Como escrever bem — parte 1 | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
46580 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I)
>>> Noites azuis
>>> O Bigode
>>> A jornada do herói
>>> Bonecas russas, de Eliane Cardoso
>>> Proposta Decente?
>>> Lares & Lugares
>>> O turista imobiliário
>>> Tectônicas por Georgia Kyriakakis
>>> Miguel de Unamuno e Portugal
Colunistas
Mais Recentes
>>> O Digestivo nas Copas
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
Últimos Posts
>>> Clube de Leitura Sesc do Carmo
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> Mongólia:ainda dá tempo
>>> Uma Suíte Americana
>>> Petite Messe Solennelle
>>> Stevie Ray Vaughan em Montreux
>>> The Innovators Walter Isaacson
>>> Suassuna no Digestivo
>>> Fire Phone by Jeff Bezos
>>> Trágico e Cômico, o debate
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
Mais Recentes
>>> Vocabulário Grego da Filosofia
>>> Uma lição de solfejo
>>> Fim
>>> O amor é um jogo que ganha quem se perde
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Charles Darwin 2 - O Poder do Lugar
>>> Paris, a festa continuou
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Tumblr: a renovação dos blogs
>>> Eu Amo New York
LIVROS
Mais Recentes
>>> As Aventuras do Capitão Pirata da Barba Verde
>>> Avantesmas: 13 Histórias Clássicas de Fantasmas
>>> Assim É Como Termina
>>> Assassinato no Expresso do Oriente
>>> Aniquilação - Volume 1
>>> Amo Você, Papai!
>>> Almanaque Ciência em Show Master Pop
>>> Alimentos para o bem-estar
>>> Aliens Vs. Cientistas Loucos no Fundo do Oceano
>>> Alegria, Culpa, Raiva, Amor
>>> Eduardo Campos - Um Perfil (1965-2014)
>>> O Alienista
>>> Ai, Meus Deuses!
>>> Agente da Polícia Federal - Gabaritado e Aprovado
>>> Adeus, Aposentadoria
>>> O adeus à Europa
>>> 52 Lições de Fotografia Digital
>>> 4 Semanas de Prazer
>>> 4 Ps da Oab 2 Fase - Prática Trabalhista
>>> 4 Ps da Oab 2 Fase - Prática Constitucional
>>> A 25ª Hora
>>> (As) 51 Personalidades (Mais) Marcantes do Brasil
>>> Curso de Direito do Trabalho
>>> Invisível
>>> Infinity Drake - Os filhos da Scarlatti
>>> Hotéis
>>> Um Homem Morto a Pontapés
>>> A História da Culinária em 100 Receitas
>>> Hello Kitty - Minha familia e amigos
>>> Hello Kitty - Quebra-cabeças
>>> O Forte De Nove Torres
>>> A festa da insignificância
>>> Fala, memória
>>> Eu Sou Saint German
>>> Um divã no campo de batalha
>>> A Mente Suja de Robert Crumb
>>> Diários de Adão e Eva
>>> Tudo que eu Pensei mas não Falei na Noite Passada
>>> Black Blocs
>>> Gabo - Memórias de uma Vida Mágica
>>> O Encanto do Mar e o Som do Trovão
>>> Empreendedorismo Criativo
>>> Dossiê Michel Vaillant - Ayrton Senna
>>> Direito das Sucessões
>>> Desafiando o Destino
>>> Os deixados para tras - Capa da série
>>> Half Bad
>>> Guia Londres de Bicicleta
>>> O Guia Do Herói Para Invadir O Castelo
>>> Guia Berlim de Bicicleta
COLUNAS

Segunda-feira, 13/6/2005
Como escrever bem — parte 1
Marcelo Maroldi

+ de 144500 Acessos
+ 28 Comentário(s)

Escrever bem não é uma das tarefas mais simples dessa vida, isso é fato, mas, de modo geral, escrever corretamente é algo acessível a todas as pessoas praticamente. Deixando de lado os fatores sociais e econômicos, escrever, pelo menos de maneira adequada, depende de uma série de fatores, que, normalmente, podem ser conseguidos individualmente, sem dependência de mestres ou incentivos de qualquer natureza. Evidentemente, a habilidade de combinar palavras, aliada a capacidade de inventar (ou narrar) histórias e descrever cenários interessantes são bastante pessoais, porém, podem ser desenvolvidas e treinadas. Felizmente, ninguém está fadado a escrever mal toda a vida...

Não pretendo fazer nenhuma espécie de manual de boa escrita ou de como se tornar um escritor, até mesmo porque não saberia como fazê-lo. Para isso, basta procurar na web que há inúmeros textos desse tipo, estilo manual de redação para vestibulandos (aliás, geralmente péssimos, pois, quase sempre não parecem considerar fatores fundamentais). Desejo, entretanto, explicar a minha visão de como evoluir no assunto e de como criarei meu filho para que aos 18 anos ele não precise ler manuais de como escrever bem para fazer a redação do vestibular, se ele quiser prestar, a propósito.

Antes de entrar nas Maroldicas, convém inicialmente oficializarmos a separação entre os tipos de escrita, afinal, escrever para um blog não é similar a escrever para o New York Times, assim como escrever para o saudoso Notícias Populares não é como escrever um livro. Pretendo abordar todos esses tipos de escrita, se possível, estendendo-o até as colunas futuras, se o editor desse Digestivo não me der o bilhete azul antes.

Como escrever bem, parte 1 — Antes de começar a escrever...

Nenhum humano nasce escrevendo, parece. Logo, deve existir algo que ocorre entre a saída do útero materno e o recebimento do Pulitzer. Bem, eu não sei o que é esse algo, mas posso chutar. Evidentemente, há casos extremos em que percebemos nitidamente que o escritor é um gênio, o que significa que o cérebro dele foi concebido para fazer aquilo — escrever — melhor do que as demais atividades (e, portanto, melhor que as demais pessoas). Esse tipo de escritor não me interessa pois é assunto da ciência, ele não é um cara qualquer. Interessa-me sim o escritor comum que escreve bem e que é igual a mim, e que deve ter sido "treinado" para isso. De modo geral — e já até demorei demais para falar isso — essas pessoas lêem muito. Diariamente. Incessantemente, às vezes. Na minha opinião, qualquer tipo de leitura treina o cérebro. Portanto, se você não se importar em treiná-lo apenas com vocabulário e linguagem web, leia apenas blogs. Se você não se importar em treiná-lo em frases triviais com apenas 3 ou 4 palavras, leia gibi. Mas, se você quiser um pouco de tudo isso, leia de tudo, mas privilegie as pessoas que escrevam bem, pois elas podem te ensinar mais sobre como escrever do que os que escrevem não adequadamente.

Está bem, está bem, eu disse o óbvio agora. Mas, então, porque as pessoas não fazem isso? Um dia conheci um rapaz que fazia jornalismo e tinha como ídolo literário nosso best-seller Paulo Coelho. Percebi que tinha algo errado, mas fiquei quieto, desconfiado, até receber um e-mail dele, contendo mais erros em 10 linhas do que todos os erros que Olavo Bilac escreveu na sua obra toda. Conversamos umas vezes depois... Ele ouvia os nomes e obras consagrados como se ouvisse pela primeira vez o grito de guerra da equipe iraquiana de hóquei sobre o gelo. Um dia, comentei: se você quer escrever bem, não pode ler mal...

