Um brasileiro no Uzbequistão (I) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
>>> Ringue vago
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manoel de Barros: poesia para reciclar
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Sionismo e resistência palestina
>>> O melhor da década na literatura brasileira: prosa
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Os desafios de publicar o primeiro livro
>>> Um ano na Provence
Mais Recentes
>>> História Econômica do Brasil
>>> O Tesouro dos Alquimistas
>>> Tao da Física
>>> Forma e Design
>>> A Aprendizagem do Ator
>>> Senhor das Sombras- Ele é Destruição...
>>> Le Guide Pratique des Nouvelles Thérapies
>>> Paraíso- a Cidade Santa e a Glória do Trono
>>> Mulher e Literatura
>>> A América Latina e a Crise Internacional
>>> Intuição e Estados de Ego
>>> Resumo de Criminologia
>>> O Crime nosso de cada dia
>>> A Ouvidoria Brasileira/Dez Anos da Associação Brasileira de Ouvidores
>>> Comunicação e Democracia/Problemas e Perspectivas
>>> Recepção Midiática e Espaço Público
>>> Garoto encontra Garota
>>> Cause Impacto!
>>> A Rainha da Fofoca Fisgada
>>> A Rainha da Fofoca em Nova York
>>> Superando os desafios íntimos
>>> Terra Sonâmbula
>>> A Rainha da Fofoca
>>> Todo Garoto Tem
>>> Tamanho 42 não é gorda
>>> Tamanho 44 também não é gorda
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu
>>> Pegando Fogo!
>>> Lembra de mim?
>>> Caçada Macabra
>>> Como eu era antes de você
>>> O Chamado do Cuco
>>> Nerve
>>> Traição entre Amigas
>>> O mundo dá voltas para meninas que não engolem sapos
>>> Guias Práticos Verbos: Empregos e Conjungação
>>> Tudo sobre meninos para meninas!
>>> Menina de vinte
>>> 20000 Léguas Submarinas - Edição Condensada
>>> Diário de um Banana - Dias de cão
>>> 365 dias do ano - Staying Strong
>>> Marina
>>> Blog da Cacau // Ninguém Merece
>>> Ai Amigas ! // Ninguém Merece
>>> A vida secreta das abelhas
>>> Luz del Fuego/A Bailarina do Povo
>>> Apaixonada por palavras. Crônicas.
>>> Quem é você, Alasca?
>>> A mala de Hanna - Uma história real.
>>> O tempo entre nós.
COLUNAS

Segunda-feira, 30/6/2003
Um brasileiro no Uzbequistão (I)
Arcano9

+ de 4300 Acessos

Tashkent, 31.05

Estou muito, muito nervoso com esta viagem. Agora há pouco, chegando a Tashkent, olhei pela janela do avião e me veio de novo aquela sensação de insegurança por não saber falar a língua local, por estar sozinho. Mas, ao mesmo tempo, sinto que esse medo está fundido com o desafio, com a vontade de domar este lugar tão difícil de conhecer, sem a companhia de ninguém. Sabendo que, provavelmente, meus amigos nunca virão para cá.

"Você vai para o Uzbequistão, de férias? Por quê?", muitos deles me perguntaram. "Tem alguma coisa para fazer lá?", refraseou, no mesmo espírito, meu irmão. Para quase todos, é a mesma reação que vem à tona: se há tantos lugares para se visitar, por que ir para o centro da Ásia, para um país que faz fronteira com o Afeganistão, onde há suspeita de atividade de extremistas islâmicos, onde a natureza foi destruída pela ânsia industrial dos tempos soviéticos? A resposta vem desde os tempos de Marco Polo, o mercador italiano que, tendo sido o primeiro ocidental a realizar a jornada à China e voltar, escreveu em seu diário sobre as belezas secretas de uma certa cidade chamada Samarkand. Enfrentar a rota da seda, antes do avanço das navegações no final do século 15, era a única forma de difundir nos ricos mercados europeus as especiarias e todo o exotismo daqueles mundos cheirosos, coloridos, que povoavam o imaginários de espanhóis, ingleses e vênetos. Um mundo distante, perdido em meio a desertos desconhecidos, em meio a mares sem mapas, em meio a povos e clãs que nunca ouviram falar de nosso universo.

A viagem foi sem problemas. Em Londres, fazia muito sol, mas foi só o avião entrar no leste da Europa para começar a só sobrevoar nuvens. Vim de Aeroflot, a temível empresa aérea russa que, numa incomum manifestação de anacronismo, mantém a foice e o martelo em seu logotipo. Contudo, tudo foi bem mais tranqüilo do que pensei. Os atendentes de bordo foram simpáticos - algo realmente estranho, vindo de russos. Pena que a comida não me agradou muito. Tanto na viagem Londres/Moscou como no trecho Moscou/Tashkent, o prato principal foi peixe, sem nenhuma opção disponível. E peixe não é, exatamente, minha carne favorita.

