Brincando de aventura | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com o poeta Régis Bonvicino
>>> Pascal e a condição humana
>>> Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos
>>> O gato diz adeus
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
Mais Recentes
>>> Platero E Eu
>>> O Piano
>>> Blue Like Jazz - Nonreligious Thoughts On Christian Spirituality
>>> A Prece Ucraniana na Pressa da Cidade- as renegociações das práticas religiosas ucranianas nos espaços da cidade de Curitiba, a partir de 1960
>>> Harmonia
>>> O Muro
>>> Tetralogia Monstro
>>> O Poder da Mulher que Ora
>>> Historia Geral Da Africa, Vol.2 Africa Antiga
>>> Revista de Cultura Brasileña - Número 39, junho de 1975 (ESPANHOL/PORTUGUÊS)
>>> Perspectivas da Cultura Brasileira - Miguel Reale
>>> Cenas de um casamento sueco - Ingmar Bergman (Cinema)
>>> Movimento Brasileiro: Contribuição ao estudo do Modernismo - Maria Eugênia da Gama Alves Boaventura (Arte e Ciências Humanas)
>>> André Malraux: Três aspectos e uma síntese (A aventura, a política, a arte) Frederico dos Reys Coutinho (Literatura Francesa)
>>> A música na Revolução Francesa - Enio Squeff
>>> A Invasão Cultural Norte-Americana - Júlia Falivene Alves (Cultura)
>>> Arte-Educação no Brasil - Ana Mae T. B. Barbosa
>>> Informação. Linguagem.Comunicação. - Decio Pignatari (Comunicação)
>>> Mito e Realidade - Mircea Eliade (Filosofia)
>>> A Holanda no tempo de Rembrandt - Paul Zumthor (Artes Plásticas)
>>> Portinari: Exposição de sua obra de 1920 até 1948 (Artes Plásticas)
>>> O Surrealismo - Yvon Duplessis (Arte/Estética)
>>> Museu Lasar Segall - 50 obras do acervo (Artes Plásticas)
>>> Arte & Deformação - Como entender a estética moderna - Assis Brasil
>>> El Arte: Formas de la conciencia social - V. Kelle/M. Kovalson (Em Espanhol) (Arte e Política)
>>> A Perspectiva - R. Taton & A. Flocon (Artes Plásticas)
>>> Cultura de Massa e Política de Comunicações - Waldenyr Caldas
>>> Problemas del arte en la revolución - Carlos Ragael Rodríguez (Em Espanhol)
>>> Itinerario estético da la Revolución Cubana - José Antonio Portuondo EM ESPANHOL(Estética)
>>> O Livro Perdido de Enki-Memórias e Profecias de um Deus Extraterrestre
>>> A Igreja
>>> Blecaute - 28ª ed.
>>> O Populismo na Política Brasileira
>>> Livro de Colorir Reino Animal
>>> Nas Trilhas da Crítica - Coleção: Críticas Poéticas
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
COLUNAS

Sexta-feira, 27/8/2004
Brincando de aventura
Eduardo Carvalho

+ de 3100 Acessos

Da esquerda para a direita, a formação da Equipe Pi: Luiz Eduardo Pereira, Eduardo Carvalho e Rogério Carneiro

Esportes de aventura sempre me pareceram artificiais. Aventura que é aventura precisa ser solitária ou, pelo menos, independente de uma organização oficial, com suporte técnico ou resgate em caso de emergência. Essa assistência profissional descaracteriza uma atividade que se pretende mais arriscada. É por isso que não me sinto atraído por rappel ou bungee-jumping, mas me sinto à vontade para entrar numa floresta canadense para conhecer o lugar onde dormem ursos carnívoros.

Mas a corrida de aventura não é praticada em um ambiente tão forçado como, digamos, o do rappel - apesar de essa modalidade, às vezes, estar incluída na corrida. E a diversão acaba não sendo assim tão falsificada. Ao contrário: os desafios durante a corrida são reais e inesperados, e a organização não propõe um único roteiro para você completar a prova. Você corre, nada e pedala num total de, no mínimo, 40 quilômetros - no caso das corridas de um dia (pode chegar a sete, para os mais profissionais). Isso exige um preparo físico considerável e, mais do que isso, articulação entre os quatro membros da equipe, habilidade para navegar com uma bússola, velocidade e racionalidade para tomar decisões estratégicas (quando comer, correr, falar, virar, etc.).

