Como era gostoso assistir à Sex and the City | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
33365 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Em agosto, o Largo do Machado receberá a segunda edição do Hoje é dia de comer na rua
>>> ÀTMA - De que tamanho é o teu deserto?
>>> Vivo EnCena traz Paulo Betti a São Paulo com Autobiografia Autorizada
>>> EAS, novo filme de ação brasileiro tem toque de Hollywood
>>> Memória da Eletricidade realiza a terceira edição do Preserva.ME
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Cubica(mente)
>>> Adentrando o mundo humano - Pensamento
>>> Modelar(mente)
>>> Trans(corrente)
>>> Quanto às perdas III
>>> O pão nosso de cada dia
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> Mazelas do coronelismo
>>> Dizem que a crítica acabou; só se foi quando o verão chegou
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> 15 destaques do cinema internacional em 2005
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> Renato Russo: arte e vida
>>> Fragmentos para a História da Filosofia, de Schopenhauer
>>> O inventário da dor de Lya Luft
Mais Recentes
>>> A questão judaica
>>> AION - Estudos sobre o simbolismo do Si-Mesmo
>>> Psicologia e Religião Oriental
>>> Psicologia e Religião
>>> Resposta a Jó
>>> Interpretação Psicológica do Dogma da Trindade
>>> Os símbolos da transformação na missa
>>> Mysteryum Coniunctionis
>>> Mysteryum Coniunctionis
>>> Um Judeu sem Deus
>>> O Rei do Cinema Luís Severiano Ribeiro
>>> Signo antologia metapoética
>>> Psicoterapia e Sentido da Vida. Fundamentos da Logoterapia e análise existencial
>>> Um Sentido para a Vida
>>> A Presença Ignorada de Deus
>>> Psicoterapia para todos
>>> Tilly And The Wild Goats
>>> Jogos Vorazes
>>> CSI: Investigação da cena do crime. A cidade do pecado.
>>> Política pra quê?
>>> Criando meninas
>>> Criando meninos
>>> As tribos do mal. O neonazismo no Brasil e no mundo
>>> A auto-estima do seu filho
>>> A inconfidência mineira - História do Brasil
>>> As 100 melhores piadas de todos os tempos
>>> A independência do Brasil - História do Brasil em quadrinhos
>>> A revolução francesa - história mundial em quadrinhos
>>> Far Out Isn't Far Enough: Life in the Back of Beyond
>>> Sortes de Villamor
>>> Dizem que sou louco
>>> Dar sentido à vida. A Logoterapia de Frankl
>>> Antropologia e Psicanálise. Uma introdução à produção simbólica, ao imaginário, à subjetividade
>>> Respeita os teus limites. Fundamentos Filosóficos da Terapia da Imperfeição
>>> Contos e lendas afro-brasileiros- A criação do mundo
>>> O conde de Monte Cristo
>>> Em chamas
>>> A esperança
>>> Depois daquela viagem
>>> Na Luz Perpétua. Leituras religiosas da Vida dos Santos de Deus, para todos os dias do ano, apresentadas ao povo cristão. (II Volume)
>>> New english file
>>> Realidades Adaptadas
>>> Strang Angels
>>> A Criação como Eucaristia
>>> 2001 Uma Odisseia no Espaço
>>> Peça e Sera Atendido
>>> As Sete Leis Espirituais do Sucesso
>>> A Saude Da Mulher
>>> A magia da Arrumação
>>> Contos de Pânico
COLUNAS

Quinta-feira, 26/6/2008
Como era gostoso assistir à Sex and the City
Elisa Andrade Buzzo

+ de 6700 Acessos

Não se assuste se reconhecer que a única sala do Jean Vigo nem parece cinema. Antigo teatro, hoje ela funciona quase como um cineclube particular, pois não foi uma nem duas vezes que nos esparramamos nas poltronas de veludo vermelho e, esperando as cortinas se abrirem ― literalmente ―, nos demos conta de que éramos a única platéia.

Numa das sessões infantis, mal sabia a menininha ao pedir "dois para Dark Crystal" que neste cinema você não escolhe o filme, o filme é que te escolhe. Depois, não há 15 minutos de trailer ― coisa rara. E o que isso tem a ver com Sex and the City? Talvez pouco.

Pois este longa-metragem não estava em cartaz por lá. Quem sabe daqui a 40 ou 50 anos... Mas neste mês, numa série de perfis de mulheres, me deparo com um daqueles que quebram a monotonia do balcão superior: Bonequinha de Luxo. Dou de cara com Holly (Audrey Hepburn) tomando um simples café-da-manhã enquanto observa as vitrines da Tiffany's em Nova York, tamanha sua obsessão por diamantes. Na hora penso em Carrie Bradshaw e sua loucura por sapatos Manolo Blank, a euforia histérica por uma Louis Vuitton. Enquanto Audrey Hepburn traz uma pequena legião ao cinema e ainda calça pezinhos com sapatilhas por aí, o quarteto fantástico de Sex and the City está no auge.

Antes, e mesmo poucas semanas depois da estréia do filme, impossível não ser tomado pela enxurrada de cartazes nas ruas, nos pontos de ônibus, no metrô e não se perguntar "qual dos vestidos é o mais bonito?" diante das diferentes versões de publicidade. Toda sorte de promoções circundava os grandes cinemas e lojas de maquiagem, mas não tive paciência em preencher formulários de adesão. As páginas de celebridades pipocavam notícias da pré-estréia londrina e nova-iorquina de Sex and the City. Mistério ainda rondava o enredo do filme e mais noticiável do que ele próprio talvez fosse o figurino das atrizes, verdadeiros ícones fashion, no tapete vermelho. Por que Sarah Jessica Parker tem que se afirmar com seu chapéu-pavão? O que dizer, então, de sua atitude equilibrada frente à descoberta de seu nada inédito Nina Ricci?

Sem contar as revelações de cunho pessoal, do tipo: Sarah Jessica e Kim Cattrall não se bicam fora das telas, Kristin Davis era alcoólatra, ninguém diria, ou a reviravolta na vida amorosa de Cynthia Nixon. Tudo só aumentava mais a curiosidade em torno do fenômeno que me afogava, ainda que em simples passeio pela cidade. O ringtone com a música tema soava ardido num dos ramos do tramway. Numa banca sou cercada e confundida por uma Sarah Jessica Parker de mil caras radiantes. Resisto ao cerco e volto para casa sem revista alguma, mas decidida a conferir o resultado da série na telona.

Gostoso mesmo era assistir a série na boca da madrugada com os pés pra cima da mesinha de centro. Minha sonolência na nuca não questionava como uma colunista podia ter um guarda-roupa tão recheado, nem como uma fumante poderia ter um sorriso tão perfeito. Era divertido acompanhar os episódios; sem querer se imaginar em Nova Iorque e acordar em São Paulo. Algumas rugas depois, a cidade seria outra e o seriado se transformaria em filme.

O filme? Também foi divertido acompanhar a quantidade de mulher por metro quadrado numa sala de cinema cheirando à pipoca e Häagen-Dazs. Os únicos homens presentes, acompanhados. Gostei das idas e vindas do casamento da Carrie. Em algumas cenas ficava meio difícil prestar atenção nos diálogos diante do figurino trabalhadíssimo. Mas no final das contas parecia que nada daquilo importava, havia um clima de comunhão e celebração sutil entre as fãs. Felizes para sempre, bem resolvidas, ou quase, este conto de fadas nova-iorquino ainda lembra o antigo Sex and the City?

"No entanto, tudo aquilo que acontecia em narrativa ágil, textos curtos e 21 minutos no programa exibido pela HBO, agora se estende preguiçosamente na telona, durante mais de duas horas. E no cinema, os erros do seriado crescem como se a pinta no queixo que Bradshaw tenta esconder estivesse exposta em um microscópio." Piadinhas à parte, o trecho desta matéria talvez explique minha preferência à série. Seria uma questão de tempo?

Volto à minha esquecida Holly e seus problemas de amor e identidade, pois foi ela quem reavivou Sex and the City, o filme, em mim. Depois de tentar engatar, sem sucesso, dois casamentos com milionários, a devoradora de diamantes em crise existencial foge da amizade colorida com um prosador fracassado, Fred (George Peppard). Em meio a rats e super rats, mal sabe a bonequinha que sua felicidade não sairá pelas vitrines da joalheria...

Nem Vivianne Westwood ou milionário brasileiro, mas um tailleur qualquer, uma bijouteria encontrada num doce, mesmo que gravada pela generosa Tiffany's. O final da história, seja entre a escritora Carrie e Mr. Big ou entre o escritor Fred e Holly, é parecido. Afinal, para que servem as grifes se as protagonistas acabam por desprestigiá-las, senão para colocar-nos, meros mortais, no lugar do sonho?


Elisa Andrade Buzzo
Bordeaux, 26/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As histórias magras de Rubem Fonseca de Cassionei Niches Petry
02. Amor (in)Condicional de Marilia Mota Silva
03. As cartas de Dostoiévski de Luiz Rebinski Junior
04. Histórias de robôs de Gian Danton
05. Um Paulo Francis ainda desconhecido de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. Olimpíadas sentimentais - 28/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




STEPPING IN STEPPING OUT
L. A. T. VAN DOOREN
THE LATIMER PUBLISHING CO
(1978)
R$ 24,00



ÉDUCATION ET COMMUNICATION INTERCULTURELLE
MARTINE ABDALLAH-PRETCEILLE E LOUIS PORCHER
PRESSES UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1996)
R$ 150,00



PSICOLOGIA APLICADA À ORIENTAÇÃO E SELEÇÃO PROFISSIONAL
OSWALDO DE BARROS SANTOS
PIONEIRA
(1963)
R$ 4,00



LUZIA-HOMEM
DOMINGOS OLÍMPIO
MODERNA
(2003)
R$ 15,00
+ frete grátis



SAPOS EM PRÍNCIPES- PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA
RICHARD BANDLER E JOHN GRINDER
SUMMUS
(1982)
R$ 19,60



LA HISTORIA ME ABSOLVERA - FIDEL CASTRO (EM ESPANHOL)
FIDEL CASTRO
EDICIONES POLÍTICAS - CUBA
(1983)
R$ 8,00



BRASIL DE TODOS OS ORIXÁS
PAI ROBERTO DE JAGUM
ÌCONE
(2013)
R$ 33,00



AS VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT
SOL / OBJETIVO
(2000)
R$ 7,00



WEAVING . THE WEB- THE ORIGINAL DESIGN AND ULTIMATE DESTINY OF THE WORLD WIDE WEB
TIM BERNERS LEE, MARK FISCHETTI
HARPER
(2000)
R$ 59,90



A ARTE DE EDUCAR: CRIANDO FILHOS NOTÁVEIS
KENDRA SMILEY E JOHN SMILEY
VIDA
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
33365 visitas/dia
862 mil/mês