Baco está vivo e faz 4000 anos | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
>>> Ilustres convidados
>>> Por que comemorar o dia das mães?
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Notas de um ignorante
Mais Recentes
>>> Michael Jackson
>>> Psicoterapia e Sentido da Vida
>>> Biblia evangelho lucas
>>> Escola Frankfurt
>>> Pimentos & Compahia
>>> Cozinha Saudavél
>>> Beer Ultimate Word Tour
>>> The Great Wines Of France
>>> Viagem Pitoresca Do Brasil
>>> 100 Canetas de Sempre
>>> Fra Agélico
>>> O Prazer de Viver Ligjht
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Master of french Art
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> A Concepção Materialista da História
>>> Garbo
>>> Sucos Para a Saúde
>>> Whitney Houston
>>> Mecanismos Internos
>>> 1001 Discos para Ouvir Antes de Morrer
>>> Kyoto
>>> Tom Cruise - Biografia Não-Autorizada
>>> A Origem e o Retorno
>>> Nelson Rodrigues Na Tv
>>> As Naus
>>> As Mulheres de Meu Pai
>>> Edições de Planeta - Ramakrishna - O Louco de Deus
>>> Great Escapes Africa
>>> O escolhido legado
>>> O Pintor Da Vida Moderna
>>> Turner
>>> 30 Sabores receitas de Ensopados
>>> Os cadernos de Dom Rigoberto
>>> Tantra - Arte e Refinamento do Amor
>>> Amanhecer
>>> Mito e Religião Na Grécia Antiga
>>> O Gigante em Você
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> A cidade de cada um - coleção Vera cruz vol.46
>>> Armadilha ao Contrário
>>> Rimas Da Vida E Da Morte
>>> Carmo
>>> O Próximo
>>> Meu pequeno São-paulino
COLUNAS

Segunda-feira, 5/3/2001
Baco está vivo e faz 4000 anos
Rafael Lima

+ de 4700 Acessos

Na quarta capa do livro "Quatro Peças de Tema Grego" está escrito, bem nos moldes das edições da José Olympio daquela época: "Gregos com alma carioca invadem o teatro". O livro é uma coletânea de peças de Guilherme de Figueredo, entre as quais se destaca "Um Deus Dormiu Lá em Casa", texto mundialmente traduzido, encenado no Kremlim e na China, que transformou Mariinha Portocarrero em Tônia Carrero e provou a Paulo Autran que ter largado o Direito tinha sido uma opção correta. De tudo isso eu sabia quando abri o livro. O que eu não sabia é que já na década de 40 havia alguém emprestando bossa aos mitos gregos, ao juntar elementos clássicos e modernos.

Eddie CampbellAchava que era absolutamente original a idéia de Eddie Campbell, ao resgatar o deus grego Dionísio, Baco para os romanos, em inglês Bacchus, para protagonizar suas histórias em quadrinhos. Neil Gaiman já tinha utilizado divindades de um sem número de mitologias em Sandman, e ainda que as tratasse como pessoas normais, sempre deixava uma aura de reverência pairando sobre cada um deles. Inclusive porque ninguém vai se meter a bancar o engraçadinho com alguém que dispara raios de energia pelos dedos. Stan Lee, na década de 60, tinha trazido toda a família nórdica para a Marvel, transformando Thor, Loki e outro chifrudos em super-heróis, com uma linguagem teatral muito inusitada para algo tão pop como quadrinhos. Mas nenhum deles conseguira alcançar o equilíbrio de Eddie, ao retratar aqueles outrora tão poderosos seres, agora envelhecidos, decadentes, humilhados. Humanos.

Bacchus by Campbell

Na primeira página da primeira história de Bacchus, um meliante dialoga com um velho imenso trajado como um velho lobo do mar, de quepe e tudo, com uma quantidade imensa de rugas - pense no rosto do Marlon Brando de Apocalipse Now! rasgado pelo vento e pelas marés -, vizinho seu de cela na cadeia: "Por que cê veio parar aqui, ô coroa?" "Bebedeira e baderna" "Ha ha ha....Você parece velho o bastante para saber como é" "4000 anos chegam?" "Qual é o seu nome, falando nisso?" "Baco, o deus do vinho" "Vocês deuses não eram imortais?" "É mesmo" "Então como é que você ficou tão acabado assim" "Muito vinho, mulheres e música".

Joe TheseusNas próximas páginas o leitor descobre que apenas alguns dos então nobres heróis e deuses gregos (Hermes, Teseu, ou melhor, Joe Theseus) ainda estão vivos - não é por acaso que o título é Imortalidade Não é para Sempre - e sofrem as conseqüências de querelas e mal-entendidos começados há 4000 anos. Exatamente essas rixas primordiais, além de lendas e desencontros clássicos são inseridos em flashbacks onde se conta, por exemplo, como Zeus perdeu todo seu poder para The Eyeball Kid, um ser de 10 pares de olhos, filho de Argus, o monstro de 1000 olhos, que seguiu uma carreira de fora-da-lei ao longo da História, ganhando esse codinome no Velho Oeste.

Eyeball KidAs duas primeiras histórias (Imortalidade... e Os Deuses dos Negócios), além de definir um background para os personagens principais, fazendo uma verdadeira limpa, conjugam com talento mitos clássicos e sequestros de avião, problemas conjugais e filosofia, EyeBall Kid e Joe Theseus, equilibrando diálogos e cenas de ação no que provavelmente é o estilo de narrativa mais fluente nos quadrinhos de hoje. Particularmente especial é o uso das splash pages - aquelas páginas inteiramente ocupadas por um único quadrinho - seja em cenas de briga, quando a revista parece tremer nas mãos com o estrondo dos murros, seja num comovente recurso narrativo, quando após se jogar ao mar, desgostoso, Theseus ouve uma voz ao fundo lembrando-lhe de sua origem divina, e vira-se, deparando-se com a imensa imagem de Netuno a lhe proteger: "Poseidon, my father, god of all the seas!". Um deslumbre.

Essa mistura de ação e filosofia é posta de lado por Eddie nas histórias seguintes, depois de gastar algumas páginas contando o que teria acontecido com o seu elenco após o reencontro. Parte da graça aqui é observar as experimentações de técnica e estilo: do nanquim puro para retículas, passeando pela colagem; uma história inteira inspirada nos moldes de apelo visual da Image Comics. Mas o filé está mesmo em Doing the Islands e 1001 Nights of Bacchus.

A primeira se resume a um passeio pelas ilhas gregas de Bacchus e Simpson, professor de História e fiel escudeiro, onde Bacchus relembra passagens marcantes de sua vida, teoriza sobre a colheita da uva, e joga conversa fora. A segunda, parte de uma britânica aposta: os fregueses de um pub protestam quando toca o sino da última rodada, alegando que o próprio deus do vinho, emburrado, como de costume, num canto, não deveria ser contrariado. O barman topa permanecer soltando a cerveja enquanto eles conseguirem manter Bacchus acordado narrando histórias. É o mote para a melhor sequência de histórias de bar já vista, onde se recria o ambiente etílico com a mesma verve de um conto do Veríssimo, com a mesma naturalidade de uma novela do Bukowski.

O mais interessante é que depois de uma dúzia de histórias longas, Eddie Campbell parece ter se dado por satisfeito e abandonou os personagens gregos. Abandonou até os fictícios - mesmo Alec MacGarry, seu alter ego nos quadrinhos, e toda a trupe do pub King Canute, recordações proustianas dos tempos de iniciante, quando trabalhava cortando chapas de aço com uma guilhotina, foram postos de lado. A crônica passa a ser o tom, e assim somos convidados a penetrar na intimidade da família Campbell, conhecer seus filhos, entender os problemas de se levar um estúdio de quadrinhos dentro de casa, enfim, fortalecer a típica cumplicidade leitor-autor.

É hilariante, por exemplo, o choque entre o fleuma anglo-saxão de Eddie e a descontração ibérica na visita a convenções de quadrinhos espanholas. "Nada funciona na Espanha" tem um começo antológico: "A esteira das malas no aeroporto demora horas para começar a funcionar. Quando finalmente se decide, a primeira coisa que aparece é um tubo de xampu." Todo o processo de venda dos direitos de From Hell, graphic novel de 600 páginas sobre os crimes de Jack o Estripador, para Hollywood também aparece devidamente registrado sob a ótica particular do autor. Até aquela vez em que ele esqueceu um lápis quando tinha ido fazer um bico como desenhista de tribunal rende uma boa piada.

Eddie Campbell Eddie Campbell's Bacchus é auto-publicado todo mês, com aproximadamente 50% de material novo, 25% republicações de coisas antigas e 25% de amigos. No final de 99 saiu a edição completa de From Hell, em parceria com Alan Moore, depois de quase 10 anos e 2 editoras. Um filme da Touchstone está sendo produzido com Johnny Deep e Heater Graham. Portanto, quando o filme estreiar nos cinemas, não bronqueie com a açucarada que a Disney deu na violência ou com alguma incongruência do roteiro. Melhor pensar no cheque que comprou a casa nova na Austrália onde a família Campbell reside e de onde Eddie gera suas deliciosas histórias todo mês.


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 5/3/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
02. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
04. Livrarias de Ricardo de Mattos
05. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GIBI EDIÇÃO MARAVILHOSA Nº 89 - CANGACEIROS ( EBAL-1ª SÉRIE-1954
JOSÉ LINS DO REGÔ
EBAL
(1954)
R$ 50,00
+ frete grátis



LAGARTAS ESPERTAS - COL. SURPRESAS COLORIDAS
WENDY MCLEAN & DEE TEXIDOR
TODOLIVRO
(2005)
R$ 25,00



A CIDADE ILHADA
MILTON HATOUM
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 15,00



A ARTE CAVALHEIRESCA DO ARQUEIRO ZEN
EUGEN HERRIGEL
PENSAMENTO
(1979)
R$ 19,87



A LEI DE MURPHY SEGUNDA PARTE
ARTHUR BLOCH
RECORD
(1997)
R$ 10,00



ABBA - QUANDO A VIDA É UMA FESTA!
ABBA
ESCALA
(2012)
R$ 15,90



O MONTE CINCO
PAULO COELHO
OBJETIVA
R$ 4,90



O BRASIL DOS SERTÕES
ALEXANDRE BARROSO
DUNAS RACE
(2016)
R$ 5,40



ADOLPHE MONOD'S FAREWELL
OWEN THOMAS - TRANSLATOR
THE BANNER OF TRUTH
(1962)
R$ 35,00



HISTÓRIAS DE VIDA
LOUISE L. HAY
MADRAS
(2012)
R$ 17,50





busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês