Maria Antonieta, a última rainha da França | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
34566 visitas/dia
921 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Ópera na Tela traz Raphaël Sikorski para masterclass de canto lírico
>>> Empresa de tecnologia oferece prêmio de R$10.000 para a melhor resolução de case com problema real
>>> Especialistas apresentam a relação entre tradução e edição
>>> Com direção de Vivien Buckup, Ney Piacentini estreia solo com contos de Machado de Assis e Guimarães
>>> Teatro do Incêndio comemora 20 anos com nova temporada de O Santo Dialético
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> Breve resenha sobre um livro hediondo
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Últimos Posts
>>> Último debate dos candidatos à prefeitura na Globo
>>> Olhar perdido
>>> O que está acontecendo com elas ?
>>> Armaduras
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria
>>> Trem Fantasma
>>> O Sociólogo Machado de Assis
>>> Os meus conflitos
>>> Obrigado, GV
>>> Ânsia
>>> Eu, hein, Rosa!
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Por que não estudo Literatura
>>> A simplicidade do humano em Pantanal
Mais Recentes
>>> O Governo Luiza Erundina - Cronologia de 4 anos de administração do PT na cidade de São Paulo, de 1989 a 1992
>>> Relacionamento Amoroso - Como Encontrar Sua Metade Ideal e Cuidar Dela
>>> Triste fim de Policarpo Quaresma
>>> Meu querido Vlado - A história de Vladimir Herzog...
>>> Rebuliço no pomar das goiabeiras
>>> Eu não sou macaco
>>> Pra quem pesquisamos para quem escrevemos. O impasse dos intelectuais
>>> Superando a dor do suicídio
>>> Minha formação
>>> Diáspora- Os longos caminhos do exílio
>>> O presente
>>> A Rainha Do Castelo De Ar
>>> Demitido? Sorte sua!
>>> A dieta de Marte e Vênus e a solução por exercícios
>>> A morte do rei Tsongor
>>> Terapia do recém-nascido
>>> O jogo das diferenças- O multiculturalismo e seu contextos
>>> O aspite
>>> Gestão da segurança da informação
>>> A Segunda Vinda de Steve Jobs
>>> Nas entrelinhas do horizonte
>>> Por Que os Homens Fazem Sexo e as Mulheres Fazem Amor ?
>>> Viva Com Esperança - Segredos Para Ter Saúde e Qualidade de Vida
>>> Deixados Para Trás - Através das Chamas - Vol. 3
>>> Aspectos das Artes Plásticas no Brasil - Mário de Andrade
>>> Baudolino - Umberto Eco
>>> Gargântua e Pantagruel - Françoise Rabelais
>>> Revista JOAQUIM (Exemplares de 1 a 21)
>>> 80 Anos de Poesia
>>> Melhores Poemas de Paulo Leminski
>>> Oscar Wilde (Vidas Literárias)
>>> Goethe (Gigantes da Literatura Universal)
>>> Goethe 1749-1832 (Biografia)
>>> Oswald de Andrade (Biografia)
>>> Oswald de Andrade (Literatura Comentada)
>>> Greta Garbo(Biografia)
>>> Gonçalves Dias (Biografia)
>>> Nijinsky - Romola Nijinsky
>>> As Valkírias
>>> Mário Schenberg: Entre-Vidas (Biografia)
>>> Schiller (Gigantes da Literatura Universal)
>>> Villa-Lobos - Alma sonora do Brasil
>>> A Princesa que Enganou a Morte e Outros Contos
>>> Vá , Vá Ver Como Esses Negros Cultivam A Mandioca
>>> Sumri
>>> O Caneco De Prata
>>> Peste A Bordo
>>> Direito Processual Civil Brasileiro Vol 2
>>> Direito Processual Civil Brasileiro Vol. 3
>>> Fuvest Literatura
COLUNAS

Quinta-feira, 16/9/2004
Maria Antonieta, a última rainha da França
Adriana Baggio

+ de 70600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A lembrança mais forte acerca de Maria Antonieta, rainha da França, é que teria sugerido ao povo faminto que comesse brioches, já que não havia pão. E que por conta de desatinos como esse, teve a cabeça decepada pela guilhotina da Revolução Francesa.

Para quem se interessar em conhecer mais a fundo a história da esposa de Luís XVI, vale a pena conferir Maria Antonieta: a última rainha da França. O livro, lançado este ano pela Editora Objetiva, é fruto de uma exaustiva pesquisa feita pela historiadora Evelyne Lever. Para compor um retrato não apenas da rainha, mas também das questões políticas da Europa no século XVIII, a autora baseou-se em documentos oficiais e cartas de pessoas que compartilharam da intimidade de Maria Antonieta e de sua família, tanto na corte de Viena, onde ela nasceu, quanto na corte francesa.

De tão detalhado, o relato chega a ser um pouco cansativo. O livro conta a história da rainha desde o seu nascimento até a morte. Primeiro, os dias felizes em Viena, com a família, em um estilo de vida muito mais simples do que as inumeráveis exigências de protocolo e etiqueta que precisaria seguir na França. A autora deteve-se em detalhes como as roupas usadas por Maria Antonieta, os pratos que compunham suas refeições e até os diálogos entabulados com as pessoas que lhe eram próximas. Alguns desses detalhes poderiam ter sido suprimidos, bem como uma certa forma de narrativa muito descritiva. Percebe-se, é claro, uma intenção em comprovar os fatos relatados, o que diferencia essa biografia de outras obras mais fantasiosas.

