O tamanho do balde | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
23599 visitas/dia
757 mil/mês
Mais Recentes
>>> Marmita saudável está na moda!
>>> Editora Alaúde publica versão atualizada da prestigiada obra Palavras de Poder - vol. 2
>>> Tragédia em Mariana inspira livro infanto-juvenil
>>> Teatro do Incêndio realiza encontro com Os Favoritos da Catira e Samba de Umbigada
>>> Cozinha prática: Miyoko Schinner lança guia para preparar e armazenar ingredientes básicos veganos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
>>> Como uma Resenha de 'Como um Romance'
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Intransferível
>>> Germecontínuo
>>> Billie Holiday, Strange Fruit e 100 anos do Jazz
>>> O vôo e a queda
>>> Anil
>>> Aquarela do desejo
>>> Trilha dos séculos (série: Sonetos)
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Faca de estrelas
>>> Estalactites
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 1° Festival de Samba Paulista
>>> Ajudando um amigo
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Receita para se esquecer um grande amor
>>> A Soma de Todos os Medos
>>> Paulo Francis e a Petrobras
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> A eternidade nos labirintos de Borges
>>> Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
>>> A selfie e a obsolescência do humano
Mais Recentes
>>> Diários do Vampiro - reunião Sombria
>>> Diários do Vampiro - O despertar
>>> O filho de Netuno
>>> A casa de Hades
>>> O sangue do Olimpo
>>> A Escrava Isaura
>>> A marca de Atena
>>> A maldição do Titã
>>> A Filosofia da Liberdade- Elementos de uma cosmovisão moderna
>>> Historia de una Maga Negra
>>> A Volta ao Mundo em 80 Dias
>>> O Mergulho do Rei
>>> Santo Anselmo Abelardo
>>> Michael Jordan A História De Um Campeão E O Mundo Que Ele Criou
>>> Os Números do Jogo: Por Que Tudo Que Você Sabe Sobre Futebol Está Errado
>>> Firebird Essencial
>>> Scorpions - Minha História Em Uma Das Maiores Bandas de Todos Os Tempos
>>> O Ateneu
>>> Primeiro Anuário Brasileiro de Fórmula 1 1996-1997
>>> Vidas Paralelas. Cinco casamentos vitorianos
>>> Dorival Caymmi. O mar e o tempo
>>> Diálogos
>>> O Filósofo e a Teologia
>>> Alimento Diário- 1º Samuel - volumes 1,2 e 3
>>> Pântano De Sangue
>>> Psicologia Aplicada à Administração
>>> Nosso Lar
>>> Introdução à Teoria Geral da Administração
>>> A Revelação de Deus
>>> Guerra contra os Santos- Tomo 2- versão integral
>>> Evolução e Temporalidade em Teilhard, Vocabulário Teilhard ( 2 volumes)
>>> O Equilíbrio do Ser- Aristóteles
>>> Jogos Vorazes em Chamas
>>> Zona de Perigo
>>> Jogos Vorazes
>>> Davi, um Homem Segundo o Coração de Deus
>>> Moisés, um Homem Dedicado e Generoso
>>> José, Um Homem Íntegro e indulgente
>>> Espirito de Sabedoria e de Revelação-A Chave para conhecer as profundezas de Deus
>>> Teologia Sistemática- Três Volumes em UM
>>> Você na telinha - Como usar a mídia a seu favor
>>> Educação Financeira - Como educar seu filho
>>> O clube das segundas esposas
>>> O Amor do Espírito
>>> Pretinha, Eu?
>>> O Vale das Utopias
>>> História de Mulheres na Bíblia
>>> O Poder da Oração no Casamento
>>> Para entender a versificação espanhola e gostar dela
>>> Comédias Para se Ler na Escola
COLUNAS

Segunda-feira, 2/11/2009
O tamanho do balde
Pilar Fazito

+ de 5600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Física, Química e Matemática sempre foram um tormento na minha vida escolar e eu não sei quando minha atuação nas provas era pior: quando eu estudava ou quando eu não estudava. É que meu raciocínio nunca foi muito lógico quando se tratava de problemas com números e eu não via nenhuma coerência naqueles gráficos, nas fórmulas, nos deltas e nas raízes quadradas.

O QI de samambaia na adolescência só não era mais evidente do que a ingenuidade, e isso explica o fato de eu não conseguir ver a aplicabilidade das coisas que víamos em sala de aula. Por mais que eu tentasse decifrar o livro da Beatriz Alvarenga, sempre entrava em pânico toda vez que trem A passava por trem B numa velocidade X. E o pior é que eu tentava. Tentava mesmo. Eu fazia os cálculos e sempre chegava a uma resposta diferente dos meus colegas. Então, refazia os cálculos para confirmar e chegava a um terceiro valor. E quando eu insistia na ideia, sempre chegava a um quarto. Eu saía "semeando" os números em tudo quanto é fórmula, sem nenhum critério, como quem joga milho aos pombos. Não podia mesmo sair boa coisa daí. Por fim, acabava pedindo cola para uma amiga. E foi assim, graças a ela, que eu fui passando de ano, aos trancos e barrancos.

À medida que o tempo passava, fui percebendo que meu problema com cálculos tinha a ver com a abstração. Se modifico números e incógnitas por nomes, por exemplo, muitos problemas se tornam mais fáceis de serem resolvidos. Eu sei que a estratégia é meio estapafúrdia, mas fazer o quê se meu cérebro destrava com isso? Às vezes, basta substituir um "X, Y, Z" por "Mariazinha, Jorge e Manuel" ou por "geladeira, carro, caneta", ou ainda "amor, liberdade, redenção". Vá entender!

Uma popular revista de ciências divulgou, há menos de um ano, um estudo sobre o funcionamento da mente de alguns gênios das exatas. Segundo ela, Fulano de Tal consegue ler um livro de 700 páginas em poucas horas, Beltrano dá o resultado de uma multiplicação de números de 9 dígitos num piscar de olhos e Cicrano bate o olho em uma caixa de fósforos e diz quantos deles foram usados. Quando eu leio esse tipo de coisa, não consigo conter a lasca de inveja no dedo mindinho, imaginando o que eu poderia fazer caso tivesse um desses "superpoderes". Mas eu continuo a ler a matéria: todos eles têm em comum um certo grau de autismo. Então, volto a agradecer, mesquinha e humildemente, a minha limitação intelectual e prossigo na leitura para entender como essa gente faz isso.

Fulano de Tal lê a página da esquerda e a da direita do livro ao mesmo tempo, cada uma com um olho, por isso lê tão rápido; Beltrano atribui cor e forma tridimendional a cada um dos mais de 1 bilhão de números que existe em sua mente e, quando precisa somá-los, dividi-los, subtraí-los ou multiplicá-los, "basta" aproximar essas formas umas das outras e ver qual delas se encaixa ali no meio, como se fosse um quebra-cabeças 3D de mais de 1 trilhão de peças. Fácil, não? Já Cicrano serviu de inspiração para o filme Rain man, levado às telas pelo ator Dustin Hoffman. O prodígio dessa gente é inegável, mas o ônus de todos esses bônus é a dificuldade de se relacionar com os outros, de se deixar ser tocado e, no caso de Fulano, até mesmo de elaborar e dizer uma simples frase.

Foram exemplos como esses que puseram em xeque a validade dos testes de QI, sob a alegação de que não serviriam para avaliar o quociente emocional. Nessa época, começaram a pipocar livros e revistas que lançaram o conceito de QE ao mesmo tempo em que contribuiram para a ampliação do termo "inteligência". Hoje, há uma corrente teórica que subdivide a inteligência em, pelo menos, sete categorias: lógico-matemática, visual-espacial, cinestésica, linguística, musical, interpessoal e intrapessoal.

