O faroeste não morreu. Está hibernando | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pascal e a condição humana
>>> Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos
>>> O gato diz adeus
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
>>> Melhores Blogs
Mais Recentes
>>> Perspectivas da Cultura Brasileira - Miguel Reale
>>> Cenas de um casamento sueco - Ingmar Bergman (Cinema)
>>> Movimento Brasileiro: Contribuição ao estudo do Modernismo - Maria Eugênia da Gama Alves Boaventura (Arte e Ciências Humanas)
>>> André Malraux: Três aspectos e uma síntese (A aventura, a política, a arte) Frederico dos Reys Coutinho (Literatura Francesa)
>>> A música na Revolução Francesa - Enio Squeff
>>> A Invasão Cultural Norte-Americana - Júlia Falivene Alves (Cultura)
>>> Arte-Educação no Brasil - Ana Mae T. B. Barbosa
>>> Informação. Linguagem.Comunicação. - Decio Pignatari (Comunicação)
>>> Mito e Realidade - Mircea Eliade (Filosofia)
>>> A Holanda no tempo de Rembrandt - Paul Zumthor (Artes Plásticas)
>>> Portinari: Exposição de sua obra de 1920 até 1948 (Artes Plásticas)
>>> O Surrealismo - Yvon Duplessis (Arte/Estética)
>>> Museu Lasar Segall - 50 obras do acervo (Artes Plásticas)
>>> Arte & Deformação - Como entender a estética moderna - Assis Brasil
>>> El Arte: Formas de la conciencia social - V. Kelle/M. Kovalson (Em Espanhol) (Arte e Política)
>>> A Perspectiva - R. Taton & A. Flocon (Artes Plásticas)
>>> Cultura de Massa e Política de Comunicações - Waldenyr Caldas
>>> Problemas del arte en la revolución - Carlos Ragael Rodríguez (Em Espanhol)
>>> Itinerario estético da la Revolución Cubana - José Antonio Portuondo EM ESPANHOL(Estética)
>>> O Livro Perdido de Enki-Memórias e Profecias de um Deus Extraterrestre
>>> A Igreja
>>> Blecaute - 28ª ed.
>>> O Populismo na Política Brasileira
>>> Livro de Colorir Reino Animal
>>> Nas Trilhas da Crítica - Coleção: Críticas Poéticas
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
>>> Machu Picchu
>>> Cidade Escola - Série Jovens Utopias Livro 3
>>> Dr. Clorofila Contra Rei Poluidor
>>> Trio Enganatempo - Sua Mãe Era Uma Neanderthal
>>> Através Do Espelho
>>> Watchman nee ( O Poder latente da alma )
>>> Oh! Dúvida Cruel 2
>>> Felicidade Em Um Mundo Material
>>> Coleção Enem & Vestivulares Volume 7 - Física
>>> Para Homens Na Crise Dos 40
COLUNAS

Segunda-feira, 1/8/2005
O faroeste não morreu. Está hibernando
Marcelo Miranda

+ de 12600 Acessos

Dizem por aí que o faroeste morreu. Não é mentira, mas também não é verdade. O crepúsculo do "gênero americano por excelência" certamente pode ser considerado a obra-prima Os Imperdoáveis, que Clint Eastwood entregou ao mundo em 1992. O filme não era só mais um faroeste. Era o último dos faroestes, o capítulo final de um gênero nascido mais de 90 anos antes. Eastwood, que deve grande parte de seu prestígio como artista de respeito ao bangue-bangue, dirigiu e protagonizou aquele que pode, sem dúvida alguma, ser definido como a conclusão da saga do Velho Oeste. O significado de Os Imperdoáveis é muito maior do que imaginamos e do que já se escreveu dele. É o testamento post-mortem de algo que já estava agonizando e precisava apenas da palavra de alguém que sabia o quê, como e quando fazer.

O que Os Imperdoáveis tem de tão avassalador? Bom, este não é um texto especificamente sobre o filme, mas vale registrar algumas palavras que eu mesmo escrevi há uns dois anos, para um curso de crítica de cinema no qual participei - texto este que, posteriormente, publiquei no Cinefilia. Com o perdão do egocentrismo, segue trecho: "se o pistoleiro interpretado por Clint Eastwood nos spaghetti-western de Sergio Leone (e em tantos outros filmes) fosse encontrado muitos anos depois, certamente a imagem que teríamos seria a dele acalmando porcos doentes e repousando em sua fazenda, como vemos Will Munny nas primeiras cenas (...) É disso que trata esta produção (...): do pistoleiro sangüinário, violento e insensível retratado décadas depois de seu 'auge'".

O que tornava o filme especial era que, mais do que homens atrás de dinheiro ou poder, como retratado por décadas a fio, Eastwood mostrava homens em busca de honra, de dignidade, de respeito, num mundo que não mais comportava seus atos. Além disso, o diretor inseriu no enredo um personagem que servia de expiação: o escritor que acompanha o mercenário interpretado por Richard Harris. Ele representa aquele que vai desvendar os segredos do Oeste e revelar a todos que os homens pintados como salvadores do país, dispostos a expulsarem das terras os "bárbaros" índios, não passavam de uns covardes frouxos interessados apenas na fama e no renome. Eram, antes de tudo, fracos de espírito e fortes de atitudes mesquinhas. Nunca gente respeitável, como se tentou apregoar através do próprio cinema.

Os Imperdoáveis
Os Imperdoáveis

Mas como diria nosso editor Julio Daio Borges, divago. O que interessa por agora é que, apesar de Os Imperdoáveis, o faroeste não deixou de existir. Não como produto de cinema, mas talvez como gênero puro. Depois de nascer em 1902 (O Grande Roubo do Trem) e passar por diversas fases e estilos (faroestes A e B, psicológicos, dramáticos, românticos, épicos, macarrônicos), chegou-se a um ponto em que não existia espaço para o bangue-bangue. Criado como forma de exaltar as ações dos grandes vaqueiros que invadiam o Oeste selvagem norte-americano, o western foi perdendo interesse e cansando o público - e aqui entram os chamados "filmes crepusculares", como Meu Ódio Será sua Herança e O Homem que Matou o Facínora, que preparam terreno para Os Imperdoáveis. Quando este chegou às telas, deixava à mostra o que estava óbvio há anos: o fim.

Só que a máquina de Hollywood não deixou de lado o faroeste. Interessante notar que, depois do filme de Eastwood, toda e qualquer produção do gênero ou usa o Oeste apenas como cenário ou reverencia os grandes clássicos dos anos 30, 40 e 50 dentro do universo do western. E todos, sem exceção, não conseguem ser grandes filmes. Variam do insuportavelmente ruim ao meramente interessante, sem se sobressair. Exemplos? O ano de 1994 é prolífico para exemplos. Curiosamente, boa quantidade de faroestes foi lançada nessa época, sabe-se lá o porquê. Maverick foi um deles. Inspirado em antigo seriado homônimo, trazia as estrelas limpinhas e cheirosas de Mel Gibson e Jodie Foster enfrentando os perigos da jogatina, dos bandidos e, claro, dos índios. Mas era comédia, não era? Uma grande brincadeira com o gênero, afinal de contas. Então vejamos um mais sério, como o grandioso Wyatt Earp, com Kevin Costner. É outra releitura do mito de Billy the Kid, o exímio pistoleiro que infernizava o Oeste. Não é um filme de todo negativo, mas peca pelos excessos - de tamanho, de pompa, de ambição, de vontade de ser grande. Não é um legítimo faroeste porque regurgita sem brilho algumas convenções típicas sem nada acrescentar a elas.

Costner faria muito melhor nove anos depois, ao dirigir e estrelar Pacto de Justiça, outra tentativa de dar fôlego ao faroeste. Este talvez seja o melhor filme do gênero dentro dessa fase mais morta. Bem conduzido e interpretado, com referências e gigantesco respeito aos cânones (desde formas de pensar a citações a cenas específicas de pérolas como Matar ou Morrer e Rio Vermelho), prima pelo ritmo ágil e pela despretensão com que trabalha o bangue-bangue. Ainda assim, não se legitima por ser um exemplar do verdadeiro western: antes disso (e até mesmo de ter essa intenção), é uma grande homenagem a nomes como John Ford, Fred Zinnemann, Howard Hawks, Anthony Mann e tantos mais. Costner, aqui, tira o chapéu para essas feras e jamais quer se igualar a elas - quer, simplesmente, se incluir no legado delas. Por um lado, torna Pacto de Justiça digno de ser visto; por outro, retira dele qualquer possibilidade de se transformar num clássico ou mesmo num exemplar de maior prestígio.

Pacto de Justiça
Pacto de Justiça

Outro filme de razoável qualidade e que deve sua existência ao passado de tiros e pistoleiros é Desaparecidas, de Ron Howard, lançado em 2003. O enredo (mulher persegue pelo Oeste as duas filhas seqüestradas por um bruxo índio) foca mais o suspense, e essencialmente poderia se passar em qualquer época e lugar. Mas a simples definição pelo Novo México, possibilitando vermos pradarias, desertos, paisagens, cavalos, tiros, torna-o, forçadamente, um faroeste. Talvez porque, de uma forma ou outra, o filme vá ao encontro da perfeita definição do crítico francês André Bazin sobre o que é, afinal, o faroeste: o encontro de uma mitologia (a saga do homem branco no Oeste bravio) com um meio de expressão (o cinema). E Desaparecidas, de alguma forma, tem lá encravada a sua própria mitologia de um universo perigoso e traiçoeiro, sujo e cheio de homens maus, mas também de homens de bem, prontos a enfrentar os mistérios e a aridez do Oeste para chegar a um objetivo. Howard prefere provocar tensão, chega a produzir um thriller, mas não consegue esconder a vontade e até necessidade de também se incluir nas prateleiras do gênero criado pelos seus "ancestrais" cinematográficos.

Outras produções flertaram com o faroeste, nenhuma digna de um parágrafo. Rápida e Mortal (1994), de Sam Raimi, é catastrófico e idiota. Quatro Mulheres e Um Destino (1994) parece um libelo mal arranjado da supremacia feminina num universo predominantemente masculino - e hoje a presença de Drew Barrymore no elenco faz inevitavelmente enxergar este filme como a versão bangue-bangue de As Panteras. Ainda há Jovens Demais para Morrer, Soldados Bufallo, Tombstone - A Justiça está Chegando, todos beirando o risível na tentativa de soar verdadeiros e autênticos.

No fundo, eu acredito que o western ainda não acabou. O musical, outro gênero consagrado pelo cinema americano, renasceu com a revolução de Moulin Rouge - goste-se ou não, este filme deu nova linguagem e roupagem ao gênero, oferecendo-lhe fôlego para investidas mais distintas do que meras cópias daquilo que já foi sucesso um dia. O faroeste pode ter a sua hora, sem dúvida. Clint Eastwood colocou o ponto final, mas isso não significa que alguém não possa surgir com algo completamente novo, uma leitura ou interpretação absolutamente brilhante, e assim recomeçar o ciclo. Essa hora ainda pode chegar. Enquanto isso, os aprendizes vão tentando dar caras modernas à árida e hostil realidade do Velho Oeste.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 1/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A melhor Flip de Marta Barcellos
02. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
03. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
04. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva
05. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PHYSICAL CHEMISTRY
V. KIREEV
HIGHER SCHOOL PUBLISHING HOUSE
(1968)
R$ 35,00



CUPCAKES 2 - A ARTE DE FAZER CUPCAKES
LAROUSSE
LAROUSSE
(2011)
R$ 20,00



A HISTÓRIA DA CONSTITUIÇÃO AMERICANA
CHARLES L. MEE JR.
EXPRESSÃO E CULTURA
(1993)
R$ 22,00



NA TRILHA DAS FERROVIAS
BERTHOLDO DE CASTRO
RELER
(2005)
R$ 75,00



POESIA BRASILEIRA ROMANTISMO - 42012
VALENTIN FACIOLI E ANTONIO CARLOS OLIVIERI (ORG)
ÁTICA
(1999)
R$ 10,00



UM AMOR DO OUTRO MUNDO
GANYMÉDES JOSÉ
ATUAL
(2006)
R$ 10,00



P.S. EU TE AMO
CECELIA AHREN
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 20,00



MENTES BRILHANTES, MENTES TREINADAS
AUGUSTO CURY
ACADEMIA
(2000)
R$ 18,00



TEATRO SOVIÉTICO (INVASION/LOS HOMBRES RUSOS) - TEATRO RUSSO
LEONID LEÓNOV E KOSTANTÍN SÍMONOV
EDITORIAL FUTURO
(1945)
R$ 15,00



BOX CONECTE MATEMÁTICA VOL. 3 - ENSINO MÉDIO
GELSON IEZZI
SARAIVA
(2014)
R$ 149,90





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês