Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
40417 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Em agosto, o Largo do Machado receberá a segunda edição do Hoje é dia de comer na rua
>>> ÀTMA - De que tamanho é o teu deserto?
>>> Vivo EnCena traz Paulo Betti a São Paulo com Autobiografia Autorizada
>>> EAS, novo filme de ação brasileiro tem toque de Hollywood
>>> Memória da Eletricidade realiza a terceira edição do Preserva.ME
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Ponto cruz
>>> Elevador divino
>>> Na hora do rush
>>> Cubica(mente)
>>> Adentrando o mundo humano - Pensamento
>>> Modelar(mente)
>>> Trans(corrente)
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leitura, curadoria e imbecilização
>>> Legião Urbana 1994
>>> Um menino à solta na Odisseia
>>> Gratitude
>>> Ajudando um amigo
>>> O Conselheiro também cozinha (e come)
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Asno que me leve, quero, e não cavalo folião
>>> O rei nu do vestibular
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
Mais Recentes
>>> O Desafio de nosso Tempo ( Change and Habit)
>>> Hobbes e a Moral Política
>>> Hobbes Leviathan. Uma Visão Teológica
>>> Brevilóquio Sobre o Principado Tirânico
>>> De Cive. Elementos Filosóficos a respeito do cidadão
>>> O Problema do Ser e outros ensaios
>>> Antropologia Filosófica
>>> Merleau-Ponty na Sorbonne. Resumo de Cursos Filosofia e Linguagem
>>> Merleau-Ponty na Sorbonne. Resumo de Cursos Psicossociologia e Filosofia
>>> O Muro
>>> A Anarquia dos Valores. Será o Relativismo Fatal?
>>> Ética & Direito, Moral e Religião no Mundo Moderno
>>> Um Lugar para os Excluídos
>>> Chico Buarque
>>> Literatura comentada Oswald de Andrade
>>> Pensamentos de Freud
>>> Compreder a história da vida. Do átomo ao pesamento humano
>>> O Homem à procura de si mesmo
>>> Matrizes do Pensamento Psicológico
>>> A Natureza da inteligência
>>> O que é Vida? 50 anos depois. Especulações sobre o futuro da Biologia
>>> O que é Vida? O aspecto físico da célula viva. Seguido de Mente e Matéria e Fragmentos Autobiográficos
>>> Os Métodos De Administração De Jesus
>>> Manhã, Tarde E Noite
>>> Conte-me Seus Sonhos
>>> Cultura Pós-Moderna - Introdução às teorias do contemporâneo
>>> A Anatomia da Destrutividade humana
>>> Ter ou Ser
>>> O Espírito de Liberdade
>>> O Dogma de Cristo
>>> O mistério do homem na obra de Drummond
>>> Revista Super Interessante edição 201 - junho 2004
>>> A propriedade intelectual e as novas leis autorais - 2ª ed. revista e ampliada
>>> Vivenciando Erickson
>>> Teoria da Cultura de Massa
>>> O morro dos ventos uivantes
>>> Pecado Original
>>> História das teorias da comunicação
>>> Sobre a televisão
>>> Chatô, o rei do Brasil
>>> Estrela Solitária - um brasileiro chamado Garrincha
>>> Feira de Versos - para Gostar de Ler (vol. 36)
>>> Sementes de sol
>>> O homem que matou Getúlio Vargas
>>> Dona Benta - Comer Bem
>>> A questão judaica
>>> AION - Estudos sobre o simbolismo do Si-Mesmo
>>> Psicologia e Religião Oriental
>>> Psicologia e Religião
>>> Resposta a Jó
COLUNAS

Terça-feira, 30/1/2007
Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas
Marcelo Spalding

+ de 24300 Acessos

Quando Cláudia Tajes publicou A vida sexual da mulher feia, no finzinho de 2005, ninguém poderia prever o sucesso do livro - pelo menos naquele verão - chegando a figurar entre os mais vendidos na categoria de não-ficção (sic). Narrado em primeira pessoa, o romance mais parece um diário ou um livro de memórias em que a feiosa Jucianara relembra de seus casos mal fadados e de sua dificuldade com os homens, tudo contado numa linguagem simples, com um bom humor constante mas pontadas certeiras de melancolia. Enfim, fórmula infalível para o sucesso de verão: boa escritora, bom tema, tratamento adequado (leia-se "leve").

Agora Cíntia Moscovich, também mulher, também gaúcha, também ótima escritora, publica Por que sou gorda, mamãe? (Record, 2006, 252 págs.), um livro também narrado em primeira pessoa em que ficção e realidade se confundem, um livro em que a protagonista também luta contra a estética e também deixa perpassar um fino ressentimento de mulher mal amada (será apenas pela mãe ou também pelo marido?). Semelhanças que talvez não sejam mera coincidência: Cláudia e Cíntia são amigas, a segunda de certo leu o livro da primeira e inclusive a convidou para escrever na orelha do seu romance.

Por que sou gorda, mamãe? é uma carta à mãe, onde a narradora - que jamais menciona seu nome - anuncia o início de um severo regime e o começo da escritura de suas memórias como forma de investigar as causas dessa obesidade. Menina judia de classe média, não deixa de mencionar a difícil chegada de seus antepassados ao país, as histórias das avós - a Gorda e a Magra - e o carinho que guardava por elas, a saudade do pai, já morto, a adolescência tresloucada mas sobretudo, sempre, em cada página, em cada linha, o que relembra é a dificuldade de relacionamento com a mãe.

"Entenda, a senhora: não tenho jeito ou paciência de fazer de meu amor substância, exceto por algo de meu tempo ao telefone. Fora isso, mamãe, fora do contato por um fio, a porta da rua vira mais do que serventia da sua casa, e o amor de uma filha por sua mãe é só pretexto para a ficção. Por isso, acho, virei escritora. Talvez por isso eu tenha virado uma escritora com corpo de prima-dona: a boca preenchida tem contato direto com o coração."

Diga-se desde já que a mãe era magra e esbelta, não precisava passar pelas humilhações dos regimes nem pelo sacrifício dos exercícios físicos, o que força a narradora a ingratas comparações - "eu sabia que não era bonita nem atraente. Era só nos comparar, as duas. Eu era criança, mas não era burra" -, comparações que expõem toda a fragilidade de ambas e faz com que a filha sinta a necessidade de escrever esta carta melancólica porém sincera, em que relembra cada momento da sua vida em que a mãe esteve ausente, doente ou neurótica.

"Vovó fora acusada de desamor anos a fio, eu já havia escutado aquela história antes. Mas parecia naquele momento algo mais severo e grave. A vó continuou com o rosto escorado pela mão olhando os bicos dos sapatos, como se tudo dependesse dos bicos dos sapatos - e eu me meti numa conversa de adultos, numa conversa que não era minha, me interpus entre vocês duas, e pedi que a senhora, mamãe, parasse com aquilo, a senhora estava maltratando a avó. (...) E foi só então que a senhora viu que eu estava na sala, e levantou a mão para mim, como quem vai desferir um tapa, e eu cobri o rosto com o braço, e o tapa não veio, felizmente não veio, e a senhora levantou o queixo, orgulhosa como quem diz a verdade de uma vida, e passou os dedos entre os cabelos, ajeitando o penteado desfeito à altura da nuca, e saiu dali com passos pesados de neurose, rejeição e trauma."

A temática do relacionamento afetivo já estava presente na primeira narrativa longa de Cíntia, Duas Iguais, lançada em 1998, onde duas meninas lutam por um amor impossível. Mas ao mudar o motivo da narração para algo tão jocoso como o excesso de peso de quem escreve, uma pessoa bem resolvida profissionalmente - a narradora tornou-se jornalista e escritora ainda que o pai e a mãe a desejassem médica ou advogada -, equilibrada financeiramente - a ponto de pagar um médico endocrinologista - e casada, Cíntia aproxima-se mais do leitor médio e, como Cláudia, evidencia como a preocupação com o corpo no mundo de hoje ganha importância.

Muito mais do que lamentar o excesso de peso, a filha-narradora deixa transparecer um profundo questionamento sobre os valores sociais em que sequer a relação entre a família está preservada, relação esta fundamental para que seus antepassados prosperassem em terra estrangeira. Olhar-se no espelho e ver-se gorda é deixar de ver-se triste, melancólica, solitária, talvez sem um sentido evidente para a vida. É deixar de procurar uma bandeira mais importante a erguer do que a perda de peso.

Verdade que a própria narrativa toca nos dois extremos desta aparentemente banal guerra com a balança. A narradora confessa, quase no fim do livro, que na adolescência chegou a sofrer tonturas e desmaios, tornando-se quase bulímica, "em tempos que bulimia e anorexia eram neologismos de uso alheio". Por outro lado, lembra de um episódio em que o pai deu carona para suas três tias paternas, todas extremamente gordas, e tanto que não conseguiam sequer entrar no carro sem a ajuda do irmão, e tanto que, quando finalmente as três entraram, quebrou-se o carro (aliás este capítulo, com feitio de conto, é um dos pontos altos do livro, o que não poderia ser diferente se tratando Cíntia de uma exímia contista).

Não espere a leitora, talvez gorda, talvez triste, de certo filha e talvez também mãe, não espere a leitora um livro de auto-ajuda e não coloquem as revistas o livro nas listas dos mais vendidos de não-ficção. Cíntia faz ficção, romance na mais clássica definição lukacsiana em que encontrar o equilíbrio físico é mais do que deixar de comer frituras ou correr trinta minutos por dia, é descobrir-se, investigar-se, vasculhar a própria identidade em busca de valores ainda sólidos que justifiquem o esforço diário de viver e devolvam o prazer diário de viver. Viver num mundo de beldades siliconadas mesmo sendo gorda e feia, desde que nunca mal amada.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 30/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo
02. Como uma Resenha de 'Como um Romance' de Duanne Ribeiro
03. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
04. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
05. Em defesa da arte urbana nos muros de Fabio Gomes


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
03. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
04. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007
05. Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela - 29/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CINQUENTA TONS DE CINZA
E. L. JAMES
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 9,99



CONTOS FANTÁSTICOS DO SÉCULO XIX ESCOLHIDOS POR ITALO CALVINO
ITALO CALVINO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 10,00



UM SONHO DENTRO DE MIM
JULIO EMILIO BRAZ
MODERNA
(2005)
R$ 3,00



MURDER IN THE CIA
MARGARET TRUMAN
FAWCETT
(1988)
R$ 10,00



A MÁGICA
MARTYN BEDFORD
RECORD
(2002)
R$ 25,00



THE GREEKS
JEAN-PIERRE VERNANT
THE UNIVERSITY OF CHICAGO PRESS
(1995)
R$ 49,00



NA ESPERANÇA DE UMA NOVA VIDA
IRENE PACHECO MACHADO PELO ESPIRTO LUIZ SÉRGIO
NÃO CONSTA
R$ 3,00



A CONFRARIA
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2000)
R$ 10,00



CORDÉIS DE NATAL (CAIXINHA COM 5 CORDÉIS) - LITERATURA DE CORDEL
LUIZ DE ASSIS MONTEIRO
CONFRARIA DA PAIXÃO
(2015)
R$ 18,00



QORPO SANTO - AS RELAÇÕES NATURAIS E OUTRAS COMÉDIAS
QORPO SANTO
MOVIMENTO
(1976)
R$ 15,00





busca | avançada
40417 visitas/dia
862 mil/mês