Os neurocientistas, agora, admitem que habilidades cognitivas relativas à criatividade, à comunicabilidade e ao estabelecimento de relações pessoais não são contempladas nos testes de QI, mas acreditam que ele ainda seja o melhor instrumento para medir a capacidade intelectual humana. É que, segundo eles, mesmo que alguém se destaque em uma área específica, deve isso a um potencial de inteligência determinado biologicamente. E esse potencial tende a ser o mesmo para qualquer disciplina. A capacidade de aprender seria, então, geneticamente herdada dos pais e o aprendizado dependeria da experiência de cada um. Fazendo uma analogia simples, é como se recebessemos de nossos pais um balde, que pode ser pequeno ou grande conforme seus genes, e o enchessemos de água ao longo da vida à medida que adquiríssemos conhecimentos. Mesmo que o sujeito estude bastante, se o balde herdado for pequeno, não vai conseguir acumular muito conhecimento por causa de sua limitação genética. Já o sujeito que tem um baldão, mas não o enche, seria um lambão ingrato.

Mas os cientistas ainda não explicaram o que leva uma pessoa a desenvolver sua inteligência em determinada área. Por que ela tem facilidade para música e não para biologia, por exemplo? Será que isso tem a ver apenas com a dedicação ao tema, com a forma como estuda, ou com a criação? Ou será que existe algo na cachola que já traça o nosso destino assim que o cérebro é formado? Será que tem a ver com o estímulo externo ou a exposição a determinadas situações apenas oferece oportunidades para o sujeito desenvolver uma capacidade que está latente dentro dele assim que ele nasce? A facilidade com um tema também é herdada dos pais? Enfim, por que, por exemplo, em vez de estar aqui, escrevendo esta crônica, eu não estou em Wall Street, dando uma consultoria financeira a banqueiros e economistas?

A única resposta que consigo dar é que não estou em Wall Street por completa inaptidão matemática. E se a facilidade com um tema depende da genética, posso dizer que, infelizmente, não herdei do meu pai os genes racionais da ciência, da estratégia no xadrez, da memória de elefante e da estatística. Nem o deslumbramento com esses temas. Que seja. Fico feliz com os genes maternos da literatura, das línguas estrangeiras, da poesia e da musicalidade.

Tenho que reconhecer que, apesar da inaptidão com as exatas, meu balde até que não é pequeno. Ademais, como diria um sábio chinês, "não se pode tirar seis em todos os dados". Inteligência demais pode ser um pesadelo, como no caso de Fulano de Tal, Beltrano e Cicrano, citados anteriormente. É impressionante como os casos de genialidade estão sempre ligados a uma vida curta, a problemas psicológicos, relacionais e neurológicos. Grande parte dos gênios também ficam conhecidos pela esquisitice, pelas mania ou pelo isolamento no fim da vida. Só para retomar o ramo das finanças, lembremos o magnata do Petróleo, John Davison Rockefeller, que fez fortuna do nada e morreu isolado em um quarto de hotel. Como o Michael Jackson, tinha lá seus transtornos obsessivos e abominava o contato físico com quem quer que fosse.

Esquisitices e manias à parte, ainda há a galeria dos atormentados e angustiados gênios suicidas: Ernest Hemingway, Van Gogh, Maiakóvski, Virginia Woolf, Gérard de Nerval etc. Procuro a listinha de suicidas na internet e me deparo com um fato curioso: a maioria dos suicidas famosos enumerados são artistas. O que me leva a crer que ou o suicídio de cientistas não dá ibope, ou cientistas não se suicidam. Motivada pela curiosidade, fuço um pouco mais sobre o assunto e descubro que uma pesquisa da Universidade de Munique examinou 290 pessoas e encontrou uma correlação entre o suicídio e a existência de uma versão "mais curta" de um gene específico. Segundo essa pesquisa, pessoas que apresentam um tal de "alelo S" têm um risco de 2 a 3 vezes superior de cometerem suicídio do que os que apresentam um outro tipo de alelo, chamado "L". Faltou sugerir aos pesquisadores que investigassem uma relação entre a presença do alelo "S" e o nível de inteligência artística de cada suicida potencial. Bom, mas eu não tenho a menor aptidão para os tubos de ensaio e, quiçá, eu fizesse melhor em ficar quieta do outro lado, o das cobaias.

Autismo, paranoia, mania e depressão me parecem um preço considerável pela inteligência exacerbada. Mas, nesses casos, quem paga é o próprio dono da inteligência. Quando o assunto é a psicopatia ou a sociopatia alheia, entretanto, a conta é dividida pela sociedade. É aí que mora o perigo.

Investigadores da polícia norte-americana que estudam a mente de serial killers dizem que eles têm uma inteligência interpessoal bastante desenvolvida. Assim como os psicopatas, um serial killer ― sociopata inclinado às perversões ― tem uma excelente capacidade de observação, sabe ser simpático, fala o que os outros querem ouvir e percebe as fraquezas de seus interlocutores. Por tudo isso, podem ser considerados extremamente inteligentes. O problema, segundo os investigadores, é uma disfunção patológica que dissocia as ações da capacidade de identificação emocional com as outras pessoas. Daí a idéia de que um psicopata é frio, calculista e tem nervos de aço. Culpa, então, é um termo que, definitivamente, não faz parte de seu vocabulário.

Que seja um baldinho ou um baldão. O uso que cada um faz de sua herança genética só deixa de ser uma escolha quando há disfunções patológicas na jogada. Mas se elas não existem, a gente tem mais é que agradecer o que tem e se dedicar a encher o nosso recipiente ao longo da vida. Vai que isso ajuda a dar uma alargadinha na capacidade do balde que deixaremos para os nossos filhos...


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 2/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro
02. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
03. A maldade humana de Gian Danton
04. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
05. A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
04. @mores bizarros - 6/4/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/11/2009
01h57min
Oi, Pilar. Antes de tudo, parabéns pela coluna e coisa e tal. Começo com um comentário sobre o final: a ausência de culpa em um serial killer evoca um problema filosófico antigo - o da distinção mente/cérebro: é o estado mental - o que pensamos, nossas escolhas etc. - que determina o que está acontecendo no cérebro, ou o contrário? Existiriam duas substâncias - mente e matéria? A metáfora que Rorty propõe para resolver o dilema é interessante: pense que o cérebro é o hardware e a mente o software e pronto. Por último, eu, estudante de física, tenho dificuldades em aceitar que a inteligência associada à física e até a matemática é "lógica", associando-a assim um tipo de inteligência diferente da solicitada de um estudante de filosofia, letras ou música. Para Poincaré, por exemplo, cabe à intuição o papel de criação da física e da matemática. No mais, abraços.
[Leia outros Comentários de Júnior]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLAS BREUGNON - NOBEL DE LITERATURA DE 1915
ROMAIN ROLLAND
OPERA MUNDI
(1973)
R$ 25,90



TAMBÉM SE MORRE ASSIM
ROSS MACDONALD
COMPANHIA DAS LETRAS
(1992)
R$ 9,90



VAMOS ACAMPAR - ORIENTAÇÕES PARA ACAMPAMENTOS EVANGÉLICOS
ALVIN HATTON
JUERP
(1980)
R$ 20,00



O ASSASSINATO DE CRISTO
WILHELM REICH
MARTINS FONTES
(2000)
R$ 15,00



CONSULTORIA EMPRESARIAL - MÉTODOS E CASES DOS CAMPEÕES
DINO MOCSÁNYI E MAURÍCIO SITA
SER MAIS
R$ 27,45
+ frete grátis



O PERFIL DO CORRETOR DE IMÓVEIS BEM SUCEDIDO
J B BONADIO
DO AUTOR
(1996)
R$ 39,00
+ frete grátis



DISCOVERY MAGAZINE MAI/2005
VÁRIOS
SYNAPSE
(2005)
R$ 5,50



FORÇA PARA VIVER
JAMIE BUCKINGHAM
PROL
(1981)
R$ 3,00



AMORES PERFEITOS
JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
ÁGORA
(2004)
R$ 10,00



ESTUDOS DE TRADUTOLOGIA
DELTON DE MATTOS
KONTAKT
(1981)
R$ 15,00





busca | avançada
23599 visitas/dia
757 mil/mês