Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
43291 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
>>> Silibrina é uma das bandas brasileiras selecionadas para o SXSW
>>> Chapel Art Show comemora 50 anos e homenageia German Lorca
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?
>>> Verão Poesia Internacional BH
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> O grande livro do jornalismo
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> Tectônicas por Georgia Kyriakakis
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Bambodansarna
>>> Sobre Caramujos
Mais Recentes
>>> A arte da Guerra - Os treze capítulos - 2ª ed.
>>> Sua Eminência o Cardeal Dom Lucas Moreira Neves
>>> A Princesa Vermelha
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Envergonhada - Vol. 01
>>> Estudos sobre os Lusíadas////Estudos da Língua Portuguesa
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Escancarada - Vol. 02
>>> Hamlet
>>> Fedro
>>> Número Zero
>>> Roma Antiga - De Rômulo a Justiniano. Convencional
>>> Essencial Franz Kafka
>>> The Communist Manisfesto And Other Writings
>>> Harlequin (The Grail Quest) Vol. 01
>>> Nova Visão em Ortodontia-Ortopedia Facial
>>> Sociologia - Introdução à ciência da sociedade (4ª ed.)
>>> Diagnostico,Planejamento e Condutas Clinicas na Técnica Ortodôntica
>>> The Child With Traumatic Brain Injury Or Cerebral Palsy
>>> Teoria Geral do Estado
>>> Roteiro para Mídia Eletrônica - TV, rádio, animação e treinamento corporativo
>>> The Art of The Advocate
>>> O Problema da Obediência em Hobbes
>>> Mitos e Mitologias Políticas
>>> 1946 - Le Droit Mis en Scéne
>>> Enfermagem em Cardiologia
>>> Fundamentos de Dentistica Operatoria
>>> Saude EM Contingencia Com Prudutos Quimicos
>>> O medo de Montalbano
>>> Pátria de Histórias Bahia prosa e poesia
>>> Torrentes Espirituais
>>> Azincourt
>>> A Sarsa de Horeb ou o Mistério da Serpente
>>> Homem e Mulher A Integração como caminho de desenvolvimento
>>> Terra à vista. Histórias de náufragos da Era dos Descobrimentos
>>> A Voz íntima do Amor
>>> Desenho Arquitetônico 2ª ed.
>>> Morar Só - Uma opção de vida
>>> Homens Maus Fazem o que Homens Bons Sonhas
>>> Cidades Historias Mutações Desafios
>>> Sonetos escolhidos 1992-1996 Espelho Partido
>>> Pré-Suasão
>>> Como Identificar um Psicopata
>>> Manual de Persuasão do FBI
>>> A Grande Arte
>>> Jim George ( um jovem segundo o coração de Deus )
>>> Philip yancey ( oracao ela faz alguma diferença? )
>>> Deus, a Liberdade e o Mal
>>> Zeca e o pequeno dinossauro voador
>>> Francisco de Sales - Um Mestre de Espiritualidade
>>> Meninos sem Pátria - Série Vaga-lume
>>> Novíssimo Aulete Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa
COLUNAS

Quinta-feira, 1/7/2004
Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll
Ricardo de Mattos

+ de 7900 Acessos

Creio que Mínimos, Múltiplos, Comuns (2.003), de João Gilberto Noll (1.946), é o livro mais difícil que recebi não para ler, mas para comentar. Primeiro porque o essencial a ser falado sobre o volume já consta da apresentação de Wagner Carelli e da introdução, que à falta de assinatura pressuponho ser d'ele mesmo. Segundo porque posso dar uma ideia da excelência do todo, mas ser negligente com a excelência da parte. Falar demais a respeito dele é assumir o comportamento do visitante que narra pelo telefone celular cada fotografia ou tela vista n'uma boa exposição. Primeira sugestão, portanto, é o silêncio durante a apreciação.

