Cultura, gelo e limão | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31663 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Biblioteca Central da UnB recebe exposição artística 'Quem sou Eu, Quem somos nós'
>>> Feambra traz convidados para discutirem o tema "Museus e Sociedade"
>>> A Cultura do Subúrbio é tema do segundo debate #Colabora com Ideias
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Jano
>>> Diário
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser escritor ou estar escritor?
>>> Nouvelle Vague: os jovens turcos
>>> O Oscar e a reencarnação
>>> Tunturi, de António Vieira
>>> Sexteto da Filarmônica de Berlim, no Teatro Alfa
>>> Wittgenstein, o fazedor de símiles
>>> Blogo, logo existo
>>> Antes da filosofia
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> O humor no divã de Freud
Mais Recentes
>>> O Monge e o Executivo - Uma História sobre a Essência da Liderança
>>> O Beijo Infame
>>> Antes da Coisa Toda Começar
>>> Estruturas da Mente - A Teoria das Inteligências Múltiplas
>>> Guia Politicamente Incorreto da América Latina
>>> O Contrato Social
>>> Tess of the D´Urbervilles
>>> O Grande Conflito
>>> Ágape
>>> Dicionário Enciclopédico Ilustrado Veja Larousse - Volume 1
>>> O Cantor De Tango
>>> 1.000 Lugares Para Conhecer Antes De Morrer
>>> Nietzsche para Estressados
>>> Estorvo
>>> Cozinheiros Demais
>>> A Outra Face Da Doença - A Saúde Revelada Por Deus
>>> L'approche par compétences dans l'enseignement des langues
>>> Pensar Por Conta Própria
>>> O Evangelho Da Meninada
>>> Sinal De Contradição
>>> Limites Sem Trauma
>>> Desta Vez Eu Emagreço!
>>> Alucinado Som De Tuba
>>> Cidade Partida
>>> A Dama Do Lago
>>> Meditação Ocidental
>>> O X Da Questão - Trajetória Do Maior Empreendedor Do Brasil
>>> Carne Trêmula
>>> Frankeinstien
>>> Uma Garrafa No Mar De Gaza
>>> Três Mulheres De Três Pppês
>>> A linha de sombra
>>> Dublinenses
>>> Angústia
>>> A Bíblia e os discos voadores
>>> A consciência de Zeno
>>> No caminho de Swann
>>> Trópico de Câncer
>>> O Ensino de Lacan Volumes 1 e 2
>>> Curso Completo de Tarô (não acompanha as cartas)
>>> Casa de pedra
>>> O fim sem resposta
>>> Eu fico Loko
>>> História Econômica do Brasil
>>> O Tesouro dos Alquimistas
>>> Tao da Física
>>> Forma e Design
>>> A Aprendizagem do Ator
>>> Senhor das Sombras- Ele é Destruição...
>>> Le Guide Pratique des Nouvelles Thérapies
COLUNAS

Sexta-feira, 15/5/2009
Cultura, gelo e limão
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Uma grande empresa de produtos de limpeza destinava boa parte de sua verba para entender os consumidores. Ou seja, gastava rios de dinheiro com pesquisas de opinião, consultores, publicitários. Nada, porém, teve tanto impacto para o presidente da companhia como o dia em que ele próprio resolveu espiar o comportamento de um comprador em um supermercado chique de São Paulo. Fingindo distração, ele observou um homem maduro, com o carrinho repleto de vinhos caros, comparando os preços dos limpadores multiuso. A diferença era de centavos, mesmo assim o sujeito se deu ao trabalho de escolher o mais barato, preterindo a marca da tal empresa.

O executivo não escondia sua indignação quando me contou o episódio. Que lógica havia no comportamento de alguém que esbanjava R$ 100,00 em uma garrafa de bebida, sem pestanejar, e "compensava" isso economizando centavos que não somariam R$ 1,00 nas gôndolas de produtos de limpeza? Nenhuma, claro. É bobagem cobrar coerência desse consumidor. Ou de qualquer outro: a mulher que se endivida por uma bolsa de grife, o rico que compra DVD em camelô, o adolescente que paga R$ 100,00 para assistir ao show de seu artista favorito de binóculo, mas não aceita pagar R$ 1,00 para baixar as suas músicas na internet.

Comparar consumo cultural com a compra no supermercado pode parecer desbaratado, mas não é. Somos igualmente irracionais, movidos por sentimentos inconfessáveis até para o analista, na hora de atribuir valor às coisas. Aliás, a hora, assim como o lugar, é algo que pode fazer toda a diferença. Em um café charmoso, uma pessoa aceita pagar três vezes mais por 237 mililitros de Coca-Cola, que vem numa embalagem de vidro apelidada de Mae West, numa alusão às curvas da atriz americana. No supermercado, espera por uma promoção para a garrafa de 2 litros. O líquido preto, emblemático da nossa sociedade de consumo, é o mesmo.

A indústria cultural, sob o impacto das novas tecnologias, busca hoje acima de tudo a sobrevivência. Os profetas do apocalipse aproveitam para avisar que o fim está próximo: começará pelo CD, passará pelos jornais, chegará ao livro e ao cinema, arrastando também a TV e as rádios. A lógica é que a internet e as novas formas de distribuição dos produtos culturais vão eliminar as antigas "embalagens", e mudar para sempre a nossa forma de consumir músicas, filmes, narrativas, arte. Sobreviverá, na indústria, quem conseguir se antecipar às tendências e descobrir formas de se financiar a criação cultural neste novo contexto.

Pode ser. Mas talvez devêssemos pensar na Coca-Cola, que há tempos adotou a estratégia de segmentar e diversificar suas embalagens. Se um mesmo consumidor age de forma diferente dependendo da ocasião, imagine as possibilidades para se vender refrigerante por aí. E se os livros/narrativas forem como Coca-Cola? Tratando-se do inescrutável consumidor, vale observar um exemplo específico, como fez o presidente da empresa no supermercado. Sou uma leitora de livros que lê cada vez mais no computador. Mas não pretendo abandonar meus livros!

Consigo imaginar-me, por exemplo, comprando um romance, numa livraria linda como a Travessa, do Rio, quem sabe depois de um desses eventos regados a tacinhas de vinho, apesar de o mesmíssimo texto estar disponível no meu Kindle, por um clique e alguns centavos. Não, ainda não tenho um desses leitores eletrônicos, mas pretendo comprar quando o preço for acessível - para viajar, para carregar na bolsa, para ter uma experiência diferente, para descobrir o que dá para ler ali.

A narrativa do livro será exatamente a mesma, como o líquido de Coca-Cola. O livro poderá ter uma capa elegante, quem sabe o autógrafo que consegui do autor naquela noite tão agradável. Já o texto no Kindle vai oferecer-me uma busca ao dicionário, talvez alguns links interessantes. Acharei engraçado quando perceber que comprei determinado livro, que adoro ter na estante, mas na prática o li no leitor eletrônico, durante uma viagem. Não me cobrem coerência, sou apenas uma consumidora! Eu podia estar comprando bolsas de grife, vinhos caros, mas estou apenas comprando livros que ficam fechados na estante, que mal há nisso?

Tenho amigos que há anos não vão ao cinema. São devoradores de DVDs nos fins de semana. Particularmente, não consigo entender como eles desprezam um dos programas mais sensacionais que eu conheço. Também vejo filmes na tela da sala, que hoje é da TV e provavelmente será a do computador, mas não dispenso um cineminha por nada no mundo. Dá para baixar o filme do Oscar de graça no computador? Ótimo, bom proveito, digo ao meu interlocutor. Mas é como se nossas experiências fossem completamente diferentes, nem vou querer trocar impressões sobre o filme com ele. Essa sou eu, consumidora cultural com minha lógica própria, que também recebo olhares de espanto quando revelo não ter um iPod.

Estou certa de que as oportunidades para quem produz e vende cultura são muitas. As pessoas precisam hoje, mais do que nunca, de experiências reais e pontos de encontro, até para compensar as horas de navegação na internet. Nenhuma afinidade será maior, para promover esse encontro, do que gostar da mesma música, do mesmo livro ou do mesmo filme. E elas pagarão muito por isso, mesmo que diante do computador jamais recorram ao cartão de crédito. Acho que livrarias e cinemas que oferecem este tipo de convivência, por exemplo, terão sobrevivência garantida nas grandes cidades. Pelo menos no que depender de mim, do meu consumo e da minha torcida.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog
Espuminha de leite. Leia também "Fugindo do apocalipse".


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 15/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
03. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
04. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
05. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/5/2009
16h37min
Escolhas, poder de escolhas. Embora tenha TV a cabo e DVD em casa adoro ir ao cinema com as filhas. Revistas? Amo ir à banca de jornais e escolher uma. Livros? Sempre q/ posso compro-os. Internet? Quantas horas puder. Enfim as novidades chegam e somam-se as demais. Vale a criatividade dos empresários na globalização. Avante!
[Leia outros Comentários de Gelza Reis Cristo]
16/5/2009
16h40min
Acho que essa pechincha consumista tem muita relação com o "que agrada diretamente ao eu de cada um", ou no popular "olhando para o próprio umbigo". Esse homem paga o preço que for para degustar seu vinho predileto, mas que importância tem para ele o detergente usado? Não é ele quem vai usar a vassoura ou a máquina de lavar roupa. A mulher com a bolsa de grife precisa se afirmar naquele acessório. Mas o que vejo no dia a dia é que uma boa parte dessas pessoas é capaz de dizer não ao filho que pede uma revista na banca de jornal. O ser humano está muito incoerente e pouco afetivo. Essa afetividade e poder de sorrir com pequenas coisas é o que me faz concordar contigo que não há nada melhor que uma tela de cinema com um bom balde de pipoca. Mas me faz discordar dos seus planos quanto aos Kindles que aparecerão, pois não há nada melhor do que folhear um bom livro, e deixar nossas impressões em suas margens, ou sair sublinhando as frases que ficarão para sempre em nossa memória. Bjs
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
20/5/2009
16h18min
Marta, somos dois. No que depender de mim, os "produtos culturais analógicos" jamais vão cair em desuso... Nada mais romântico que ir ao cinema ou ler um livro na praia... Isso nunca vai sair de moda! (Espero.)
[Leia outros Comentários de Túlio Moreira Rocha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DOMINANDO SUA CÂMERA DIGITAL - COMO OBTER O MÁXIMO DA SUA DSLR
CHRIS WESTON
BOOKMAN
(2011)
R$ 88,00



ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA
VÁRIOS
VOZES
(1976)
R$ 21,90
+ frete grátis



HOMO SACER - O PODER SOBERANO E A VIDA NUA I
GIORGIO AGAMBEN
UFMG
(2010)
R$ 100,00



BATALHAS ELEITORAIS
CHICO SANTA RITA
GERAÇÃO EDITORIAL
(2002)
R$ 8,00



A SANTÍSSIMA TRINOSOFIA
CONDE DE SAINT GERMAIN
THOT
R$ 36,10
+ frete grátis



ATRAVÉS DO UNIVERSO
REVIS, BETH
NOVO SÉCULO
(2012)
R$ 30,00



ACORDE, MULHER!
FIORÂNGELA M. DESIDÉRIO
EDIÇÕES PAULINA
(1989)
R$ 7,00



CASA DE MARIANA
JOSÉ CARLOS IMPARATO
ZAGODONNI
(2015)
R$ 5,00



OS ÚLTIMOS DIAS DE POMPÉIA
BULWER LYTTON
EDIOURO
(2002)
R$ 6,90



TEATRO DE ANCHIETA - JOEL PONTES
JOEL PONTES
SNT/FUNARTE
(1978)
R$ 18,00





busca | avançada
31663 visitas/dia
896 mil/mês