Publicar em papel? Pra quê? | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31155 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Urban Arts sedia exposição fotográfica gratuita
>>> Programa musical Reverbera estreia na TV Brasil, Rádio MEC e web nesta sexta (23)
>>> Elian Woidello apresenta show Vinho barato e Cinema Noir no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
>>> Show de lançamento do Selo Blaxtream reúne grandes nomes do jazz e da música instrumental em SP
>>> Autobiografia de George Sand ganha edição brasileira em volume único
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> A pós-modernidade de Michel Maffesoli
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Um trago com os amigos
>>> Caderneta
>>> Alfarrábios
>>> A mulher de Lot
>>> Sem palavras
>>> Objetos de desejo
>>> Matéria prima
>>> Espírito Santo
>>>
>>> Fuga em Si
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ariano Suassuna 80 anos
>>> Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre
>>> Aquarela de um Brasil sem cor
>>> Você sabe quem é a Dilma?
>>> Baixarias
>>> Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier
>>> Estômago, com João Miguel
>>> Ao livreiro sem noção
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Seis meses em 1945
Mais Recentes
>>> A Guerra da Lagosta
>>> Restart - Coração na mão
>>> Isto é Gestalt
>>> Livro - Processo Avaliativo no Ensino Superior (novo)
>>> Algumas perspectivas da Educação Matemática (novo)
>>> Monetary Economics: Policy and Its Theoretical Basis
>>> Esse não é o Caminho, uma conversa sobre drogas para Crianças.
>>> Lugar de Criança é na escola
>>> A Escalada, drogas tire suas dúvidas.
>>> O Andar no Espírito O Andar no Poder
>>> Metafísica da Sensação
>>> Dicionário do Pensamento Social do Século XX
>>> O Resto é Silêncio
>>> Antropologia Filosófica- Ensaio sobre o Homem
>>> Drogas e a Família
>>> Drogas, O universo paralelo
>>> Sitiado Em Lagos
>>> O Equilíbrio do temperamento Através da Música
>>> Cultura no Mercosul: uma política do Discurso
>>> Cristo Cósmico
>>> Coleção Série Princípios
>>> Vidas descoloridas, como Paulo se perdeu para as drogas.
>>> O Livro das Virtudes Uma antologia
>>> A Espiã
>>> Quarta-feira de Cinzas
>>> Cruzando o Paraíso
>>> A poética migrante de Guimarães Rosa
>>> Obra Reunida
>>> Dicionário Latim-Português Português-Latim
>>> Contos Mineiros
>>> Box Coleção História da Vida Privada
>>> Coleção de livros
>>> A Crônica
>>> Zen Budismo e Psicanálise
>>> A Essência do Eneagrama - Manual de Autodescoberta e Teste Definitivo de Personalidade
>>> Guerra e Paz
>>> Depois da Morte
>>> Doze Reis e a Moça do Labirinto do Vento
>>> As Noites Difíceis
>>> Luxo
>>> Fome, Catástrofe Provocada pelo Homem? (Sociologia/Geografia Humana)
>>> Os Irmãos Karamázovi - Fiódor Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Ana Karênina - Leon Tolstói (Literatura Russa)
>>> Almas Mortas - Nicolai Gogol (Literatura Russa)
>>> Pais e Filhos - Ivan Turgueniev (Literatura Russa)
>>> Os Imortais da Literatura Universal (Biografias) Volume III
>>> Processamento de Dados
>>> Teilhard e a Vocação da Mulher
>>> Falsa Identidade- A Conspiração para Reinventar Jesus
>>> Olha para Mim
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Sexta-feira, 18/5/2007
Publicar em papel? Pra quê?
Julio Daio Borges

+ de 14100 Acessos
+ 55 Comentário(s)

Nove entre dez escrevinhadores que me aparecem, desejam, ardentemente, publicar em livro. Não sou editor de livros, sou editor de internet, mas pressinto que - na maioria dos casos - o meu site é visto como um ritual de passagem para finalmente, um dia, estrear em livro. Continua como uma das mais fortes ilusões, mesmo nos dias de hoje. Aqui, eu pretendo demonstrar, contudo, que publicar em livro pode ser - como aliás é, na maior parte das vezes - uma tremenda de uma fria. E por uma razão bastante simples: muito do que se espera de um livro com o próprio nome na capa, a internet já oferece, de graça, para estreantes na arte da escrita.

É mais fácil, em termos de raciocínio - e para não dizerem que eu generalizo - tomar o meu caso, nos verdes anos em que eu ainda escrevia. Eu pegava um livro do Rubem Fonseca, por exemplo. Olhava a capa, virava, apalpava, apreciava a lombada. Naquela época - os anos 90 -, os livros da Companhia das Letras eram tão incomparavelmente mais bonitos que todo mundo queria publicar por ela. (Ainda querem, eu sei...) Eu escrevia mas, provavelmente, não queria fazer literatura - eu queria publicar. Ter meu nome nas estantes. Ir ao Jô Soares e impressionar o mesmo jovem da minha idade que, de repente, entrando numa livraria, se aventuraria a comprar um livro. Eu não sabia nada da vida dos escritores. Eu não tinha nenhuma noção de como funcionava o mercado editorial. Mas eu me achava bom, acreditava, claro, que merecia ser (re)conhecido - e publicar, então, era meu objetivo.

Os jovens escrevinhadores, de lá pra cá, não mudaram muito. A diferença é que, além do Rubem Fonseca, podem, agora, lamber com os olhos os livros de escritores estreantes - tão ruins ou piores do que seu potencial público leitor. De modo que é bastante freqüente a pergunta: "Se até esse sujeito publica, por que eu não posso (também publicar)?". Pode. Não custa tão caro; algumas editoras até se dispõem a fazê-lo... (traindo, naturalmente, sua função primordial de "editar"). A questão é que, depois de publicar, não acontece nada. Não acontece nada do que você, jovem escrevinhador, imaginava que fosse acontecer. Pergunte para os blogueiros-escritores. Eles estão disponíveis aí na internet, no e-mail. Os livros fizeram deles, autores, mais conhecidos do que já eram com seus blogs? A resposta é: não. A resposta é: existem, atualmente, blogueiros mais famosos do que autores de livros lançados aos montes no mercado editorial.

Vamos agora ver onde está o erro de quem almeja publicar em livro. Em primeiro lugar - apesar da quantidade de livros de novatos que você encontra -, o autor novo é considerado um "mico" pelos profissionais do mercado. Pergunte a qualquer agente literário. Pergunte a qualquer livreiro. Autores novos chegam semi-analfabetos, com seus originais, às editoras; algumas os lançam mas, depois, não conseguem nem distribuir; afinal, ninguém os conhece, nenhuma livraria quer... E é igual na mídia: neste mundo de autores de best-sellers que publicam todo ano (nacionais e estrangeiros), e das reedições infinitas (e traduções novas - a moda agora são os autores russos), não sobra espaço para a divulgação de estreantes. E os livros deles são ruins! Muito comumente, os autores pagam para publicar - e o editor termina por se eximir da sua única obrigação (editar, mais uma vez). "O leitor que julgue", dizem. Coitado do leitor: tem de arcar com quase todo o prejuízo sozinho.