No impronunciável aeroporto de Moscou, senti um pouco do gostinho do drama da língua. Tive um probleminha na transferência de um vôo para outro, algo meio inevitável. Na hora de falar com alguém e pedir informações, até me senti confiante, mas foi só a pessoa responder para eu perceber que o grande problema é entender o que as pessoas falam. Ninguém, obviamente, fala devagar. Principalmente se você é um estrangeiro, e ainda mais se você deixa claro que sabe um pouco, bem pouquinho, de russo. E conhecimento de inglês na Rússia, mesmo num aeroporto internacional, é ainda pior do que no Brasil: alguns falam sim, mas falam mal, muito mal. Ao chegar a Tashkent, a coisa piorou. Uma daquelas heranças ridículas dos tempos soviéticos é a necessidade de preencher um formulário, ao chegar ao país, dizendo exatamente quanto dinheiro você tem. Mas, ao chegar ao aeroporto da capital uzbeque, não encontrei formulários em inglês - só em uzbeque, alemão e russo. Tentei encarar o russo, só para depois de dois minutos largar a toalha e pedir para um funcionário procurar, pelo amor de Deus, o tal do formulário em inglês no almoxarifado. O pedido, aliás, foi em russo. O russo que, mais do que nunca, percebi que só me ajudaria em caso de desespero.

Fui apresentado a Tashkent em 2001. Fiquei na cidade por três dias para fazer uma reportagem sobre os dez anos do final da União Soviética. Já naquela época, a grande motivação da minha visita foi literária. Eu havia proposto a reportagem, e a visita ao Uzbequistão, após ler o divino Imperium, um livro de memórias do polonês Ryszard Kapuscinsky, publicado no Brasil pela Companhia das Letras. No livro, Kapuscinsky, considerado por muitos o maior correspondente de guerra vivo, descreve uma viagem que fez por vários países soviéticos do centro da Ásia no auge da União Soviética, e depois narra uma viagem parecida que fez em 1989, quando a colossal estrutura do politburo moscovita começou a ruir, vítima do reformismo de Mikhail Gorbachov. As descrições das mesquitas de Bukhara e as reflexões sobre a beleza sobrenatural dos monumentos de Samarkand se mesclaram à visão de Marco Polo. E, na minha cabeça, todo o patrimônio persa, turco e grego da região se tornou ainda mais atraente, imaginando que o Uzbequistão foi um dos locais mais distantes onde ecoou a revolução bolchevique. Até que ponto aquela cultura secular havia sido afetada pelo ideal comunista? Até que ponto o povo havia mudado? Isso o que fui investigar.

O que descobri foi uma sociedade dividida: cidades com partes claramente russas e partes claramente uzbeques; comunidades tadjiques e originárias de outras partes da ex-União Soviética deslocadas de seu território pela infame política de miscigenação imposta por Stalin. Descobri um governo que lembrava muito o poder isolado do Kremlim, e também um povo simpático, às vezes inocente, às vezes maculado pela febre do capitalismo ainda fresco, vindo como um vento forte, encarnado nos turistas cada vez mais numerosos.

Tashkent, vindo para cá para o hotel, me passou a mesma impressão da primeira vez. Me sinto, de alguma forma que não sei explicar direito, em uma cidade do interior de São Paulo. As árvores e o mato nas calçadas, a cor da luz dos postes, o vazio das ruas à noite, até o cheiro da brisa... Parece que, a qualquer momento, vou cruzar com um ônibus da viação Mantiqueira, fazendo o trajeto de alguma cidade do Vale do Paraíba para a rodoviária do Tietê. Sou tomado por um ar interiorano, no meio da noite; mas, ao mesmo tempo, as avenidas imensas e os detalhes dos prédios, mosaicos e pinturas geométricas, me dão a certeza de que estou numa terra muito, muito distante.

Estou cansado. Cheguei às 2h30 e amanhã tenho que levantar antes das 10h30 para arrumar minhas coisas e pegar o café da manhã, que só é servido até as 11h. Faz calor. Espero que não tenha mosquito no quarto. Parece que tem.

(Continua aqui)


Arcano9
Miami, 30/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
04. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
05. A Imagem do Som de Fabio Gomes


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2003
01. Quem somos nós para julgar Michael Jackson? - 10/2/2003
02. Um brasileiro no Uzbequistão (V) - 8/9/2003
03. Um brasileiro no Uzbequistão (III) - 28/7/2003
04. Um brasileiro no Uzbequistão (I) - 30/6/2003
05. Empolgação - 10/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANÁLISE ESTRUTURADA DE SISTEMAS
CHRIS GANE; TRISH SARSON
LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1983)
R$ 10,00



O REI DE RAMOS - DIAS GOMES (TEATRO BRASILEIRO)
DIAS GOMES
BERTRAND BRASIL
(1987)
R$ 10,00



UM ANIMAL TÃO HUMANO -COMO SOMOS MOLDADOS PELO AMBIENTE E PELOS ACONTECIMENTOS
RENE DUBOS
MELHORAMENTOS
(1974)
R$ 14,90



A RESSURREIÇÃO DE CRISTO
OG MANDINO
RECORD
(1981)
R$ 8,00



POR QUE O JUSTO SOFRE E O IMPIO PROSPERA?
SILAS MALAFAIA
GOSPEL
(2009)
R$ 5,10



LIMPEZA DE SANGUE
ARTURO PÉREZ-REVERTE
CIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 18,52



BERTOLT BRECHT
WALTER WEIDELI
FONDO DE CULTURA ECONÓMICA
(1969)
R$ 25,00



DIREITO ADMINISTRATIVO - QUESTÕES DA ESAF COM GABARITO COMENTADO
GUSTAVO BARCHET
ÍMPETUS
(2004)
R$ 19,85



TEX OURO Nº 41
SERGIO BONELI
MYTHOS
(2009)
R$ 8,00



A ÚLTIMA CARTA DE AMOR
JOJO MOYES
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 13,90





busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês