Cupido era o nickname dele | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29464 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
Mais Recentes
>>> O Complexo de Bode Expiatório
>>> O príncipe e o mendigo
>>> Dicionário de Ciências Ocultas 1 e 2
>>> Jonas
>>> O desafio historiográfico
>>> Decifrando o Genoma
>>> O Baudolino
>>> O Império do Sol
>>> Encanto Mortal
>>> A Ilha do Dia Anterior
>>> Ciência Política
>>> O Trabalho Infantil na Cidade de São Paulo
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Encantando Totalmente o Cliente
>>> As Vinhas da Ira _ Volume II
>>> Ser Mãe
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Nada Dura Para Sempre
>>> Dioniso & Cia. na moqueca do dendê: desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado
>>> Ciência & Realidade 6ª série
>>> Redação Curso Básico Vol 1
>>> Redação Curso Básico Vol 2
>>> A Conquista da Matemática 7ª Série
>>> Redação Curso Básico Vol 3
>>> Português Através de Textos 5
>>> Português Através de Textos 7
>>> Ciência & Realidade 7ª série
>>> Ciência & Realidade 5ª série
>>> A Conquista da Matemática 6ª Série
>>> Caderno de Português Fundamental 5ª série
>>> Bom Tempo Estudos Sociais Ciências 4
>>> Língua Portuguêsa Vol 4
>>> Descobrindo a Gramática
>>> Português Através de Textos 6
>>> Verdades Fundamentais da Parábola do Rico e de Lázaro
>>> Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos Vol. 1 (2ª ed.)
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
COLUNAS >>> Especial Amor na Internet

Sexta-feira, 1/5/2009
Cupido era o nickname dele
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Não tenho a menor dúvida: a internet amplia nossas chances de viver um romance. Também não tenho a menor dúvida de que a internet não pode garantir que a qualidade desse romance seja boa ou má. Outra certeza: as paqueras só começam na internet. De repente, elas saltam para a "vida real" e tornam-se como as outras. E quando são vividas apenas virtualmente, podem ser tão intensas quanto as paqueras de carne e osso, só que com um tico mais de fantasia, por conta da distância física.

Difícil e meio inútil ficar categorizando e prescrevendo coisas sobre o amor na internet. Só quem começa algo assim, mediado por computador ou qualquer outro dispositivo, sabe o que é estar nessa experiência. E isso não é coisa nova. O telefone oferecia possibilidade parecida na forma daqueles serviços tipo "Disque Amizade", que ainda hoje são divulgados na tevê. No entanto, essas coisas via Embratel eram vistas com preconceito e pareciam um tantinho bregas.

Na internet, tudo ficou chique. Conectado em banda larga, o carinha veste um nickname e entra em uma sala de bate-papo. Em meados dos anos 1990, esse chat era, em geral, no UOL. Os assuntos vão e vêm, as pessoas trocam ideias no mesmo horário, se gostam, simpatizam, aparentam afinidades e um dia se encontram.

Bokinha quer falar reservadamente com Gaúcho. Como é que você é? Alto, tipo 1m e oitenta, olhos esverdeados (principalmente no sol), nem gordo nem magro, aloirado (em dias claros). E o que você faz na vida? Estudo Contábeis e moro com meus pais. Dirijo, tá? Bokinha fica feliz. Mas eles moram a 700 km um do outro. Fazer o quê? E ainda assim gastam noites inteiras batendo papo reservadamente.

Nos anos 1990, não existia Skype. Voz mesmo, nada. O jeito era "avaliar" a pessoa pela ortografia. Diz que não fez isso nenhuma vez? Claro que fez. O papo, os temas, o jeito de escrever. Mesmo em internetês, havia uma forma de avaliar os "você" com "ç" ou as trocas entre "z" e "s".

Mais ou menos em 1996, os bate-papos do UOL rolavam soltos. Conheci muita gente lá, virtualmente. A turma do Corvo foi um marco em minha vida social. Os encontros dessa turma eram sempre pela manhã. Um era dentista, outro era advogado, outra era promotora, outro era engenheiro. Pessoas de bem, que gostavam de bater papo na internet. Entrei nessa turma. Quatro ou cinco anos depois, o Corvo fundou um blog (O Corvo, claro), nos serviços Blig (blog do iG), e fomos todos para lá. Uma comunidade imensa, que trocava centenas (mesmo) de mensagens por dia, quando os serviços de comentários ainda precisavam ser caçados e agregados aos blogs meio na marra.

Conheci o Rio de Janeiro nessa época. São Paulo também. No Rio, o Corvo e a Marize me ciceroneavam. Em Sampa era o Guaraná que recebia tropas de amigos virtuais em sua quitinete em Moema. Copa do Mundo e nós todos lá, torcendo pelo Brasil, nos jogos da madrugada, gritando da sacada e vendo os aviões descerem pertinho.

JR Lemmon também. Bate-papo de hora do almoço. Eu na editora e ele na Receita. Papo vai, papo vem. Isso vicia. Tão gente boa. Passou mês, vamos almoçar? Vamos. Pronto. Daí resultou uma história longa e nos tornamos amigos. Ou meu marido, Jorge, que conheci por e-mail, por conta de um certo "movimento" da literatura na rede, ali pelos começos dos anos 2000.

Ele, jornalista, participava do Paralelos, no Rio. Eu, poeta, estava no bolo dos mineiros e paulistas que lançavam seus livros pela Ciência do Acidente, do Joca Terron. Papo vai, papo vem, me dá uma entrevista pro Paralelos? Dou. Primavera do Livro, no porto do Rio de Janeiro, vinho ruim, bancas de livros de literatura contemporânea, hospedados na casa da Marize, do Corvo. Namoramos, engravidamos, casamos. História perfeita? Não. As mesmas dificuldades de todos os casais. Nem melhor, nem pior.

O editor e o livro? Pela internet, claro. Comprei um livro do Joca, mandei uma carta (de papel, pelos Correios), ele me devolveu um e-mail e papo vai, papo vem, me dá seus originais aí, dou. Publiquei Perversa em 2002. Conheci o editor (cara a cara) no dia do lançamento do livro em Belo Horizonte. De novo, fui pra Sampa lançar o Perversa e fiquei na casa do Guaraná. Tudo misturado, não? E quem me levou pra conhecer o ABC foi o Flávio, também da internet.

Tem amor nisso aí? Não e sim. Amizades longas e verdadeiras, podem acreditar. Paqueras que nunca deram em nada. Paquera que virou casamento. Paquera que gerou filho de verdade. Paquera que virou paixonite e terminou mal. Tem de tudo. E a vida "real" estava parada? Claro que não. Estou contando apenas as possibilidades da internet. No mundinho mais próximo também havia personagens conhecidos em festinhas, em danceterias ou por meio de amigos. Amizades melhores? Não. Amores mais duradouros? Também não.

A internet precipitou (no sentido da química) relações; ampliou as possibilidades de nuclear pessoas em torno de certos temas; potencializou os modos de formar redes de relações; facilitou o contato (especialmente depois do Google, já que também facilitou que se encontre as pessoas). E estamos na chuva já bem molhados, não? Medo de quê? De mentirem para mim? Mas isso sempre se fez, on ou off-line. De o namoro dar errado? Precisa responder?

A humanidade está na briga contra o tempo e a distância faz tempo. A internet é mais um desses artifícios de trapacear Cronos. Talvez também Eros e Afrodite. E talvez tenhamos transformado a flecha do Cupido em um cursor.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
03. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
04. Omissão de Ricardo de Mattos
05. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Escrever? Quantas linhas? - 12/6/2009


Mais Especial Amor na Internet
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/5/2009
12h48min
Bravo, Ana Elisa! Adoro os seus textos! Que gostoso ler um texto sem pudores em relação a algo que revolucionou o nosso cotidiano, nossos relacionamentos, nossas formas de leitura e escrita, enfim, mudou a nossa sensibilidade, além de nos aproximar cada vez mais! abs do Sílvio Medeiros. Campinas, é outono de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
13/5/2009
10h51min
AER, saudações. Já postei algo semelhante num blog, faz algum tempo. Eu disse: "... ainda sou mais um olhar profundo..." e citei "Quem não compreende um olhar, tão pouco compreenderá uma longa explicação..." (Mario Quintana). Sempre tive medo do escuro...rs e a internet é isso (de certa forma). É um verdadeiro "rebu". Realmente mentiras, decepções e erros sempre foram desfecho de trágicos relacionamentos. Mas os olhos ainda são o espelho da alma. O que vemos podemos julgar por nós mesmos e somos assim o Juiz, o júri e o carrasco executor.
[Leia outros Comentários de Gleiciano Sacramento]
15/5/2009
10h50min
Ana Elisa, sem mais comentários. Gostei muito do texto todo, mas o último parágrafo "matou a pau"! Grande abraço, Áurea
[Leia outros Comentários de Aurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRUMAS DE AVALON VOL.4
MARION ZIMMER BRADLEY
IMAGO
(1990)
R$ 20,00



MITOS GREGOS - OBJETIVO
PAULO SERGIO DE VASCONCELLOS
OBJETIVO
R$ 3,00



ANTON TCHEKHOV - SEIS PEÇAS EM UM ATO (TEATRO RUSSO)
ANTON TCHEKHOV
LIVRARIA DIVULGAÇÃO
R$ 25,00



INVESTIMENTOS INTELIGENTES
GUSTAVO CERBASI
THOMAS NELSON
(2008)
R$ 9,99



TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO DAS ESCRITURAS SAGRADAS
SOC. TORRE DE VIGIA DE BÍBLIAS E TRATADOS
TORRE DE VIGIA
(1986)
R$ 18,00



TRÊS ESCOTEIROS EM FÉRIAS NO RIO PARAGUAI
FRANCISCO DE BARROS JUNIOR
MELHORAMENTOS
(1968)
R$ 40,00



AS RELAÇOES DIPLOMÁTICAS DA ÁSIA
PAULO VISENTINI
FINO TRAÇO
R$ 13,00



CARPE DIEM O CRIME BATE À PORTA
SAMIR THOMAZ
ATUAL
(2000)
R$ 23,00



PEDOFILIA - IDENTIFICAR E PREVENIR 1ª ED.
LÚCIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE WILLIAMS
BRASILIENSE
(2012)
R$ 16,90



GRANDE ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL VOL. 19
VÁRIOS AUTORES
NOVA CULTURAL
(1999)
R$ 2,70





busca | avançada
29464 visitas/dia
1,1 milhão/mês