O volume é composto por 338 textos escritos para publicação na Folha de São Paulo entre Agosto de 1.998 e Dezembro de 2.001. Por opção do escritor, cada texto deveria ter o máximo de 130 palavras. Não faço grande questão de classificar um texto como novela, ensaio ficcional, conto, miniconto, romance. Nome por nome, prefiro o escolhido pelo próprio autor para classificação dos pequenos textos: instantes ficcionais. Tidos por ele mesmo como um "franco hibridismo entre a prosa e a poesia", não deve ser grande pecado apresentá-los, em suma, como prosa poética.

Os textos não foram publicados em jornal na mesma ordem constante do livro. O critério para o agrupamento posterior visou formar cinco conjuntos sucessivos seguindo uma "cronologia da Criação: Gênese, Os Elementos, As Criaturas, O Mundo e O Retorno". Estes conjuntos subdividem-se em outros subconjuntos, tornando a coesão perceptível e apreciável d'estes "microcontos poemáticos em que você suspende por agudos momentos o fluxo normal de uma narrativa, a princípio mais extensa e que parece correr pelo livro todo. Essa narrativa, é claro, só vai aparecer na ponta de icebergs de cada peça de escrita. Então a coerência do título: Mínimos, Múltiplos, Comuns" (entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo de 27 de julho de 2003).

Algumas narrativas parecem recortadas de uma situação. Outras são uma síntese, uma conclusão, e há ainda as possuidoras de começo, meio e fim. Alguns d'estes minicontos tratam de pontos do cotidiano sem grande expressão temporal - Fôlegos. Outros, pelo contrário, referem-se àquele instante em que o homem dá-se conta da totalidade d'uma situação, o momento da conclusão de uma meditação paralela inconsciente - O Não. Ou um quadro trazido inteiro pela memória - Sarça Ardente. São mínimos na expressão do tempo, múltiplos pois corriqueiros - salvo exceções - e comuns, tão comuns que podemos vivenciá-los imperceptivelmente. Recomendo a leitura vagarosa, pausada e atenta, não o pantagruelismo que cometi.

Fúria, de Salman Rushdie.

Se Versos Satânicos colocou o escritor indiano Salman Rushdie (1.947) entre as personae non gratae do islamismo, seu romance Fúria (2.001) não provoca sustos sequer na velhinha mais sensível.

O personagem principal d'este romance é Malik Solanka, professor universitário e artesão de bonecos. O argumento é fraco: Solanka criava bonecos como passatempo. Um d'estes, "Little Brain", ganhou um programa de televisão cuja finalidade inicial era apresentar os grandes filósofos ao público. A boneca torna-se uma celebridade e foge do seu controle, desencadeando-lhe uma neurastenia que, muito mal conduzida, quase culmina na morte da mulher e do filho. Dificilmente o professor ganhará um lugar entre os famosos mal-humorados da literatura universal.

Após o quase homicídio, o personagem refugia-se nos Estados Unidos da América. Parece uma contradição, pois o anti-americanismo é o vinagre amaríssimo a encharcar as páginas. Se possui pavor indescritível pelo país, por que o escolheu como refúgio? A resposta demora um pouco, mas é presente. Espezinhado pelo remorso, reflecte durante uma conversa com o amigo Jack Rhinehart: "Como dizer a América é a grande devoradora, eu vim à América para ser devorado?". A intenção da viagem é sua própria aniquilação, como penitência pela ameaça infligida à família.

Em Fúria, Rushdie destaca-se pela prolixidade. Diz em dez páginas o que poderia resumir em apenas uma. Repete-se tanto que se pularmos alguns parágrafos, e mesmo algumas páginas, a compreensão da narrativa não é prejudicada. Daí duas perguntas. A primeira: se for para ler aos saltos, para que ler? A segunda: é realmente interessante uma estória que admite tanta superficialidade em sua leitura? Eis um dano causado pelo escritor a si mesmo. O que é uma pena, pois enxuto e bem ordenado o texto, teríamos um livrete interessante. Tenho para mim que a prolixidade, se contaminada pela repetição, revela pressa e falta de revisão. No geral, talvez indiferença da pessoa com seu trabalho. Por isso temos uma obra onde impera o "quase". "Quase" romance de ideias; "quase" ficção policial; "quase" romance psicológico. O personagem é "quase" ateu e "quase" politicamente correto.