O modo como se lê também é importante. Eu sei, ler é ler, certo? Errado. Não são todas as pessoas que lêem da mesma maneira... Ler como lazer não é como ler para aprender. Infelizmente. Seria muito mais fácil se cada vez que eu lesse um texto assimilasse tudo o que está nele, mesmo se naquele dia lia apenas para me distrair, enquanto o bebê confecciona uma sinfonia doce e meu time corria na TV ligada. Esse dia não devo ter prestado muita atenção porque até precisei voltar umas páginas atrás, depois, somente para descobrir o que tinha acontecido nelas... E, se eu quisesse ter aprendido mais, deveria ter analisado o texto, as frases, aprendido com as construções, o modo como ele descrevia a arma usada no crime, os adjetivos desconhecidos que ele atribuía ao assassino. E não fiz nada disso, só li. Eu me distraí, é verdade, mas foi só isso. Eu não tive uma aula de literatura na sala da minha casa naquele dia, ainda que o autor tivesse me mostrado exatamente como ele escrevia...

Bem, meu moleque já sabe que terá que ler, o que ler, quanto ler e até como ler. Agora é só esperar pelo sucesso, não? Não. Ele vai ter que escrever, escrever, escrever. Quando, aos 7, ele me trouxer uma poesia própria (que a mãe dele vai guardar, acredito), não vai ser tão boa quanto aquela que ele escrever aos 10. Nem a dos 15. Se ele parar para analisar, verá que tudo parece ser uma evolução na arte da escrita. Ele poderá ler todos os livros da biblioteca do rei Salomão, mas, se jamais escrever algo, minha editora terá que recusar seu primeiro conto, que estará fraco e imaturo. Daí, quando ele estiver revoltado comigo e ameaçar sair de casa, terei que explicar que o segundo geralmente sai melhor que o primeiro e assim por diante. É treino, meu filho. Você já aprendeu a ler, já o fez suficientemente, agora treine escrever suas próprias histórias e seus próprios personagens... Ele irá até me agradecer, anos depois dessa última aula, pois ele mesmo verá que o texto passa a fluir mais tranqüilamente quando já se escreveu dezenas deles pela vida. Você passa a arriscar mais, repete construções que lhe agradaram, insere vocabulário novo, sabe o que interessa ao leitor, sabe, enfim, escrever.

(Continua...)

Update
Leia também o Especial "Como se escreve".

Trainspotting — Irvine Welsh

Comecei a ler Trainspotting (Irvine Welsh, Editora Rocco, 2004) com alguma desconfiança, motivada, principalmente, pela descrição da contra-capa e algumas notas que havia lido anteriormente. Tinha ouvido falar do autor e da versão cinematográfica da obra, mas praticamente desconhecia o livro. Sentei para ler com a nítida impressão de que não me agradaria e terminei lamentando por ter apenas 350 páginas... Eu queria mais...

Não pode se dizer que temos uma história principal no livro. São dezenas de pequenas historinhas que montam o ambiente do livro, todas elas, sem exceção, com acontecimentos sobre a vida de um grupo de amigos(?) escoceses, a grande maioria dependentes químicos, alguns com passagens pela policia por roubo, alguns briguentos, muito sexo e, por isso tudo, muita lamúria e depressão, e um grupo de vidas perdidas...

Pode parecer um tema fácil e comum, mas, o livro não o é (nem fácil e nem comum). A começar pela linguagem, que acompanha os personagens, trazendo para o livro o modo particular de cada um falar, mas, diferente do que já vi, o autor não "força a barra" para parecer um deles (aliás, o autor sim é um deles, um ex-viciado). Cada personagem conta a sua vida. Embutidos nesses comentários, temos grandes reflexões sociais muito bem escondidas pelo autor nas palavras e atitudes dos "marginais". Racismo, luta de classes e o que mais você quiser encontrar. A leitura pode, para alguns, parecer muito dura (porém, ela não vai parecer, ela realmente é). Alguns relatos são de nos fazer parar para respirar... aquele conjunto de palavras fortes, "sujas", conduzindo o leitor para a montagem da cena às vezes assusta. E muito. Talvez por isso o livro cause tanto impacto em que o lê... Vale a pena.

