Estamos nos desarticulando | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
23599 visitas/dia
757 mil/mês
Mais Recentes
>>> Marmita saudável está na moda!
>>> Editora Alaúde publica versão atualizada da prestigiada obra Palavras de Poder - vol. 2
>>> Tragédia em Mariana inspira livro infanto-juvenil
>>> Teatro do Incêndio realiza encontro com Os Favoritos da Catira e Samba de Umbigada
>>> Cozinha prática: Miyoko Schinner lança guia para preparar e armazenar ingredientes básicos veganos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
>>> Como uma Resenha de 'Como um Romance'
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Billie Holiday, Strange Fruit e 100 anos do Jazz
>>> O vôo e a queda
>>> Anil
>>> Aquarela do desejo
>>> Trilha dos séculos (série: Sonetos)
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Faca de estrelas
>>> Estalactites
>>> A economia que a politicagem comeu
>>> "Duas Ninfas", processo de criação da pintura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Receita para se esquecer um grande amor
>>> A Soma de Todos os Medos
>>> Paulo Francis e a Petrobras
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> A eternidade nos labirintos de Borges
>>> Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
>>> A selfie e a obsolescência do humano
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Teatro anárquico-dionisíaco de Zé Celso M. Corrêa
Mais Recentes
>>> Michael Jordan A História De Um Campeão E O Mundo Que Ele Criou
>>> Os Números do Jogo: Por Que Tudo Que Você Sabe Sobre Futebol Está Errado
>>> Firebird Essencial
>>> Scorpions - Minha História Em Uma Das Maiores Bandas de Todos Os Tempos
>>> O Ateneu
>>> Primeiro Anuário Brasileiro de Fórmula 1 1996-1997
>>> Vidas Paralelas. Cinco casamentos vitorianos
>>> Dorival Caymmi. O mar e o tempo
>>> Diálogos
>>> O Filósofo e a Teologia
>>> Alimento Diário- 1º Samuel - volumes 1,2 e 3
>>> Pântano De Sangue
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Nosso Lar
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração
>>> A Revelação de Deus
>>> Guerra contra os Santos- Tomo 2- versão integral
>>> Evolução e Temporalidade em Teilhard, Vocabulário Teilhard ( 2 volumes)
>>> O Equilíbrio do Ser- Aristóteles
>>> Jogos Vorazes em Chamas
>>> Zona de Perigo
>>> Jogos Vorazes
>>> Davi, um Homem Segundo o Coração de Deus
>>> Moisés, um Homem Dedicado e Generoso
>>> José, Um Homem Íntegro e indulgente
>>> Espirito de Sabedoria e de Revelação-A Chave para conhecer as profundezas de Deus
>>> Teologia Sistemática- Três Volumes em UM
>>> Você na telinha - Como usar a mídia a seu favor
>>> Educação Financeira - Como educar seu filho
>>> O clube das segundas esposas
>>> O Amor do Espírito
>>> Pretinha, Eu?
>>> O Vale das Utopias
>>> História de Mulheres na Bíblia
>>> O Poder da Oração no Casamento
>>> Para entender a versificação espanhola e gostar dela
>>> Comédias Para se Ler na Escola
>>> Municipalização do ensino no Brasil (novo)
>>> A Chama Viva do Amor- A Festa do Espírito Santo
>>> Os princípios de liderança de Jack Welch
>>> O manual do novo gerente
>>> Bórgia: o poder e o incesto
>>> Bórgia: tudo é vaidade
>>> Bórgia: as chamas da fogueira
>>> Bórgia: sangue para o Papa
>>> The walking dead
>>> Como fazer amgos e influenciar pessoas na era digital
>>> Os milionários do Gênesis
>>> Brasil: 100 comentários
>>> Era uma vez uma empresa
COLUNAS

Sexta-feira, 6/3/2009
Estamos nos desarticulando
Julio Daio Borges

+ de 3100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Quando o Digestivo era apenas uma newsletter, entre as minhas leitoras célebres estava a Zélia Duncan. Como eu já contei aqui outras vezes, era o começo da internet e não era difícil trocar ideias com essas figuras. Como a gente convergia sobre João Gilberto, mas divergia sobre U2 ― entre outras coisas ―, fomos trocando e-mails, até que, um belo dia, eu fiz uma piada sobre o público meio masculinizado de um show dela. A Zélia Duncan se decepcionou. E soltou algo como: "Não esperava isso de um sujeito tão articulado quanto você". Eu pensava que "articulado", como adjetivo aplicado a alguém, servisse mais para políticos e oradores ― não para escritores.

