Leituras, leitores e livros – Parte I | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
38263 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> LANÇAMENTO DO BLOG DO JUSTINO
>>> Curso de História da Arte Latino Americana na FAAP
>>> Sérgio Mamberti será homenageado nesta segunda (21) na Alesp
>>> PIONEIRA NO ENSINO DAS ARTES, FAAP OFERECE NOVA PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTUDOS E PRÁTICAS CURATORIAIS
>>> Oxigênio Hardcore Fest 2017
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
>>> Plagas e pragas
>>> Elas por elas
>>> Ritmo binário
>>> A imagem de Haroldo Maranhão
>>> Rimas geométricas
>>> Por um cisco
>>> Em relação a ti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Autobiografia musical
>>> 50 anos de poesia concreta
>>> Pimenta in Conserva
>>> Paulo de Tarso Lima #EuMaior
>>> De Tambaú ao Rio Sanhauá*
>>> O risco de se tornar um sem-noção
>>> Seis anos em seis meses
>>> Eu só quero chocolate
>>> Conceição: enfim, nos cinemas
>>> O romance espinhoso de Marco Lacerda
Mais Recentes
>>> Gramática Histórica - Ismael de Lima Coutinho
>>> Curso de Linguística Geral
>>> Do latim do português - Edwin B. Williams
>>> Cálculo 2 - Luiz Mauro Rocha
>>> Psicanálise dos contos de fadas - Bruno Bettelheim
>>> Análise Estruturada de Sistemas - Chris Gane e Trish Sarson
>>> PERL 5 - Guia de referência rápida
>>> Uma introdução programada ao PERT - Federal Eletric Corp (Administração)
>>> Mahan - Química - Um curso universitário
>>> História da Criança no Brasil
>>> Os Homens e a Herança no Mediterrâneo
>>> História em Revista
>>> O que é Religião
>>> Santos e Heróis do Povo
>>> História, Práticas Culturais e Identidade: abordagens e perspectivas teórico-metodológicas
>>> Missa Tridentina: Explicações das Orações e das Cerimônias da Santa Missa
>>> Dicionário de Psicologia - Henri Piéron
>>> Calculo 1 - Luiz Mauro Rocha
>>> Cartas entre Freud e Pfister - Um diálogo entre a psicanálise e a fé cristã
>>> Erhart: Elementos da anatomia humana - Li-sei Watanabe
>>> Esboços Bíblicos- De Gênesis a Apocalipse Volume 2
>>> Anhanguera - Sociologia Geral - PLT 254
>>> Anhanguera - Sociologia Geral - PLT 254
>>> Anhanguera - Psicologia - PLT 207
>>> Anhanguera - Psicologia - PLT 207
>>> Anhanguera - Desenvolvimento Pessoal e profissional - PLT 188
>>> Estudos sobre a Palavra de Deus
>>> Anhanguera - Introdução à fisioterapia 181 - PLT
>>> Anhanguera - Noções essenciais de Direito 337 - PLT
>>> Anhanguera - Responsabilidade Social e meio ambiente 112 - PLT
>>> Direito Humanos 122 - Anhanguera - PLT
>>> As melhores piadas de sogra
>>> Artefatos da Cultura Negra no Ceará
>>> A Escrava Isaura e o Vampiro
>>> Planeta 19 ( Revista)
>>> As 7 Festas do Senhor
>>> Teologia Elementar- Doutrinária e Conservadora -2ª ed.
>>> O Jardim amuralhado da Verdade ( Ou O Jardim da Realidade)
>>> O Estado Espetáculo - Ensaio sobre e contra o Star System em Política
>>> O Aspecto verbal na Literatura de Cordel - José Gomes Neto
>>> Revista: VIVER Mente & Cérebro (Edição Especial: PERCEPÇÃO)
>>> Revista: Biblioteca Entre Livros (Especial: MACHADO DE ASSIS)
>>> Revista: Tudo sobre LEONARDO DA VINCI (Especial)
>>> Revista Língua Portuguesa (Conhecimento Prático) - Número 23
>>> Revista Língua Portuguesa (Conhecimento Prático) - Número 16
>>> Revista Língua Portuguesa - Ano III, número 39 - Janeiro/2009
>>> Revista Língua Portuguesa - Ano III, número 36 - Outubro/2008
>>> Revista Panorama Editorial - Ano 4, número 37 (Especial Literatura de Cordel)
>>> Cadernos Patrísticos, Textos e Estudos: A unidade como fundamento: Elementos de Eclesiologia
>>> Normas e Padrões para Teses, Dissertações e Monagrafias
COLUNAS

Sexta-feira, 9/2/2007
Leituras, leitores e livros – Parte I
Ana Elisa Ribeiro

+ de 12500 Acessos
+ 8 Comentário(s)


As lentes da xará Ana Elisa Novais miram e flagram leitores

Ler está na moda. Para quem é vivo nesta nossa época, é difícil explicar as razões desse surto de preocupação com a formação do leitor, as práticas da leitura, a produção do bom texto. Talvez, mais adiante, historiadores da quarta ou quinta geração dos Annales possam esclarecer nossa atual perplexidade ao saber que os índices de analfabetismo continuam altos no mundo (com médias mais altas aqui e ali) e que o analfabetismo dito "funcional" reina absoluto (também com médias mais altas aqui e ali, principalmente aqui).

O que é ler? Também há uma trupe imensa de pesquisadores gastando os tubos para responder a esta questão. Uns sob um ângulo mais assim, outros, mais assado, mas todos querendo desvendar os mistérios que há sob o artifício interessantíssimo de ler coisas escritas.

Por falar em "mais assim ou mais assado", há algumas correntes de pensamento sobre ler. Desta vez, não apenas em relação às respostas para a pergunta "Como?", mas ao "O quê?". Há alguns anos, em Campinas, onde foi estabelecida uma das mais inteligentes e produtivas instituições de ensino superior públicas do Brasil, aconteceu um COLE (Congresso de Leitura) que levava o seguinte título: "O que lê a gente?". Nem me lembro mais em que versão do imenso evento, o tema proposto era discutir que materiais as pessoas têm lido, não se importando com juízos de valor, elitizações, prescrições, olhos tortos, narizes torcidos. A idéia era apenas saber o que as pessoas lêem, com que materiais elas têm contato, por que razões tomam um livro (ou jornal, revista, folheto, etc.) nas mãos e iniciam uma leitura.

Gosto muito dessa perspectiva de deixar que as pessoas leiam o que querem. É claro que não excluo a possibilidade de chegarem a ler os clássicos, por exemplo, mas talvez fosse mais produtivo deixar que tomassem gosto pelas coisas antes de serem apresentadas a um universo que pode soar árido para quem está acostumado apenas às placas de ônibus da cidade.

Ler é uma prática que se "contrai" com vagar. Não se passa a ler muito da noite para o dia. É preciso que as pessoas, individualmente e às vezes em grupo, consigam construir seus percursos de leitura. Suas trajetórias dizem muito sobre elas mesmas, as companhias, as possibilidades que tiveram, as iniciativas, os deveres cumpridos.

No início desta década, o INAF (Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional) deu muitas pistas sobre as práticas da leitura no Brasil. Reparem que eu escrevi "práticas", no plural, porque é sabido por todos nós que não se lê apenas o que a escola pede, o que o professor manda, o que o padre dita, o que o Digestivo diz que é bom, o que sai na Veja, o que a Folha de S. Paulo diz que é bonito, o que os personagens das novelas da Globo estão lendo. Saber sobre os dados do INAF pode dar a ver uma espécie de "retrato" do que acontece nas mesas de cabeceira dos brasileiros. Aliás, outra pesquisa que fez sucesso em 2001 foi a "Retratos da leitura no Brasil", que tinha uma característica menos acadêmica e servia bastante mais ao mercado editorial.

Desde 2003, o país tem leis sobre promoção do livro e da leitura. Interessantíssimo, não? Pena que nem tudo acontece "de cima para baixo". É preciso colher os resultados pela raiz. Pegar as plantinhas pelo talo e regar por baixo. É de criança que se torce o pepino. Mas me lembro bem de que, quando era criança, eu gostava bastante de Atari e de pique-esconde na rua. Taí: com o castigo forçado das crianças de hoje, que não podem mais brincar na rua, talvez funcionasse melhor encher a casa de livros. Mas não é bem assim. Sabemos disso. Não há fórmulas. Não há macetes. Há possibilidades. Várias.

Um leitor do Digestivo que me contacta diz, num e-mail bastante descrente, que o professor, que deveria dar o exemplo, não é leitor, não lê com fluência, não tem esse hábito, não carrega livros pelos corredores da escola (exceto o didático, que é outra conversa polêmica). Concordo, Rodrigo. Morro de pena, mas concordo. Mas para não achar que isso é tudo, é preciso ler História do Brasil. Sugeri a ele uma passadinha por alguns livros do Nelson Werneck Sodré sobre a formação cultural do nosso país. E também disse a ele que pôr a culpa, com tanta veemência, no professor é exagero. Fiz a pergunta que não me cala nunca: e cadê os pais das crianças nesta história? Cadê?

Meu pai não é leitor de livros. Uma única prateleira com livros técnicos da década de 1970 deve resumir toda a biblioteca dele. A versão de O pequeno príncipe de 1953 eu confisquei e mantive na minha estante, para garantir a conservação da edição. Mas foi com meu pai que aprendi o protocolo de ler um jornal diário. Eu e meus três irmãos aprendemos a manipular jornal, ler, escolher, navegar, fechar e guardar, até recortar, quando é o caso, mas só depois que todos tiverem lido.

Minha mãe também não é leitora de livros maçudos. Diz ela que a memória não funciona mais. Talvez o círculo comece do outro lado: a memória não funciona porque ela parou de ler. Vai saber. Mas mesmo assim não foram poucas as vezes que vi, em sua mesa de cabeceira, uns livros de psicologia ou serviço social. Sei também que ela guarda livros num baú trancado a chave. Esse sempre foi meu motivo para implicar com ela. Livro, para mim, é bicho criado solto. Nem tanto que possam ser emprestados, mas ficarem trancados não justifica nada. Foi de minha mãe que ganhei meus primeiros exemplares da coleção Vaga-lume, intróito da minha carreira de leitora.

E assim vão acontecendo as leituras, as influências. Li livros porque gostei da capa, porque era o que estava disponível na hora, porque me disseram que era bom, porque ganhei e tinha que dar satisfação, porque comprei, porque fazia coleção, porque li resenha no jornal ou na revista, porque eram argumento de filme, porque disseram que era muito ruim, porque era proibido, porque era muito vendido, porque tinha ilustração, porque era minha obrigação escolar ou profissional. Li jornal, revista, folheto, cartaz, outdoor, manual de instrução, placa de trânsito, bula de remédio, rótulo de garrafa e lata, li panfleto, catálogo de telefones, cardápio, sacola de padaria, sites de cultura, revistas em quadrinhos, li missal, poema, livro didático e lápide. E a gente lê o quê? Lê muita coisa. Talvez não passe da leitura cotidiana, que não amplia os horizontes, mas lê. O que falta então? Ler melhor, ler com mais associações entre informações, ler com mais crítica (não a gratuita, claro), ler com responsabilidade, com astúcia, ler textos mais elaborados, mais complexos, maiores, mais profundos, mais estéticos, engajados, definitivos. Falta ler para escrever. Esta última é raríssima. Esta é uma das maiores dificuldades do estudante médio universitário. Ler para transformar e escrever. Aprender a ser autor.


Ana Elisa Ribeiro
Campos dos Goytacazes, 9/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
02. Omissão de Ricardo de Mattos
03. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
04. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
05. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007
05. Guia para escrever bem ou Manual de milagres - 8/6/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/2/2007
23h46min
Ana, que interessante, também comecei lendo a coleção Vaga-lume. E como foi boa a época, sempre pegava dois livros por semana na biblioteca da escola. Também vejo a má leitura como um grande problema. De forma geral muitas pessoas lêem sem a consciência da leitura, sem parar e pensar, "pera aí, o que estão me dizendo estes livros?". É como se fosse algo automático, feito sem cuidado. Tudo bem começar assim, apenas para criar o hábito, contudo é natural imaginar uma evolução na leitura e passar a realmente ler um texto. É claro que a melhor forma de avaliar o quão bem lemos é na hora de escrever. Concordo que ser autor significa saber ler, e aí ainda está (admito) minha maior dificuldade. Mas como você disse "é uma prática que se 'contrai' com vagar"; espero chegar lá. Abraços, Ana
[Leia outros Comentários de Arthur Alves]
10/2/2007
01h17min
Eis a questão! As diversas possibilidades de expressão que praticamos, verbais e não verbais, nos remetem à condição codificadores/decodificadores em todos os níveis. A imposição normativa continua se confrontando com a experiencia artística que considera fatores isolados e subjetivos na criação e apreciação do texto. O objetivo do texto tende a determinar a sua relevancia e o contexto, em que ele é inserido, é determinante para o nível de interação e profundidade que ele possa atingir. O autor que reflete sobre o seu trabalho está, provavelmente, engajando-se na missão de formar leitores, que fundamentalmente romperão em algum momento com o canal de decodificadores e vão atingir a interação com a matéria que os identifica; criando textos e experimentando o código. O autor talvez nada mais seja que a autonomia do leitor num diálogo libertário com todos os seus autores e a tese seja apenas o objeto de catarse em que estas duas personas se fundam, e se apaziguem.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
10/2/2007
23h10min
Ana, fiquei 15 dias sem computador em casa. Senti falta do Digestivo e de você. Estou voltando hoje e encontro esse texto seu, gostoso, delicioso, tratando de um tema que é minha paixão. Adorei! Aprendi, com François de Singly, que a oferta de livros, entre outras coisas, não garante, mas contribui bastante para formar leitores. Acho que está faltando livro neste país. Mas prefiro comentar sobre isso em um café, em um fim de tarde, topas? Abraços, Áurea
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
14/2/2007
08h05min
Ana, existem muitas outras razões para que a prática da leitura não seja uma atitude constante na vida da sociedade. Antigamente se cobrava muito pelo livro, ainda hoje existem alguns com preços exorbitantes, porém há muito tempo têm surgido inúmeros livros com preço barato. Outra questão é totalmente cultural, a educação familiar, a maioria dos pais não são completamente alfabetizados e assim não incentivam os filhos a lerem. Contudo, existem outras famílias que possuem condições para comprar livros e preferem utilizar outros meios que impedem o crescimento intelectual. Não costumo obrigar a esposa e minha filha a ler, incentivo com inteligência, aos poucos consigo alguns frutos, a leitura é provadamente um recurso fácil, rápido, eficaz, maravilhoso de transformar a vida e alcançar resultados positivos. A leitura é a possibilidade de realizar o possível mesmo que seja um sonho. Aos leitores um grande abraço...
[Leia outros Comentários de Gilberto Barros Lima]
14/2/2007
10h28min
Também adoro desse hábito maravilhoso, que é a leitura vernacular. Aprendi também que melhor mesmo é ler bem. Que é outro grande desafio (pessoal e sócio-cultural). Acho que só o tempo ensina e a boa-sorte possibilita. Parabéns pelo texto, Ana. Percebo sua afinidade com o que escreve e divide.
[Leia outros Comentários de Rosa Nina C. Serra]
14/2/2007
15h22min
Ana, como sói acontecer, concordo contigo. Mas me preocupa a leitura pelo modismo. Tenho a impressão de que as pessoas têm se preocupado mais em parecer "ter lido" do que efetivamente ler. Identifico uma série de leitores de resenhas e de orelhas que, em deslavado estelionato, contabilizam suas leituras como se tivessem devorado as obras. É a velha estética do "parecer ser", bem coisa de quem adora "andar na moda", sem se preocupar com o conteúdo, o conforto... Bjs, Cynthia
[Leia outros Comentários de Cynthia Barcelos]
15/2/2007
16h17min
Ana, não creio em influências. Creio mais em possibilidades, concordando com você nesse aspecto. Por que não creio em influências? Porque, se dependesse de meus pais e de meus irmãos, por exemplo, jamais alcançaria a paixão pela literatura, que mantenho hoje. Venho de uma família pobre financeiramente e de pessoas pouco afeitas à leitura. A falta de dinheiro impossibilitava a aquisição de livros, jornais ou revistas, e a baixa escolaridade impedia o gosto pela leitura. Pelas influências, seria impossível que viesse a me tornar um leitor contumaz, mas havia possibilidades, sim. E foi isso que acabou acontecendo: meus primeiros contatos com a leitura de bons livros só viriam a ocorrer no ginasial, quando li, pela primeira vez, Machado de Assis, e, aí, foi amor ao primeiro parágrafo. Daí em diante, nunca mais abandonei a leitura.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
21/2/2007
22h42min
"Falta ler para escrever"... e como falta. Sou jornalista em Belo Horizonte e sempre tenho contato com estagiários na redação onde trabalho e em outras que já percorri. Confesso ter arrepios com tantos absurdos que encontro até em pequenas notas. Falta tudo: grafia correta, acentuação, concordância (essa é campeã!) e até a conclusão clara de uma idéia. Quando penso que esses serão os jornalistas de amanhã - ou pelo menos terão o diploma - tenho uma mistura de tristeza, pena e revolta. "Tristeza" com a falta de rumo que a educação vem tomando, tanto na escola e como em casa. "Pena" dos possíveis leitores e do próprio pretenso autor. "Revolta" pelo perverso coquetel que essa situação representa. Cansei de ver pautas ridículas, cheias de erros de português, que quando apontados eram rebatidos com o seguinte argumento: "isso não vai ser publicado mesmo". Não quero ser purista, mas acredito que a boa escrita pode conviver em harmonia com gírias e neologismos. Basta tentar. Será possível?
[Leia outros Comentários de Mônica Catta Prêta]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BREVE RELAÇÃO DA VIDA E MORTE DO PADRE JOSÉ DE ANCHIETA
QUIRÍCIO CAXA
OBELISCO
(1965)
R$ 17,00



GOSTO SUPERIOR
A. C. BHAKTIVEDANTA SWAMI PRABHUPÃDA
BHAKTIVEDANTA BOOK TRUST
(1990)
R$ 4,00



O LIVRO DAS ATITUDES
SÔNIA CAFÉ
PENSAMENTO
(1992)
R$ 15,75
+ frete grátis



A FILOSOFIA NA ANTIGUIDADE CRISTÃ
CHRISTOPHER STEAD
PAULUS
(1999)
R$ 24,90



BEIJADA POR UM ANJO - VOL 4 - DESTINOS CRUZADOS
ELIZABETH CHANDLER
NOVO CONCEITO
(2015)
R$ 10,00



LIDERANÇA ABERTA
CHARLENE LI
ÉVORA
(2011)
R$ 22,90



EDUCAR PARA TRANSFORMAR - ALMANAQUE HISTÓRICO
COORDENAÇÃO MERCADO
INSTITUTO PAULOFREIRE
(2005)
R$ 15,20



EXODUS 2
LEON URIS
ABRIL
(1981)
R$ 3,00



TEMAS DE DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL
MARCUS VINICIUS DE VIVEIROS DIAS
EJ- RIO DE JANEIRO
(2004)
R$ 16,90



IRONIA FRASES SOLTAS QUE DEVERIAM SER PRESAS
JOSE FRANSISCO DE LARA
CÓCEGAS
(2012)
R$ 6,90





busca | avançada
38263 visitas/dia
1,1 milhão/mês