Apesar de não focar exatamente nos aspectos políticos da França e da Europa do século XVIII, é impossível falar de Maria Antonieta sem contextualizar a época em que viveu. A abordagem política fica mais presente quando as atitudes da rainha começam a servir de motivo para as revoltas populares que há muito já se previam. A mistura de egoísmo, arrogância, ingenuidade e futilidade ajudaram a formar uma imagem dela para o povo e seus desafetos que refletia o comportamento da nobreza francesa em geral. Privilégios às pessoas de seu interesse, preocupações com as intrigas da corte, um modo de vida luxuoso e dispendioso e uma completa alienação dos problemas do povo e também das implicações políticas de seus atos, contribuiram para levar a rainha à guilhotina.

Mas o livro não se atém apenas aos defeitos: mostra uma mulher corajosa, de personalidade, prejudicada pela pressão e pela chantagem emocional exercida pela mãe, a rainha da Áustria, mesmo à distância. As atitudes tomadas por Maria Antonieta na corte muitas vezes foram vistas - e apresentadas - como traição. Por conta de sua alienação e do desejo de levar a vida da maneira que lhe interessava e agradava, a rainha não percebia as implicações negativas de seus atos junto ao Rei e aos ministros, quando tentava, em vão, obter posições privilegiadas para as intenções políticas do império austríaco.

Apesar da dificuldade inicial do casamento com Luís XVI, eles tornaram-se um casal unido, inclusive na alienação e na ingenuidade. Enquanto ela se preocupava com os divertimentos e com uma tentativa de viver uma outra vida através da encenação de peças teatrais, na qual era um dos personagens, o rei esquecia-se da vida e dos problemas do país nas caçadas e nas suas oficinas de trabalhos manuais com madeira e ferro. Nenhum dos dois quis ver o quer acontecia a sua volta.

Na verdade, eles não podem ser culpados. Reclusos na vida da corte, tanto Luís quanto Maria Antonieta não foram incentivados a conhecer mais sobre o que acontecia no mundo iluminista, sobre a realidade, sobre os problemas do país. Apesar do esclarecimento da época, a monarquia ainda era vista como algo divino, independente da vontade dos súditos. Por isso a recusa do rei, até o final, em aceitar uma constituição e uma posição menos poderosa nessa nova forma de governo. Por conta dessa teimosia, tanto ele quanto a rainha acabaram sendo acusados e executados como traidores da França.

A imagem de Maria Antonieta, denegrida durante a Revolução Francesa, foi reabilitada após sua morte. Em outro extremo, foi considerada a Rainha Mártir, por seu sofrimento na prisão e na execução. Atualmente, o que a autora de sua biografia propõe é que se veja a rainha nem como uma coisa, nem como outra. Apesar de fútil, egoísta e alienada, ela foi mais o bode expiatório de uma situação da qual apenas fazia parte, mas não poderia ser considerada responsável. Por outro lado, sua coragem e sua lealdade à família fazem dela uma personalidade a ser admirada.

De todas as "lendas" sobre Maria Antonieta, uma parece ser verdadeira: ela teria tido um relacionamento com um nobre sueco, devido à dificuldade em manter uma vida sexual e amorosa normal com o rei. Por outro lado, a história dos brioches não é verdadeira. Teria sido contada por Rousseau, mas referia-se a outra pessoa. Segundo o livro, por mais alienada que fosse, nem Maria Antonieta teria falado uma asneira tão grande.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 16/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Salinger: uma vida de Luiz Rebinski Junior


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. Mais viagens por Budapeste - 12/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/3/2008
12h59min
a autoria da frase "que comam brioches" pode ser encontrada na biografia sobre Maria Antonieta que foi citada. realmente, ela nunca disse tal.
[Leia outros Comentários de antonio carlos meira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HIPERTEXTO E_GÊNEROS_ DIGITAIS
LUIZ ANTÔNIO MARCUSCHI; ANTÔNIO CARLOS XAVIER -ORGANIZADORES
LUCERNA
(2004)



LA VIERGE MARIE
JEAN GUITTON
AUBIER
(1940)



O TEATRO ÉPICO
ANATOL ROSENFELD
BURITI
(1965)



NA ERA DO ESPÍRITO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER/J. HERCULANO PIRES
GEEM
(1998)



SOBRE O BLABLABLÁ E O MAS-MAS DOS FILÓSOFOS
FRÉDÉRIC SCHIFFTER
JOSÉ OLYMPIO
(2003)



INTELIGÊNCIA POSITIVA
SHIRZAD CHAMINE
FONTANAR
(2012)
+ frete grátis



AJUDE SEU FILHO A CONVERSAR COM VOCÊ - TEORIA E CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA E PSICOMOTORA
HELENA MARINHO
REVINTER
(2012)
+ frete grátis



NÃO CONTE A NINGUÉM
HARLAN COBEN
SEXTANTE
(2009)
+ frete grátis



HEGEL
BENOIT TIMMERMANS
ESTAÇÃO LIBERDADE
(2005)
+ frete grátis



TERAPIA COMBINADA
JOSÉ LUIZ SANTELLO
LIBBS
(2005)
+ frete grátis





busca | avançada
34566 visitas/dia
921 mil/mês