Seguindo essa cadeia de premissas: o dono da livraria não pega para vender (porque sabe que não vende), então ninguém vê exposto, portanto ninguém compra; o jornalista não pega para ler (porque, quando tenta, estatisticamente, não consegue avançar), assim ninguém fica sabendo e, de novo, ninguém compra. Resultado: o autor estreante não alcança seus potenciais leitores; termina menos conhecido - e, com certeza, mais pobre - do que antes. Ah, eu sei: você pode ter uma idéia genial, que ninguém ainda teve; convencer, ao mesmo tempo, o editor, o livreiro, o divulgador e o leitor. E vai ser, óbvio, um sucesso estrondoso. Mas você se esqueceu? Você é um autor novo! Para todos os efeitos, ninguém vai olhar para a sua cara. Os editores estão cansados dos originais sem qualidade que recebem de desconhecidos todos os dias; os livreiros estão escaldados por ter de pagar a conta das pequenas editoras falidas; o resenhista não tem mais paciência para as primeiras páginas que não o convencem da leitura; e os leitores, por causa de tudo isso, não vão chegar a saber que você existe (você e seu livro).

Qual a solução? Se matar? Não, ainda... Desde os anos 90, existe um negócio chamado internet (não sei se você sabe...). E desde os anos 2000, ou desde antes, existe um negócio chamado blog. O autor, qual seja, não precisa mais esperar por um editor, para ter seus escritos publicados. Nem precisa de alguém para distribuir, para divulgar. Só precisa ter leitores; ou seja, como qualquer escritor (publicado ou não), precisa ir conquistando leitores aos poucos. E esse é hoje o verdadeiro teste para dizer se um autor é bom ou não (se quiserem, publicável ou não): a audiência on-line. Na internet, no blog, ninguém está olhando para a embalagem que envolve seus escritos; ninguém está ligando para o local onde sua obra foi exposta. Se você for bom, você vai ter leitores, ponto. (Que é o que interessa, no final das contas.)

Mais uma coisinha: os leitores da internet, os leitores de hoje, não estão acostumados a ler "contos", "novelas", "romances" (seja menos pretensioso...). Os internautas - o grosso do potencial público leitor - estão voltando a ler aos poucos. Então não me venha com contos que "experimentam" com a linguagem, nem com romances desestruturados e com centenas de páginas. Escreva para a internet; a internet é o grande laboratório hoje. E os feedbacks vêm na hora: você não tem de esperar o leitor se convencer a procurar o livro, comprar, ler inteiro, para, só assim, gostar ou não. É muito difícil, custa dinheiro e - vamos admitir - você é um autor novo: você ainda não é suficientemente importante para ele, leitor, a ponto de justificar todo esse dispêndio de energia e tempo. Seja franco: você compraria um livro de um autor desconhecido? E, se ganhasse de presente, você leria? Não tenha vergonha de admitir, eu também não faria nenhuma das duas coisas em princípio. Agora se me mandassem um link para um blog, - como você - eu leria. São muitos blogs, sim, mas eu tento ler. Agora, os livros...

Conheço um blogueiro que é muito mais conhecido do que seus livros de títulos horríveis. E ele é um blogueiro tão bom - tão, assustadoramente, bom - que ninguém tem coragem de dizer para ele que os seus livros são ruins. Então ele insiste; e, de tempos em tempos, anuncia que vai largar esse negócio de blog, que ele não quer envelhecer blogando, que ele é, acima de tudo, um escritor (!). Evidentemente, não garanto que, se você for um blogueiro competente, você vá publicar, como quer, um livro em papel. Mas vai ficar mais perto do que as pessoas querem ler hoje; não vai ter de esperar anos, ou a vida inteira até, para constatar que seus livros são uma porcaria. Ambições literárias são saudáveis para quem escreve, mas publicar um livro não pode ser o único fim hoje. Publicar, como diz o clichê, é tornar público - e, nesse sentido, a internet vai muito mais longe do que o livro. Pense nisso.

Nota do Autor
Leia também "Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor".


