Maria Antonieta, a última rainha da França | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
52792 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Inscrições para oficinas de circo e teatro estão abertas no Instituto Pombas Urbanas
>>> Observatório da Imprensa debate a ausência de diversidade na mídia
>>> Documentário angolano conta a história do 'kuduro' na TV Brasil
>>> LOS MOLINOS TERÁ APRESENTAÇÃO DE BALLET TRADICIONAL FLAMENCO EM NOITE ESPECIAL
>>> Fred Martins lança no Brasil CD gravado na Europa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> O testemunho de Bernanos
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
>>> Influências da década de 1980
>>> Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final)
>>> O romance do 'e se...'
>>> Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro
>>> Espírito e Cura
>>> Precisa-se de empregada feia. Bem feia.
>>> Minha Terra Tem Palmeiras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Acabou o governo
>>> O Chileno
>>> Fabio Gomes
>>> Irmãos Amâncio
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Gil e Pepeu em Montreux 1978
>>> Wagner Moura em Narcos
>>> Marcio Acselrad
>>> Mais uma de Leonardo da Vinci
>>> Mr. Sandman
Últimos Posts
>>> Porque as mulheres fazem artesanato?
>>> A carteira do senhor Afonso
>>> Alunos, a leitura está proibida
>>> Das impaciências e incompusturas
>>> Irmãos Dardenne e Rosetta
>>> Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 9
>>> O samba de Donga na Festa da Penha
>>> Um motor na civilização em crise - 2
>>> Um motor na civilização em crise - 1
>>> Iara Abreu expõe artes visuais com poesia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The History of Typography
>>> O mago
>>> Ela vem chegando...
>>> Easy Lover
>>> Poesia, no tapa
>>> Poesia, no tapa
>>> Aos assessores, divulgadores, amigos até, e afins
>>> Lambidinha
>>> Orkut Ano Dois
>>> Leituras, leitores e livros - Parte III
Mais Recentes
>>> Sete histórias, Luiz Vilela
>>> MIA COUTO
>>> Marleme Nobre Chico Xavier Pedaços de meu Espelho
>>> Ernest e Celestine: Músicos de rua, Gabrielle Vincent, Editora Salamandra
>>> o novo e o patologico
>>> diagnostico psicanalitico
>>> Psicologia Organizacional - uma Abo
>>> Psicologia Organizacional - uma Abordagem Vivencial
>>> O som e a fúria, de William Faulkner, 2 edição, 2009, Cosac Naify, capa dura com sobrecapa
>>> Cosac
COLUNAS

Quinta-feira, 16/9/2004
Maria Antonieta, a última rainha da França
Adriana Baggio

+ de 69100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A lembrança mais forte acerca de Maria Antonieta, rainha da França, é que teria sugerido ao povo faminto que comesse brioches, já que não havia pão. E que por conta de desatinos como esse, teve a cabeça decepada pela guilhotina da Revolução Francesa.

Para quem se interessar em conhecer mais a fundo a história da esposa de Luís XVI, vale a pena conferir Maria Antonieta: a última rainha da França. O livro, lançado este ano pela Editora Objetiva, é fruto de uma exaustiva pesquisa feita pela historiadora Evelyne Lever. Para compor um retrato não apenas da rainha, mas também das questões políticas da Europa no século XVIII, a autora baseou-se em documentos oficiais e cartas de pessoas que compartilharam da intimidade de Maria Antonieta e de sua família, tanto na corte de Viena, onde ela nasceu, quanto na corte francesa.

De tão detalhado, o relato chega a ser um pouco cansativo. O livro conta a história da rainha desde o seu nascimento até a morte. Primeiro, os dias felizes em Viena, com a família, em um estilo de vida muito mais simples do que as inumeráveis exigências de protocolo e etiqueta que precisaria seguir na França. A autora deteve-se em detalhes como as roupas usadas por Maria Antonieta, os pratos que compunham suas refeições e até os diálogos entabulados com as pessoas que lhe eram próximas. Alguns desses detalhes poderiam ter sido suprimidos, bem como uma certa forma de narrativa muito descritiva. Percebe-se, é claro, uma intenção em comprovar os fatos relatados, o que diferencia essa biografia de outras obras mais fantasiosas.

Apesar de não focar exatamente nos aspectos políticos da França e da Europa do século XVIII, é impossível falar de Maria Antonieta sem contextualizar a época em que viveu. A abordagem política fica mais presente quando as atitudes da rainha começam a servir de motivo para as revoltas populares que há muito já se previam. A mistura de egoísmo, arrogância, ingenuidade e futilidade ajudaram a formar uma imagem dela para o povo e seus desafetos que refletia o comportamento da nobreza francesa em geral. Privilégios às pessoas de seu interesse, preocupações com as intrigas da corte, um modo de vida luxuoso e dispendioso e uma completa alienação dos problemas do povo e também das implicações políticas de seus atos, contribuiram para levar a rainha à guilhotina.

Mas o livro não se atém apenas aos defeitos: mostra uma mulher corajosa, de personalidade, prejudicada pela pressão e pela chantagem emocional exercida pela mãe, a rainha da Áustria, mesmo à distância. As atitudes tomadas por Maria Antonieta na corte muitas vezes foram vistas – e apresentadas – como traição. Por conta de sua alienação e do desejo de levar a vida da maneira que lhe interessava e agradava, a rainha não percebia as implicações negativas de seus atos junto ao Rei e aos ministros, quando tentava, em vão, obter posições privilegiadas para as intenções políticas do império austríaco.

Apesar da dificuldade inicial do casamento com Luís XVI, eles tornaram-se um casal unido, inclusive na alienação e na ingenuidade. Enquanto ela se preocupava com os divertimentos e com uma tentativa de viver uma outra vida através da encenação de peças teatrais, na qual era um dos personagens, o rei esquecia-se da vida e dos problemas do país nas caçadas e nas suas oficinas de trabalhos manuais com madeira e ferro. Nenhum dos dois quis ver o quer acontecia a sua volta.

Na verdade, eles não podem ser culpados. Reclusos na vida da corte, tanto Luís quanto Maria Antonieta não foram incentivados a conhecer mais sobre o que acontecia no mundo iluminista, sobre a realidade, sobre os problemas do país. Apesar do esclarecimento da época, a monarquia ainda era vista como algo divino, independente da vontade dos súditos. Por isso a recusa do rei, até o final, em aceitar uma constituição e uma posição menos poderosa nessa nova forma de governo. Por conta dessa teimosia, tanto ele quanto a rainha acabaram sendo acusados e executados como traidores da França.

A imagem de Maria Antonieta, denegrida durante a Revolução Francesa, foi reabilitada após sua morte. Em outro extremo, foi considerada a Rainha Mártir, por seu sofrimento na prisão e na execução. Atualmente, o que a autora de sua biografia propõe é que se veja a rainha nem como uma coisa, nem como outra. Apesar de fútil, egoísta e alienada, ela foi mais o bode expiatório de uma situação da qual apenas fazia parte, mas não poderia ser considerada responsável. Por outro lado, sua coragem e sua lealdade à família fazem dela uma personalidade a ser admirada.

De todas as "lendas" sobre Maria Antonieta, uma parece ser verdadeira: ela teria tido um relacionamento com um nobre sueco, devido à dificuldade em manter uma vida sexual e amorosa normal com o rei. Por outro lado, a história dos brioches não é verdadeira. Teria sido contada por Rousseau, mas referia-se a outra pessoa. Segundo o livro, por mais alienada que fosse, nem Maria Antonieta teria falado uma asneira tão grande.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 16/9/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Autoimagem, representação e idealização de Pati Rabelo
02. Em busca de cristãos e especiarias de Carla Ceres
03. Expressar é libertar de Paula Ignacio
04. A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone de Marcelo Spalding
05. Desabafo de uma quase ex-professora de Loriza Kettle


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. Mais viagens por Budapeste - 12/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2008
12h59min
a autoria da frase "que comam brioches" pode ser encontrada na biografia sobre Maria Antonieta que foi citada. realmente, ela nunca disse tal.
[Leia outros Comentários de antonio carlos meira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


WHITNEY, MEU AMOR
JUDITH MCNAUGHT

De R$ 22,00
Por R$ 11,00
50% off
+ frete grátis



MOUNIER
GUY COQ

De R$ 37,00
Por R$ 18,50
50% off
+ frete grátis



O INCONFORMISTA
ALBERTO ABADESSA

De R$ 20,00
Por R$ 10,00
50% off
+ frete grátis



DO POVO PARA O POVO
ROGER OSBORNE

De R$ 60,00
Por R$ 30,00
50% off
+ frete grátis



ORTODOXIA MAÇÔNICA
J. M. RAGON

De R$ 57,90
Por R$ 28,95
50% off
+ frete grátis



RECORDAÇÃO MORTAL
J. D. ROBB

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



NOVOS MONSTROS
NEWTON CANNITO

De R$ 24,90
Por R$ 12,45
50% off
+ frete grátis



O RITUAL DOS CHRYSÂNTEMOS
CELSO KALLARRARI

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



PLAYBOOK - O MANUAL DA CONQUISTA
BARNEY STINSON E MATT KUHN

De R$ 24,90
Por R$ 12,45
50% off
+ frete grátis



A BÚSSOLA DO PEREGRINO
PEDRO TERRÓN

De R$ 46,70
Por R$ 23,35
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
52792 visitas/dia
1,5 milhão/mês