Também no início do Digestivo ― agora quando já era um site ― baseamos nosso modelo de "colunismo" nos jornais e nas revistas. A ideia original era que, além de mim, houvesse outros "colunistas". Minhas notas ― os "Digestivos" ― comporiam apenas mais uma "coluna" dentro do site, e não seriam, originalmente, a espinha dorsal do Digestivo (como acabou ocorrendo). Seguindo esse plano, minha "coluna" sairia um dia por semana e as demais colunas, de outros colunistas, sairiam nos demais dias. Assim, cada colunista ― incluindo eu ― escreveria semanalmente, para que o site pudesse manter atualização diária.

Os primeiros colunistas eram guerreiros (como se diz hoje) e, graças à sua disposição, publicávamos duas colunas por dia ― isso durou aproximadamente um ano. Os primeiros colunistas mantinham tão firme esse propósito que, antes de falhar, me avisavam, com antecedência, quando não conseguiriam publicar. Claro que era um ritmo forte. Ainda tentei mantê-lo, por algum tempo (depois da "primeira geração"), mas o modelo que prevaleceu foi o de um texto a cada quinze dias. Escrever semanalmente uma coluna é reservar, no mínimo, três dias para se pensar no assunto: o primeiro para esboçar as ideias; o segundo para efetivamente redigir; e o terceiro para revisar, formatar, lincar etc. Na outra semana, tudo de novo. (Antes de criticar um colunista semanal, de qualquer veículo, pense nisso.)

Os anos foram passando ― muitos colunistas viraram blogueiros; muitos blogueiros viraram colunistas ― e, de repente, escrever quinzenalmente não era mais a norma: era a exceção. Um novo ritmo se impunha (ou eu deveria impô-lo, antes que fosse tarde). Entregar dois textos por mês, subitamente, parecia muito ― e a tendência natural dos colunistas pós-Web 1.0 era se lembrar do site, no máximo, uma vez por mês. Afinal, sua presença na internet já não se restringia ao Digestivo. Havia, pelo menos, um blog pessoal; um perfil no Orkut; às vezes, frilas para entregar (ou trabalhos acadêmicos); outras mídias sociais para experimentar (como, agora, o Twitter). O Digestivo Cultural não perdia importância como veículo, mas tinha de competir, pelo tempo e pela atenção do colaborador, com e-mails, feeds e até torpedos SMS.

No ano passado, eu tive de mudar as regras pela terceira vez e definir que só permaneceria colunista quem publicasse, ao menos, uma vez por mês.

Se a periodicidade fosse a única questão aqui, não seria argumento suficiente para eu sugerir que "estamos nos desarticulando". Obviamente, há mais.

Trazendo a linha do tempo agora para o presente, confesso que fiquei espantado com a repercussão dos meus posts sobre a Campus Party 2009 (1 e 2). Quem acompanha o Digestivo há alguns anos, sabe que já fiz outras coberturas do mesmo gênero, por exemplo, na Flip. Simplesmente juntei a "instantaneidade" da ferramenta blogdentro do Digestivo Cultural ― com meu rigor usual e o desejo de elaborar um texto, linearmente, em busca de uma compreensão mais ampla do fenômeno. Parece complicado (quando formulado desse jeito), mas não passa da tentativa de contar uma boa história ― para o leitor ― sobre um evento que está acontecendo.

Além de eu achar que meu ponto de vista corria o risco de soar carrancudo, deslocado ou mesmo antigo ― já que não sou blogueiro e estava entre eles ―, a acolhida na Campus Party me surpreendeu também porque meu testemunho, em forma de post, era único (ou quase único) naquele formato. E isso não tem necessariamente relação com qualquer especificidade minha. Não é unicamente mérito meu. Acontece que, com tanta cobertura em tempo real, ninguém mais, na internet, redige como antes. Eu mesmo testei o Twitter durante a Campus Party e, indiscutivelmente, é muito mais divertido (e menos trabalhoso) disparar tweets descompromissados enquanto as coisas estão "rolando" ― em vez de, no dia seguinte (ou, no mesmo dia, à noite), assentar as nádegas na cadeira, reunir anotações e redigir, durante horas, como se tentasse contar uma história...

Agora talvez vocês entendam onde quero chegar. A experiência na Campus Party foi tão marcante que eu até pensei numa nova epígrafe para a minha apresentação aqui no site: "Entre jornalistas, sou o primeiro blogueiro; e, entre blogueiros, sou o último jornalista". Porque, junto com o fim do jornal, estamos ameaçados de nos desarticular como redatores. Eu sei, é chato o negócio da pirâmide invertida, a imposição do lead no primeiro parágrafo, as inescapáveis cinco perguntas (quem, quando, onde, como e por quê) ― mas qual é a alternativa eletrônica? Soluços no Twitter, parágrafos soltos nos blogs, comentários que não são, sequer, relidos pelos autores? Grandes narradores, historicamente, são raros ― e eu me convenci de que um escritor, também, é aquele que persiste (mais do que os outros) ―, ainda assim, fico intrigado com a evaporação dos textos de outrora.

Não sou apocalíptico a ponto de prever os impactos para a nossa sociedade ou, mesmo, civilização. Até porque, de repente, um período de espirros textuais, frases curtas, e-mails de uma linha só etc. permita o despertar de uma nova geração de leitores (que redundará numa melhor geração de escritores). As ferramentas de comunicação instantânea são fascinantes ― o Twitter é fascinante ―, mas vamos passar links de quê, se ninguém se der ao trabalho de redigir para nós? Se todos os blogueiros migrarem para o formato SMS (de 140 caracteres) e se todos os jornais forem para o espaço, vai ser um tédio navegar apenas por páginas de agências de notícias, verbetes impessoais da Wikipedia e releases carregados de adjetivos. Ah, e comentários escritos no português do nosso presidente... E spams.

A Zélia Duncan certamente não esperava que eu continuasse me articulando por tantos anos. (Eu e meus preconceitos.) Minha implicância ― vocês viram ― também não é com os colunistas do Digestivo que estão escrevendo cada vez menos. (E, ah, esqueci de dizer que está cada vez mais difícil obter textos de, no mínimo, 5 mil toques ― espaços devidamente incluídos.) Vamos ter de escolher ― do Twitter e dos scraps do Orkut em diante ― se queremos deixar registros destes últimos anos ou se preferimos continuar rabiscando nas paredes das cavernas virtuais e deixar todo o trabalho de interpretação para antropólogos que vão mergulhar nos logs dos sites, nas mensagens que pensamos que apagamos e nos arquivos temporários de nossos computadores. Tudo bem, eu vou continuar reportando eventos que renderem coberturas como em algumas Flips e na Campus Party 2009, mas não posso ser o último dos moicanos...


Julio Daio Borges
São Paulo, 6/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Omissão de Ricardo de Mattos
02. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
04. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
05. Dos papéis, a dança de Elisa Andrade Buzzo


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2009
10h23min
Olá, Julio, ano de questionamentos esse 2009, hein? Pelo jeito, há fortes ligações entre as mudanças que você relata e a disseminação de novas tecnologias por aí. A tão ansiada mobilidade, obtida com o wifi, os netbooks e o celular, talvez nos leve a circular mais e a ter menos tempo para aprofundamento de leitura e comentário. Mas minha sensação é a de que os 140 caracteres não bastam para muitos de nós - e portanto o Twitter ocupa um espaço que não é o da blogagem. Certo, talvez alivie uma compulsão imediata por expressão e contato. Mas nunca cobre a necessidade de uma produção mais articulada. Coincidentemente, estou há quase um mês sem blogar (e também sem twittar). A que será que isso se deve? Para mim, parece mais existencial que progmático.
[Leia outros Comentários de Lilian Starobinas]
8/3/2009
17h39min
É, Jui, eu devo estar ficando rara também, não? Será por isso que deixei de ser blogueira faz tempo e nunca entrei no Tuíter? Gosto bastante mais da articulação. BJ
[Leia outros Comentários de ana elisa ribeiro]
11/3/2009
15h45min
Ju, sua reflexão é um alento. Eu já cheguei ao ponto de me sentir culpada por escrever muito. Por tentar ser clara, nem que para isso precisasse de mais parágrafos. E me irrito quando preciso da informação e ela não está ali, porque alguém teve preguiça de articular um pouquinho mais seu discurso. Só me tranquilizei quando consegui aceitar que meu jeito de escrever é esse: longo, detalhado, talvez até argumentativo demais. O Google parece considerar relevante esse estilo "articulado" de escrever: meu portfolio virtual, em forma de blog, com seus longos posts descrevendo os trabalhos que fiz, é o 4º na busca orgânica do buscador quando alguém digita "redação publicitária".
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
13/3/2009
13h27min
Pra não perder o fio da linkagem, veja esse post: Blogs vs Twitter? It's the Interactivity. Abço, Lilian
[Leia outros Comentários de Lilian Starobinas]
19/3/2009
20h43min
"Sábios em vão/ Tentarão decifrar/ O eco de antigas palavras/ Fragmentos de cartas/ Poemas, mentiras, retratos/ Vestígios de estranha civilização..." A História das grandes civilizações é bem parecida: 1- Pictografia e Ideografia no primeiro milênio. 2- Silabismo, Alfabeto, Código Ético e Artistas x Escribas no segundo. 3- Vitória dos Escribas, fim dos artistas, e extinção rápida da civilização no terceiro milênio. Acabamos de entrar no terceiro agora, logo, temos ainda muita arte a destruir pelas palavras do Alfabeto Comercial, especialidade da imprensa. Portanto, Não se afobe não, que nada é pra já...
[Leia outros Comentários de Dalton]
15/4/2009
21h42min
Daria pra fazer um resumo e mandar pelo Twitter?
[Leia outros Comentários de Renato]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GRIMMS MÄRCHEN - VOLLSTÄNDIGE AUSGABE
WILHELM GRIMM, JACOB GRIMM
ANACONDA
(2009)
R$ 50,00



CAMILO DESCONHECIDO (1918)
ANTONIO CABRAL
LIVRARIA FERREIRA (LISBOA)
(1918)
R$ 100,00



CONCEITOS DA PSICANÁLISE-O INCONSCIENTE/COMPLEXO DE ÉDIPO-2 VOLUMES
PHIL MOLLON,ROBERT M YOUNG
VIVER
(2005)
R$ 23,00



VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT- RECINATDA POR FERNANDO NUNO
DIFUSÃO CULTURAL DO LIVRO
(2004)
R$ 9,00



JOAQUIM NABUCO E O BRASIL NA AMÉRICA
OLÍMPIO DE SOUZA ANDRADE
NACIONAL
(2016)
R$ 30,00



UM VOO BRECHTIANO (TEATRO NA EDUCAÇÃO)
INGRID DORMIEN KOUDELA (ORG.)
PERSPECTIVA
(1992)
R$ 18,00



EU NÃO CONSIGO EMAGRECER
DR PIERRE DUKAN
BEST SELLER
(2013)
R$ 10,00



THE LATENT POWER OF THE SOUL ( O PODER LATENTE DA ALMA)
WATCHMAN NEE
CHRISTIAN FELLLOWSHIP
(1972)
R$ 39,89



HISTORIA DA EDUCAÇAO DA ANTIGUIDADE AOS NOSSOS DIAS.
MARIO ALIGUIERO MANACORDA
CORTEZ
(1999)
R$ 60,00
+ frete grátis



O ANTICRISTO - MALDIÇÃO DO CRISTIANISMO
NIETZSCHE
INTEGRAL
(1997)
R$ 2,50





busca | avançada
23599 visitas/dia
757 mil/mês