Julio Daio Borges
São Paulo, 18/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
02. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
03. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
04. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro
05. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2007
01. Publicar em papel? Pra quê? - 18/5/2007
02. Uma década no rastro de Paulo Francis - 9/3/2007
03. Meu Tom Jobim - 15/2/2007
04. Recuerdos da Fliporto - 25/10/2007
05. A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois - 28/9/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/5/2007
17h07min
Eu já tive mais preconceito, mas agora evito ler autores recentes porque estou carregado de clássicos. Li alguns no ano passado e achei bons, o do Galera, o Zaratempô do Evandro Ferreira, o Coisa não-Deus do Alexandre Soares, e mais alguns. A questão é que todos têm blogs. Para quem pensa em ser escritor, um blog me parece inevitável. Talvez a publicação em papel, hoje, seja até uma conseqüência do blog. E é exatamente o que você disse, quem quer escrever, tem que escrever e ser lido, só isso. Agora, não sei se dá para dizer que um autor de blog é bom pela quantidade de leitores. Há blogs famosíssimos e que até arde de tão ruins. Vários, até. Abraços!
[Leia outros Comentários de Bloom]
12/5/2007
21h22min
É difícil dizer aos jovens escritores ruins o quanto eles são ruins. Mas, de certa forma, as livrarias dizem isso com a quantidade alarmante de livros descartáveis na primeira folheada. Nacionais ou não. Também é difícil dizer aos jovens escritores bons: calma. A literatura foi invadida por executivos dinâmicos, atrás do sucesso. Estudam as leis do mercado. Fazem oficinas para aprender técnicas eficientes. Os bons escritores ou, simplesmente, os escritores reais, isolam-se nos seus quartos, escrevem em seus blogs discretos, juntam papéis nas gavetas e esperam passar essa legião de aflitos. Depois, olham os rastros e, normalmente, seguem em outra direção. Julio, esse texto (que tá excelente) é muito bom para abrir os olhos da moçada.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
14/5/2007
11h00min
Para mim o que está errado não é os jovens quererem ser publicados, e sim o mercado não poder dar chance a eles. O problema está na coluna do LEM, desta terça. Se o Brasil tivesse mais leitores e mais consumidores de livros, publicar autores novos não seria um risco tão alto para as editoras. Como eu te disse, não tenho ilusões literárias. Eu sei que eu não vendo 1.000 exemplares de um livro de estréia. Por isso que defendo a criação de projetos alternativos para a publicação de autores novos, as editoras deveriam investir nisso. Edições mais baratas, sem perder a qualidade (sim, isso é perfeitamente possível!), tiragem menor (500 exemplares pra um livro de estréia tá bom demais), uma divulgação boa e barata (Orkut, YouTube, eventos literários menos badalados e mais baratos), lançamentos sem muita pompa, essas coisas. O autor precisa abrir mão de certas coisas, mas ele precisa ter consciência de que se não for desse jeito, não tem como. A não ser que seja apadrinhado por alguém...
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
14/5/2007
11h48min
Não. Não concordo. Por alguma razão, os outores ruins marcam mais que os bons, então? Ou os bons não existem mesmo? Na sua opinião, existem sim, mas só os blogueiros... Certo? Não acho. E todo mundo lê blog então? Não. Não lê, Julio. Se me mandassem um link para um blog eu certamente leria? Não, também, certamente. Não se pode negar a existência de autores ruins que por algum motivo (para realizar um sonho ou porque lêem bastante e acabam achando que escrever é, até, um passo natural) resolvem bancar seu próprio livro... Contudo, parece que sua posição é a de que a editora, que sequer abre o livro de um cara que o mandou para análise, é acertada. Não é, Julio! É a função da editora, editar, como você mesmo ressaltou. Então: mãos a obra! Você está com dó da editora. Eu, não... Ganham pra isso. Outro ponto, que acho falho no seu raciocínio, é que você não levanta a questão de que é o brasileiro que lê pouco. Se autor iniciante não consegue publicar, o que dizer do autor consagrado que não vende?
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
14/5/2007
12h14min
Você soube expressar de uma maneira clara, precisa e gostosa o que quase todos já pensavam, mas não puderam ou não quiseram dizer. Não consigo discordar de você em quase nada, mas concordo com o Mineo, quando se refere a certos blogs famosíssimos, mas de pouca qualidade. Eu, como professora de Português e Literatura, já tive que ler tantos novos possíveis escritores péssimos, que cheguei a querer mudar de profissão. A sorte é que veículos como o seu nos trazem gratas surpresas. Que continue ad infinitum... Beijo. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
14/5/2007
12h37min
Sei lá, Júlio, acho que a literatura também foi contaminada pela "celebritite"... Esse negócio de querer publicar em livro desesperadamente tem muito mais a ver com uma vontade reprimida de reconhecimento público do que com a própria literatura em si. Li no jornal deste final de semana como anda a educação no país e devo dizer que o fato dela estar uma porcaria já é suficiente para alertar qualquer um que queira viver da escrita do "mico" em que a idéia se transformou - se ninguém lê, livros não são vendidos - portanto, o negócio é refletir bem sobre o que o autor realmente quer: ser reconhecido ou escrever algo bom. Se a opção for a segunda, só resta ao sujeito descer das nuvens e encarar a realidade de frente com as ferramentas e limitações que estão aí. Do contrário, que vá escrever livros de "auto-ajuda do próprio bolso"...
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
14/5/2007
14h01min
Que discussão boa, Julio, parabéns. Mas, Rafa, eu acho complicado falar nesses estímulos de cultura porque pode cair naquele discurso de querer atribuir à cultura a responsabilidade de acabar com as nossas incompetências econômicas e sociais. Cultura não serve pra isso. Não pode servir pra isso. Se alguém quer ser escritor, quer ser artista, tudo bem, mas não me convenço de que a sociedade tenha que bancá-lo. E viver de arte é uma coisa estranha pra mim, porque vender arte me parece estranho. Sempre tive pudor com isso, sempre separei bem as coisas. Ganhar dinheiro é uma coisa, fazer arte é outra. Eu tratei disto na minha última coluna. Um artista, na minha concepção perspicaz, deveria estar preocupado com a arte, e só. Um escritor deveria estar preocupado em ser lido, e só. Aí faço a mesma pergunta que o Julio: por que precisa publicar um livro? Blogs são tão mais fáceis, tão mais acessíveis.
[Leia outros Comentários de Edward Bloom]
14/5/2007
14h08min
Aliás, estamos falando de literatura, né? Porque existem outras formas de escrita, que não a artística, que querer vendê-las eu acho tranqüilo e tal, tipo o jornalismo, por exemplo.
[Leia outros Comentários de Edward Bloom]
14/5/2007
20h30min
Novos ou velhos escritores? Escritores ou autores? Livros ou literatura? Público ou mercado? Arte ou negócio? Van Gogh não conheceu mercado quando vivo, ele era pintor? O rigor com que se julgam determinadas obras literárias (prefiro este enunciado) e seus autores nos projeta para uma realidade de leitores qualificados. Lemos pouco, quase nada, com parcialidade, pobreza de critérios, e daí a razão da literatura contemporânea estar confinada a um público tão pequeno e não cobrir uma regularidade e consistência. A busca da celebridade gerou uma horda de escritores, onde está a literatura? Vendo o mercado editorial, sem ingenuidades, preocupado em se manter num tempo de segmentação e busca de nichos que apresentem potencial financeiro que permitam a editora buscar espaço para ousar e investir em nomes de potencial. Editores produzem livros ou literatura? O escritor é ruim ou tecnicamente ruim? O leitor pode ser qualificado de bom ou mau? Há diferença em ser lido por um bom ou mau leitor?
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
15/5/2007
10h47min
