Meninas eu vi | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
23155 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dois solos compõem a Terça Aberta no Kasulo
>>> Mídia em Foco debate as novas perspectivas do mercado da música
>>> "A PALAVRA FORA DO LUGAR: ESCRITORES REFUGIADOS E EM RISCO no CCBB RJ
>>> Escritora Regina Zappa fala sobre maio de 1968 no Sem Censura
>>> Roberta Sá e Gilberto Gil lançam single
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
>>> Wild Wild Country
>>> Um velho adolescente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diálogos no Escuro
>>> As cartas de Dostoiévski
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> A idolatria do século XXI
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Vida ou arte em Zuzu Angel
>>> Mainardi e o jornal do futuro
>>> O lilás da avenida sou eu
>>> O Anvil e o amor à música
Mais Recentes
>>> Asterix na Córsega
>>> Lutando pela Vida
>>> Sociedade -O Espelho partido
>>> Tu és Isso (Tat Tvam Asi)
>>> Orfandades
>>> Muitas Vozes - Autobiografia de Uma Médium
>>> Como Fazer Uma Monografia
>>> Love, Rosie
>>> A Dieta do Yin e do Yang - Para Gordos, Magros e Instáveis
>>> Olhos Azuis, Coração Vermelho
>>> Marcas da Vida
>>> Corações de Pedra
>>> Corações de Pedra
>>> Por uma Semente de Paz
>>> Voz e Fala da Criança (No lar e na Escola)
>>> Com a Pré-Escola nas Mãos - Uma alternativa curricular para a educação
>>> Novo Mundo - Cartas de Viagens e Descobertas - A Visão do Paraíso
>>> Ouvidos Dourados - A arte de ouvir as histórias
>>> Enigma na Televisão
>>> Tokyo Summer of Dead (O verão dos mortos-vivos)
>>> Curação a arte de bem cuidar-se
>>> Abaixo a Lição de Casa!
>>> O Matrimônio e o Amor
>>> Aventura no Império do Sol
>>> Manu - A Menina que Sabia Ouvir
>>> A Fonte da Juventude
>>> Nó Cego - Inferno e Paraíso numa Fábrica de Loucos
>>> As Portas da Percepção/ Céu e Inferno
>>> Edward Schillebeeckx - Coleção Teólogos do Século XX
>>> Tratado de Psicologia Revolucionária
>>> Novo Endereço
>>> Lei das S.A.
>>> Grimble
>>> A Senda da Iniciação
>>> Por Acaso
>>> Matthew Lipman e a Filosofia Para Crianças. Três Polemicas
>>> Esperanto: O Novo Latim Da Igreja e do Ecumenismo
>>> Dicionário Judaico de Lendas e Tradições
>>> Amar de Novo
>>> Ética e Marketing Social - Editora Futura 2002
>>> Ética e Marketing Social - Editora Futura 2002
>>> Ética e Marketing Social - Editora Futura 2002
>>> Ética e Marketing Social - Editora Futura 2002
>>> Ética e Marketing Social - Editora Futura 2002
>>> Negocie, Influencie e Convença
>>> Gestão de Negócios uma Abordagem Brasileira
>>> Tudo o Que Aprendi Sobre o Mundo dos Negócios
>>> A Empresa Ágil
>>> Tudo Sobre Cheques
>>> Créditos Problemáticos e Inadimplência
COLUNAS

Quinta-feira, 26/4/2007
Meninas eu vi
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4400 Acessos
+ 3 Comentário(s)


ilustra: Tartaruga Feliz

De fora, ouço o barulho da água caindo e as gargalhadas ressoando ecoadas. O vapor quente embacia o vitrô. Sinto a doçura do cheiro enjoativo de xampu. Sou capaz de entrar lá sem que ninguém me veja, por uma das frestas entre os vidros. Esgueiro-me, depois me dilato de excitação. Sim, aqui é um paraíso intocado pelo homem - as meninas molhadas ensaboam-se amolecidas e com pensamentos perdidos em bolhas de esquecimento.

Contemplo-as de cima, vislumbrando emaranhados de cabelos molhados, pêlos sugados em reviravolta encaracolada pelo ralo. Uma das fileiras de chuveiro tem portas, a outra respira livre. Mas pouco importa a tentativa de se esconder, posso entrar em todos os lugares. Sobrevôo seus corpos açucarados pelo sabonete de chocolate. Se pudesse pousar minhas mãos em seu ombro, beijar sua nuca num ziguezague escaldante, infiltrar-me entre suas coxas como a água que escorre branda, ou ainda recostar-me em seu ventre orvalhado... certamente elas me repeliriam com veemência.

Gotículas de água preenchem os corpos quentes, recém-saídos do banho. Visualizo cada poro, limpo ou sujo, fechado ou aberto. As pequenas sem havaianas coloridas salpicam apenas a pontinha dos dedos no chão embaciado de água preta. Elas não andam, antes deslizam à maneira de românticas heroínas. Enroladas em mínimas toalhas brancas, ou mesmo nuas, percorrem o vestiário até chegar à sua bolsa. Elas tapam o sexo com calcinhas brancas micro. Ainda com os seios desnudos, reviram a bolsa em busca de cremes miraculosos, que espraiam pelos braços estendidos, em massagem vigorosa nas pernas e barriga, numa chacoalhada tremelicante. Ai! Até parece que tem repelente...

O traçado intrincado verde-azul que reveste suas peles alvas é charada invencível. Nem que tateasse com brutalidade suas veias, poderia desvendar o avesso de meticulosa casca. Mapa-múndi cravejado de pintas.

Em balanço circular, faço cócegas em suas pernas e pés descobertos, suave pena sonora que sou. Freio no impulso do amor e mordida. Persigo-as, escondendo-me nos armários semi-abertos, por debaixo dos bancos de madeira molhados. Quero fazer do azulejo frio nossa macia cama invisível, deitá-las em levitação de mágico ilusionista e encruzilhar minhas longas pernas com as delas.

O bico do peito é trampolim rumo a oceano, onde cavalgo em acrobáticos pulos. Quando enfim, me afundo, permaneço em púlpito ao som de seu discurso universitário vazio. Não me importa sua intelectualidade, o que me interessa é a quentura das carnes sanguinolentas. Agora é a hora, lá fora está frio e não as alcançarei mais. Na sala de aula, as meninas estão lacradas, corpo e mente, é noite, a cidade amortece meus sentidos ralos.

A fala entre as meninas é zunzunzum perfazendo o ar irrespirável de vapor d'água. Seu corpo rijo - volutas em que volteiam meus olhos - basta-me para ensandecer meu esqueleto-esponja. Delas, o espelho, espelho, espaço vazio em que se travestem mulheres com delineador, gloss e secador. Dê-me pedaço desta boca brilhosa, desta rosácea que se entorna em cintura perfeita...

Procuro o que não se encontra, o que se depara pelo acaso e, ainda assim, continuo minha busca. O perigo não me desestimula, sei que a vida é curta. Aprendi a conviver de forma pacífica. Opaca. Se me for permitido clareza nesta clandestinidade.

Pois, não tenho medo da morte. Sei que minha vida é fraca e inútil. Sequer elas, as meninas, vão se recordar da minha presença invisível, ou incômoda; apenas fazer o favor de me afundar no esquecimento completo. Repito: não tenho medo... Tenho ganas póstumas. As de agora, carnais. É como o destino se apresenta - amo o que quero comer, mas o que amo também me come, me repisa. Coisas terrenas e comezinhas, as cartas disseram ser meu fraco.

De nenhuma valia são os desejos contidos naqueles corpos enlanguescidos. Tudo será pouco ou nada. Prazer efêmero, como todos. Saudade constante, pois nunca o que se tem parece o suficiente. Não apenas uma, todas. As meninas que também não se satisfazem. As meninas cruas e sós, em estado de dicionário, trazem suas decepções e pesares para a ducha. Vida íntima exposta em vitrine embaciada.

A imagem de uma sobrepondo-se à imagem das outras - complementares imersas no brilho reflexivo -, torna-se uma só. Será minha. Gigante, poderoso, um só ser cintilante oscila. A caça recebe contornos mais indefinidos, e ainda que o alvo figure claro, fito-me, insignificante como a ferrugem grafite impressa na chapa metálica.

Venham uspianas, ao alcance... da minha língua sorverei... sumo escarlate espesso... que o seu cabelo me cubra de mapas de novos lugares, pra que onde eu esteja seja tão bonito quanto o seu cabelo.

Durante um vôo rasante, ela revolve o cabelo molhado. Reflexo lento, a picada se desfaz em vento. Fino chicote afiado me abate. Minhas asas se esfacelam entre as reentrâncias caleidoscópicas no solado de sua sandália.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 26/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
02. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
03. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
04. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
05. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2007
15h32min
Elisa, a sensualidade desse seu mosquito é fascinante. Um texto notável. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
26/4/2007
15h38min
um insetinho romântico espreitando as uspianas. salivante, ávido por sucções libidinosas. aquele pescocinho alvo ali seria um ótimo alvo... mas não será desta vez que o pobre arrotará sangue nobre e aguado. chinelo no safado, no alado voyeur! parabéns pelo escrito, Elisa, muito bem elaborado!
[Leia outros Comentários de octávio roggiero]
20/5/2007
10h11min
Elisa: estava eu pronta para dizer que só uma mulher poderia descrever a sensibilidade do vôo, que não é do besouro, quando me lembrei de Nelson Rodrigues escrevendo com pseudônimo feminino. É a verve de quem empunha a pena, suponho. Parabéns! Cylene Gama
[Leia outros Comentários de Cylene Gama]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REFLEXIONES DEL ACTOR - LOUIS JOUVET
LOUIS JOUVET
EDITORIAL PSIQUE
(1956)
R$ 45,00



TURMA DA MÔNICA JOVEM - Nº 80
MAURÍCIO DE SOUSA
PANINI
(2015)
R$ 3,00



ASSASSINATO NO CAMPO DE GOLFE
AGATHA CHRISTIE
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 8,08



ALÔ, CHICS!
GLÓRIA KALIL
EDIOURO
(2007)
R$ 11,90



ALMANAQUE DO SAMBA
ANDRÉ DINIZ
ZAHAR
(2006)
R$ 29,90



NA PRAIA
IAN MCEWAN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 20,00



THE HARPERCOLLINS CONCISE ATLAS OF THE BIBLE
JAMES B. PRITCHARD
HARPERONE
(2000)
R$ 90,00



MINHAS HISTORIAS DOS OUTROS
ZUENIR VENTURA
PLANETA
(2005)
R$ 7,00



BARBARA
JULIO CESAR MONTEIRO MARTINS
CODECRI (PASQUIM)
(1979)
R$ 7,50



VIDAS DE ESTADISTAS AMERICANOS - 1º VOLUME - 2ª EDIÇÃO
HENRY THOMAS; DANA LEE THOMAS
GLOBO
(1957)
R$ 10,00





busca | avançada
23155 visitas/dia
708 mil/mês