Maria Antonieta, a última rainha da França | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
31000 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Arte Em Tempo Real !
>>> ALICE BAR REALIZA FEIJOADA EM HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DO SAMBA
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta: Cadê Noel? - uma fábula do natal.
>>> CONCURSO QUER RELEVAR NOVOS TALENTOS PELO BRASIL
>>> DE BRONZE, MAS COM GOSTINHO DE OURO OLÍMPICO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Omissão
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Fazendo a coisa certa
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Lembrança de Plínio Zalewski
>>> Que tal fingir-se de céu?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
Últimos Posts
>>> Carta aberta ao povo brasileiro
>>> Que bela lição a Colômbia está dando ao mundo
>>> No rastro de Augusto dos Anjos (série: sonetos)
>>> Taxi Driver 40 anos - um retrovisor do presente.
>>> Rio, ontem e hoje
>>> Arrogância
>>> Febre dos metais
>>> Fogo que se alastra
>>> Prazer, meu nome é corrida!
>>> Fidel era uma celebridade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amor e dor para crianças em três passos
>>> Are Newspapers Doomed?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Diga: trinta e três
>>> Mito da caverna
>>> BRIO
>>> Vontade de abraçar o mundo
>>> O limite de um artista
>>> Os bastidores da crônica
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
Mais Recentes
>>> O Magnífico
>>> Viagem ao centro da Terra
>>> Moll Flanders
>>> O Amante de Lady Chatterley
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick
>>> Os Trabalhadores do Mar
>>> X-Men A Era do Apocalipse Volume 3
>>> Os Subterrâneos do Vaticano
>>> O Médico e o Monstro
>>> Ferreira Gullar - Toda Poesia
>>> As Aventuras de Tom Sawyer
>>> X-Men A Era do Apocalipse Volume 2
>>> Aventuras de Huck
>>> Vida de Don Quijote y Sancho (em espanhol) raridade
>>> A ilha perdida
>>> Novo Curso De Direito Processual Civil - Volume 1
>>> A Grande Jogada
>>> A Região Costeira Meridional De Santa Catarina
>>> O Carvalho E O Bezerro
>>> Tópicos Em Bancos De Dados, Multimídia E Web
>>> Saúde Coletiva
>>> Loucuras Do Futebol
>>> O Caminho Quádruplo
>>> Terceirização E Multifuncionalidade
>>> A Doçura Do Mundo
>>> Besouro Azul Ano Um Encadernado Novo Lacrado Matt Wagner
>>> Bandidos, Forasteiros E Intrusos
>>> Teoria Geral Dos Sistemas
>>> Diário De Uma Encrenqueira: Pérolas Ou Pegas
>>> Lendas Do Índio Brasileiro
>>> Direito Administrativo
>>> Nunca Antes Na História Deste País
>>> Histórias Para O Coração
>>> Exílio: Testemunho De Vida
>>> Física Para O 2º Grau: Termologia E Óptica
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Eternidade Mortal
>>> Honoráveis Bandidos: Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Paratii: Entre Dois Polos
>>> DC 2000 22 Legião Keith Giffen Alan Grant
>>> Mães Pais & Filhos
>>> Impressão De Jornalista
>>> Que Cara Tem O Aroeira?
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.4
>>> A Sombra Materna
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.3
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.2
>>> Comentários À Lei Dos Juizados Especiais Federais Cíveis
>>> Maravilhas da literatura infantil vol.1
>>> Guia Prático Enem: Matemática E Suas Tecnologias
COLUNAS

Quinta-feira, 16/9/2004
Maria Antonieta, a última rainha da França
Adriana Baggio

+ de 70800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A lembrança mais forte acerca de Maria Antonieta, rainha da França, é que teria sugerido ao povo faminto que comesse brioches, já que não havia pão. E que por conta de desatinos como esse, teve a cabeça decepada pela guilhotina da Revolução Francesa.

Para quem se interessar em conhecer mais a fundo a história da esposa de Luís XVI, vale a pena conferir Maria Antonieta: a última rainha da França. O livro, lançado este ano pela Editora Objetiva, é fruto de uma exaustiva pesquisa feita pela historiadora Evelyne Lever. Para compor um retrato não apenas da rainha, mas também das questões políticas da Europa no século XVIII, a autora baseou-se em documentos oficiais e cartas de pessoas que compartilharam da intimidade de Maria Antonieta e de sua família, tanto na corte de Viena, onde ela nasceu, quanto na corte francesa.

De tão detalhado, o relato chega a ser um pouco cansativo. O livro conta a história da rainha desde o seu nascimento até a morte. Primeiro, os dias felizes em Viena, com a família, em um estilo de vida muito mais simples do que as inumeráveis exigências de protocolo e etiqueta que precisaria seguir na França. A autora deteve-se em detalhes como as roupas usadas por Maria Antonieta, os pratos que compunham suas refeições e até os diálogos entabulados com as pessoas que lhe eram próximas. Alguns desses detalhes poderiam ter sido suprimidos, bem como uma certa forma de narrativa muito descritiva. Percebe-se, é claro, uma intenção em comprovar os fatos relatados, o que diferencia essa biografia de outras obras mais fantasiosas.

Apesar de não focar exatamente nos aspectos políticos da França e da Europa do século XVIII, é impossível falar de Maria Antonieta sem contextualizar a época em que viveu. A abordagem política fica mais presente quando as atitudes da rainha começam a servir de motivo para as revoltas populares que há muito já se previam. A mistura de egoísmo, arrogância, ingenuidade e futilidade ajudaram a formar uma imagem dela para o povo e seus desafetos que refletia o comportamento da nobreza francesa em geral. Privilégios às pessoas de seu interesse, preocupações com as intrigas da corte, um modo de vida luxuoso e dispendioso e uma completa alienação dos problemas do povo e também das implicações políticas de seus atos, contribuiram para levar a rainha à guilhotina.

Mas o livro não se atém apenas aos defeitos: mostra uma mulher corajosa, de personalidade, prejudicada pela pressão e pela chantagem emocional exercida pela mãe, a rainha da Áustria, mesmo à distância. As atitudes tomadas por Maria Antonieta na corte muitas vezes foram vistas - e apresentadas - como traição. Por conta de sua alienação e do desejo de levar a vida da maneira que lhe interessava e agradava, a rainha não percebia as implicações negativas de seus atos junto ao Rei e aos ministros, quando tentava, em vão, obter posições privilegiadas para as intenções políticas do império austríaco.

Apesar da dificuldade inicial do casamento com Luís XVI, eles tornaram-se um casal unido, inclusive na alienação e na ingenuidade. Enquanto ela se preocupava com os divertimentos e com uma tentativa de viver uma outra vida através da encenação de peças teatrais, na qual era um dos personagens, o rei esquecia-se da vida e dos problemas do país nas caçadas e nas suas oficinas de trabalhos manuais com madeira e ferro. Nenhum dos dois quis ver o quer acontecia a sua volta.

Na verdade, eles não podem ser culpados. Reclusos na vida da corte, tanto Luís quanto Maria Antonieta não foram incentivados a conhecer mais sobre o que acontecia no mundo iluminista, sobre a realidade, sobre os problemas do país. Apesar do esclarecimento da época, a monarquia ainda era vista como algo divino, independente da vontade dos súditos. Por isso a recusa do rei, até o final, em aceitar uma constituição e uma posição menos poderosa nessa nova forma de governo. Por conta dessa teimosia, tanto ele quanto a rainha acabaram sendo acusados e executados como traidores da França.

A imagem de Maria Antonieta, denegrida durante a Revolução Francesa, foi reabilitada após sua morte. Em outro extremo, foi considerada a Rainha Mártir, por seu sofrimento na prisão e na execução. Atualmente, o que a autora de sua biografia propõe é que se veja a rainha nem como uma coisa, nem como outra. Apesar de fútil, egoísta e alienada, ela foi mais o bode expiatório de uma situação da qual apenas fazia parte, mas não poderia ser considerada responsável. Por outro lado, sua coragem e sua lealdade à família fazem dela uma personalidade a ser admirada.

De todas as "lendas" sobre Maria Antonieta, uma parece ser verdadeira: ela teria tido um relacionamento com um nobre sueco, devido à dificuldade em manter uma vida sexual e amorosa normal com o rei. Por outro lado, a história dos brioches não é verdadeira. Teria sido contada por Rousseau, mas referia-se a outra pessoa. Segundo o livro, por mais alienada que fosse, nem Maria Antonieta teria falado uma asneira tão grande.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 16/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cameron Frye: o rapaz que se cansou de sentir medo de Eduardo Haak
02. Ocampo: entre o surrealismo e a melancolia de Marcelo Barbão


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. Mais viagens por Budapeste - 12/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2008
12h59min
a autoria da frase "que comam brioches" pode ser encontrada na biografia sobre Maria Antonieta que foi citada. realmente, ela nunca disse tal.
[Leia outros Comentários de antonio carlos meira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O AUTO DE SÃO LOURENÇO - JOSÉ DE ANCHIETA
JOSÉ DE ANCHIETA
EDIOURO



CONCEITOS DA PSICANÁLISE - DEPRESSÃO- VOL 14
JEREMY HOLMES
VIVER
(2005)



ANEDOTA DO DESTINO
KAREN BLIXEN
COSAC NAIFY
(2007)



SPAS: ALQUIMIA DE UMA JORNADA
LIGIA DA LUZ POSSER
BESOUROBOX



DAVID STRAUSS: SECTÁRIO E ESCRITOR - NIETZSCHE
NIETZSCHE
ESCALA
(2008)



O PODER DO OTIMISMO
NORMAN VINCENT PEALE
CULTRIX
(1961)



LUZ VERMELHA QUE SE AZULA
NILTO MACIEL
BESTIÁRIO
(2011)



MARCADA
P. C. CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)



LA LEYENDA DEL ANILLO DE SAKUNTALA (TEATRO CHINÊS) (TEATRO INFANTIL)
MICHEL MARTÍN PÉREZ
EDICIONES MECENAS
(2003)



VERSOS ALVISSAREIROS
EMÍLIO TAPIOCA
KALANGO
(2013)





busca | avançada
31000 visitas/dia
957 mil/mês