Zastrozzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
63615 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> A aquisição do Whatsapp, pelo Facebook, por 19 bilhões de dólares
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> The Zen of Bennett, com Tony Bennett
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
>>> Toda Poesia, de Paulo Leminski
Temas
Mais Recentes
>>> Os 60
>>> O Mito da Eleição
>>> Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias
>>> Era uma vez
>>> Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2)
>>> Histórias de superação que não fazem sucesso
>>> Proust, rugas e colesterol
>>> Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad
>>> Eu podia estar matando, podia estar roubando
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
Colunistas
Mais Recentes
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
>>> Steve Jobs (1955-2011)
Últimos Posts
>>> García Márquez, o filme (1999)
>>> García Márquez na CNN
>>> García Márquez no Digestivo
>>> Someday My Prince Will Come
>>> Redigir com Ana Elisa Ribeiro
>>> Erudito nas igrejas de SP
>>> As Quatro Estações 2003
>>> Filosofia e Jornalismo
>>> Grieg, Chopin e Saint-Saëns
>>> O homem ideal
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
>>> Comentários via Facebook
Mais Recentes
>>> A teoria do caos
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> O fim da revista Bravo!
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Entre o Curtir e o Trollar
>>> Por uma arquitetura melhor
>>> Antes da filosofia
>>> Séries? Que papo é esse?
>>> Cinema é filosofia
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
LIVROS
Mais Recentes
>>> Viver Para Contar
>>> Crônica de Uma Morte Anunciada
>>> Álbum da Copa do Mundo 2014 - Fifa World Cup Brasil - Capa Dura
>>> Gossip Girl - Me Dê Uma Chance
>>> A Filha da Tsarina
>>> O Evangelho Segundo Judas
>>> O Dominador
>>> Corvo Negro
>>> Almanaque 1964
>>> As Sombras de Longbourn
>>> O Silêncio do Algoz
>>> Poesia e Polícia
>>> A paixao medida
>>> Um Outro Amor
>>> Nova Gramática Finlandesa
>>> O Mesmo Mar
>>> Eu Sou Proibida
>>> Dias Perfeitos
>>> Romance com pessoas
>>> Quarenta dias
>>> Cavaleiros
>>> Casa de Segredos
>>> Cartografia da Justiça no Brasil
>>> Homens Difíceis
>>> A Capitoa
>>> Caninos Em Família
>>> O Caminho de Ida
>>> No Caminho da Vitória
>>> O Caminho da Paz
>>> A Guerra que Matou Aquiles
>>> Um Bom Rapaz
>>> O Bispo
>>> Biomecânica Básica do Sistema Musculoesquelético
>>> Biologia Vegetal
>>> Biologia Molecular Básica
>>> Biologia celular e molecular
>>> Bilhões e lágrimas
>>> O Bicho Alfabeto
>>> Belleville
>>> Beco dos Mortos
>>> Bazinga!
>>> As Aventuras de Pedro Coelho
>>> Lira Grega - Antologia de Poesia Arcaica
>>> A Filosofia como Crítica da Cultura
>>> Humor é Coisa Séria
>>> Pensar o Contemporâneo
>>> Arquitetura Grega e Romana
>>> As Neurociências - Questões Filosóficas
>>> Aventuras de Alice no País das Maravilhas
>>> Autodesk Revit Architecture 2014
COLUNAS

Quarta-feira, 2/7/2003
Zastrozzi
Rennata Airoldi

+ de 2500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que pode dar ou tirar o sentido da vida de um homem? Não é algo fácil de enumerar ou descrever. É simplesmente uma questão de escolha. Cada um determina seu próprio destino, sendo ele louvável ou não, dependendo do ponto de vista. Zastrozzi, personagem título da peça, é um tipo peculiar. Um assassino frio e cruel. Como qualquer vilão que se preze. Não apenas um matador, mas o melhor! Cercado, obviamente, por fiéis escudeiros e seguidores, admirado por uns e temido por outros. Isso, aliás, não importa.

Acontece, porém, que, como qualquer pessoa, esse vilão passa por momentos de tédio e necessita descobrir um sentido para a sua própria vida. É desta forma que Verezzi, um artista de vários dons, um sonhador visionário, vira seu único alvo, sua eterna busca. A partir da desculpa de vingar a morte da própria mãe, a brincadeira de gato e rato transforma-se na única necessidade e no único objetivo de Zastrozzi. Perseguí-lo até o fim de seus dias! O bem contra o mal... ou seria o inverso? Aqui, na peça, fica claro o heroísmo direcionado ao assassino e o patético diluído na figura do bom moço.

A peça, escrita pelo autor canadense George Walker, tem sua primeira montagem no Brasil. A apropriação do texto é bem interessante, pois une um certo clima antigo (o texto sugere a ação no século XIX), com a presença de figuras bem conhecidas: a mocinha virgem, o vilão, o moço rico, o tutor, o vassalo, os criminosos. Também tabernas, parques e afins, sempre sob a ótica dos dias atuais. Enquanto o figurino e os adereços carregam o peso do tempo de maneira estilizada, temos igualmente projeções compondo com o cenário. Tudo isso traz à tona um universo lúdico de desenhos animados e das histórias em quadrinhos.

Na verdade, a luz e as projeções são determinantes para confirmar a proposta da direção. A coreografia cênica e a escolha do gestual dos atores são aqui determinantes. Outro ponto a ser levantado é que, em muitos momentos nas cenas da peça, quadros são formados, como se um slide gigante fosse projetado em três dimensões. Isso traz credibilidade até para as coisas mais farsescas que são abertamente realizadas em cena. O melodrama e todos os clichês são, inclusive, bem-vindos. Assim, há um sarcasmo e uma ironia permanentes.

É, aliás, uma escolha perigosa, se não for levada até o fim. Sendo necessário certo radicalismo, pois, no momento em que a "coreografia" aparece mais do que a "atuação" em si, não vemos o personagem que vivência determinada história, mas sim o ator que executa friamente uma tarefa, deixa uma “marca”. Isto tudo ainda oscila muito no decorrer do espetáculo. Não estou falando de cenas de luta onde o principal é a coreografia. O risco é o da proposta funcionar como escudo da "não-atuação". Por mais que a "forma" seja determinante nessa escolha, o "conteúdo" deve prevalecer. Independentemente da linha seguida na peça.

Por outro lado, a encenação de Zastrozzi, além propor determinada pesquisa, é interessante por levar o gênero “ação” ao teatro. Talvez uma modernização do antigo “capa–espada”. Nos momentos em que o foco principal é a “dança de movimentos” (nas mudanças de cena nas lutas), a precisão e o desenho são muito bem explorados. Tudo sugere lutas marciais, e a influência oriental está não só nos movimentos como também nas tatuagens que alguns personagens carregam na pele. Há, sem dúvida, a referência aos filmes de ação que estão por aí, hoje, em cartaz.

A peça é assim: uma divertida exploração de vários universos e tempos. Um "mix" que aproveita para zombar da própria ficção na obra. Os arquétipos das grandes histórias de crime e perseguição. O ponto de partida é a própria inquietação de Zastrozzi e, a partir dele (de seu ponto de vista), tudo se desenrola. Assim, justifica-se distorções e maniqueísmos. Outra novidade nesta produção é que o ator Selton Mello encara aqui um segundo papel, o de diretor (juntamente com Daniel Herz). Sem dúvida que é uma árdua tarefa dirigir e atuar ao mesmo tempo.

Em ”Zastrozzi”, o engraçado, o patético estão presentes o tempo todo. Mas, além disso, voltando à discussão inicial, fica claro que o branco só existe em contraste com o preto. Quero dizer, o bem é determinado pelo mal e vice-versa. Assim, um é alimento do outro, um dá sentido à existência do outro. A relação presa–caçador instala um ciclo interminável! Daí temos o átomo de toda essa história.

Para ir além
Zastrozzi está em cartaz no Teatro Folha, até o dia 27 de julho. Sextas às 21h30, sábados às 20 e 22 hrs., e domingos às 19 hrs. O Teatro Folha fica no Shopping Pátio Higienópolis (Av. Higienópolis, nº 618). Maiores pelo telefone: (0xx11) 3823–2737.


Rennata Airoldi
São Paulo, 2/7/2003

Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2003
01. Temporada de Gripe - 17/11/2003
02. As Nuvens e/ou um deus chamado dinheiro - 4/6/2003
03. O Belo Indiferente - 24/9/2003
04. Zastrozzi - 2/7/2003
05. José Tonezzi: Arte e Pesquisa Sem Fronteiras - 12/2/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2004
15h31min
Bem, meu nome e Diego e moro nos Estados Unidos. Estive no Brasil o verao passado, quando tive a oportunidade de ver Zastrozzi. Fiquei apaixonado pelo texto e pelo elenco. Natalia Lage e Angelo Paes Leme, na minha opiniao foram uma escolha perfeita. Faco teatro musical aqui nos estates, e fiquei muito feliz com a qualidade do teatro brasileiro. Pude ver que o povo brasileiro tem muita cultura e talento. Tenho 18 anos de idade e amo teatro. Zastrozzi contribuiu muito com essa minha decisao de seguir carreira como ator. Um grande abraco ao elenco, e em especial a voce, Rennata. Adorei o texto.
[Leia outros Comentários de Diego Rocha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Chico Santa Rita lança 'Batalha Final'
>>> Matheus Brant rompe barreiras estéticas em obra multimídia
>>> 'Ressurreição' chega ao Corcovado no Domingo de Páscoa (20/4)
>>> A trajetória de Ayrton Senna é contada em quadrinhos após 20 anos do acidente de Ímola
>>> Inscrições para a MVArte 2014
>>> Páscoa no País das Maravilhas
* clique para encaminhar

Arquipélago Editorial
Intrínseca
Companhia das Letras
Editora Conteúdo
Cortez Editora
Editora Perspectiva
WMF Martins Fontes
Madras Editora
Bertrand Brasil
José Olympio
Best Seller
Nova Fronteira
Editora Contexto
Hedra
Globo Livros
Civilização Brasileira
Editora Record
LIVROS


O CAMINHO DA PAZ
Por R$ 24,95
+ frete grátis



A ÓRFÃ NÚMERO SETE
Por R$ 29,95
+ frete grátis



ADMINISTRAÇÃO - TEORIA, PROCESSO E PRÁTICA
De R$ 125,00
Por R$ 99,95
Economize R$ 25,05



ALMANAQUE DO CRUZEIRO
Por R$ 43,95
+ frete grátis



ARQUITETURA GREGA E ROMANA
Por R$ 78,95
+ frete grátis



O LIVRO DAS ILUSÕES
Por R$ 33,95
+ frete grátis



DEXTER - A MÃO ESQUERDA DE DEUS
De R$ 44,90
Por R$ 37,95
Economize R$ 6,95



MACROECONOMIA PARA CONCURSOS E EXAME DA ANPEC 2
Por R$ 114,95
+ frete grátis



A ANATOMIA DA INFLUÊNCIA - LITERATURA COMO MODO DE VIDA
Por R$ 48,95
+ frete grátis



O NOME DESTE LIVRO É SEGREDO
Por R$ 37,95
+ frete grátis



busca | avançada
63615 visitas/dia
2,2 milhões/mês