Mais viagens por Budapeste | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
27870 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Nova saga de fantasia urbana usa plataforma de financiamento coletivo
>>> O cantor Raphael Ota lança o álbum 'Paralelo' nas plataformas digitais
>>> Obra traz mais de 150 receitas veganas práticas e rápidas de preparar
>>> 'Entardecer na Casa do Sol' encerra 2ª edição do AntroHH
>>> Urban Arts sedia exposição fotográfica gratuita
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> A pós-modernidade de Michel Maffesoli
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> O esguicho
>>> Feitio
>>> O cenário político é a nossa vergonha
>>> A matemática da corrida
>>> Dança dos imãs ou a metafísica do gesto
>>> Um trago com os amigos
>>> Caderneta
>>> Alfarrábios
>>> A mulher de Lot
>>> Sem palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Prazeres escondidos
>>> Correio
>>> Arte é entropia
>>> Caderno de caligrafia
>>> Entrevista com Ryoki Inoue
>>> Helena Seger
>>> O Oeste Selvagem
>>> Viver para contar - parte 1
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Os melhores do cinema brasileiro em 2003
Mais Recentes
>>> Mestre Gil de Ham
>>> Cavalo de Troia 9´: Caná
>>> Como Dsenvolver a Memória
>>> O Tartufo ou o Impostor
>>> O Jesus Muçulmano - Provérbios e Histórias da Literatura Islâmica
>>> Eles não usam black-tie (novo)
>>> Neruda para Jovens - Antologia poética (novo)
>>> Sou Down e sou Feliz
>>> Judaísmo: Vusão do Universo
>>> Cantos D'alma - poemas
>>> A Senhorita Simpson
>>> O Pagador de Promessas
>>> Ésquilo Eurípedes - Prometeu / Alceste Vol.2
>>> De Verdade
>>> História e Prática do Habeas Corpus Vol. 1 e 2
>>> Bioenergética- Liberar Energia Vital
>>> Comentários ao Código de Processo Civil - Vol.V
>>> Universos Abstratos em Possível Expansão Ilimitável
>>> Ego e Arquétipo
>>> Leituras Obrigatórias UFRGS 2017
>>> Vasos de Glória- Romanos
>>> Um Chapéu para Viagem
>>> Terapia Comunitária passo a passo
>>> Romanos 6-11
>>> Guerra e Paz
>>> Cinquenta Anos Depois
>>> PS Beijei
>>> David Copperfield vol. 2 - colégio Objetivo
>>> Histórias de Amor adolescente - Pintando uma Saudade
>>> Fundamentos teóric0os e metodológicos da educação
>>> Croma - Caminho da vida
>>> The Making of the Nation (em inglês)
>>> O Bóia Fria: Acumulação e Miséria - Maria Conceição D`incao e Mello (História/Geopolítica/Economia)
>>> A Nova MUlher e a Moral Sexual - Alexandra Kollontai (Feminismo/História)
>>> A Formação das Nações Latino-Americanas - Maria Ligia Prado (História/Geopolítica/América Latina)
>>> A Mulher na História do Brasil - Mary del Priore (História/Feminismo)
>>> Evolução das Espécies: O pensamento científico, religioso e filosófico - Samuel Murgel Branco (História/Religião/Filosofia
>>> Uruguai: Um campo de Concentração? - A. Veiga Filho (História/Geopolítica/América Latina)
>>> Alemão urgente para Brasileiros
>>> Abbé Pierre
>>> Oseias- Profetas Menores Volume 1
>>> As Caras e as Máscaras - Eduardo Galeano (História da América Latina)
>>> Os seis signos da luz: a rebelião das trevas
>>> Feminismos, identidades, comparativismos: vertentes nas literaturas de língua inglesa Vol. VIII
>>> Feminismos, identidades, comparativismos - vertentes nas literaturas de língua inglesa Vol.VI-
>>> Feminismos, identidades, comparativismos: vertentes nas literaturas de língua inglesa Vol.VII
>>> Vida Pregressa
>>> Dia a Dia com a Família Freud - Depoimentos da Governanta Paula Fichtl
>>> A Eliminação do Tempo Psicológico
>>> A Guerra da Lagosta
COLUNAS

Quinta-feira, 12/2/2004
Mais viagens por Budapeste
Adriana Baggio

+ de 6200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Puxa vida, tanto já se escreveu sobre Budapeste (Companhia das Letras, 2003), o último livro de Chico Buarque, e por gente tão mais competente para isso do que eu, que fica difícil trazer alguma coisa diferente. É claro que cada vez que alguém fala de alguma coisa vai falar algo a mais do que o que foi falado antes. Mas até que ponto essas falas diferentes podem ser melhores do que as outras?

Bom, talvez se eu falar como leitora, possa achar um algo mais que interesse a outros leitores. Só para contextualizar: Budapeste é mais um livro escrito pelo cantor e compositor Chico Buarque. Conta história de José Costa, um ghost-writer carioca que encasqueta com a Hungria e com o idioma húngaro, até se mudar para Budapeste e virar Zsoze Kósta. Como um espelho, a sua vida no Rio se reflete em Budapeste. No Rio ele é casado com uma apresentadora de TV que não dá muita bola pra ele e tem um filho mimado, meio imbecil, com o qual não tem a mínima afinidade, quanto mais a relação que se espera entre pai e filho. Em Budapeste, namora uma professora de Húngaro, que dá mais bola pra ele, mas também não é muito boazinha. Ela tem um filho mimado e insuportável, com o qual ele também não tem a mínima afinidade.

Essa metáfora do espelho está na forma e no conteúdo. Como toda forma é forma de um conteúdo e todo conteúdo é conteúdo de uma forma, a forma não é só forma, é também conteúdo. É por isso que o lance do espelho não está só no conteúdo do livro, mas também na sua forma. A contra-capa é como se fosse a capa refletida no espelho, com as palavras aparecendo de trás para frente. Mas no lugar do nome do autor - Chico Buarque - escrito de trás pra frente, tem o nome Zsoze Kósta. E aí, se a gente quiser viajar um pouco, pode começar a pirar sobre o significado dessa charadinha: José Costa é um alter ego de Chico Buarque? Zsose Kósta é quem Chico Buarque gostaria de ser? Chico Buarque também tem um ghost-writer? Como essa dualidade se encaixa na questão da autoria proposta por Michel Foucault? E por aí vai...

Bem, se o espelho reflete o indivíduo, e se a imagem é parte dele, então o reflexo materializa a divisão do um. É como se uma pessoa e sua imagem fossem uma coisa só, que se divide quando essa pessoa se vê refletida. E aí a gente entra com a metáfora de Budapeste, que na verdade são duas cidades divididas pelo Danúbio, Buda e Peste (falando assim, até parece dupla sertaneja). Então essa reiteração de duplicidades, de imagens divididas, é uma alegoria para a dualidade do ser humano, principalmente do escritor, que quando escreve é ele mesmo, mas também é outro. Até o Chico é um ser duplo, no sentido de que cabem nele características próprias de estereótipos diferentes: é compositor, mas tem uma obra literária consistente; joga futebol, mas é sensível; é lindo e famoso, mas é discreto; suas músicas são maravilhosas, mas canta mal pra caramba.

Budapeste deve ser um livro com o qual as aulas de literatura pintam e bordam, porque traz essa questão do duplo, expressa de várias formas. Chafurdar o livro em busca de referências dessa dualidade é um exercício interessante, porque aprofunda a reflexão sobre os significados mais entranhados do texto. No entanto, uma leitura superficial, de lazer, também pode proporcionar prazeres literários. Existem passagens muito engraçadas, de construção inusitada, que fazem lembrar (eu sei que é lugar comum, eu sei...) o Chico letrista. Repetindo o que eu vi escrito em algum lugar esses dias, atire a primeira pedra quem nunca achou que uma música do Chico Buarque servia direitinho para explicar sua história de amor (e aí a gente vê como as emoções humanas são básicas e repetitivas...). Pois é essa capacidade que ele tem de falar coisas que provocam a identificação com as pessoas que tornam o livro gostoso, divertido. O que é um mérito, considerando-se que o livro foi feito para ser vendido, e bem vendido, por mais que existam outros objetivos, talvez mais nobres, que permeiem a concepção da obra. E nesse ponto me deu vontade de divagar sobre os cantores e seus livros, como Madonna e seu livro infantil e Lou Reed e seu livro de fotos, mas vou deixar para outra oportunidade...

Voltando para os textos do Chico que falam de gente como a gente, tem uma hora em que, no livro, o José Costa está sentado em um quiosque da praia ouvindo conversas esparsas das pessoas que passam por trás dele. No texto, essas conversas são representadas por fragmentos de frases separadas por reticências. Aí tem uma que é assim: "...ela afastou a calcinha e veio o furúnculo...". Meu Deus, de onde ele tirou isso? Não porque furúnculos em bundas femininas sejam raridade, muito pelo contrário. Calcinhas apertadas fazem um estrago danado para a pele e para o ego, porque um furúnculo provocado por elástico apertado é humilhante. Mas será que o Chico, o Chico, já esteve frente a frente com um furúnculo numa bunda de mulher? Não consigo imaginar a Marieta Severo com furúnculo, ou qualquer outra que tenha estado com o Chico. Mas se ele botou isso no livro, ou ele já viu, ou deve ter ouvido falar. É, pode ser isso, papo de homem nas peladas que ele joga.

Mas a parte gente-como-a-gente do livro também convive com expressões como "sabendo a damasco", referindo-se ao sabor de um licor, mesmo sabendo que pouca gente sabe o que esse sabendo significa. Então, voltando àquela história dos estereótipos diferentes numa mesma figura, o livro transita bem por esses dois estilos, como José Costa pelo Rio e por Budapeste, pelo português e pelo húngaro, e como Chico pelo erudito e pelo popular, pela música e pela literatura. Sabe a impressão que dá ao comparar essas diferenças nos estilos do texto? Que é a fala de um homem de outra época, que incorporou novas expressões, novas palavras, mas que acaba tendo "recaídas" e usando termos marcantes de outros tempos. Ou que, volta e meia, deixa transparecer a erudição no meio de estruturas mais coloquiais. É, até o Chico está ficando velho. Não que isso seja ruim. Os fios de cabelo branco que já se misturam com os escuros só aumentam o charme do cara. Uma bela forma para um belo conteúdo.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 12/2/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
02. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
03. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
04. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
05. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/2/2004
15h22min
Muito interessante seu texto, Adriana. Levantou questões sobre as quais ainda não tinha refletido. Esse lance da dualidade (erudito, popular) tem muito sentido e nos faz 'viajar' por inúmeras outras questões. Só resta uma dúvida: será que o Chico pensou em todos esses significados quando escreveu o livro ou tudo é, na verdade, um reflexo de sua personalidade? Parabéns.
[Leia outros Comentários de Maykon Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O JORNALISTA E O ASSASSINO (LACRADO)
JANET MALCOLM
COMPANHIA DE BOLSO
(2016)
R$ 17,00



A CORAGEM DA INOCÊNCIA
FREI MANOEL BORGES DA SILVEIRA
ABAP
(2014)
R$ 15,00



OS NEGÓCIOS DO SENHOR JÚLIO CÉSAR - BERTOLT BRECHT
BERTOLT BRECHT
HEMUS
(1970)
R$ 20,00



SALVE-SE QUEM PUDER: D.T. REGENTE CONTRA O CRIME
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1998)
R$ 4,00



PERSPECTIVAS DO MODERNO TEATRO ALEMÃO
HENRY THORAU
BRASILIENSE
(1984)
R$ 20,00



SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO - OBJETIVO
WILLIAM SHAKESPEARE - ADP ISABEL DE LORENZO
OBJETIVO
R$ 10,00



FLORADAS NA SERRA - DINAH SILVEIRA DE QUEIROZ
DINAH SILVEIRA DE QUEIROZ
JOSÉ OLYMPIO
(1981)
R$ 10,00



A FOTO
ALBERTO RENAULT
OBJETIVA
(2003)
R$ 6,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 5,00



A SENSITIVA
HANNAH HOWELL
LUA DE PAPEL
(2012)
R$ 8,00





busca | avançada
27870 visitas/dia
1,1 milhão/mês