis



ESTRATÉGIA COMPETITIVA
MICHAEL E. PORTER
CAMPUS
(2004)
+ frete grátis



O HOMEM ESPIRITUAL ( AQUELE QUE É ESPIRITUAL)
LEWIS SPERRU CHAFER
IBR
(1986)
+ frete grátis





busca | avançada
30976 visitas/dia
949 mil/mês