Bom texto, Julio. Concordo com voce em vários pontos, principalmente qdo disse que o blog pode ser um bom laboratório para o futuro escritor. Nao é a toa q vemos livros sendo editados como coletâneas de blogs. No meu caso, o caminho foi parecido. Publiquei charges atraves da internet durante anos e em 2006 lancei um livro (inteiro inédito) de charges e quadrinhos politicos. Não houve editora q se interessasse pelo meu livro, portanto publiquei sozinho, de forma independente. Já vendeu metade dos 2 mil exemplares, mas eu tenho um trunfo a mais q o escritor: os desenhos. Na livraria, o potencial leitor pode folhear o livro e visualizar a temática rapidamente, pois o traço dá esta dimensao e o leitor consegue saber do q se trata. Consegue atá fazer um julgamento se o livro é bom ou nao, se gosta do desenho etc. Eu gosto da internet, dos blogs e vou continuar nela pra sempre, mas não escondo q gostei mto de sair em livro. Foi uma experiencia nova e me levou para caminhos diferentes.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
15/5/2007
11h18min
Fico pensando na quantidade de aspirantes a escritor que procuram o Digestivo em busca de uma "luz"... Talvez falte mercado para a literatura de entretenimento no país, como sugerem alguns. Fora da "grande" Literatura, eu prefiro perder tempo com filosofia, ciência, semiologia, fotografia ou coisas afins (em livros e na web). Entretenimento, também, é uma mercadoria e, como tal, dificilmente "consagra" alguém. Mesmo a consagração não significa autógrafos, money e uma vida à la Paulo Coelho (o que os aspirantes - interessante - mais parecem desejar). Talvez, penso, faltem críticos que ralhem mais, que digam na cara do estreante que ele não tem talento. Como dizem para alguém numa escolinha de base de Futebol ou, sei lá, de Tênis, que o sujeito não presta praquilo. Quantos, afinal, chegam no ranking mundial? E olha que Tênis dá mais dinheiro que Literatura...
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
15/5/2007
13h35min
A realização plena de qualquer autor é ver sua obra publicada em papel, em livro, revista ou jornal, não numa página virtual. A internet ajuda a divulgar o nome do autor, não há dúvida. Ocorre que os dois formatos vão correr sempre juntos, assim como o rádio enfrentou a televisão e ainda existe. Alguém já imaginou ir à piscina ou à praia com um laptop para acessar um texto literário? Um livro a gente folheia, apalpa, abre em qualquer página, lê em qualquer local. É mais ou menos como acariciar uma mulher. O que não se pode fazer com o laptop.
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
15/5/2007
14h37min
Pena Julio, que pessoas que lêem, que as vejo nos ônibus, trens e lotações lendo, ou escolares em lugares outros, não tenham o tempo e o computador para acessar mesmo os clássicos, grátis, em vários sítios. Pena que nem o Overmundo.com, que tem uma excelente produção, de vários colaboradores sobre cultura brasileira e cultura feita no Brasil, seja acessível ao povo esse que falei acima e a outros. Pena que não haja um computador com banda larga em cada casa do Brasil e uma casa para cada família brasileira. Pena que que haja poucos novos escritores que ainda não se desiludiram antes ou por ler o que escreves sobre a desnecessidade do livro em papel. Inda bem que acabo de publicar em papel minha primeira novela (petulância!) antes de te ler, mas podes acessá-la no blog listado neste postado. Ainda assim, concordo que a Literatura não tem muito apoio do mercado. Até porque, não é Julio?, os produtores não tem muita vez no mercado, não é fato?
[Leia outros Comentários de Adroaldo Bauer]
16/5/2007
15h10min
Bloom (#1), atenção: eu não disse que quanto mais leitores no blog, melhor o blogueiro-escritor --- eu apenas disse que a "audiência on-line" é um bom termômetro (não é perfeito, mas é melhor do que nada...) Obrigado por concordar com o resto! Guga (#2): gostei de "escritores reais" e de "legião de aflitos". Obrigado pelo apoio! Rafa (#3): em primeiro lugar, não estou falando de você nem de ninguém do Digestivo em específico. No texto, eu jogo um pouco da culpa nos editores de araque --- que não editam nada e que publicam tudo. Mas na medida em que os próprios autores se editam hoje, eles também têm, sim, culpa... No fundo, eu tenho muita pena do leitor, que fica com o prejuízo quase todo --- literário e econômico.
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
16/5/2007
15h14min
Alvaro (#4): você toca no mesmo ponto do Rafa (#3) e do LEM (texto desta semana), mas eu acho fácil jogar a culpa em entidades como "o brasileiro" (que não lê) ou em instâncias superiores como "o sistema de ensino" (que não estimula a leitura). Só faltou "o governo" (quer ver que, daqui a pouco, alguém vai falar?). Minha proposta é que os próprios autores mudem esse quadro: não esperem editores, nem livros; não derrubem árvores com páginas ruins; testem, antes, em blogs! (O resto, me desculpe, você entendeu tudo errado --- eu recomendo, sim, autores novos, ou não tão novos, veja as Entrevistas do Digestivo!) Dri (#5): gostei de "novos possíveis escritores ruins" e obrigado pelo resto! Escudero (#6): acho que cansei das teorias sobre "celebridades", sociedade do espetáculo, essas coisas --- achei que falar disso seria apelação, mas o resto está OK!
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
16/5/2007
15h24min
Bloom (#7): o Ram reclama sempre que "os escritores nunca pensam em fazer dinheiro" (só em pegar do governo) e você afirma que "não se deveria misturar arte com dinheiro". Nem tanto à terra, nem tanto ao mar: não acho, como o Ram (e às vezes o LEM), que os autores de best-sellers são "perseguidos" pela crítica; nem que o artista deveria ignorar a questão econômica. Eu acredito em sucesso de crítica e de público. O Digestivo é isso! Carlos (#9): não sei se as perguntas têm muito a ver com o texto; e não sei se você quis fazer um Comentário ou apenas escrever o que lhe veio à mente... Diogo (#10): a Ana E levantou esse ponto, por e-mail: e se o sujeito quiser somente viver a "experiência" de publicar um livro? Vá em frente, mas depois não reclame que ninguém lê ou compra (ou resenha). Felizmente não é esse o seu caso, parabens pela repercussão e pela vendagem!
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
16/5/2007
15h35min
Rogério (#11): a metáfora do futebol é muito boa: é como se os escritores ficassem adiando, sempre, o momento da avaliação. Também não acho que a saída seja a literatura de entretenimento. Com ela, você resolve mais o problema do entretenimento do que o da literatura... Félix (#12): publicar em papel pode ser o sonho de qualquer autor, mas nós não temos de aguentar, nem de "patrocinar", o sonho de todo e qualquer autor... Internet não é televisão; você tem lido muito o Observatório da Imprensa... Por fim, pergunte ao Alex Castro se não dá para ler no laptop. Ele, com a maior paciência do mundo, te explica. Adroaldo (#13): não entendi toda a ironia, mas vamos lá... Não prego a "desnecessidade" de publicar em livro. Mas acho que autores que usam uma palavra assim tão feia, não deveriam, mesmo, publicar em papel... Com a internet, todo mundo tem vez hoje; quem não tem, é porque prefere jogar a culpa nos outros... E, por fim, muita gente puxa para a educação, mas eu estou falando aqui de literatura!
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
16/5/2007
22h28min
Julio, obrigado pelo comentario e concordo de novo com vc. Quem se arriscar a publicar em papel tem q saber as consequencias. Eu sempre soube do risco e decidi ir em frente, pq eu sabia q tinha um bom material nas mãos. Nao acredito q a midia impressa acabe. Acho q ela e a internet tem q aprender a coexistir. Acho q os blogueiros ainda vao continuar sofrendo o preconceito da midia impressa, por nao serem, na maioria, jornalistas de formação. Por outro lado, a blogosfera abre um canal direto de comunicação com o leitor, onde este pode deixar suas opinioes, ao inves de ser apenas um leitor passivo. É uma maneira mais democratica de jornalismo. Essa "democracia" é q o jornalista de papel ainda nao conseguiu assimilar, mas de um jeito ou de outro terá q aceitar pois é uma linguagem q veio pra ficar. Isso tb acontece hoje na musica: qualquer banda iniciante pode lançar um CD nos dias de hoje.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
17/5/2007
08h42min
Concordo muitas vezes com o Julio e, obviamente, há controvérsias! Quem freqüenta livrarias são leitores críticos e podem comprar até livros de novatos - desde que tenham conteúdo: no título, na capa, na orelha e no prefácio, na contracapa ou numa leitura rápida das páginas do livro. Caso o leitor tenha alguma empatia com o livro, ele compra, sim. Há muitos sofistas e na internet e no papel tudo cabe! Quando estudante eu freqüentava livrarias e, se o livro me envolvesse de alguma forma (na verdade eram poucos, tanto escritores reconhecidos como novatos), o volume estaria em minhas mãos como mercadoria de bem cultural. Jamais adquiri um livro ruim simplesmente porque não me atraiu: isso acontece também com os livros de bons escritores, quando chegam a mim. É necessário ter empatia com os livros bons! Dizia João Guimarães Rosa que o livro pode valer pelo muito que nele não deveu caber! Quando eu recebo um livro, certamente vou lê-lo algum dia...
[Leia outros Comentários de Newton Filho]
17/5/2007
10h10min
Caro Julio, você tem razão, em partes, acredito eu: Não compraria um livro de autor novato, isso é fato. No entanto, ainda persiste a visão romântica de ver seu livro impresso com capa, prefácio, seu nome visível. Apesar dos blogs estarem em expansão, não acredito que no Brasil as pessoas troquem a tradição de carregar o livro nas mãos por leitura mediada por uma tela de monitor. Ainda tem um outro ponto: o livro tem uma magia que nunca um blog terá! Blog... qualquer um pode abrir, um livro não é qualquer um que escreve por vários fatores limitantes como dinheiro e ousadia. É preciso se achar muito bom para ter coragem de arcar com o peso que um nome impresso tem! O poder simbólico do nome na capa de um livro pesa mais que seu nome em um blog! A questão, acredito eu, não é apenas tornar público, mas é a simbologia de "EU tornei publico"! Você não acha?
[Leia outros Comentários de Camila F. Mendonça]
17/5/2007
10h32min
Também falo de literatura, Julio, e em português, que devemos todos preservar. Já no título, pretendi tirar o foco das idiossincrasias. Não acredito que o idealizado leitor cria mercado, circula e dá sucesso a obra alguma. Nem só bons editores. Se tudo isso não existisse, ainda restaria a pobreza no país, e o mercado dos vendáveis, patrocinados pelas editoras influentes. Lamentei que tal ocorra: que produtores são pobres e proprietários ricos... Não entendi por que diabos palavrinha nem tão feia assim (a desnecessidade) transformou-se em palavrão e me aconselhas por isso a parar de escrever. Dizes que não entendestes toda a ironia no que escrevi. Por que deduzistes então que era ironia? Eu festejei ter publicado em papel antes de ler teu texto cáustico e severo (uma virtude); mas desestimulante, que é diferente de desafiador, porque pouco crítico da realidade objetiva...
[Leia outros Comentários de Adroaldo Bauer]
17/5/2007
10h53min
Cada vez que preciso de alguma coisa mais longa encontrável na Internet, preciso imprimi-la para ter condições confortáveis de leitura. Mas é que eu sou um velho dinossauro de 63 anos que ainda tem uma ligação visceral com o livro. Texto em tela não tem o peso do livro, a textura da capa, o cheiro do papel. E não pode ser levado para a cama, o melhor lugar para ler (entre outras coisas). Fetichismo? É, sim, e dos bons.
[Leia outros Comentários de Lauro Machado Coelho]
17/5/2007
11h45min
Li de uma vez só os textos sobre publicar e sobre a geração argh 90 (não concordo com esse termo, mas tudo bem...). Que alívio, eu me senti salva, embora ainda perdida, pois ainda não consegui publicar meus romances, minha poesia, meus livros de contos. Mas por que me senti salva? Eu jamais, quis, em primeira instância, ser publicada. Eu sempre quis fazer literatura; fiz jornalismo, mas fui estudar Letras e fazer curso de semiótica para entender melhor a questão do texto, da linguagem. Eu jamais quis ir ao Jô; eu jamais curti essa coisa de ser moderninho e ter benesses por ser uma pessoa conhecida; eu não queria ser uma pessoa conhecida; eu queria ser uma autora lida, mas lida de maneira que eu chamo de apropriada, que é através dos livros de papel. Eu adoro livros; eu uso muito, muito mesmo a internet, mas adoro livros. Enfim, é isso. Abraço, Julio!
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
17/5/2007
12h04min
Parece-me, depois de mais de duas dezenas de comentários sobre este texto do Julio, que temos aqui dois times: os escritores (ou os que querem, um dia, ostentar este epíteto, auxiliados pelos simpatizantes destes) e os leitores (que por sua causa vêm acompanhados pelos críticos profissionais). Vejam o caso do Galera. Seu livro "Mãos de Cavalo" só se tornou um sucesso de crítica depois que leituras ocorreram! Obviedades à parte, é a função dos críticos ler e dizer o que acham, inclusive dos iniciantes, como foi no caso do Daniel. Morram horrorizados, estrebuchem de ódio! Mas é a função do crítico e da mídia analisar o material de um autor iniciante e dizer se vale a pena comprar o livro. O público espera isso destes profissionais. Ler o livro do Scliar ou do Pamuk e fazer uma resenha sobre eles, até eu faço. Se é o dever do escritor escrever bem, é o dever do crítico dizer isso ao público. Ignorar o escritor iniciante é menos do que se espera do profissional de coluna literária.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
17/5/2007
13h45min
Concordo plenamente com o Félix Maier, "a realização plena de qualquer autor é ver sua obra publicada em papel, em livro... não numa página virtual". Além disso, Julio, um escritor pode até ser também um blogueiro, mas, obviamente, nem todo blogueiro pode ser "um escritor" (autor de obras literárias, culturais, científicas etc.; ficcionista). Lembre-se disso.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
17/5/2007
15h04min
Amigos, como vocês mesmos dizem, venho descobrindo a cada dia que mais tenho a saber desse complexo meandro, ‘Mercado Editorial’ [parece se cruzar com fortes noções de sociabilidade]. Julio me conhece, falamos por e-mail várias vezes. Sempre me foi muito cordial. Creio eu, devo fazer parte dessa maldita esfera de estreantes. Dela não consigo me desvencilhar e jamais irei - muito me enraivece a falta de solidariedade num campo tão narcisista quanto as Letras - mais do que nunca, me proponho ajudar os que estão na mesma situação. Muitos estão abrindo sites e cobrando pelo espaço, perpetuando os empreendimentos comerciais que já se exaurem nas esferas editoriais; outros, mais corajosos, abrem espaços gratuitos [Sanfrei Books, Turba Literária, Garganta da Serpente...]. Seria o momento de falar das hierarquias que permeiam as instituições literárias, do quão paradoxais se colocam quando ignoram os ‘novos’ e ao mesmo tempo investem pela freqüentação de leitores? Prefiro nem comentar.
[Leia outros Comentários de Marcel Dias Pitelli]
17/5/2007
15h07min
Não sei o que dizer: vim pedir espaço no Digestivo [assim como noutros sites literários], publicar meus contos, e o trabalho não é fácil [dentre várias linhas, sou colunista de Relações Internacionais pelo www.mundori.com.br, escrevo surrealismo, psicológico, suspense, realismo fantástico e poesia]. Meu nome já saiu no Diário de SP, no Jornal do ABC, na Jovem Pan, na coluna de Cezar Giobbi, Mônica Bergamo... Big shit? Yeah! Vez em quando estou no Chateaubriand, lendo ‘curtinhos’ a platéias de 200 pessoas. Esta semana, sentei-me ao lado de Marcelino Freire, entreguei-lhe meu livro [‘Sila’, o primeiríssimo de uma trilogia... Meu site é legal, temos todo um trabalho no Orkut; um trecho que foi também teatralizado no Chateaubriand - atores vindos do Nilton Travesso - e está online]. O que posso dizer, ‘Brasileiro não desiste nunca’? Que talvez um dia eu crie um blog e dê espaço a todos? Não sei. Eu precisaria me colocar na pessoa do Julio, saber o que é esse lado de selecionar e desprezar.
[Leia outros Comentários de Marcel Dias Pitelli]
17/5/2007
15h07min
Julio tem razão em alguns pontos. Acredito que quis falar de ambivalência, mas não chegou a mencioná-la. Afinal de contas, escritores que somos, expostos a leitores e toda uma mídia, já não nos basta a tal autocrítica [a nos deglutir vivos], devemos também fatalmente nos adaptar a uma realidade líquida e conceitos de mercado a nós sigilosos. Quando se trata de autocrítica, eu e muitos que conheço, nos pegamos num continuum refazendo a musicalidade de um trecho até que ressoe como um senoidal. Essa, para alguns lingüistas, seria uma forma de captar a atenção do leitor, tão disperso ao som de buzinas, o choro de caninos e bebês desmamados. De certa forma, parece-me que a ‘boa literatura’ está à mercê da realidade, turvando-se mais ficcional do que a própria ficção.
[Leia outros Comentários de Marcel Dias Pitelli]
17/5/2007
15h09min
Querem saber da verdade? Vou dizer a vocês, talvez relatando minha experiência; por certo, deve ser pequena em comparação à dos amigos jornalistas e blogueiros [nunca acreditei em blog, essa ferramenta unilateral]... Mas vamos por partes! Primeira coisa: com exceção a alguns blogs portugueses, ilustrados e cruzados [comunicados?], com vídeos e outras ferramentas midiáticas; os demais, a menos que sejam ‘impressionantes’, estão fadados a morrer. No Brasil, isso se reforça. Blogs de amigos meus, escrevem magistralmente, não têm visitas. Amigos, não é que o brasileiro não leia. Aliás, esse me soa um daqueles estereótipos que nos imputamos, reforço da transculturalização; como o do poderio americano e com o qual persistimos em nos equiparar sem antes estudarmos as imagens, a publicidade e o ‘Soft Power’. Assim fosse, literatura precária, jornal, revista, quadrinhos, Mangá, nada se venderia no Brasil.
[Leia outros Comentários de Marcel Dias Pitelli]
17/5/2007
15h11min
De outra forma, parece-me que a literatura, de uns tempos para cá - e a televisão muito teve a contribuir -, está se direcionando ao escracho. Finalmente, temos livros curtos, práticos, que passam uma mensagem digerível a ambos os gêneros, alguns que se atrevem a cruzar todas as faixas etárias: um contra-senso, o nonsense. Maquiavelice, sátira deslavada; coisinhas e maldições que não são para serem lidas e pronunciadas, o tal do INDEX nos instiga. Quem duvidar, comecem a observar os dramaturgos contemporâneos, ver o caminho que estão traçando. A globalização, distribuição desigual de renda, crescimento acelerado das cidades; temos uma inversão de valores, desestabiliza e instaura novos padrões estéticos na metrópole; o paulistano, no caso, está frio, distante e indiferente. O intelectual se coloca em ar de superioridade e ridiculariza a pobreza. Vivemos uma era de individualismo e desagregação social.
[Leia outros Comentários de Marcel Dias Pitelli]
17/5/2007
19h26min
Caríssimo, parabéns pela lucidez de suas palavras. Mas a escrita é paixão. O livro é fetiche, encerra mais do que declara. Livros têm cheiro, volume, "temperamento", vão com a gente para cama, alguns envelhecem com quem pertencem. Por prazer, passei a frequentar seu espaço, depois de publicada. E fui muito bem recebida. Meu caminho foi o dos concursos, atalho rápido em todos os sentidos: tiragem grande, acesso facilitado à mídia, mas nem por isso diferente do que você retratou. Sempre gostei de escrever; lia e escrevia para não enlouquecer. Ganhava a vida, porém, me atormentando no setor financeiro. A publicação foi o presente da maturidade. Logo que me inscrevi no concurso, criei um blog. Acho que não soube levar a coisa, mas os que sabiam achavam "cool". Desencanei quando percebi que, no meu caso, era gastar boa vela a troco de nada: ninguém me lia. Agora, até que senti vontade de voltar. Compro livro de estreante: se abro e gosto da primeira página. Cada um com sua história.
[Leia outros Comentários de eugenia zerbini]
18/5/2007
07h56min
...e do acesso às novas tecnologias, Julio (pegando um gancho do teu último comentário – de n° 13, em resposta ao Adroaldo). Ou seja, para que tanto a educação quanto a literatura se imiscua de vez no cotidiano do Zé e da Maria é preciso que se popularize o uso do computador na família brasileira – sob o ponto de vista defendido aqui por você. São inúmeros os entraves para a prática de qualquer política de educação num país como o nosso passando primordialmente pela falta crônica de interesse da politicanalhada brasileira. Esse seu posicionamento o qual respeito muito nos põem de encontro à realidade avassaladora dos nossos dias. Temos poucos leitores, e muito menos escritores. Para se chegar ao pódio dos bons escritores há 377 entraves, que vão do mais elementar deles (o que escrever) ao mais sofisticado (como escrever), esbarrando aqui e ali nos 375 no meio do caminho tortuoso do sofrido candidato a Daniel Galera ou Marçal Aquino, só pra citar dois escritores do momento...
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
18/5/2007
08h01min
O que nos deixa – é, eu me incluo naquele rol de (pretensos) escritores em busca do Papel Sagrado – sem pai, nem mãe, no mato sem cachorro, com uma mão na frente, outra atrás, etc... Bem, sem querer mais usar clichês, concluo que essa discussão deixou algumas arestas à mostra e mais do que me acordar para esse novo desafio (o de usar a internet para escrever) agora me põe de frente à necessidade de escrever (e publicar) no papel. O país ainda não atingiu o nível de outras (grandes) nações, mas mesmo que atinja o livro eletrônico (ainda) não substituiu aquele velho ocupante das prateleiras. Isso algum dia vai acontecer?
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
18/5/2007
11h17min
Eu nem sei como se faz um blog, não tenho conhecimento sobre web design e essas coisas, esses programas de arte como photoshop etc. Além disso, não tenho paciência para atualizar um blog. Onde vou "tornar públicos" meus textos literários? Abraços.
[Leia outros Comentários de juliana]
18/5/2007
11h41min
Pertinente o texto "Publicar em Papel? Pra quê?". Mas, permite também a pergunta: "Publicar em 'blog'? Por quê?". Nunca perder de vista que o livro permite pensar na perenidade do texto, enquanto o "blog" não, pois tudo que é virtual se desmancha no HD. Alguém por acaso daria um "blog" para alguém de presente? Alguém se disporia a perpetuar um "blog" em CD ou outro meio eletrônico qualquer de um texto que lhe agradasse? Por outro lado, cabe também perguntar: por que o mercado editorial brasileiro edita publicações de quinta categoria de autores "famosos" em outras atividades que não a literária ou intelectual e recusa autores novos de boa, às vezes excelente, qualidade, só por que são novos e exigiriam mais esforços de venda? O resumo da ópera é que no Brasil - em todas as atividades artísticas e não apenas a literária - a "fama" deve anteceder ao sucesso resultlante do talento, pouco importando a causa da fama, podendo ser até má-fama. F. G. Yazbeck
[Leia outros Comentários de Fuad Gabrie Yazbeck]
18/5/2007
20h18min
Diogo (#18): a diferença, como eu disse por e-mail, é que as bandas que se lançam em CD não querem logo o Grammy, mas os nossos autores novos não querem nada menos que a consagração do Nobel! Newton (#19): o problema é que, hoje, você perde muito mais tempo encontrando livros bons na livraria, porque os ruins abundam nas estantes; as editoras abriram as pernas e lançam cada vez mais títulos (e cada vez mais autores novos... Socorro)! Não acho, Camila (#20): um blog só sobrevive se tiver audiência; um livro, sim, qualquer um publica. Um blog é um teste para um escritor --- para mantê-lo vivo, é preciso trabalhar bastante; já o livro, não é mais teste nenhum, para publicar basta pagar a edição! Brauer (#21): livro é sonho; realidade é o que eu descrevi aqui --- desmanchei, isso sim, os sonhos de muita gente, por isso, agora, estão bravos comigo... (Tudo bem, depois vão me agradecer por terem economizado uma grana...)
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
18/5/2007
20h20min
