Não ria! | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> ESCOLA PANAMERICANA REALIZA NOVA EDIÇÃO DO ARTESCAMBO
>>> Evento apresenta influência da gastronomia italiana na cultura de São Paulo
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> É de fibra
>>> O indomável Don Giovanni
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com o poeta Régis Bonvicino
>>> Pascal e a condição humana
>>> Alberto Caeiro, o tal Guardador de Rebanhos
>>> O gato diz adeus
>>> Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Sartre e a idade da razão
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Para você estar passando adiante
>>> Para você estar passando adiante
Mais Recentes
>>> Harmonia
>>> O Muro
>>> Tetralogia Monstro
>>> O Poder da Mulher que Ora
>>> Historia Geral Da Africa, Vol.2 Africa Antiga
>>> Revista de Cultura Brasileña - Número 39, junho de 1975 (ESPANHOL/PORTUGUÊS)
>>> Perspectivas da Cultura Brasileira - Miguel Reale
>>> Cenas de um casamento sueco - Ingmar Bergman (Cinema)
>>> Movimento Brasileiro: Contribuição ao estudo do Modernismo - Maria Eugênia da Gama Alves Boaventura (Arte e Ciências Humanas)
>>> André Malraux: Três aspectos e uma síntese (A aventura, a política, a arte) Frederico dos Reys Coutinho (Literatura Francesa)
>>> A música na Revolução Francesa - Enio Squeff
>>> A Invasão Cultural Norte-Americana - Júlia Falivene Alves (Cultura)
>>> Arte-Educação no Brasil - Ana Mae T. B. Barbosa
>>> Informação. Linguagem.Comunicação. - Decio Pignatari (Comunicação)
>>> Mito e Realidade - Mircea Eliade (Filosofia)
>>> A Holanda no tempo de Rembrandt - Paul Zumthor (Artes Plásticas)
>>> Portinari: Exposição de sua obra de 1920 até 1948 (Artes Plásticas)
>>> O Surrealismo - Yvon Duplessis (Arte/Estética)
>>> Museu Lasar Segall - 50 obras do acervo (Artes Plásticas)
>>> Arte & Deformação - Como entender a estética moderna - Assis Brasil
>>> El Arte: Formas de la conciencia social - V. Kelle/M. Kovalson (Em Espanhol) (Arte e Política)
>>> A Perspectiva - R. Taton & A. Flocon (Artes Plásticas)
>>> Cultura de Massa e Política de Comunicações - Waldenyr Caldas
>>> Problemas del arte en la revolución - Carlos Ragael Rodríguez (Em Espanhol)
>>> Itinerario estético da la Revolución Cubana - José Antonio Portuondo EM ESPANHOL(Estética)
>>> O Livro Perdido de Enki-Memórias e Profecias de um Deus Extraterrestre
>>> A Igreja
>>> Blecaute - 28ª ed.
>>> O Populismo na Política Brasileira
>>> Livro de Colorir Reino Animal
>>> Nas Trilhas da Crítica - Coleção: Críticas Poéticas
>>> Fé em Busca de Compreensão
>>> Carta aos Romanos
>>> Enciclopédia da Vida Selvagem - Animais da Selva III
>>> Mary Poppins
>>> Antologia Da Literatura Fantástica
>>> Saco de Ossos - 2 volumes
>>> Olhe Para Mim
>>> Guia Prático Enem - Matemática E Suas Tecnologias
>>> A Sombra Materna
>>> Histórias Da Vida Inteira
>>> Honoráveis Bandidos - Um Retrato Do Brasil Na Era Sarney
>>> Eternidade Mortal
>>> Ambientes Da Democracia Ambiental
>>> Trinta Anos Esta Noite - O que Vi e Vivi
>>> Pimenta Do Reino Em Pó
>>> Machu Picchu
>>> Cidade Escola - Série Jovens Utopias Livro 3
>>> Dr. Clorofila Contra Rei Poluidor
>>> Trio Enganatempo - Sua Mãe Era Uma Neanderthal
COLUNAS

Segunda-feira, 21/7/2008
Não ria!
Eduardo Mineo

+ de 4100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

O livro de Jó é, de longe, o melhor livro que li até agora na Bíblia. Eu sei que o que importa de verdade no livro é a demonstração de fé de Jó, mas como eu não me importo muito com o que importa de verdade, fico cismando com a desnecessidade de tudo aquilo. O Diabo, como sempre, é uma figura irresistível. Deve ser o personagem mais interessante que o homem já inventou, talvez depois apenas do velho príncipe Bolkonsky em Guerra e Paz, e com certeza o único com senso de humor na Bíblia. Acho engraçadíssima a seriedade quadradona de Deus e sua pequena dificuldade em entender as piadas do Diabo e tal. Jó, por exemplo, era ultra-fiel a Deus e todo mundo sabia disto. Deus sabia. O Diabo sabia. E o Diabo só fez uma piadinha inofensiva sobre isso, que perto das minhas piadas iria parecer alguém tentando ser engraçado no GNT. Ele diz algo do tipo "Jó é fiel, mas bate nele com uma ovelha pra Você ver". E Deus leva excessivamente a sério, não percebendo o tom irônico do Diabo. É então que manda dar umas porradas no Jó só pra ver qual que é a do coitado. Sem brincadeira, dá vontade de sacudí-Lo gritando "Era uma piada, porra! Uma piada, You bloody freak!"

Depois que matam toda a família do Jó e destroem tudo que ele tem só pra Deus ver qual que é a parada, tudo é devolvido em dobro ao Jó e, ao que parece, geral fica feliz com essa solução ― não me ficou claro se Deus duplica os parentes também, mas imagino que nem Ele seria capaz da crueldade suprema de duplicar uma sogra, acho. E, bom, geral fica feliz porque o Diabo ainda não tinha inventado os danos morais. Um bom advogado ― outra invenção muito curiosa do Diabo ― e Deus perderia todo o universo nessa brincadeira. Precisava mesmo?

De qualquer forma, o livro de Jó rendeu pelo menos a melhor cantada já feita na história do cinema, em Manhattan, de Woody Allen, que ele diz à Mariel Hemingway que ela é a resposta de Deus para Jó:

You're God's answer to Job. You would have ended all argument between them. He'd have said "I do a lot of terrible things but I can also make one of these." And Job would've said "OK, you win."

(Traduzindo: "Você é a resposta de Deus para Jó. Você acabaria com toda a discussão entre eles. Ele diria 'Eu faço muitas coisas terríveis, mas posso também fazer isto' ― e aponta para a garota. E Jó diria 'Ok, você ganhou.'")

Mas, entretanto, minha idéia era falar sobre um exagero no uso da seriedade. Prossigamos.

Se vocês não sabem de quem eu vou falar agora, tudo bem fingir que sabem, porque não há nada demais nisso, mas existem pessoas que escrevem muito melhor do que eu ― sério, existem mesmo! ―, que sabem muito mais do que eu e que, em geral, são muito melhores do que eu, mas que porre ler o que essa gente escreve. Usam a seriedade de uma forma tão equivocada que muitas vezes até me pergunto se estão falando sério mesmo. Lendo o sujeito, dá pra ver que o cara tem razão, que é um tipo incontestável e tudo mais, e que é óbvio que ele tem um conhecimento profundo sobre todas as coisas que eu não tenho, que ele comenta sobre tudo aquilo que eu gostaria de comentar, sempre tão bem articulado e tão perfeitamente bem escrito, mas, bicho, relaxa, suas frases parecem pesar uns 50kg.

Você vai lendo, vai lendo e seus olhos vão caindo, caindo, até que dá de cara com a mesa de tanto peso que o escritor colocou em suas frases. Fico impressionado comigo mesmo quando consigo virar uma página dessa.

Vejam, estou tentando não banalizar muito a seriedade, ou não deixá-los presumir que tenho alguma preguiça de exercitar os olhos em algum tipo comovente de supino ocular, mas será que não é possível ser sério sem parecer que vai de repente falar algo terrivelmente desagradável como, digamos, contar a morte de alguém ou discutir o existencialismo marxista? Tolstói, por exemplo. Mil páginas solenes de Tolstói exigem o mesmo esforço para se ler umas duzentas páginas de Evelyn Waugh, umas duas de Sartre. E isso deve ter alguma relação direta com a qualidade da pessoa que escreveu, não apenas por ela estar certa ou saber das coisas, mas por conseguir estar certa de um jeito melhor.

Eu, por mim, seria mais sério na medida em que acho favorável. Queria ter aquele jeitão do Omar Sharif em Doctor Zhivago, com uma farda cheia de medalhinhas, uma espada, bigode, essas coisas. Ele está sempre sério e mesmo assim é um barato ser daquele jeito. Acontece que, no meu caso, tenho uma percepção crítica demais e poucas coisas conseguem se pôr diante dos meus olhos e escapar impunes a isso. Seus detalhes vão sendo ridicularizados um a um de todas as formas que posso imaginar e claro que é bem difícil para qualquer pessoa manter a seriedade enxergando tudo de maneira distorcida e debochada como num eterno Corra que a polícia vem aí. A primeira coisa que me veio à mente quando comecei a ler o livro de Jó foi a possibilidade de uma edição para jovens no estilo MSN, que seria basicamente intercalar os diálogos entre Deus e Jó por "hauehaue". E até Deus deve ter rido desta.


Eduardo Mineo
São Paulo, 21/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A melhor Flip de Marta Barcellos
02. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
03. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
04. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva
05. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2008
01. Razoavelmente desinteressante - 18/2/2008
02. Dê-me liberdade e dê-me morte - 20/10/2008
03. Bem longe - 4/2/2008
04. Incoerente - 31/3/2008
05. Não ria! - 21/7/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/7/2008
11h51min
E dizem que depois de tudo, o capeta virou-se para Jó e disse, em inglês: "good Job". Ri demais aqui (essa coluna é um negócio muito sério, meu). Só uma pergunta: quem é o geral? Bom demais, abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
21/7/2008
11h57min
Muito bom. O mundo precisa mesmo de mais bom humor. Um abraço!
[Leia outros Comentários de Arcirio Gouvêa]
21/7/2008
17h18min
O livro bíblico de Jonas revela um outro lado de Deus. Não parece ser um Deus tão sério... A impressão que passa é a de que ele faz chacota das nossas mesquinharias (rs). Acho Deus melhor piadista que o Diabo. Ele fala como se risse o tempo todo... e dissesse: "Humanos..." Exagero na seriedade é ruim mesmo, tem que ter humor - ainda que negro, né? heuhauhuehua hihi
[Leia outros Comentários de Lais Vieira Viajante]
26/7/2008
08h04min
Acontece que Deus e o Diabo são figuraças supervaidosas, vivem medindo forças e, para isso, não se furtam de utilizar suas criaturas: a humanidade. Não se iludam: na mão desses dois estamos literalmente lascados!
[Leia outros Comentários de carlinhos medeiros]
26/7/2008
10h54min
Muito bom, muito bom. O que me agrada em seus textos (seus e não de Jó, ou de Deus ou do Diabo) é sua inteligência com uma pitada de ironia, sarcasmo e humor quase negro. Gosto disso. Cuidado com Deus que ele pode querer te testar também!
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
28/7/2008
11h42min
Interessantes as considerações de Mineo acerca de Jó que, segundo alguns historiadores, nasceu de uma lenda.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
29/7/2008
17h08min
Deus, em Sua onisciência, ao deixar que o livro de Jó entrasse nas Escrituras Sagradas, sabia que milhares de anos depois a gente iria rir de Sua falta de Espírito em comparação ao diabo. Por isso, foi mais irônico que o Capeta, Mineo e eu.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VERANICO DE JANEIRO
BERNARDO ÉLIS
ICBC
(2006)
R$ 14,00



VOCÊ PODE SER SANTO
PLINIO MOREIRA DA SILVA
ABECAR
(1984)
R$ 15,00



AS CURAS PARANORMAIS
GEORGE W. MEEK ( ORGANIZADOR)
PENSAMENTO
(1990)
R$ 9,20



O ASSASSINATO E OUTRAS HISTÓRIAS
ANTON TCHEKHOV
COSAC NAIFY
(2011)
R$ 15,00



MORTE E VIDA DE CHARLIE ST. CLOUD
BEN SHERWOOD
NOVO CONCEITO
(2010)
R$ 6,00



VENCEDORES VICIADOS- O VÍCIO NÃO ESCOLHE VÍTIMAS
ABRAHAM J. TWERSKI
MAAAYNOT
(2001)
R$ 9,50



POÉTICA MUSICAL: EM 6 LIÇÕES
IGOR STRAVINSKI
ZAHAR
(1996)
R$ 45,50



SOCIOLOGIA DA RELIGIÃO
F. FERRAROTTI - R. CIPRIANI - C. PRANDI - S. BURGALASSI - G. GUIZZARDI - R. STELLA - A. NESTI - E. PACE - D. PIZZUTI - G. DI GENNARO
PAULINAS
(1990)
R$ 34,00



EXTRAÇÃO DE DADOS PARA DATA WAREHOUSE 
MARCIO GONÇALVES
AXCEL BOOKS
(2003)
R$ 6,99



A GESTÃO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS DA TOYOTA
ANANTH V. IYER / SRIDHAR SESHADRI / ROY VASHER
BOOKMAN
(2010)
R$ 14,90





busca | avançada
36458 visitas/dia
993 mil/mês