Liam | Marina Marcondes Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Alexandre Hallais, um dos escritores mais evidentes da atualidade fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Adagio ma non troppo
>>> E Benício criou a mulher...
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
Mais Recentes
>>> Tríade Deutsch Perfekt - revistas
>>> Os Terceiros 2000 anos
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
>>> Criando filhos ( o modo de Deus )
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
COLUNAS

Terça-feira, 6/11/2001
Liam
Marina Marcondes Machado

+ de 4400 Acessos

O filme "Liam" (Stephen Frears/Grã-Bretanha, 2000), em cartaz em São Paulo, se passa durante os anos 30, em Liverpool. O espectador é levado a conhecer e a se reconhecer no garoto Liam, que aparenta ter lá seus 5 anos, mas pelo que se apreende no roteiro (aulas na escola e sua primeira comunhão, por exemplo) a personagem tem entre 7 ou 8 anos de idade. A direção de ator realizada com o garoto (Anthony Borrows) é excelente; sua personagem tem um problema de fala, uma espécie de gagueira, e o garoto é extremamente convincente.

O jornal "A Folha de São Paulo" classificou o filme em seu "roteiro" como "drama romântico" (sic), seguido de duas estrelas do ponto de vista do crítico; mas, do ponto de vista do espectador, o filme mereceria quatro estrelas, também segundo a "Folha". Já a resenha do "Estadão" afirma que o filme deixa a desejar, pois, para o comentador, não haveria nada de novo em se criar a narrativa cinematográfica através do olhar da criança, e afirma que não há "densidade" no roteiro. Eu discordo. Penso que a densidade é grande, e muito comovente, porque vai-se construindo, lentamente, ao longo da narrativa, culminando no ato anti-social cometido pelo pai no final do filme, que, por ironia do destino, machucará sua própria filha.

O cinema que se utiliza da personagem criança consegue nos transportar para novos-velhos horizontes, e, a meu ver, ganha novos matizes, com cada produção realizada. É o caso do filme "Liam". Se a Psicologia infantil, que nos parece estagnada e normatizada em princípios intelectualistas e "universais", desse mais atenção ao cinema, todos (pacientes e terapeutas, alunos e professores, pais e filhos...) teriam a ganhar.

Vamos sendo capturados pelo modo de apreender o mundo de Liam, que convive com os pais, um irmão já quase adulto e uma irmã com mais ou menos14 anos de idade, além de freqüentar a escola. O pai, enfrentando as dificuldades econômicas do pós-guerra, lá pelas tantas perde o emprego e, depois de um período, cai na tentação ideológica do nazismo, movimento em ascenção. O filho mais velho é trabalhador braçal, e sua filha arranja, no decorrer da trama, um trabalho como empregada doméstica numa família judia e rica, de modo a sobreviverem. Preparando-a para o primeiro dia de trabalho, a mãe lhe diz: "Não vá lavar a latrina! Filha minha não lava latrina de outra família!" - coisa que, obviamente, acontecerá praticamente na cena seguinte. Sua adolescência também é invadida e violada por um romance adúltero que ela deve acompanhar e proteger, entre sua patroa e um amigo.

Mas não é o foco em conflitos sociais, trabalhistas ou políticos que nos concentra; inicialmente focamos nossa atenção, e afeto, apenas em Liam, mas, aos poucos, o que nos mobiliza de fato são os modos de relação entre as pessoas - adulto-criança, patrão-empregado, irmão irmã, católico-protestante... E, especialmente, a relação entre catequizador-catequizado.

Para espectadores adultos que tiveram formação católica, do tipo "convencional" ou praticante - isto é, com educação religiosa e moral voltada para a culpabilidade do confessionário - as cenas escolares de descrições do que é o inferno, e do que acontece ao pecador, são impactantes. Estava no cinema acompanhada por um amigo judeu que, depois do filme, perguntou-nos jocosamente e inúmeras vezes se realmente a formação religiosa das crianças era feita daquele modo... E penso que é de maneira metalingüística, pelo viés da culpabilidade, que o enredo se constrói - e nos supreende, inclusive, com o doloroso desdobramento final.

A densidade da experiência de assistir "Liam" está na somatória vivida pelo espectador ao se ocupar com todos os personagens, que o faz ir e vir, oscilando entre todos os pontos de vista - e, ao final, como sair do cinema?

Fazer com que o espectador se sinta próximo de sua infância e também atento às infâncias que estão sendo vividas no mundo contemporâneo, fora da tela e da sala de cinema, é um dos desdobramentos importantes para o espectador deste filme de Stephen Frears, cineasta de "Os Imorais", "Ligações Perigosas" e outros. As mulheres provavelmente sairão enxugando as lágrimas e colocando seus óculos escuros, se os possuirem - e estiverem à mão. Os homens talvez pensarão, catarticamente: "Que bom que não é aqui e agora!..." - sem se dar conta de que, o que há de mais específico e puramente pessoal, ou até mesmo infantil no filme "Liam", é o que há de mais geral e tocante: a lembrança do sentimento de infância.


Marina Marcondes Machado
São Paulo, 6/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
03. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
04. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
05. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry


Mais Marina Marcondes Machado
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PESSACH: A TRAVESSIA - CARLOS HEITOR CONY (LITERATURA BRASILEIRA)
CARLOS HEITOR CONY
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)
R$ 10,00



O PENSAMENTO VIVO DE HEITOR VILLA-LOBOS
JOÃO CARLOS RIBEIRO
MARTIN CLARET
(1987)
R$ 10,00
+ frete grátis



BUNNY YEAGERS DARKROOM: PIN-UP PHOTOGRAPHYS GOLDEN ERA
PETRA MASON
RIZZOLI NEM YORK
(2012)
R$ 200,00



RESGATE NO TEMPO - 13ª EDIÇÃO - COLEÇÃO VEREDAS
SÍLVIA CINTRA FRANCO
MODERNA
(1990)
R$ 6,00



COMO FUNCIONA UM BEBE?
REGINA GARIBALDI
RUBIO
(2003)
R$ 8,49



CISCO CCNA - GUIA DE CERTIFICAÇÃO DO EXAME CCNA
WENDELL ODOM
ALTA BOOKS
(2002)
R$ 19,99



ORGANIZAÇÃO DE BANCOS DE DADOS
A.L. FURTADO; C.S. DOS SANTOS
CAMPUS
(1980)
R$ 10,00



DONOS DA BOLA (CONTOS BRASILEIROS SOBRE FUTEBOL)
EDUARDO COELHO (ORG.)
LÍNGUA GERAL
(2006)
R$ 8,00



NOVO GLOSSÁRIO DE INFORMÁTICA
CONRADO F. CAMPOS
CIÊNCIA MODERNA
(1995)
R$ 21,80



REFORMA AGRÁRIA - TERRA PROMETIDA FAVELA RURAL OU KOLKHOZEZ?
ATILIO GUILHERME FAORO
VERA CRUZ
(1987)
R$ 16,99





busca | avançada
20716 visitas/dia
829 mil/mês