Lauro (#22): eu prefiro sacrificar o fetichismo a ler autores ruins; aliás, autores ruins acabam com qualquer fetiche --- não há livro bonito e gostoso (na forma) que resista! Isa (#23), você está vendo? Autores ruins desencorajam até autores bons a publicar --- alguém tem de acabar com isso! Albarus (#24, você tem certeza de que quer publicar um livro com essa assinatura?): o Daniel Galera é um bom exemplo, sim! Ele começou na internet, você sabia? Seu primeiro livro de contos foi todo publicado --- e testado antes --- na internet! É o melhor livro dele, na minha opinião. Ah, e eu já falei isso pra ele... Outra coisa: eu bem que tento ler os autores novos (ninguém pode me acusar de omissão!), mas é que, na maioria das vezes, não consigo nem passar da primeira página --- realmente, não é por má vontade, mas é que não dá...
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
18/5/2007
20h22min
Janethe (#25): a primeira parte eu já respondi ao Felix (olhe aí em cima...). No texto, eu disse que há hoje blogueiros melhores do que autores publicados (em papel) --- e continuo mantendo isso! Marcel (#26-30): parece o Carlos (Comentário acima...): menos um Comentário do que um brainstorm... Na parte que me toca, não sinto prazer nenhum em desprezar escritos, mas sinto algum, confesso, em selecionar. Vou continuar selecionando. Coisa que os editores, infelizmente, não fazem mais... Eugenia (#31): livro é fetiche, sim, mas, como eu disse ao Lauro (acima), com tanto livro ruim, o fetiche vai acabando...
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
18/5/2007
20h24min
Pepe (#32-33): não acho que é papel do escritor "ensinar o brasileiro a ler" (embora muitos pensem assim...): acho que é papel do escritor escrever bem. E, de novo: o Daniel Galera começou na internet... Parece que vocês não leram minha Entrevista com ele! Fiquem atentos: o próximo Daniel Galera vai surgir, outra vez, da internet, bem debaixo do nariz de vocês! Juliana (#34): blog é muito mais fácil (de lançar) do que livro (embora seja difícil de manter...), não é possível que você não consiga! Fuad (#35): o objetivo do meu texto não é comparar livro com blog (como formato), mas, sim, mostrar que um blog pode ser menos oneroso, mais ágil e eficiente --- em termos de comunicação! Gente desconhecia não vende livro em lugar nenhum; não é só no Brasil, não... Escreva na internet, torne-se conhecido e, só assim, publique um livro. O trauma será menor e a chance de sucesso será maior. Não é tão difícil entender meu raciocínio...
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
18/5/2007
21h01min
Em nenhum momento, Julio, eu disse que é papel do escritor fazer o povo ler. Disse, sim, que para que esse seu ponto de vista - o de que larguemos de mão nosso sonho de publicar um livro e nos ponhamos a postar ad infinitum na internet - só será possível de realizar quando mais e mais brasileiros puderem ter acesso à essa tecnologia. E para isso - para a coexistência de leitores e autores neo-midiáticos - será necessário que o preço dos pcs fiquem acessíveis. De outro modo, e ainda que saia mais caro sob todos os aspectos, sempre se perseguirá a realização desse sonho, por mais que ele mesmo não se realize - o que nos deixará algo incompletos. Mas, vou ser sincero, se eu realmente quisesse publicar um livro eu já teria conseguido. Acontece que 1) nunca me programei realmente pra isso e 2) nunca me seduziu a possibilidade de ser patrocinado pelo mandatário de plantão aqui no Estado. Logo, acho que o que venho fazendo atualmente - publicando aqui e ali na internet - tem me feito bem.
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
18/5/2007
22h01min
Tá bom, Julio! Eu fui lá e fiz meu blog! Coloquei um texto legal, que impactou vários amigos meus; alguns escritores, outros não. Mas e aí? Como divulgar essa joça? Sabe o que eu acho? Entra no orkut! Estamos criando a história em Word, ilustrando com o Image Bank. Aí, você pega o PDF 995 e transfere o arquivo doc para formato pdf, tranca contra cópia. Finalmente, vai no RapidShare e disponibiliza para download. Agora estamos falando. Acho que blog vai sair fora. Está se tornando uma ferramenta para diário pessoal. Ninguém lê seu blog, a menos que você o tenha cruzado com blogs de famosos ou você seja um. Meu livro foi divulgado em todo Brasil; todo mundo gostou, vendeu e a tiragem acabou. Agora eu peno para encontrar uma editora comercial que o banque. O leitor nunca tem $; o editor está sempre ausente. Nós estamos lá no orkut, escrevendo e arrasando nas comunidades literárias, abrindo sites, ajudando outros escritores. Infelizmente, o papel e o selo ainda contam e muito...
[Leia outros Comentários de Marcel Dias Pitelli]
19/5/2007
16h27min
Oi, Julio! Legal demais a discussão sobre escritores de papel X blogueiros. Também não esperava que rendesse tanto! Você conseguiu cutucar com vara curta muita gente. Também me surpreendeu. Não pensei que fosse dar tanto Ibope. Acho que essa discussão vai fazer muita gente pensar sobre a verdadeira arte de escrever, seja em blogs ou em livros. Quem tem talento, acaba sendo descoberto, de uma maneira ou de outra, e permanece. Outros que tentem novos ofícios! Beijo. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
19/5/2007
18h52min
Dri, ser descoberto? Por Deus! Escritor que se preza não cai nessa lorota de Brasil colônia; já éramos Brasil muito antes dos portugueses, já somos o que somos muito antes de um zé chegar e nos imprintar uma marca. Tem muito escritor bicho grilo, passa dos 30 escrevendo e indo em sarau. Não sabe a importância de dar uma entrevista, teatralizar um texto, participar de uma ONG. Outros [esses sim], criam sites, trazem propostas mais interativas, contemporâneas. Ser descoberto? Olha! Acho que isso é um luxo de poucos. Basta que se aperte a mão do publisher, tome um cafezinho. Ou você acha que um bom material e um bom público é suficiente? Esses atributos, eu e muitos outros já temos. Mas não basta. À editora não vale apenas o que o mercado está ditando como padrão, mas o autor que, de alguma forma, consegue se infiltrar no quadro daquela empresa, marcar uma reunião, apresentar os prós e contras de seu projeto. E todas elas, meus amigos, não nos permitem fazê-lo. Querem por correio.
[Leia outros Comentários de Marcel Dias Pitelli]
20/5/2007
12h41min
O desejo de deixar algum registro de nossa efêmera existência na Terra, de ver nosso nome numa capa de livro numa livraria, enfim a vaidade parece nos mover rumo a uma decisão arriscada: a de publicar um livro. Ante as autorizadas e sensatas ponderações de Julio Daio, se nosso fito fosse o de levar nossas idéias (ou nossos pretensos pendores literários) ao grande público, as páginas da web seriam o meio mais prudente, econômico, direto e eficaz. Funcionariam, inclusive, como laboratório para aventuras mais ousadas. Além disso, livro ruim não eterniza nome algum e é ecologicamente incorreto. Se é pra gastar celulose com porcaria, que o destinemos aos banheiros. O papel,aqui, cumprirá melhor um de seus papéis.
[Leia outros Comentários de Pedro Cordeiro]
20/5/2007
14h50min
Aí, acho que isso aqui já deu o que tinha que dar. Se, no começo, achei a discussão legal, agora já está virando flame war. Acontece que todo mundo que tem vontade de publicar um livro (sou um deles), está, de repente, se identificando com a possibilidade de ser um dos tais autores ruins. Estão se esquecendo de tudo que passaram até aqui, a dificuldade criativa, a persistência ante vários e incontáveis fatores que os levaram a escrever e por aí afora... Estão perdendo o senso crítico que seria tão importante ter para julgar que seus escritos são ou não bons. De que vale, depois de tanto tempo, ter planejado executado e lançado o livro, se agora se deixam levar pelas palavras desse bicho preto sentado no seu ombro? Enxotem este corvo fora! O Julio está com dó do leitor, como se estivéssemos dando a ele veneno de rato. Acho é que ele está é dando boas risadas de como todo mundo está se deixando levar pelo Édipo dentro de suas almas. Discussão tem limite. Se você se convenceu boa. Senão...
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
21/5/2007
08h33min
A verdade é que não há novas idéias, novos ideais, tudo já foi escrito, o processo de reivenção exige demasiado tempo, coisa que não temos atualmente... Além disso, os novos autores não apresentam uma crítica social, seus textos tornam-se prolixos. Quando há críticas, essas não passam das fronteiras dos seus "blogs", sendo esses autores taxados como demagogos ou um imbecil que critica sem a "praxis". Pois, hoje em dia, vemos e revemos a corrupção numa sociedade sem objetivos, na qual os cidadãos permanecem e não se reividicam. Falo besteira? Então basta ler os clássicos, como Machado de Assis e Clarice Lispector, eles não escreviam por escrever, sempre havia uma crítica a sociedade, fugiam de clichês, criticavam de maneira artística, ao mesmo tempo em que contribuiram para o engrossamento de nossa cultura literária. Obrigado.
[Leia outros Comentários de Henrique]
21/5/2007
11h54min
Também acho que essa discussão já deu o que tinha de dar. A impressão que tenho é que estão considerando "todos" e "tudo" (blogueiros e escritores, blogs e livros) como "farinha do mesmo saco", quando é óbvio que não é. A internet pode (e deve) ser usada como um (bom) laboratório (eu mesma faço isso), mas é só como laboratório. Ponto.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
22/5/2007
14h08min
Acho que a discussão ainda não se esgotou. Gostaria de salientar um ponto. Há muito foco sobre o papel do autor, se vai ser reconhecido, se vai publicar no blog ou em papel, etc. Mas pouco se fala da dimensão literária dos próprios textos, o fato de se tratar de um processo muito mais amplo, histórico, civilizatório. Em suma, acho que o texto deve ser maior que o autor: o autor é somente cavalo das idéias. Provavelmente serei criticado por dizer isso, mas quem já escreveu uma dissertação ou tese de doutoramento passa a ter outra noção do trabalho de escrever. É preciso dialogar com autores do passado, pesquisar fontes, contrapor argumentos, visões de mundo, etc. É preciso gostar mais das IDÉIAS do que de si mesmo. Quem envereda por esse caminho se sente realizado, mesmo que não seja publicado, pois passa a dialogar com a filosofia, com a literatura universal e com as demais expressões artísticas. Com o tempo, essas coisas, que são maiores do que nós, conspiram a favor do sucesso.
[Leia outros Comentários de Renato Kinouchi]
25/5/2007
10h06min
Alessandro Martins: "Fiquei feliz ao ler o artigo 'Publicar em Papel? Pra quê?', de Julio Daio Borges, e encontrar eco para algo que venho repetindo há algum tempo a jovens autores inéditos que vêm me consultar. Eu, na verdade, não entendo por que eles vêm me consultar se eu mesmo não sou editor e tampouco tenho algum livro publicado. Na verdade, nem ambiciono ter um pelos motivos que listo mais abaixo. Esses escritores querem saber como publicar um livro. Eu recomendo algumas alternativas, mas meu conselho basicamente é: publique na internet. Eis algumas razões para isso: Preço; Abrangência geográfica; Total controle sobre seu trabalho; Pioneirismo; Contato direto com seu público; É barato para o seu leitor; Ver o fruto de seu suado trabalho; Fazer uma experiência; Não precisar apelar para Leis de Incentivo; Você não precisa de um jornalista para dizer que seu trabalho é bom; Não prestar contas a ninguém; Fama; Dinheiro." [Leia Mais...]
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
18/6/2007
00h36min
Trabalho em editora e tenho contato c/ quilos e quilos de originais q recebemos todos os dias, a maioria de autores novatos. Não podemos generalizar: mtos escrevem bem. Mas são poucos. Apesar de eu trabalhar p/ uma editora gde, lá não ignoramos os novatos. Já publicamos alguns. Aí, cabe a eles nos ajudarem a tornarem-se conhecidos no mercado, p/ q façamos novas tiragens e publiquemos + títulos deles. É difícil. Acho q as pessoas são levadas a quererem publicar em papel (refiro-me aos novatos) pela idéia da fama, como vc bem colocou, de ir à TV, de ficar dando autógrafos em livrarias. Todo autor estreante q publicamos sempre nos pergunta o mesmo: "onde será a noite de autógrafos"? Nós não promovemos noites de autógrafos, do contrário não faríamos outra coisa, pq publicamos mtos títulos por mês. Existe, sim, a vontade de ser notado, + do q a de propagar a literatura. A publicação em papel só vale a pena qdo a vontade de publicar é movida pela de propagar a literatura.
[Leia outros Comentários de Kandy Saraiva]
18/6/2007
15h00min
Blogueiros horríveis são a regra, escritores que nunca deveriam ter sido alfabetizados (foram?) são a regra. Em blogs ou livros, o que realmente emplaca são relatos da "maravilhosa" vida de prostitutas arrependidas, textos escritos por meninas depressivas que se consideram Clarice Lispector, escrevinhadores prolixos que se acham Bukowsky ou Genet, fãs do Renato Russo, apaixonados pela violência das periferias que ainda se pretendem originais e bombásticos, participantes de algum Big Brother Brasil, magos e gurus, figurões nacionais e internacionais, jornalistas de guerra ou de aventuras ecologicamente corretas, centenas e centenas de frases que não mereceriam sequer um diário escondido embaixo de alguma cama.
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
18/6/2007
15h02min
1. Blogs são lidos por pessoas interessadas em Literatura (mesmo que em número limitadíssimo) e por outras a fim de arranjar namorados inteligentes e sexo virtual. Livros são comprados por pessoas que desejam ler. 2. Por mais utópico que seja, um pintor almeja viver de sua Arte e não do trabalho como vendedor de sapatos, assim como um escritor deseja viver de seus livros e não das gorjetas que recebe servindo vinho e filé de frango num restaurante do centro da cidade. 3. Muitos apelam para os blogs por causa do fracasso de um livro (ótimo ou péssimo) que nunca foi publicado. 4. O livro impresso é fetiche para alguns, projeto de vida para outros. 5. A maioria das editoras não "perde" tempo com blogs (nem com livros de novatos).
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
18/6/2007
15h03min
Enquanto isso, prossigo escrevendo com a infeliz pretensão de ser ao menos folheado pelo estagiário de Letras do Departamento Editoral de alguma casa. O problema não é a fama atordoante ou a excelentíssima nobreza da Missão Literária, e sim uma vida em conformidade e harmonia com o que se é. Mesmo iludido, preferiria uma vida parca e feliz ao gosto amargo de um blog elogiadíssimo e... somente mais um blog elogiadíssimo. Escritor não é apenas escrever, mas estar disposto a levar a Literatura adiante e a viver para ela.
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
18/6/2007
15h05min
Hipocrisias e mercantilismos colocados de lado, creio ser melhor R$ 400,00 mensais justificando um caminho sentido como verdadeiro do que o quíntuplo servindo como resposta a uma vida falsa e a um sonho frustrado. Melhor arroz-e-feijão do que vômito em meu prato... Concordando com a Janethe, Internet é só um laboratório, mesmo que muitos a tenham como Salvação ou Futuro.
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
18/6/2007
15h51min
[Leia outros Comentários de Adriano Cândido]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DO CERCO DE LISBOA
JOSÉ SARAMAGO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 29,00
+ frete grátis



SURFANDO NAS ONDAS ESPIRITUAIS
RON LUCE
VIDA
(1997)
R$ 5,00



SÃO PAULO E O MISTÉRIO DE CRISTO-MESTRES ESPIRITUAIS
CLAUDE TRESMONTANT
AGIR
(1964)
R$ 13,80



PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL
INGO W SARLET E TIAGO FEENSTERSEIFER
SARAIVA
(2014)
R$ 38,00



PASCAL - OS PENSADORES
COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 10,00



BÓRGIA: O PODER E O INCESTO
JODOROWSLY E MANARA
CONRAD
(2010)
R$ 36,00



SONHOS CUBANOS
CRISTINA GARCÍA
RECORD
(1999)
R$ 15,00



POÉSIES ET UN POÈME - STÉPHANE MALLARMÉ
STÉPHANE MALLARMÉ
INSTITUTO PROGRESSO EDITORIAL
(1947)
R$ 17,00



O HOMEM DE TERNO MARROM
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1999)
R$ 11,96



A CULTURA COMO ESPETÁCULO - EDUARDO SUBIRATS
EDUARDO SUBIRATS
NOBEL
(1989)
R$ 18,00





busca | avançada
31155 visitas/dia
1,1 milhão/mês