É mais ou menos o que eu fazia, em menor escala, dos 9 aos 14 anos, em Colina, na fazenda dos meus primos, durante as férias: entre lama, bois e pés-de-laranja, a gente apostava corridas enormes, de bicicleta, correndo ou à cavalo. E é por isso que não acho que corrida de aventura seja um esporte artificial: porque é, na verdade, uma brincadeira também, só que de gente um pouco mais velha. A escolha dos equipamentos é uma diversão complementar, que inclui bicicleta, calça, tênis, mochila, etc., tudo especial - até a alimentação e hidratação, que precisa ser leve e completa, ou você se desintegra no meio da prova.

O meio da prova, aliás, oscila entre extremos: pode ser uma caverna escura e gelada ou uma praia vazia e limpa. As corridas podem atravessar desertos ou florestas tropicais, passando por vilas remotas e caminhos históricos, há anos inutilizados. Você atravessa rios transparentes e pontes frágeis, saindo de cidades do interior ou de praias movimentadas. Todos os lugares são cenários para uma corrida: principalmente os mais distantes e perdidos, onde ninguém, num parque nebuloso ou num pasto aberto, vai ajudar você a se encontrar.

A exigência física de uma prova dessas, para alguém razoavelmente preparado, é enorme. Você corre, pedala, nada - e recebe pancadas de todos os lados, quando tropeça numa pedra ou se raspa numa árvore com espinhos. Acontece: você vai em frente, e percebe que ainda não está esgotado. Que sobra um pouco de força para concluir a prova. Parece bobagem, mas é verdade que esse tipo de esforço, que beira o limite físico, empurra esse limite um pouco mais para frente. Para depois, na segunda-feira, as escadas da faculdade, que sempre foram evitadas, parecerem fáceis de subir - mesmo com o corpo dolorido, depois de um fim-de-semana ligeiramente cansativo.

Outras aventuras

Havia em Oxford, no anos 70 e 80, The Dangerous Sports Club, de uma molecada erudita que fugia dos touros de Pamplona andando de skate, saltavam mesas com garrafas em cima, se arremessavam de catapultas - até que um dia erraram a pontaria, e um participante se esborrachou no chão. E a diversão acabou, porque seus membros foram acusados de terem forçado o principiante a topar a brincadeira. Uma reportagem sobre as atividades do clube saiu na Vanity Fair de fevereiro, para quem quiser conferir. Com o comentário: "vinte anos antes de Jackass", que mais expõem o mau gosto do que assumem riscos. Os membros do Dangerous, por exemplo, desciam uma montanha coberta de neve em Saint-Moritz, com um conjunto de mesa e cadeiras Luis XIV, carregando taças e garrafas de champagne, trajados em black tie - com cartola na cabeça. Cada lugar com as suas brincadeiras.

Entre aventuras

O Itaim sempre foi, para mim, um bairro de passagem: entre a Vila Nova Conceição, Morumbi, Jardim Europa e Alto de Pinheiros, onde passei minha juventude (já acabou?) - entre a escola, o clube e a casa em que morava. É basicamente esse o triângulo que orientava minha rotina. Eu nunca precisei muito parar no Itaim, a não ser para visitar alguns amigos ou, à noite, alguns bares. Dificilmente, portanto, caminhei pelo bairro, procurando restaurantes ou entrando em lojas mais escondidas. Mas meu estágio me puxou para cá: e agora faz aproximadamente um ano que, antes ou depois da faculdade, passo meio período trabalhando no Itaim. Aprendi, por acaso, então, a me divertir por aqui.

Para começar: parece que metade da faculdade de administração onde estudo faz estágio ou trabalha em um perímetro de mais ou menos dez quarteirões. Você encontra todo mundo na rua. O que é agradável e, em certo sentido, importante. O Itaim, principalmente perto da Avenida Nova Faria Lima, é hoje o centro comercial de São Paulo - mais do que a Paulista, decadente, e a Berrini, distante. Bairrismo? São Paulo é assim: cada um dorme em um lado da cidade, à noite, mas de dia todo mundo se concentra no mesmo quarteirão. Os bancos de investimento - BBA, Merrill Lynch, Credit Suisse - já se transferiram ou já estavam por aqui, na Avenida Nova Faria Lima, seguindo ou sinalizando essa tendência.

O Shopping Iguatemi está ao lado, e muita gente ainda almoça lá, mas eu prefiro as opções da rua: que vão desde um vegetariano simples, na Cachoeira Paulista, a opções como o Parigi, na Amauri. O cardápio do bairro se acomoda em todos os bolsos e gostos. A Rua Amauri, aqui ao lado, tem também boas alternativas, como o Gula Gula e o Forneria São Paulo. O Deli Diet, na Jesuíno Arruda, não é de todo fresco, apesar do nome, e serve pratos balanceados sem comprometer o sabor. Os restaurantes japoneses do Itaim - Koi, Ayoama, Massao - não são lá grande coisa, mas são honestos, no geral. O Rubayat, do outro lado da Nova Faria Lima, é hoje um clássico, e continua servindo uma carne espetacular. Tem agora, mais para cima, o Kinoplex, com vários restaurantes mais baratos e decentes - como o Prime Burger, do Sérgio Arno, do outro lado da rua. Muita gente se encontra, depois do almoço, no Cafeeira, na Pedroso Alvarenga, que começou em silêncio e agora é visita quase indispensável para quem almoça na região.

Já a Casa do Saber funciona, há pouco tempo, na Rua Mário Ferraz. É das melhores livrarias da cidade, com uma seleção modesta mas de qualidade, sem deixar escapar o que interessa: os clássicos bem editados e os lançamentos relevantes, que às vezes fazem falta em grandes livrarias. E serve, de quebra, um café bem tirado, para depois das compras. Outra livraria que está no Itaim - esta há bastante tempo - é a Correa do Lago. Seu forte são edições preciosas, mas os lançamentos à venda são escolhidos também com cuidado: suas prateleiras são ocupadas apenas pelo que de fato merece ser publicado em português. No segundo andar da casa funciona uma loja de documentos históricos - como um autógrafo do Aldous Huxley e uma carta do Ruy Barbosa - e de gravuras importantes, que preenchem, com os livros, as paredes do ambiente. É o clima de uma biblioteca clássica, que muita gente nem conheceu.

Não me pergunte de outras lojas ou camisarias. Não conheço. A não ser, claro, a Origem, que vende jogos exóticos de tabuleiro. É um lugar bacana para se distrair, depois de um dia pensando em números. Mas minhas atividades no Itaim, além do trabalho, se resumem basicamente a almoçar - ou jantar - fora e, para descansar de vez em quando, visitar livrarias. Para isso, o bairro tem sido comigo, há um ano, bem generoso.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 27/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um alucinante encontro com Lula de Elisa Andrade Buzzo
02. Trate-me, teatro! de Adriana Baggio
03. Passado e Liberdade de Evandro Ferreira


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
02. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
03. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
04. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO LER A CARTA DE JUDAS- CORAGEM PARA LUTAR PELA FÉ
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2001)
R$ 18,00
+ frete grátis



O EXECUTIVO SEM CULPA
JOÃO ERMIDA
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 13,16



O ÚLTIMO E GRANDE DIA DA FESTA
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(2007)
R$ 5,00



A TESTEMUNHA OCULAR DO CRIME
AGATHA CHRISTIE
CÍRCULO DO LIVRO
(1986)
R$ 4,90



O HOMEM EM TEILHARD DE CHARDIN
CHAUCHARD
HERDER
(1973)
R$ 6,30



CIRCUITOS LINEARES
CHARLES M. CLOSE
LTC - LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1975)
R$ 65,00



O QUE FREUD NÃO EXPLICOU
MAURÍCIO SITA
SER MAIS
R$ 12,45
+ frete grátis



A REBELDE APAIXONADA
FRANK G. SLAUGHTER
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 3,00



LIBERTINOS LIBERTÁRIOS
ADAUTO NOVAIS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1996)
R$ 89,90



O TEATRO DE ANTONIO ROCCO (TEATRO BRASILEIRO)
ANTONIO ROCCO
IMPRENSA OFICIAL
(2009)
R$ 7,00





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês