Como era gostoso assistir à Sex and the City | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
>>> Melhores Blogs
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Apontamentos de inverno
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
Mais Recentes
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
>>> Machu Picchu
>>> Cidade Escola - Série Jovens Utopias Livro 3
>>> Dr. Clorofila Contra Rei Poluidor
>>> Trio Enganatempo - Sua Mãe Era Uma Neanderthal
>>> Através Do Espelho
>>> Watchman nee ( O Poder latente da alma )
>>> Oh! Dúvida Cruel 2
>>> Felicidade Em Um Mundo Material
>>> Coleção Enem & Vestivulares Volume 7 - Física
>>> Para Homens Na Crise Dos 40
>>> O Elo Perdido- Classe E Identidade De Classe
>>> Progresso Editora: Tribuna e Paixão de Pinto de Aguiar
>>> Criando Clientes
>>> Coroa Cruel
>>> Aurora Boreal
>>> Práticas Corporais - Volume 3
>>> A Rainha Vermelha
>>> Espada de Vidro
>>> Botânica Criptogâmica Volume 2 - Briofitos E Pteridófitos
>>> Abominação
>>> Afinal Por Que Nossos Alunos Não Aprendem?
>>> Branca de Neve tem que morrer
>>> Sexo: Bloqueios E Desbloqueios
>>> Dezessete Luas
>>> A Googlelização de Tudo
>>> Português Série Novo Ensino Médio Volume Único
>>> Talento Para Ser Feliz
>>> A livraria 24 horas do Mr. Penumbra
>>> Os Deuses Subterrâneos
>>> Pequim em Coma
>>> Para Gostar De Ler 29 - Nós E Os Outros
>>> O homem que foge
>>> Lincha Tarado
>>> Silas Malafaia ( lições de vencedor)
>>> Alongamento - Uma Abordagem Anatômica
COLUNAS

Quinta-feira, 26/6/2008
Como era gostoso assistir à Sex and the City
Elisa Andrade Buzzo

+ de 6700 Acessos

Não se assuste se reconhecer que a única sala do Jean Vigo nem parece cinema. Antigo teatro, hoje ela funciona quase como um cineclube particular, pois não foi uma nem duas vezes que nos esparramamos nas poltronas de veludo vermelho e, esperando as cortinas se abrirem ― literalmente ―, nos demos conta de que éramos a única platéia.

Numa das sessões infantis, mal sabia a menininha ao pedir "dois para Dark Crystal" que neste cinema você não escolhe o filme, o filme é que te escolhe. Depois, não há 15 minutos de trailer ― coisa rara. E o que isso tem a ver com Sex and the City? Talvez pouco.

Pois este longa-metragem não estava em cartaz por lá. Quem sabe daqui a 40 ou 50 anos... Mas neste mês, numa série de perfis de mulheres, me deparo com um daqueles que quebram a monotonia do balcão superior: Bonequinha de Luxo. Dou de cara com Holly (Audrey Hepburn) tomando um simples café-da-manhã enquanto observa as vitrines da Tiffany's em Nova York, tamanha sua obsessão por diamantes. Na hora penso em Carrie Bradshaw e sua loucura por sapatos Manolo Blank, a euforia histérica por uma Louis Vuitton. Enquanto Audrey Hepburn traz uma pequena legião ao cinema e ainda calça pezinhos com sapatilhas por aí, o quarteto fantástico de Sex and the City está no auge.

Antes, e mesmo poucas semanas depois da estréia do filme, impossível não ser tomado pela enxurrada de cartazes nas ruas, nos pontos de ônibus, no metrô e não se perguntar "qual dos vestidos é o mais bonito?" diante das diferentes versões de publicidade. Toda sorte de promoções circundava os grandes cinemas e lojas de maquiagem, mas não tive paciência em preencher formulários de adesão. As páginas de celebridades pipocavam notícias da pré-estréia londrina e nova-iorquina de Sex and the City. Mistério ainda rondava o enredo do filme e mais noticiável do que ele próprio talvez fosse o figurino das atrizes, verdadeiros ícones fashion, no tapete vermelho. Por que Sarah Jessica Parker tem que se afirmar com seu chapéu-pavão? O que dizer, então, de sua atitude equilibrada frente à descoberta de seu nada inédito Nina Ricci?

Sem contar as revelações de cunho pessoal, do tipo: Sarah Jessica e Kim Cattrall não se bicam fora das telas, Kristin Davis era alcoólatra, ninguém diria, ou a reviravolta na vida amorosa de Cynthia Nixon. Tudo só aumentava mais a curiosidade em torno do fenômeno que me afogava, ainda que em simples passeio pela cidade. O ringtone com a música tema soava ardido num dos ramos do tramway. Numa banca sou cercada e confundida por uma Sarah Jessica Parker de mil caras radiantes. Resisto ao cerco e volto para casa sem revista alguma, mas decidida a conferir o resultado da série na telona.

Gostoso mesmo era assistir a série na boca da madrugada com os pés pra cima da mesinha de centro. Minha sonolência na nuca não questionava como uma colunista podia ter um guarda-roupa tão recheado, nem como uma fumante poderia ter um sorriso tão perfeito. Era divertido acompanhar os episódios; sem querer se imaginar em Nova Iorque e acordar em São Paulo. Algumas rugas depois, a cidade seria outra e o seriado se transformaria em filme.

O filme? Também foi divertido acompanhar a quantidade de mulher por metro quadrado numa sala de cinema cheirando à pipoca e Häagen-Dazs. Os únicos homens presentes, acompanhados. Gostei das idas e vindas do casamento da Carrie. Em algumas cenas ficava meio difícil prestar atenção nos diálogos diante do figurino trabalhadíssimo. Mas no final das contas parecia que nada daquilo importava, havia um clima de comunhão e celebração sutil entre as fãs. Felizes para sempre, bem resolvidas, ou quase, este conto de fadas nova-iorquino ainda lembra o antigo Sex and the City?

"No entanto, tudo aquilo que acontecia em narrativa ágil, textos curtos e 21 minutos no programa exibido pela HBO, agora se estende preguiçosamente na telona, durante mais de duas horas. E no cinema, os erros do seriado crescem como se a pinta no queixo que Bradshaw tenta esconder estivesse exposta em um microscópio." Piadinhas à parte, o trecho desta matéria talvez explique minha preferência à série. Seria uma questão de tempo?

Volto à minha esquecida Holly e seus problemas de amor e identidade, pois foi ela quem reavivou Sex and the City, o filme, em mim. Depois de tentar engatar, sem sucesso, dois casamentos com milionários, a devoradora de diamantes em crise existencial foge da amizade colorida com um prosador fracassado, Fred (George Peppard). Em meio a rats e super rats, mal sabe a bonequinha que sua felicidade não sairá pelas vitrines da joalheria...

Nem Vivianne Westwood ou milionário brasileiro, mas um tailleur qualquer, uma bijouteria encontrada num doce, mesmo que gravada pela generosa Tiffany's. O final da história, seja entre a escritora Carrie e Mr. Big ou entre o escritor Fred e Holly, é parecido. Afinal, para que servem as grifes se as protagonistas acabam por desprestigiá-las, senão para colocar-nos, meros mortais, no lugar do sonho?


Elisa Andrade Buzzo
Bordeaux, 26/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
02. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
03. A maldade humana de Gian Danton
04. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
05. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. Olimpíadas sentimentais - 28/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DAO DE JING
LAOZI
HEDRA
(2007)
R$ 35,00



UM GUIA PASSO A PASSO PARA A APLICAÇÃO DA REFLEXOLOGIA
INGE DOUGANS, SUZANNE ELLIS
CULTRIX
(1999)
R$ 71,90
+ frete grátis



PESQUISA DE MARKETING 1 (METODOLOGIA, PLANEJAMENTO) - FAUZE NAJIB MATTAR
FAUZE NAJIB MATTAR
ATLAS
(1996)
R$ 3,00



SUSURRO HUSH, HUSH
BECCA FITZPATRICK
INTRISECA
(2012)
R$ 10,00



HIPNOSE ERICKSONIANA
JOVINO DA SILVA ALVES ARAUJO
SODRE
(2004)
R$ 38,20
+ frete grátis



CADILLA K.K.K.
JAMES LEE BURKE
RECORD
(2001)
R$ 10,00



CARTAZES CUBANOS - UM OLHAR SOBRE O CINEMA MUNDIAL (CINEMA)
RUI DE OLIVEIRA (ILUSTRADOR) CEF
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
(2009)
R$ 20,00



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUESA
PASQUALE E ULISSES
SCIPIONE
(2002)
R$ 10,00



INSTRUÇÃO: O PRESBÍTERO, PASTOR E GUIA DA COMUNIDADE PAROQUIAL
CONGREGAÇÃO PARA O CLERO
EDIÇÕES CNBB
(2011)
R$ 7,50



ARQUITETURA DE METRÔ
ARNO HADLICH, MARC DUWE E EDUARDO VELLO
VJ
(2012)
R$ 140,00





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês