Discurso sobre o Capim, de Luiz Schwarcz | Jonas Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
19881 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alexandre Grooves comemora Troféu Cata-vento, pré-indicação ao Grammy e lançamento no Japão
>>> Estreia de Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro comemora 20 anos do grupo O Buraco d'Oráculo
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Nei Lopes e Mirian de Carvalho: poesia e samba
>>> Feliz 2018
>>> Boa Vista
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pela estrada afora
>>> O que aprendi
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> O que vai ser das minhas fotos?
>>> A reforma agrária das idéias: os blogs
>>> E eu mais ainda!
>>> Os sem-celular
>>> Freud segundo Zweig
Mais Recentes
>>> A Verdadeira Vida em Deus Encontros com Jesus volume IX
>>> O Evangelho de João - A Vida estava Nele
>>> Deus Caritas Est
>>> Aspirai aos Dons espirituais
>>> Um dia na Dieta Budwig- O Livro
>>> Bohr e a Interpretação Quântica da Natureza
>>> Quatro Estágios importantes na Jornada da Vida
>>> Manual Semeando Igrejas Multiplicadoras
>>> A Bíblia Para Colorir - Livro 3
>>> A Bíblia Para Colorir - Livro 4
>>> Estamos Vivendo nos Últimos Dias?
>>> A Última Porta a Caminho do Arrebatamento
>>> Cristianismo ao Gosto do Freguês
>>> Os Fatos Sobre a Vida Após a Morte
>>> A Verdade sobre o Ano 2000
>>> Feras Futebol Clube - Ioiô o Que Dança Com a Bola Autor (a): Joachim Masannek
>>> T. l. osborn ( curai enfermos e expulsai demonios )
>>> A Dança
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 2 )
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 1 )
>>> A Educação pela Dança
>>> 101 Idéias Criativas Para Professores
>>> 21 Dias de Oração e Jejum Pelo Sertão
>>> Os Insondáveis Propósitos de Deus
>>> Natália Lessa
>>> Parceiros na Missão
>>> Um General Perto de Deus
>>> A Oração de Moisés
>>> Dulce Beltrão
>>> Adolescentes, pesquisa sobre uma idade de risco
>>> Turismo e Planejamento Sustentavel
>>> Turismo e Legado Cultural
>>> Vidas cruzadas
>>> Disney´s Pocahontas
>>> The world is made of Glass
>>> Medo da Vida
>>> Biologia Celular e Molecular
>>> Viagem a Inglaterra e Escocia
>>> Aventuras de Tom Sawyer
>>> Proyecto Lazaro
>>> O primo basilio
>>> Noticia de un secuestro
>>> GONE - Desaparecer - Livro 3
>>> A fraude do Efeito - Estufa
>>> Saga O Vampiro Rei - Bento - Livro 1
>>> Sapphique
>>> Freud
>>> Fallen Angels - Desejo
>>> O Cavalo Amarelo
>>> Conecte Filosofar Terceira Parte
COLUNAS

Sexta-feira, 24/2/2006
Discurso sobre o Capim, de Luiz Schwarcz
Jonas Lopes

+ de 4400 Acessos

Luiz Schwarcz, se você está por dentro do meio literário, é um nome conhecido. É, claro, o dono da Companhia das Letras, uma das principais editoras do país. Com o lançamento da curtinha coletânea de contos Discurso Sobre o Capim (2005, Companhia das Letras, 115 páginas), há alguns meses, a assinatura "Luiz Schwarcz, editor" ganhou um adendo: Luiz Schwarcz, escritor. É sua estréia na ficção adulta, após dois livros infantis (Em Busca do Thesouro da Juventude e Minha Vida de Goleiro). E é uma estréia de respeito.

Difícil foi perder o receio de que a obra ganhasse a pecha de "livro de editor". Nesse processo, Schwarcz teve apoio de autores de respeito, como Chico Buarque, Tomás Eloy Martinez e Rubem Fonseca, que leram e gostaram de seus escritos. A repercussão crítica do livro foi surpreendentemente positiva. Óbvio que houve quem acusasse os críticos de casuísmo, de plantarem o verde para colher o maduro (ou seja, lançar alguma coisa pela Companhia das Letras no futuro); ora, seria até estranho se nenhum pascácio rancoroso não fizesse isso. Dada uma chance ao livro, é impossível não constatar as suas qualidades.

As narrativas (onze) de Discurso Sobre o Capim são bem homogêneas. Por mais que os personagens e seus ambientes variem (uma vendedora de doces, um garçom, uma arrumadeira de hotel) eles compartilham sentimentos - um idealismo calado, sonhos que provavelmente não serão realizados, mas que são sonhados com prazer mesmo assim. As primeiras frases do livro sintetizam o espírito deles: "De lá tudo parecia pequeno. Menos eu".

Eles estão imersos na pureza, em um mundo ingênuo que não mais existe, que deu lugar ao cinismo. Um garoto judeu pergunta à mãe se o Deus da professora é o mesmo que o céu. A vendedora de doces descobre aquele que se chama "sonho", o que até então não sabia. Uma arrumadeira faz arranjos românticos na toalha de banho do hotel e deixa pétalas de rosa espalhadas pela colcha, sempre à espera de que, um dia, os clientes dêem algum sinal de gratidão pelo seu delicado esforço.

A predominância da primeira pessoa e o último conto, "Livro de Memórias" ("Todos os meus amigos escreveram suas memórias. Escreveram ou pagaram para outras pessoas escreverem") fortalecem a impressão de estarmos diante de elementos autobiográficos. Em "Palavras Cruzadas", Schwarcz homenageia o cineasta François Truffaut, seu ídolo, e que ele considera, na verdade, um escritor: "O azar dos editores é que ele escrevia para o cinema, com uma câmera na mão".

Os personagens de "Sétimo Andar" e "A Quinta Parede" parecem ser um só, com vários anos de diferença. No primeiro conto, um menino passa as tardes na janela do jardim-de-inverno de seu apartamento. De lá ele observa outras crianças jogando taco e tenta adivinhar qual será o próximo carro que virá da esquina ("Fusca amarelo, fusca amarelo, eu dizia, rangendo os dentes, antes de abrir os olhos, desfazer a figa e provar a minha capacidade de gerar coincidências, lá da altura do sétimo andar").

Até que sua mãe cede o aposento para senhoras desocupadas e ela própria assistirem a aulas de história da arte; é o começo do fim: "a rua exigia silêncio e compenetração. Eu não conseguia adivinhar carros e observar meninos enquanto ouvia suspiros sobre a Madonna de Rafael ou as bailarinas de Degas". A mágica se desvanece aos poucos ("Talvez tenha se tornado difícil disfarçar a predominância dos erros"), até que um incidente trivial estraga de vez seu prazer.

Em "A Quinta Parede" o personagem é bem mais velho. Vive há anos no mesmo apartamento - de fundos. Dali ele pode observar tudo o que acontece no pátio e no estacionamento do prédio, "tomando cuidado para não me deter em ninguém em particular, o que poderia me levar a criar algum tipo de laço com estranhos". Se a solidão do garoto do outro conto parece involuntária, a desse homem é proposital. Ele até cria uma técnica para ir da sua porta até o elevador em momentos em que não haja ninguém no corredor. E toma cuidado com os mensalistas: "Podem sempre precisar de um favor. Se eu tivesse carro, iam querer carona ou, quem sabe, pediriam o macaco emprestado para trocar um pneu. Se vissem onde moro, poderiam vir pedir um pouco de açúcar, chá, café, arroz".

É como se entre os dois períodos tivesse ocorrido um grande desencanto, uma frustração, alguma situação em que a sociedade mostrara que esse mundo próprio e solitário que habitam é errado - ou seja, diferente do lugar-comum, do que as outras pessoas fazem. Ainda assim nunca estão infelizes. Há sincero prazer na moça que vende doces no shopping, na arrumadeira que faz arranjos românticos, na entregadora de panfletos que sonha em morar em um daqueles condomínios maravilhosos que ela vê todos os dias no papel ("Nos folhetos nunca chove (...) Viver num prédio desses deve ser parecido com voar").

Em "A Biblioteca", uma moça, futura estudante de letras, ganha do pai uma estante vazia e um cheque em branco, para comprar os cem melhores livros que existem. "Os cem melhores, entendeu?". O conto é uma apologia à magia da leitura. A narradora muda a ordem dos livros nas estantes, inventando novas classificações o tempo todo - categorias como "sobre os raios do sol", "sobre o acaso", "injustiçados pela crítica" e "perfeição estilística". "Acapulco" é a história mais longa do livro. São duas narrativas paralelas, a do jovem que fica na casa dos avós enquanto os pais viajam e uma biografia de John Weissmuller, o mais famoso Tarzan.

Em um pequeno posfácio, Schwarcz destaca, desde as epígrafes (de Hemingway, Drummond e Marques Rebelo), que escrever é cortar. Pois bem, seu texto reflete essa filosofia. É uma prosa simples, livre de atavios e gorduras desnecessárias. O lirismo discreto, tímido como os personagens dos contos, impede que a simplicidade deixe o livro despersonalizado, coisa que não acontece, por exemplo, com Michel Laub.

No posfácio, ele informa ainda que chegou a escrever cem páginas de um romance. Delas, sobraram apenas vinte e duas linhas, que estão em "Livro de Memórias". Seria interessante ver como Schwarcz se sairia em uma narrativa de maior fôlego. Por outro lado, seu estilo é tão "polaróidico", tão hábil em captar instantes curtos e intensos, que dá até dó cobrar que ele faça qualquer outra coisa.

Para ir além






Jonas Lopes
Florianópolis, 24/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
02. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
04. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
05. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio


Mais Jonas Lopes
Mais Acessadas de Jonas Lopes em 2006
01. Ser escritor ou estar escritor? - 2/6/2006
02. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas - 11/10/2006
03. Tchekhov, o cirurgião da alma - 13/7/2006
04. Cony: o existencialista, agora, octogenário - 3/5/2006
05. Herzog e o grito de desespero humanista - 18/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUEM TEM MEDO DE CACHORRO?
RUTH ROCHA
GLOBAL
(2002)
R$ 20,00
+ frete grátis



FAÇA ACONTECER - MULHERES, TRABALHO E A VONTADE DE LIDERAR
SHERYL SANDBERG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2013)
R$ 10,00



INDIGENOUS PEOPLES IN INTERNATIONAL LAW
S. JAMES ANAYA
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(1996)
R$ 150,00



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN
ARQUEIRO
(2010)
R$ 28,70



LIVRO DA CRISMA CONFIRMADOS E COMPROMETIDOS
IR. MARY DONZELLINI
PAULUS
(1997)
R$ 10,00



UNA COSA BIEN SIMPLE (CONTOS SOVIÉTICOS/RUSSOS)
VÁRIOS AUTORES
EDITORIAL PROGRESSO - MOSCOU
R$ 20,00



ANIMISMO OU ESPIRITISMO?
ERNESTO BOZZANO
FEB
(1940)
R$ 29,00



O MILAGRE DE FÁTIMA
JOSÉ C. CARNEIRO
CHIADO
(2012)
R$ 25,00



TORTURA (UMA VISÃO SISTEMÁTICA DO FENÔMENO DA TORTURA EM DIFERENTES SOCIEDADES E MOMENTOS DA HISTÓRIA)
EDWARDS PETERS
ÁTICA
(1989)
R$ 30,00



ADOLPHE MONOD'S FAREWELL
OWEN THOMAS - TRANSLATOR
THE BANNER OF TRUTH
(1962)
R$ 35,00





busca | avançada
19881 visitas/dia
1,0 milhão/mês