Para ir além






Marcelo Maroldi
São Carlos, 13/6/2005

Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/6/2005
10h50min
Seu texto me recorda de uma reportagem do NYT, onde um professor comenta que as aulas de redação na escola e na universidade estão cada vez mais focadas no conteúdo do que está sendo escrito, ao invés da técnica de como escrever em bom português, como construir frases e parágrafos e o famoso diálogo com o leitor. Lembro da minha própria experiência com aulas de redação, quando sabia exatamente o que escrever para agradar a professora, e como já não gostava da aula, fiz isso e deixei de aperfeiçoar a técnica de escrever. Vim a fazer isso mais tarde, sozinho, e acho que hoje escrevo o suficiente para me expressar com clareza. A quantidade de pessoas que não escrevem com clareza em engenharia, que superficialmente não tem nada a ver com escrever, é muito grande. Por causa de textos mal escritos vários erros desnecessários são cometidos nos projetos, levando a atrasos de meses. Uma vez quando comentei com alguns de meus colegas que todo engenheiro deveria saber escrever minimamente bem, muitos retrucaram que "isso era coisa de quem não entende de engenharia". Lendo livros e artigos de vários cientistas e engenheiros famosos descobri que não só escrevem bem, como sabem da importância de se escrever bem... Só como uma observação, descobri também que o mesmo vale para quem escreve programas de computador. É bem parecido com escrever bem em português, a pessoa tem que aprimorar a técnica, ler "textos" de outras pessoas que escrevem bem, e se esforçar... E hoje em dia, muitos programas são mal escritos, e telas azuis, bugs, e outros desastres passam desapercebidos porque ninguém entende o que o cidadão fez no programa. Tudo porque as pessoas preferem ignorar técnica e estilo, e acham que sempre se trata de conteúdo... Quem escreve bem, é capaz de convencer um cidadão de quase qualquer coisa.
[Leia outros Comentários de Ram]
13/6/2005
13h21min
Válido um artigo sobre como escrever bem - porque, como outras atividades que todo mundo pensa que sabe, é subestimada. Se as pessoas soubessem realmente escrever, como seria possível haver tantos maus escritores? (Subescritores, eu diria). Aguardo a segunda parte.
[Leia outros Comentários de Carla]
28/6/2005
15h16min
gostei do artigo e me mostrou como eu escrevo mal, mas para melhorar tenho que treinar apenas, e ler mais entre outras coisas, mas eu ouvi falar que quem gosta de computador tem uma pequena afinidade com a escrita (principalmente os hackers), mas pulando isso, agora vejo como eu tenho que melhorar, o que atualmente caras tipo eu (16 anos no 3ºano) não estão se importando com ser o melhor ou mesmo estar entre eles, o que parece estar levando ao retardo o desenvolvimento do país, se o simples fato de quer aprender algo (no caso, escrever melhor) e tentar ser o melhor, seria do suficiente para os estudante de hoje levarem o país ao topo.
[Leia outros Comentários de Dark Squall]
4/7/2005
02h05min
Quase sempre considero que escrevo mal. Seu texto, delicioso, reforçou minha auto-avaliação. Benevolente, penso que hoje escrevo menos mal que ontem. Resta então resistir ao prazer da leitura como forma de lazer, e passar à rigidez do estudo, da análise, da desconstrução dos textos. Que alento. Trabalho, sem dúvida, mas recompensas futuras acenam. Obrigada. Vou agora ler (meticulosamente) a segunda parte de seu texto...
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]
10/7/2005
17h28min
Quando eu estava no colegial, prestes a fazer o vestibular, eu escrevia mais ou menos bem, tirava boas notas e conseguia alguns elegios da professora... Tudo era lindo... Fiz vestibular, fui muito bem em redação, mas fato é que, depois que eu entrei na faculdade, eu fiquei mais burra... Não escrevo mais como antes, aliás, tenho até muita dificuldade para escrever. E por que isso ocorreu? Porque eu não tenho mais incentivo algum. Vez ou outra faço resenhas de textos chatos e monótonos e extremamente técnicos. Escrevo muito menos do que escrevia quando tinha que fazer pelo menos três redações por semana no colegial. Por isso, nessas férias, comecei a ler mais, mesmo que seja só revistas de arquitetura (que, aliás, dizem respeito ao meu curso) e voltei a comprar jornais. E eu juro que vou escrever mais e vou ler mais ainda, muito obrigada pelo seu texto, pois eu pude ver que eu não sou um caso perdido...
[Leia outros Comentários de Vivi]
4/4/2006
14h25min
eu tenho muita facilidade em escrever, mas eu preciso de um incentivo, quando eu estou apaixonado, fica mais fácil, quando eu não estou, eu fico bêbado, é quase a mesma coisa, a gente fica besta, rindo à toa, e tudo pra gente é maravilhoso, experimenta...
[Leia outros Comentários de Genderson Fernandes]
16/7/2006
19h54min
Sinto uma vontade imensa de escrever, falta-me coragem e determinação. Convenci-me de que devo seguir os conselhos do autor...
[Leia outros Comentários de Luiz Oliveira]
31/7/2006
11h15min
Sou jovem e me considero um escritor razoável. Talvez seja os três anos que eu tenho de participação em fóruns espalhados pela internet. Talvez pelo meu interesse em leitura. O fato é que só escreve bem aquele que ler bem. Isso eu aprendi na vida; dezesseis anos de vida, e eu posando de intelectual. Oh, céus. x)
[Leia outros Comentários de Jimmy]
17/8/2006
20h26min
Aprecio uma boa leitura e, decorrente disto, vem uma boa escrita. Com certeza tem fundamento seu comentário, e que possa servir de estímulo para mais os jovens.
[Leia outros Comentários de Vânia]
25/12/2006
18h09min
Parabéns, Marcelo, por tudo que você escreve. Tenho 64 anos e quero começar a escrever. Estou me espelhando em você. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Otaviano Coimbra]
3/1/2007
14h42min
Pois... Escrevo mal pra chuchu, porque para seres humanos eu escrevo pessimamente. Pior é que leio bem e escrevo mal. Aprender a escrever é uma arte, não é para qualquer um, não! Existem pessoas inteligentíssimas que não conseguem escrever uma linha, outras, porém, mesmo com uma vida vazia, fazem sucesso com seus escritos. Então, querido Marcelo, como você me explica estes acontecimentos?? Parabéns pelo seu texto. Ah! Não existe uma formula mágica que ensina você a ter ótimos textos?? Brincadeirinha.
[Leia outros Comentários de simonecamargo]
19/1/2007
19h24min
Como queria poder escrever bem. Ando tentando escrever, tirar algo da mente, construir coisas novas, mas pelo mundo em que vivemos, pelo estilo de vida que temos que levar, correria, problemas, às vezes fica difícil parar para pensar, para ler, ando tentando buscar novas leituras. Já fui um leitor assíduo, mas parece que minha mente quer ser rápida, ler tudo de uma vez sem analisar, sem parar para entender, para viajar no tema. Queria ter tempo.
[Leia outros Comentários de ronaldo]
28/2/2007
21h13min
Querido Marcelo, achei interessante e relevante o seu texto. O trauma que passamos na escola nos deixa com seqüelas, muitas vezes sem volta. A forma como as crianças e adolescentes aprendem a pensar e a escrever precisa ser revista. Grandes leitores com certeza têm maiores chances de escrever bem. Isso deveria começar desde pequeno, assim todos tomariam gosto pela leitura e conseqüentemente escreveriam melhor. Gosto e aprecio bons livros e um dos meus sonhos, espero poder realizar em breve, é lançar o meu primeiro livro. Nos últimos meses aprendi a apreciar diversos tipos de contos. Comecei a praticar e já tenho alguns contos escritos. O engraçado é que tomei gosto pela coisa e minha mente não pára mais de criar . Quero aprimorar a cada dia e escrever, além de contos, outras histórias. Daqui pra frente não vou parar mais. Só aprendemos a escrever se praticamos. Um grande abraço. Eliane
[Leia outros Comentários de Eliane Bertevello]
29/3/2007
08h57min
É sempre bom compartilhar idéias novas com outras pessoas, aumentando assim os conhecimentos básicos e úteis.
[Leia outros Comentários de Erisnaldo]
17/5/2007
08h53min
É incrível como esse Digestivo Cultural, que descobri há pouco, é bom! Passo momentos deliciosos e interessantíssimos aqui, enquanto deveria estar trabalhando (ops!), confesso! Texto excelente, Marcelo! Só para complementar o que escreveu, com meu próprio testemunho, o que significa ler bem: tem texto que te faz ler bem e texto que não te dá a mínima chance (e nem estou falando de autores iniciantes, a "Nova Lepra", para alguns letrados, aqui neste site). Como exemplo, cito Suzanne Clark e seu Jonathan Strange & Mr. Norrel. É muito bom! Parava de ler e retornava algumas páginas, não por não ter entendido o que havia sido escrito, mas para ler de novo em voz alta! Lia para minha mãe ouvir! Por algum a razão tinha que mostrar pros outros como aquele texto era bom. Queria mostrar que queria escrever daquela forma, com a mesma habilidade! Resta saber, quanto disso é devido ao tradutor que, como se sabe, pode destruir um texto, ou no caso, brindá-lo com rara isenção. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
31/12/2007
16h04min
E eu aqui escrevendo horrores.
[Leia outros Comentários de Italo]
30/1/2008
15h55min
Como dizer de uma forma bonita ou menos dolorosa que levei um tapa lendo seus textos? Já li as 3 partes dele e, bom, foi o que aconteceu! Quero agradecê-lo por compartilhar conosco sua experiência. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Rúbia]
15/4/2008
14h45min
Digamos que eu saiba escrever, sobre o que escrever? Faltam-me idéias, ou elas são muitas, mas não são boas ou vêm muito desorganizadas. Por isso sempre que, me animo a iniciar uma história, desisto uns três dias depois.
[Leia outros Comentários de Juliana]
8/6/2008
20h39min
Sempre tive idéias, mas não sabia como passá-las, de uma forma organizada, para o papel. Um tempo atrás havia desistido. Aí o impossivel aconteceu (é uma longa história sobre minha vida)... E novamente pude ver o mundo, os sentimentos e tudo o mais, sentindo a necessidade de tranformar isso em palavras. Agora venho me aperfeiçoando e, no decorrer do tempo, me torno mais e mais, digamos, capaz de realizar isso...
[Leia outros Comentários de Erick Oliveira]
7/8/2008
21h08min
Muito legal as suas palavras, me deram muita auto-estima. Percebi que eu preencho todos os requisitos de quem deseja ter uma boa escrita. Posso considerar que escrevo razoalvelmente bem, coisa que adquiri com muito esforço (e leitura). Antes não gostava de ler nada, tinha preguiça. Hoje, a leitura para mim é mais que um hábito, é uma necessidade. Antes não conseguia assimilar a leitura com escrita, mas atualmente tô pegando o gosto pela escrita. Tenho um blog onde escrevo sobre tudo. O negócio é escrever, e bem.
[Leia outros Comentários de Neto]
22/8/2008
18h30min
Muito bom o seu texto, Marcelo. Assim como todos os outros comentários acima, o meu é simplesmente para dar um merecido "parabéns". Sou estudante de comunicação e muitas vezes me perco nas palavras. Acho que deve ser um dos problemas mais freqüentes em quem tem uma certa dificuldade em escrever. Idéias não faltam, o que normalmente falta em mim, pelo menos, é organização. Mesmo assim, muito legal da sua parte tentar dar uma força a quem está começando ou simplesmente àqueles que gostam de ler. Afinal, a graça é ler sem moderação :) Parabéns novamente!
[Leia outros Comentários de Lane]
1/9/2008
10h38min
hoje percebi o quanto que eu não sei escrever, porém estou disposto a aprender... essa arte que se chama escrita.
[Leia outros Comentários de Michel ]
1/11/2008
20h03min
Quando entrei na universidade percebi que minha motivação para a leitura estava desaparecendo... mas não me deixei levar por isso e comecei a ler o que achava mais interessante; sinto que está tudo voltando ao normal... Valeu pelo incentivo!
[Leia outros Comentários de Filipi]
13/2/2009
21h18min
Me dou bem escrevendo sobre o tecido, a fazenda matutina, a matéria aquática que nos sobra dos sonhos... Frasco de meu tinteiro. Fico pasmo como há o que escrever sobre o ato de escrever. Uma biblioteca é pouco. Talvez uma constelação começe a dar pedal.
[Leia outros Comentários de Fernando Almeida]
24/2/2009
01h06min
Gostei de saber que não preciso ser um gênio para um dia conseguir escrever um livro. Estudo Farmácia, mas no cursinho estudava apenas Humanas, sempre gostei de ler. O seu artigo é um incentivo para eu, agora, começar a escrever.
[Leia outros Comentários de Luís Gomes]
20/4/2010
19h22min
Parabéns! Belo artigo, entusiasmante e realmente digno. Deixa claro que se trata de alguém que tem paixão pela escrita e claro pela leitura. Um dia chego lá.
[Leia outros Comentários de André Sampaio]
23/4/2010
03h09min
"A diferença entre o escritor e o escrevedor está sobretudo na economia vocabular. Conseguir o máximo com o mínimo - eis um sábio programa."(Celso Pedro Luft) Bom, após essa citação maravilhosa, eu só chego a uma conclusão: menos é mais. Portanto, para se escrever bem, nada de enrolações! Um beijo, Marcelo...
[Leia outros Comentários de fernanda flores ]
14/9/2010
12h27min
Parabéns pelo artigo, uma abodagem louvável referente ao crescimento da escrita. É mais uma prova de que a persistência supera obstáculos.
[Leia outros Comentários de Danyllo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> PAZ, instalação de Regina Carmona no lago do Parque Ibirapuera
>>> Comediante Felipe Hamachi apresenta noite de humor com a participação de convidados no Mahôe Bar
>>> O CLUSTER - Especial lançamento da Revista Digital
>>> Caleidos Cia Dança abre inscrições para seleção de elenco
>>> O ADVERSÁRIO
>>> Limão Rosa Café completa um ano e passa a oferecer almoço aos sábados
* clique para encaminhar

Cortez Editora
Editora Perspectiva
Best Seller
Hedra
Bertrand Brasil
Intrínseca
Civilização Brasileira
Editora Conteúdo
Busca Sebos
Editora Record
Globo Livros
Companhia das Letras
WMF Martins Fontes
José Olympio
Arquipélago Editorial
Nova Fronteira
Primavera Editorial
LIVROS


DUAS VERDADES E UMA VEZES MENTIRA
Por R$ 31,95
+ frete grátis



ARQUIVOLOGIA
Por R$ 38,95
+ frete grátis



GARFIELD - QUEBRA-CABEÇAS
De R$ 16,90
Por R$ 15,95
Economize R$ 0,95



DOSSIÊ MICHEL VAILLANT - AYRTON SENNA
Por R$ 68,95
+ frete grátis



FALA, MEMÓRIA
Por R$ 38,95
+ frete grátis



ÚLTIMO SACRIFÍCIO
De R$ 39,90
Por R$ 29,95
Economize R$ 9,95



A CRÍTICA NO SUBSOLO
Por R$ 33,95
+ frete grátis



DICIONÁRIO DE TERMOS DE MODA
Por R$ 31,95
+ frete grátis



BOOP OOP A DOOP SIGNIFICA EU TE AMO
De R$ 44,90
Por R$ 41,95
Economize R$ 2,95



BLACK SABBATH - DESTRUIÇÃO DESENCADEADA
Por R$ 63,95
+ frete grátis



busca | avançada
46580 visitas/dia
1,5 milhão/mês