Corpos | Orlando Tosetto Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
>>> Lançamento: Smoked Rib Burger é a mais nova atração da Stage Burger
>>> JOALHERIA BRASILEIRA, HISTÓRIA, MERCADO E OFÍCIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
>>> Dinheiro não tem cheiro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Roubalheira vai parar o Brasil
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Mens sana in corpore sano
>>> Only time will tell
Mais Recentes
>>> Inverno do Mundo - Livro 2 da Trilogia o Seculo
>>> A Fé de Abraão
>>> Variantes Na Visualidade
>>> Satisfação Do Cliente - A Outra Parte Do Seu Trabalho
>>> Relatos De Sonhos E De Lutas
>>> Exílio: Testemunho De Vida
>>> Botânica Criptogâmica Volume 1 - Algas E Fungos
>>> Histórias Para O Coração
>>> A Garota no Trem
>>> Teoria Geral Dos Sistemas
>>> A Doçura Do Mundo
>>> A Expedição Kon Tiki
>>> Loucuras Do Futebol - 288 Histórias Reais E Absurdas
>>> Nuances Da Memória
>>> O Batuque Afro-brasileiro De Nélson Silva
>>> Tibério: As Memórias Do Imperador
>>> Manual Del Karma
>>> Eras Livro 1: Despertar
>>> A Condição Humana
>>> Os Retratos De Oscar Wilde
>>> Romance Negro E Outras Histórias
>>> Dás Um Banho - Roberto Alves: O Rádio, o Futebol e a Cidade
>>> Essa História Está Diferente
>>> A Região Costeira Meridional De Santa Catarina
>>> Cidade Democrática
>>> Almanaque Anos 70
>>> Almanaque 1964
>>> Enciclopédia do Estudante
>>> O futuro da arquitetura
>>> Manual Completo Do Automovel
>>> Passagens
>>> A Crise Dos 25
>>> A Proteção Do Sagrado
>>> Lições De Trevas
>>> Biblioteconomia No Brasil
>>> Crônicas De Vinho - In Vino Veritas
>>> Escrevendo Pela Nova Ortografia
>>> Vem, Senhor Jesus- Um Estudo do Livro de Apocalipse
>>> Elos da mesma corrente
>>> A Taça De Ouro
>>> Londres Chama
>>> Relações
>>> Turismo E Legado Cultural
>>> A Jornada Volume 2 - Caminhada Diária Com Deus
>>> Aquele mundo de Vasabarros
>>> Balada Do Pensamento
>>> O Menino Da Rosa
>>> Joana e os três pecados
>>> Responsabilidade No Trabalho
>>> Euclides Da Cunha: Da Glória Literária À Morte Trágica
COLUNAS

Sexta-feira, 28/9/2001
Corpos
Orlando Tosetto Junior

+ de 3200 Acessos

Não vou falar de cinema. É verdade que parecia; é verdade que lembrava. Mas tanto pareceu, e tantos se lembraram, que tudo bem. Não, nada de cinema.

Não vou falar de culpas. Todos as têm. É bom que a gente saiba que a inocência acaba no primeiro berro, e depois só faz é descascar ao longo da vida. Por detrás de cada par de olhos se esconde um tudo; e Hamlet dizia... não, Hamlet dizia coisas muito tristes. Todos têm culpa, fiquemos assim, que assim é que é.

Não vou falar de dor. Coisas acontecem que nos fazem pensar, ou lembrar, que a dor é mais ou menos constante; é pano de fundo. Coisas acontecem para mitigá-la, obliterá-la por instantes, fazer com que a esqueçamos. Mas ela está lá; vem junto com o primeiro pensamento. Não vou falar de dor porque estamos todos perdidos e confusos, e o número de nortes é infinito como o de narizes. Pobres narizes infelizes.

Não vou falar de horror. Outro que, pensando bem, deita na cama conosco. Outro que nasce com o entender. Outro que não tem explicação, ou tem todas; outro que pede todo o silêncio possível.

Não vou falar de choque. De épater a burguesia, que parecia, a esta altura, incapaz de se chocar. Não falo do infinito poder do choque. Do que é levar uma paulada na cabeça, do que é, de novo e de novo, o poder explosivo de compreender.

Não vou, portanto, falar da maldição do entendimento.

Vou falar de morte. De mortos. De cadáveres. De gente explodida, queimada, esmagada, com membros decepados. Falar de sangue espalhado, de tripas, de pedaços de carne grudados em pedrinhas, de vergalhões espetados no peito, de pulmões cheios de pó. De órbitas vazadas, de fezes, de urina tinta de vermelho, de bexigas ao vento. De seios estourados, mechas de cabelos balançando como anêmonas, de um sorriso grudado a uma laje. De fedor, de ossos, de um sapato solitário apoiado sobre um parapeito. Da fina gordura branca fazendo um traço na areia. De anéis amassados, esmalte ameixa sobre pedaços soltos de unhas, um colar desfeito. De perfume besuntando tijolos caídos. De gumex, henna, cílios postiços que flutuam como dentes de leão.

Falo de gente morta, da coisa horrível que é gente morta. Pessoas lado a lado como estátuas, etiquetas amarradas nos dedos que restaram, formol, clarinadas, bandeiras e serviço religioso. A coisa simples e auto-resolvível que é uma pessoa morta. Muitas, muitas, muitas pessoas mortas.

Não falo de piedade, de reconhecimento, de revolta, de indiferença. Falo só de mortos. Muitos e muitos mortos. Vamos esquecê-los depressa, trocá-los por outras coisas, eleger símbolos, guardar imagens: uma torre explodindo ou desabando, um avião desgovernado. Nem sempre nos lembraremos da morte física, dos corpos, dos cheiros. Não nos lembraremos do que não vimos.

Repentinamente descolados dos nossos umbigos, voltaremos. No dia-a-dia, nossos horrores são outros. E cada corpo, cada morto novo, em vez de ser uma lembrança, será sempre uma surpresa. Porque ninguém se lembra de cadáveres.

Para ir além

SpamZine


Orlando Tosetto Junior
São Paulo, 28/9/2001


Mais Orlando Tosetto Junior
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POLIANA MOÇA
ELEANOR H. PORTER
EDIOURO
(2002)
R$ 5,00



O CAMINHO DA CURA- DESPERTANDO A SABEDORIA INTERIOR
DEEPAK CHOPRA, M.D
ROCCO
(1999)
R$ 9,50



POEMAS EM PROSA E SALOMÉ - OSCAR WILDE (TEATRO E LITERATURA INGLESES)
OSCAR WILDE
EDIOURO
R$ 8,00



LA VIERGE MARIE
JEAN GUITTON
AUBIER
(1940)
R$ 29,80



VÍRUS - O PERIGO BOATOS NAS EMPRESAS
FERRAN RAMON CORTÉS
ACADEMIA
(2008)
R$ 6,90



A PALAVRA DE DEUS: UM REMÉDIO INFALÍVEL - KENNETH E. HAGIN
KENNETH E. HAGIN
GRAÇA
(2000)
R$ 4,00



EM CARNE VIVA
MARIA DA GLÓRIA CARDIA DE CASTRO
MODERNA
(2005)
R$ 7,00



EL COMPROMISSO - 38200
ELIAH KAZAN
EB
(1968)
R$ 10,00



A CURA PELA CONSCIÊNCIA- TEOMANIA E STRESS
CLÁUDIA BERNHARDT DE SOUZA PACHECO
PROTON
(1983)
R$ 10,90



TAIZÉ - UM SENTIDO PARA A VIDA
OLIVIER CLÉMENT
PAULUS
(2004)
R$ 31,50





busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês