Meninas eu vi | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
22428 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
Últimos Posts
>>> Perspectivas barrocas
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Meu Oscar vai para...
>>> Jason Calacanis matando o Yahoo
>>> Jim Clark e a Netscape
>>> O elogio do Silêncio ou duas ou mais antipolêmicas
>>> Máfia do Dendê
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
Mais Recentes
>>> Concordância bíblica crescer
>>> Dicionario Bíblico ilustrado ( crescer )
>>> Teoria da Literatura: uma introdução - 6ª ed.
>>> Uma reflexão sobre a Existência do Homem- O Sentido da Vida
>>> Psicotranse
>>> Benzedeiras & Benzeduras
>>> Massagem Para bebê
>>> O barquinho Vai
>>> Toquinho
>>> Iniciação Ao Piano e Teclado
>>> As 101 Melhores Canções Do Século XXI
>>> Ary Barroso Volume 2
>>> Blues Arranjos De Base
>>> Saxofone Fácil
>>> Harmonia ao Bandolim
>>> Brass Players Aqueimento & Guia PraticoTrumpet
>>> Noel Rosa Volume 1
>>> Otimismo nos Negócios
>>> Toquinho
>>> Noel Rosa Volume 3
>>> Foundations of Political Science
>>> Song Book Noel Rosa volume 2
>>> Mídia, Benção ou Maldição
>>> Bodas de Pedra
>>> Por que Não Pediram a Evans?
>>> Cortes de Cabelo Tecnicas e Modelagem
>>> Amar Vale a Pena
>>> Good to Greath Hair
>>> Trezentos parafusos a menos
>>> Viagem Pelas Provincias do Rio de Janeiro E Minas Gerais
>>> Bacall Fenomenal
>>> 318 citações do Padre Antônio Vieira, escolhidas e anotadas por Emerson Tin
>>> Viagem ao interior do Brasil
>>> Here youn find hundreds of t-shirts
>>> Bella
>>> Biologia 3 - Biologia das Populações - Completo - Box 5 Livros
>>> Biologia 2 - Biologia dos Organismos - Completo - Box 4 Livros
>>> Biologia 1 - Biologia das Células - Completo - Box 4 Livros
>>> Bio - Volume 1 - Ensino Médio - Manual do Professor
>>> Física - Mecânica - Volume 1 - Manual do Professor
>>> Física - Termologia, Óptica e Ondas - Volume 2 - Manual do Professor
>>> Física - Volume 3 - Manual do Professor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 3 - Coleção Aula Por Aula - Manual do Profesor
>>> Física - Ensino Médio - Volume 1 - Mecânica - Col. Aula Por Aula
>>> Física 1 - Manual do Professor
>>> Química - Volume Único Para o Ensino Médio - 4ª Impressão
>>> Curso de Química - Volume 1
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 3º Volume
>>> Matemática - Curso Moderno Para os Ginásios - 2º Volume
>>> Geometria Analítica
COLUNAS

Quinta-feira, 26/4/2007
Meninas eu vi
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4400 Acessos
+ 3 Comentário(s)


ilustra: Tartaruga Feliz

De fora, ouço o barulho da água caindo e as gargalhadas ressoando ecoadas. O vapor quente embacia o vitrô. Sinto a doçura do cheiro enjoativo de xampu. Sou capaz de entrar lá sem que ninguém me veja, por uma das frestas entre os vidros. Esgueiro-me, depois me dilato de excitação. Sim, aqui é um paraíso intocado pelo homem - as meninas molhadas ensaboam-se amolecidas e com pensamentos perdidos em bolhas de esquecimento.

Contemplo-as de cima, vislumbrando emaranhados de cabelos molhados, pêlos sugados em reviravolta encaracolada pelo ralo. Uma das fileiras de chuveiro tem portas, a outra respira livre. Mas pouco importa a tentativa de se esconder, posso entrar em todos os lugares. Sobrevôo seus corpos açucarados pelo sabonete de chocolate. Se pudesse pousar minhas mãos em seu ombro, beijar sua nuca num ziguezague escaldante, infiltrar-me entre suas coxas como a água que escorre branda, ou ainda recostar-me em seu ventre orvalhado... certamente elas me repeliriam com veemência.

Gotículas de água preenchem os corpos quentes, recém-saídos do banho. Visualizo cada poro, limpo ou sujo, fechado ou aberto. As pequenas sem havaianas coloridas salpicam apenas a pontinha dos dedos no chão embaciado de água preta. Elas não andam, antes deslizam à maneira de românticas heroínas. Enroladas em mínimas toalhas brancas, ou mesmo nuas, percorrem o vestiário até chegar à sua bolsa. Elas tapam o sexo com calcinhas brancas micro. Ainda com os seios desnudos, reviram a bolsa em busca de cremes miraculosos, que espraiam pelos braços estendidos, em massagem vigorosa nas pernas e barriga, numa chacoalhada tremelicante. Ai! Até parece que tem repelente...

O traçado intrincado verde-azul que reveste suas peles alvas é charada invencível. Nem que tateasse com brutalidade suas veias, poderia desvendar o avesso de meticulosa casca. Mapa-múndi cravejado de pintas.

Em balanço circular, faço cócegas em suas pernas e pés descobertos, suave pena sonora que sou. Freio no impulso do amor e mordida. Persigo-as, escondendo-me nos armários semi-abertos, por debaixo dos bancos de madeira molhados. Quero fazer do azulejo frio nossa macia cama invisível, deitá-las em levitação de mágico ilusionista e encruzilhar minhas longas pernas com as delas.

O bico do peito é trampolim rumo a oceano, onde cavalgo em acrobáticos pulos. Quando enfim, me afundo, permaneço em púlpito ao som de seu discurso universitário vazio. Não me importa sua intelectualidade, o que me interessa é a quentura das carnes sanguinolentas. Agora é a hora, lá fora está frio e não as alcançarei mais. Na sala de aula, as meninas estão lacradas, corpo e mente, é noite, a cidade amortece meus sentidos ralos.

A fala entre as meninas é zunzunzum perfazendo o ar irrespirável de vapor d'água. Seu corpo rijo - volutas em que volteiam meus olhos - basta-me para ensandecer meu esqueleto-esponja. Delas, o espelho, espelho, espaço vazio em que se travestem mulheres com delineador, gloss e secador. Dê-me pedaço desta boca brilhosa, desta rosácea que se entorna em cintura perfeita...

Procuro o que não se encontra, o que se depara pelo acaso e, ainda assim, continuo minha busca. O perigo não me desestimula, sei que a vida é curta. Aprendi a conviver de forma pacífica. Opaca. Se me for permitido clareza nesta clandestinidade.

Pois, não tenho medo da morte. Sei que minha vida é fraca e inútil. Sequer elas, as meninas, vão se recordar da minha presença invisível, ou incômoda; apenas fazer o favor de me afundar no esquecimento completo. Repito: não tenho medo... Tenho ganas póstumas. As de agora, carnais. É como o destino se apresenta - amo o que quero comer, mas o que amo também me come, me repisa. Coisas terrenas e comezinhas, as cartas disseram ser meu fraco.

De nenhuma valia são os desejos contidos naqueles corpos enlanguescidos. Tudo será pouco ou nada. Prazer efêmero, como todos. Saudade constante, pois nunca o que se tem parece o suficiente. Não apenas uma, todas. As meninas que também não se satisfazem. As meninas cruas e sós, em estado de dicionário, trazem suas decepções e pesares para a ducha. Vida íntima exposta em vitrine embaciada.

A imagem de uma sobrepondo-se à imagem das outras - complementares imersas no brilho reflexivo -, torna-se uma só. Será minha. Gigante, poderoso, um só ser cintilante oscila. A caça recebe contornos mais indefinidos, e ainda que o alvo figure claro, fito-me, insignificante como a ferrugem grafite impressa na chapa metálica.

Venham uspianas, ao alcance... da minha língua sorverei... sumo escarlate espesso... que o seu cabelo me cubra de mapas de novos lugares, pra que onde eu esteja seja tão bonito quanto o seu cabelo.

Durante um vôo rasante, ela revolve o cabelo molhado. Reflexo lento, a picada se desfaz em vento. Fino chicote afiado me abate. Minhas asas se esfacelam entre as reentrâncias caleidoscópicas no solado de sua sandália.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 26/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cleópatra, a rainha enigmática de Gian Danton
02. Meus livros, meus tablets e eu de Ana Elisa Ribeiro
03. Entrando para ganhar de Celso A. Uequed Pitol
04. Como se enfim flutuasse de Elisa Andrade Buzzo
05. A Crise da música ― Parte 3/3 de Rafael Fernandes


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2007
15h32min
Elisa, a sensualidade desse seu mosquito é fascinante. Um texto notável. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
26/4/2007
15h38min
um insetinho romântico espreitando as uspianas. salivante, ávido por sucções libidinosas. aquele pescocinho alvo ali seria um ótimo alvo... mas não será desta vez que o pobre arrotará sangue nobre e aguado. chinelo no safado, no alado voyeur! parabéns pelo escrito, Elisa, muito bem elaborado!
[Leia outros Comentários de octávio roggiero]
20/5/2007
10h11min
Elisa: estava eu pronta para dizer que só uma mulher poderia descrever a sensibilidade do vôo, que não é do besouro, quando me lembrei de Nelson Rodrigues escrevendo com pseudônimo feminino. É a verve de quem empunha a pena, suponho. Parabéns! Cylene Gama
[Leia outros Comentários de Cylene Gama]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SABRINA - AMOR Á MODA ANTIGA
GEETA KINGSLEY
NOVA CULTURAL
(1995)
R$ 3,00



MATEMÁTICA - SEGUNDO GRAU - VOLUME 1 - LIVRO DO PROFESSOR
NELSON BACCARO; HÉLIO CYRINO
ÁTICA
(1986)
R$ 8,00



UM AMOR DIFERENTE - NOSSAS ESCOLHAS
JOÃO ALBERTO TEODORO - PELO ESPÍRITO AUGUSTO CÉSAR VANNUCCI
MUNDO MAIOR
(2012)
R$ 19,65



MEMÓRIAS PERDIDAS - LIVRO NOVO
CHET BAKER
JORGE ZAHAR
(2002)
R$ 75,00



O NOME DE JESUS
KENNETH HAGIN JR
GRAÇA
(1999)
R$ 7,90



REVISTA DISCOVERY MAGAZINE
DISCOVERY
SYNAPSE
(2004)
R$ 8,00



O DIARIO ESCONDIDO DA SERAFINA
CRISTINA PORTO
ÁTICA
(1999)
R$ 30,00
+ frete grátis



SÊNECA E O ESTOICISMO
PAUL VEYNE
TRES ESTRELAS
(2018)
R$ 25,00



O CLUBE DAS SEGUNDAS ESPOSAS
LENORE F. MILLIAN E OUTRO
GENTE
(2003)
R$ 7,00



O TEXTO NO PALCO - OLGA REVERBEL
OLGA REVERBEL
KUARUP
(1993)
R$ 25,00





busca | avançada
22428 visitas/dia
954 mil/mês