Mais viagens por Budapeste | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
34579 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Coleção de arte sacra é destaque em leilão virtual
>>> Nova voz do samba, Thais Duran revela compositores paulistanos em seu primeiro disco
>>> Yoga é tema de série de atividades no Sesc Belenzinho, entre 24 e 27 de agosto
>>> Grupo Palimpsesto homenageia Violeta Parra
>>> Exposição Asas Na Arte - Artista Henrique Vieira Filho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Jerry Lewis, um verdadeiro louco
>>> Se está ruim para todos, seja melhor que os outros
>>> The game of Prones
>>> Pétalas neon
>>> À Lígia
>>> Um biombo oscila entre o côncavo e o convexo
>>> Síndrome da desesperança
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com João Moreira Salles
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Os 25 anos do SBT
>>> The rock'n'roll of our time
>>> Sobre o Jabá
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Hells Angels
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Watchaman nele ( O homem espiritual v. 1. 2. E 3)
>>> Empresas feitas para vencer
>>> Casamento Blindado
>>> O Que é Questão Agrária
>>> Iniciando uma Pequena Empresa Com Sucesso
>>> Redes Locais - o Estudo de Seus Elementos
>>> Introdução À Macroeconomia
>>> Introdução À Psicologia
>>> Morcegos Negros
>>> Programação e Métodos Computacionais Volume 1
>>> Hepatite C - Guia Prático para o Convívio Diário Com a Doença
>>> Memórias Anapolino de Faria - Histórias e Estórias
>>> Aventura Poética 1987-1988
>>> Que Nome Darei ao Meu Filho?
>>> Duas Opções - a Vida de um Pequeno Fazendeiro Num País Subdesenvolvido
>>> Até Que a Morte nos Separe
>>> O Fim dos Tempos
>>> Vito Grandam
>>> Beleza Negra (autobiografia de um Cavalo)
>>> Os Computadores! da Mesa de Areia ao Cérebro Eletrônico
>>> Parece Que foi Ontem - Global Juvenil
>>> Haidi - a Filha das Montanhas
>>> Filho da Liberdade
>>> Sigismundo do Mundo Amarelo - 8ª Edição
>>> Os Sete Ladrões de Bagdá/a Bela e a Fera/...
>>> Caçadas na África
>>> Ben-hur
>>> Encanto e Verdade
>>> Paraíso Infantil - Em 3 Volumes -1ª Edição
>>> A Verdade por Trás de o Código da Vinci
>>> Servir sem Medir
>>> Contos e Encontros
>>> Já Estava Escrito
>>> Um Santo, Esculpido pela Vida, Lapidado pela Dor
>>> A Sombra de Schumann
>>> Cinco Anos sem Chover
>>> Um Gosto de Quero Mais - 2ª Edição
>>> Minha Vida Como um Burrito Amassado Com Molho Extra de Pimenta
>>> Taras Bulba
>>> O Velho Carro e o Sonho
>>> Glorinha e o Mar - Coleção Jovens do Mundo Todo
>>> Filho da Rua
>>> Histórias do País de Ali-babá
>>> Álbum das Crianças
>>> Álbum das Crianças
>>> Uma Aventura na Idade Média (ficção:usos e Costumes de uma Época)
>>> O Guarany
>>> Reino Infantil - Volume Terceiro
>>> As Minas do Rei Salomão
>>> Ben-hur
COLUNAS

Quinta-feira, 12/2/2004
Mais viagens por Budapeste
Adriana Baggio

+ de 6200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Puxa vida, tanto já se escreveu sobre Budapeste (Companhia das Letras, 2003), o último livro de Chico Buarque, e por gente tão mais competente para isso do que eu, que fica difícil trazer alguma coisa diferente. É claro que cada vez que alguém fala de alguma coisa vai falar algo a mais do que o que foi falado antes. Mas até que ponto essas falas diferentes podem ser melhores do que as outras?

Bom, talvez se eu falar como leitora, possa achar um algo mais que interesse a outros leitores. Só para contextualizar: Budapeste é mais um livro escrito pelo cantor e compositor Chico Buarque. Conta história de José Costa, um ghost-writer carioca que encasqueta com a Hungria e com o idioma húngaro, até se mudar para Budapeste e virar Zsoze Kósta. Como um espelho, a sua vida no Rio se reflete em Budapeste. No Rio ele é casado com uma apresentadora de TV que não dá muita bola pra ele e tem um filho mimado, meio imbecil, com o qual não tem a mínima afinidade, quanto mais a relação que se espera entre pai e filho. Em Budapeste, namora uma professora de Húngaro, que dá mais bola pra ele, mas também não é muito boazinha. Ela tem um filho mimado e insuportável, com o qual ele também não tem a mínima afinidade.

Essa metáfora do espelho está na forma e no conteúdo. Como toda forma é forma de um conteúdo e todo conteúdo é conteúdo de uma forma, a forma não é só forma, é também conteúdo. É por isso que o lance do espelho não está só no conteúdo do livro, mas também na sua forma. A contra-capa é como se fosse a capa refletida no espelho, com as palavras aparecendo de trás para frente. Mas no lugar do nome do autor - Chico Buarque - escrito de trás pra frente, tem o nome Zsoze Kósta. E aí, se a gente quiser viajar um pouco, pode começar a pirar sobre o significado dessa charadinha: José Costa é um alter ego de Chico Buarque? Zsose Kósta é quem Chico Buarque gostaria de ser? Chico Buarque também tem um ghost-writer? Como essa dualidade se encaixa na questão da autoria proposta por Michel Foucault? E por aí vai...

Bem, se o espelho reflete o indivíduo, e se a imagem é parte dele, então o reflexo materializa a divisão do um. É como se uma pessoa e sua imagem fossem uma coisa só, que se divide quando essa pessoa se vê refletida. E aí a gente entra com a metáfora de Budapeste, que na verdade são duas cidades divididas pelo Danúbio, Buda e Peste (falando assim, até parece dupla sertaneja). Então essa reiteração de duplicidades, de imagens divididas, é uma alegoria para a dualidade do ser humano, principalmente do escritor, que quando escreve é ele mesmo, mas também é outro. Até o Chico é um ser duplo, no sentido de que cabem nele características próprias de estereótipos diferentes: é compositor, mas tem uma obra literária consistente; joga futebol, mas é sensível; é lindo e famoso, mas é discreto; suas músicas são maravilhosas, mas canta mal pra caramba.

Budapeste deve ser um livro com o qual as aulas de literatura pintam e bordam, porque traz essa questão do duplo, expressa de várias formas. Chafurdar o livro em busca de referências dessa dualidade é um exercício interessante, porque aprofunda a reflexão sobre os significados mais entranhados do texto. No entanto, uma leitura superficial, de lazer, também pode proporcionar prazeres literários. Existem passagens muito engraçadas, de construção inusitada, que fazem lembrar (eu sei que é lugar comum, eu sei...) o Chico letrista. Repetindo o que eu vi escrito em algum lugar esses dias, atire a primeira pedra quem nunca achou que uma música do Chico Buarque servia direitinho para explicar sua história de amor (e aí a gente vê como as emoções humanas são básicas e repetitivas...). Pois é essa capacidade que ele tem de falar coisas que provocam a identificação com as pessoas que tornam o livro gostoso, divertido. O que é um mérito, considerando-se que o livro foi feito para ser vendido, e bem vendido, por mais que existam outros objetivos, talvez mais nobres, que permeiem a concepção da obra. E nesse ponto me deu vontade de divagar sobre os cantores e seus livros, como Madonna e seu livro infantil e Lou Reed e seu livro de fotos, mas vou deixar para outra oportunidade...

Voltando para os textos do Chico que falam de gente como a gente, tem uma hora em que, no livro, o José Costa está sentado em um quiosque da praia ouvindo conversas esparsas das pessoas que passam por trás dele. No texto, essas conversas são representadas por fragmentos de frases separadas por reticências. Aí tem uma que é assim: "...ela afastou a calcinha e veio o furúnculo...". Meu Deus, de onde ele tirou isso? Não porque furúnculos em bundas femininas sejam raridade, muito pelo contrário. Calcinhas apertadas fazem um estrago danado para a pele e para o ego, porque um furúnculo provocado por elástico apertado é humilhante. Mas será que o Chico, o Chico, já esteve frente a frente com um furúnculo numa bunda de mulher? Não consigo imaginar a Marieta Severo com furúnculo, ou qualquer outra que tenha estado com o Chico. Mas se ele botou isso no livro, ou ele já viu, ou deve ter ouvido falar. É, pode ser isso, papo de homem nas peladas que ele joga.

Mas a parte gente-como-a-gente do livro também convive com expressões como "sabendo a damasco", referindo-se ao sabor de um licor, mesmo sabendo que pouca gente sabe o que esse sabendo significa. Então, voltando àquela história dos estereótipos diferentes numa mesma figura, o livro transita bem por esses dois estilos, como José Costa pelo Rio e por Budapeste, pelo português e pelo húngaro, e como Chico pelo erudito e pelo popular, pela música e pela literatura. Sabe a impressão que dá ao comparar essas diferenças nos estilos do texto? Que é a fala de um homem de outra época, que incorporou novas expressões, novas palavras, mas que acaba tendo "recaídas" e usando termos marcantes de outros tempos. Ou que, volta e meia, deixa transparecer a erudição no meio de estruturas mais coloquiais. É, até o Chico está ficando velho. Não que isso seja ruim. Os fios de cabelo branco que já se misturam com os escuros só aumentam o charme do cara. Uma bela forma para um belo conteúdo.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 12/2/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
02. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
03. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
04. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos
05. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/2/2004
15h22min
Muito interessante seu texto, Adriana. Levantou questões sobre as quais ainda não tinha refletido. Esse lance da dualidade (erudito, popular) tem muito sentido e nos faz 'viajar' por inúmeras outras questões. Só resta uma dúvida: será que o Chico pensou em todos esses significados quando escreveu o livro ou tudo é, na verdade, um reflexo de sua personalidade? Parabéns.
[Leia outros Comentários de Maykon Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉLESTIN FREINET
MARISA DEL CIOPPO ELIAS
VOZES
(2004)
R$ 11,00



FIM DA ETERNIDADE
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 26,40



AS 100 MELHORES PIADAS DE TODOS OS TEMPOS
PAULO TADEU
MATRIX
(2005)
R$ 10,00



SUPERANDO O CÁRCERE DA EMOÇÃO
AUGUSTO CURY
ACADEMIA
(2006)
R$ 6,00



O CORPO EM DEPRESSÃO (AS BASES BIOLÓGICAS DA FÉ E DA REALIDADE)
ALEXANDER LOWEN
SUMMUS
(1983)
R$ 23,00



MACUNAÍMA: O HERÓI SEM NENHUMA CARÁTER
MÁRIO DE ANDRADE
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 10,00



LAS CONTROVERSIAS DE JÉSUS - JOHN R.W. STOTT (ESPANHOL)
JOHN R.W. STOTT
EDICIONES CERTEZA
(1975)
R$ 25,00



O LADO NEGRO DE CAMELOT - SEXO E CORRUPÇÃO NA ERA KENNEDY
SEYMOUR HERSH
LPM
(1998)
R$ 19,90



AS MÃOS SUJAS - JEAN-PAUL SARTRE (TEATRO FRANCÊS)
JEAN-PAUL SARTRE
EUROPA-AMÉRICA
(1972)
R$ 30,00



A LITERATURA NA POLTRONA - JORNALISMO LITERÁRIO EM TEMPOS INSTÁVEIS
JOSÉ CASTELLO
RECORD
(2007)
R$ 21,00





busca | avançada
34579 visitas/dia
1,1 milhão/mês