As duas principais referências do professor Solanka têm verniz de ilustração. Para iniciar a confeição de bonecos, não lhe serviu um fantoche qualquer, mas precisou maravilhar-se com a exposição de casas de bonecas vista no Rijksmuseum de Amsterdan. Para explicar sua fuga de Londres a New York, e apesar de reconhecer a contradição, recorreu à filosofia indiana e proclamou-se adepto d'um tipo mui pessoal de sanyasi. O sanyasi pode ser entendido como o quarto estágio evolutivo da vida humana, caracterizado pela renúncia à totalidade dos bens materiais e pela busca solitária da divindade. Já foi mencionado com maior precisão n'O Fio da Navalha, de Maughan. O professor Solanka, contudo, renunciou à família e ao meio social em que vivia e esta renúncia é mero eufemismo para abandono. De mudança para New York, continuou recebendo seus direitos pela criação da boneca "Little Brain". Não se tornou mendicante nem abandonou o conforto habitual. Além disso, o estágio sanyasi pressupõe três anteriores: o brahmacharya, o grehasta - ou grhastha - e o vanaprastha. Mal e mal mencionando aquela quarta etapa, Rushdie perdeu a oportunidade de apresentar-nos mais de sua cultura original através d'uma obra mais consistente. Contudo, acaba descrevendo a situação de quem nem abandonou completamente as origens e nem foi completamente aceito pelo novo meio.

Para ir além









Ricardo de Mattos
Taubaté, 1/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. interiores de Fabio Danesi Rossi


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. O Livro Impresso e O Livro Virtual - 26/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OPEN SOURVE LICENSING SOFTWARE FREEDOM AND INTELLECTUAL PROPERTY LAW
LAWRENCE ROSEN
PRENTICE HALL
(2005)
R$ 50,00



COACHING DE CARREIRA
JOSÉ ROBERTO MARQUES
SER MAIS
R$ 34,95
+ frete grátis



UMA CURA PARA MEU FILHO
RUPERT ISAACSON
FONTAMAR
R$ 35,00



COLEÇÃO OBJETIVO: FÍSICA 4 VOLUMES
EDUARDO FIGUEIREDO E RONALDO FOGO E CAIO SÉRGIO V. CALÇADA E RICARDO HELOU DOCA
CERED
R$ 40,00



PROGRAMANDO PARA PROCESSADORES PARALELOS
DAVID B. KIRK
CAMPUS
(2011)
R$ 12,50



NISE. ARQUEÓLOGA DOS MARES
BERNARDO CARNEIRO HORTA
AEROPLANO
(2009)
R$ 250,00



FEIRA DE VERSOS - PARA GOSTAR DE LER (VOL. 36)
JOÃO MELQUÍADES F. DA SILVA, LEANDRO GOMES DE BARROS E PATATIVA DO ASSARÉ
ÁTICA
(2011)
R$ 12,00



INTRODUÇÃO CRÍTICA AO CONHECIMENTO
FRANCISCO LUIZ GARCIA
PAPIRUS
(1988)
R$ 12,00



EL MÉTODO DE LAS ACCIONES FISICAS - CONSTANTIN STANISLAVSKI
CONSTANTIN STANISLAVSKI
EDITORIAL PUEBLO Y EDUCACIÓN - CUBA
(1983)
R$ 28,00



ULYSSES
JAMES JOYCE
PENGUIN COMPANHIA
(2012)
R$ 45,00





busca | avançada
43291 visitas/dia
947 mil/mês