Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
>>> Ringue vago
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Manoel de Barros: poesia para reciclar
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Sionismo e resistência palestina
>>> O melhor da década na literatura brasileira: prosa
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Os desafios de publicar o primeiro livro
>>> Um ano na Provence
Mais Recentes
>>> História Econômica do Brasil
>>> O Tesouro dos Alquimistas
>>> Tao da Física
>>> Forma e Design
>>> A Aprendizagem do Ator
>>> Senhor das Sombras- Ele é Destruição...
>>> Le Guide Pratique des Nouvelles Thérapies
>>> Paraíso- a Cidade Santa e a Glória do Trono
>>> Mulher e Literatura
>>> A América Latina e a Crise Internacional
>>> Intuição e Estados de Ego
>>> Resumo de Criminologia
>>> O Crime nosso de cada dia
>>> A Ouvidoria Brasileira/Dez Anos da Associação Brasileira de Ouvidores
>>> Comunicação e Democracia/Problemas e Perspectivas
>>> Recepção Midiática e Espaço Público
>>> Garoto encontra Garota
>>> Cause Impacto!
>>> A Rainha da Fofoca Fisgada
>>> A Rainha da Fofoca em Nova York
>>> Superando os desafios íntimos
>>> Terra Sonâmbula
>>> A Rainha da Fofoca
>>> Todo Garoto Tem
>>> Tamanho 42 não é gorda
>>> Tamanho 44 também não é gorda
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu
>>> Pegando Fogo!
>>> Lembra de mim?
>>> Caçada Macabra
>>> Como eu era antes de você
>>> O Chamado do Cuco
>>> Nerve
>>> Traição entre Amigas
>>> O mundo dá voltas para meninas que não engolem sapos
>>> Guias Práticos Verbos: Empregos e Conjungação
>>> Tudo sobre meninos para meninas!
>>> Menina de vinte
>>> 20000 Léguas Submarinas - Edição Condensada
>>> Diário de um Banana - Dias de cão
>>> 365 dias do ano - Staying Strong
>>> Marina
>>> Blog da Cacau // Ninguém Merece
>>> Ai Amigas ! // Ninguém Merece
>>> A vida secreta das abelhas
>>> Luz del Fuego/A Bailarina do Povo
>>> Apaixonada por palavras. Crônicas.
>>> Quem é você, Alasca?
>>> A mala de Hanna - Uma história real.
>>> O tempo entre nós.
COLUNAS

Terça-feira, 29/5/2007
Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela
Marcelo Spalding

+ de 19900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Menina do outro lado do teclado, jovem, adolescente, filha, moça que já pode ser mãe, mãe, tia, avó, mulher que lê estas linhas enfraquecidas diante de um tema tão penoso, mulher que evita certos assuntos para não perturbar os sonhos, mulher que soma a todos os desafios comuns de nosso mundo o desafio de ser mulher, é chegada a hora de romper o silêncio. É chegada a hora de falar abertamente sobre o abuso sexual de crianças e adolescentes sob pena de a sociedade inverter a lógica e começar a acusar as vítimas, repetindo preconceitos e escondendo uma chaga social de todos os tempos, de todos os lugares, de todas as classes.

Eu poderia usar como gancho para escrever sobre este delicado tema o maravilhoso filme de Almodóvar, Volver, um conto belíssimo do último livro de Dalton Trevisan, "Tio Beto", ou ainda lembrar do romance recém relançado de Fernando Bonasi, Subúrbio. Mas muito já se tem escrito sobre o papel da arte na abordagem de temas como este e parece que finalmente a sociedade brasileira está madura o suficiente para lidar com tais temas de frente, em pesquisas acadêmicas, entrevistas publicadas na mídia, documentários para a televisão. Por isso falarei de Canto de cicatriz, documentário da gaúcha Laís Chaffe que tem feito bonito papel em festivais e chegou ao Canal Brasil neste mês de maio.

Com 37 minutos de duração na versão que foi ao ar pelo Canal Brasil, o documentário se concentra nas duas principais formas de violência sexual que atingem as meninas, o abuso e a exploração sexual comercial (na versão em 18 minutos, também disponível no DVD, o foco se concentra mais no abuso intrafamiliar). O tema é abordado a partir de uma perspectiva de gênero, contando inclusive com a parceria (leia-se captação de recursos) do coletivo Feminino Plural, pois, embora meninos também sejam abusados, as principais vítimas são crianças do sexo feminino.

Diante de tema tão delicado, Chaffe optou por compor o documentário com um mosaico de recursos, partindo do poema "Canção para a menina maltratada", feito especialmente para o documentário pelo escritor e psiquiatra infantil Celso Gutfreind e interpretado por Ingra Liberato. O poema, ao lado da música instrumental e de alguns takes de parques de diversões dão um tom lírico ao documentário (Laís também é escritora e grande leitora, especialmente de contos e poesias), embora os recursos jornalísticos também se façam presente: há inevitáveis e riquíssimos depoimentos de vítimas que relatam detalhes dos abusos sofridos, comentários de especialistas, filmes de ficção e enquetes nas quais ficam evidentes os mitos e preconceitos envolvendo o assunto.

Os depoimentos das meninas e mulheres, algumas dessas mulheres identificadas sem efeito especial ou contraluz, são evidentemente o ponto central do documentário, especialmente por evitar o sensacionalismo e priorizar a história: em apenas um momento a depoente chora, e ainda que a câmara não tenha cedido à tentação de fazer um close do rosto e das lágrimas, isso está longe de comprometer a sensibilidade e seriedade com que o tema é tratado. A depoente em questão é Iva, uma artesã adulta, muito bem articulada que conta não apenas do abuso como também deixa transparecer os efeitos na vida da mulher que deu lugar àquela criança: ela fala indignada dos covardes que fazem isso, pede que se denuncie, que não se cale, chora. Casada pela segunda vez há sete anos, diz que começou a se libertar do acontecido quando falou com seu marido sobre o caso, contando com todo seu apoio. Mais importante que suas palavras, porém, é o fato de não se esconder das câmeras e expôr não apenas sua história, mas seu belo rosto e seu doce olhar: é assim que Iva mostra ao telespectador que essas histórias são muito mais reais do que se pensa e estão muito mais próximas do que se pode imaginar.

Entre as histórias, a mais horrível é narrada por uma menina não identificada, já com seus vinte e poucos anos, que conta que era abusada pelo padrasto até o dia em que ele mesmo contou para a mãe da menina. Esta, indignada por achar que ambos a haviam enganado, começou a obrigar a menina a transar diariamente com o padrasto e seu filho, até o dia em que resolve que a menina deve transar com ela também. "Eu penso assim, não vai apagar, vão ficar marcas pro resto da vida, com certeza, se ver um filme vai sentir, se ficar sabendo de alguma história vai mexer um pouco, mas tem pessoas que vão acreditar, tem como ter uma vida normal depois disso, tem uma luz no fim do túnel, é preciso que se não confiar em alguém da família procure um amigo, uma professora, um vizinho, alguém vai acreditar e aí a pessoa vai conseguir terminar com aquele ciclo", diz a menina, que ainda admite ter muita dificuldade de confiar em qualquer pessoa, independente do sexo, embora esteja melhorando depois dos dois anos de terapia.

Outro ponto alto do documentário são as enquetes com populares, de grande destaque na versão em 37 minutos. Na verdade, Laís demonstra grande coragem ao incluir trechos destas entrevistas, pois são declarações surpreendentes que desnudam a hipocrisia do silêncio social: revela-se o imaginário de que o abuso sexual só acontece em famílias pobres, em vilas, e de que a culpa muitas vezes é da própria criança ou adolescente que teria seduzido o adulto. Opiniões correntes, mas extremamente cruéis com aquelas que aos quatro anos de idade foram submetidas a toques e carícias involuntárias, a constrangimentos que a acompanharam por toda a vida, marcando para sempre suas identidades tal qual cicatriz encravada na mais sensível das partes humanas: a honra.

Alternadas a estas opiniões, especialistas dão sua visão dos fatos, explicando, por exemplo, que o abuso sexual não ocorre apenas em classes humildes, o que existe é um abafamento, um silêncio tácito quando estes casos se dão em famílias de classes média e alta. Exatamente por isso o documentário, os especialistas e as entrevistadas a todo momento exortam as mulheres a romper este silêncio e denunciar o abusador por mais difícil que seja essa situação: por vezes ele está dentro de casa, convive no seio da família, é tio, pai, avô.

Longe de esgotar o assunto ou propor uma solução para esta chaga social tão cruel com as mulheres, Canto de cicatriz tem o enorme mérito de romper o silêncio e levar o assunto para a televisão, ainda que um canal obscuro da tevê paga. Quem sabe o próximo passo seja a publicação no YouTube, quem sabe mesmo a veiculação nos cinemas na abertura de um filme de ficção, um dia quiçá uma televisão aberta se interesse pelo documentário, ou pelo menos pelo tema, e assim você, menina do outro lado do teclado, jovem, adolescente, filha, moça que já pode ser mãe, mãe, tia, avó, mulher, enfim, pode não apenas orientar outras mulheres ao seu redor como denunciar sem constrangimento o seu caso, pois infelizmente, segundo estatísticas, mais de 10% das mulheres foram vítimas de algum tipo de abuso sexual na infância.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 29/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos
02. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
04. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
03. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
04. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007
05. Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela - 29/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/5/2007
17h56min
Olá! Seguramente, tocar nesse assunto é mexer em vespeiro. Sob a minha ótica, acho que o fato de mostrar tão crua realidade em um documentário não vai ajudar muito às mulheres, a não ser que fizesse parte de uma grande campanha, que fosse exibido em diversos canais abertos, em praças públicas, em escolas, gratuitamente. Mas, mesmo assim, as pessoas que são sujeitas a essas atrocidades não precisam do filme para saber como é. O que devemos pretender é que as campanhas contra esse tipo de crime devam ser enfocadas na conscientização da sociedade em relação à denúncia, e a certeza da população de que será atendida em seus direitos básicos. Não sei se terei coragem de assistir ao documentário, mesmo que seja muito bom, pois a realidade tal qual ela, em muitos aspectos, me assusta profundamente. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de adriana]
31/5/2007
18h04min
é um assunto delicado que temos de tomar cuidado pra não tratar com pieguice e não ceder ao senso-comum (que, como você bem nota, costuma estar comprometido com "a hipocrisia do silêncio social"). é muito negativo generalizar a complexidade desse tema, reduzindo-a à personificação daquele que abusa, muitas vezes pintado como "monstro" ou termo que o valha. o abuso de crianças não começa nas mãos do agressor; não só é socialmente silenciado, como socialmente estimulado - basta ver os programas de auditório em que meninas de quatro anos rebolam de mini-saia para uma platéia que urra e baba. mais, muito mais do que delicado, o assunto é extremamente complexo. mesmo uma afirmação como a de que o abuso de crianças é "uma chaga social de todos os tempos, de todos os lugares, de todas as classes", por mais óbvia que possa parecer, não deve ser dita sem reflexão. pois tal abuso só tem sido assim considerado nas últimas décadas. embora a opressão do mais fraco não seja nenhuma novidade.
[Leia outros Comentários de Marcos Visnadi]
4/6/2007
15h27min
Esse texto tem tudo a ver com o tema do meu tcc junto com mais duas amigas. Gostaria de saber como faço p/ encontrar esse documentário, tenho certeza que irá nos ajudar muito. Obrigada! Cíntia, Aluna de Jornalismo 7° semestre
[Leia outros Comentários de Cíntia Alcântara]
2/10/2007
4. Tema
00h46min
Estava em dúvida quanto ao tema do meu tcc, mas depois de ler esse texto, tenho certeza que esse será o meu tema. Parabéns pelo texto...
[Leia outros Comentários de Eliane Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANÁLISE ESTRUTURADA DE SISTEMAS
CHRIS GANE; TRISH SARSON
LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1983)
R$ 10,00



O REI DE RAMOS - DIAS GOMES (TEATRO BRASILEIRO)
DIAS GOMES
BERTRAND BRASIL
(1987)
R$ 10,00



UM ANIMAL TÃO HUMANO -COMO SOMOS MOLDADOS PELO AMBIENTE E PELOS ACONTECIMENTOS
RENE DUBOS
MELHORAMENTOS
(1974)
R$ 14,90



A RESSURREIÇÃO DE CRISTO
OG MANDINO
RECORD
(1981)
R$ 8,00



POR QUE O JUSTO SOFRE E O IMPIO PROSPERA?
SILAS MALAFAIA
GOSPEL
(2009)
R$ 5,10



LIMPEZA DE SANGUE
ARTURO PÉREZ-REVERTE
CIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 18,52



BERTOLT BRECHT
WALTER WEIDELI
FONDO DE CULTURA ECONÓMICA
(1969)
R$ 25,00



DIREITO ADMINISTRATIVO - QUESTÕES DA ESAF COM GABARITO COMENTADO
GUSTAVO BARCHET
ÍMPETUS
(2004)
R$ 19,85



TEX OURO Nº 41
SERGIO BONELI
MYTHOS
(2009)
R$ 8,00



A ÚLTIMA CARTA DE AMOR
JOJO MOYES
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 13,90





busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês