O altar das montanhas de Minas | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
59227 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival difunde filmes de entidades que usam o cinema como ferramenta de inclusão
>>> HBO LATIN AMERICA INAUGURA ESPAÇO INTERATIVO PARA O LANÇAMENTO DA SÉRIE ORIGINAL O HIPNOTIZADOR
>>> Vento em Madeira, Mônica Salmaso e Amilton Godoy fazem duas apresentações em São Paulo
>>> Emmanuel Nassar na Mul.ti.plo Espaço Arte
>>> Faculdade Souza Lima Promove Semana Musical Brasil-França
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pantanal
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
>>> Fake-Fuck-Fotos do Face
>>> Silêncio
>>> Dando conta de Minas
>>> Em noite de lua azul
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> O testemunho de Bernanos
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> 16 de Agosto
>>> Elvis 2015
>>> Eugênio Christi
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> Monica Cotrim
>>> Solange Rebuzzi
>>> Aden Leonardo Camargos
>>> Helena Seger
>>> Camila Oliveira Santos
>>> Cassionei Niches Petry
Últimos Posts
>>> DIÁRIO
>>> Lições de vida - Crônica
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> LEITURAS
>>> Muito antes dos ipês
>>> ENSAIO BIORÍTMICO
>>> 101 anos do Grande Cronópio
>>> Quinta Sinfonia de Sibelius
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> PÁGINAS
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quase uma Tragédia Grega
>>> Influências da década de 1980
>>> Da arte opiniática
>>> Replicantes em Gotham City
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> Entrevista com Cronópios
>>> O livro dos códigos
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> A pintura intempestiva de Egas Francisco
>>> Auto-ajuda e auto-engano
Mais Recentes
>>> A invenção de uma vida
>>> Maigret e il Canne Giallo
>>> Por causa da noite
>>> O morro do suicídio
>>> Corpo de delito
>>> Post-Mortem
>>> Cemitério de indigentes
>>> Restos mortais
>>> MARX
>>> Desumano e degradante
>>> Alerta negro
>>> Perspectivas da Regra de São Bento
>>> A arte do AconselhamentoPsicológico
>>> Curando nossa imagem de Deus
>>> 6 mil em espécie
>>> O macaco de pedra
>>> A lágrima do diabo
>>> A cadeira vazia
>>> Brincando com fogo
>>> Perto de casa
>>> Sangue estranho
>>> Dois assassinatos em minha vida dupla
>>> A lei do cão
>>> Caos total
>>> Um coração frio
>>> O vôo das cegonhas
>>> Alvo virtual + Uma aventura de Georgina Powers
>>> Cidade do prazer
>>> Concreto Protendido
>>> A natureza da psique8/2
>>> Benchmarking
>>> Acabe de vez com o estresse
>>> A Psiquiatria Alternativa
>>> Contabilidade e o NoVo Código Civil de 2002
>>> La Peinture Dans Le Monde de la Préhistoire à nos jours
>>> L'acupuncture Pratique
>>> Brasil Barroco
>>> TCP/IP Internet - Intranet - Extranet Completo acompanha cd-rom do sistema LINUX
>>> Java 1001 dicas de programação c/ cd
>>> Michelangelo and Raphael in the Vatican
>>> Museu Nacional de Belas Artes
>>> Judith &  Martin Miller
>>> Banco Santander 150 anos de história: 1857-2007
>>> Arte in Itália Da Valori Plastici a Corrente Opere dalla Galleria Nazionale dArte Moderna di Roma
>>> Réquiem em Los Angeles
>>> Salazar pisca!
>>> O atiçador de Wittgenstein. História de uma discussão de dez minutos entre dois grandes filósofos
>>> Os deuses malditos
>>> Van Gogh o suicida da sociedade
>>> Psicologia Cognitiva
COLUNAS

Sexta-feira, 21/5/2010
O altar das montanhas de Minas
Rafael Rodrigues

+ de 4700 Acessos


Ouro Preto

Não deixa de ser curioso o fato de, há cerca de quatro anos, os livros do jornalista e escritor mineiro Jaime Prado Gouvêa estarem disponíveis para aquisição apenas em sebos. Nascido na metade da década de 1940, Jaime Prado trabalhou no Jornal da Tarde e na sucursal de O Globo em Minas Gerais, além de ter integrado o Suplemento Literário de Minas Gerais em diversas fases do periódico, do qual é hoje superintendente.

A curiosidade reside no fato de, apesar de não ter sido um escritor inveterado, Jaime ser autor de uma obra portentosa, apesar de curta. No espaço de dezesseis anos, teve três livros de contos publicados: Areia tornando em pedra (1970), Dorinha Dorê (1975) e Fichas de vitrola (1986). Além desses, em 1991 publicou seu único romance, O altar das montanhas de Minas. Desde então, Jaime absteve-se de publicar ― e, a partir de certo ponto, escrever ― ficção.

Depois de dezesseis anos ― coincidência? ― sem nada publicar, em 2007 foi editada uma seleção do que de melhor havia nos seus livros de contos, segundo o autor, juntamente com mais (em suas palavras) "dois contos e meio" inéditos. Daí se originou o volume Fichas de vitrola & outros contos, uma obra "firme, forte, delicada", como diz o também jornalista e escritor Humberto Werneck, no prefácio do livro. Era o começo do retorno de Jaime Prado Gouvêa às livrarias.

Agora, neste início de ano, foi publicada uma nova edição de O altar das montanhas de Minas (Record, 2010, 208 págs.). Na orelha da primeira edição, reaproveitada nesta nova, Caio Fernando Abreu diz que o romance é "um dos livros mais fortes, belos e comoventes que li nos últimos tempos". Não é nenhuma surpresa, para aqueles que tiveram algum contato com a obra do escritor mineiro, que as palavras de Caio F. continuem de pé, mesmo passados quase vinte anos da publicação original da obra, que não perdeu seu vigor com o tempo.

Tal como a Divina Comédia de Dante Alighieri, O altar das montanhas de Minas é dividido em três partes, cujos títulos poderiam ser os mesmos da obra de Dante, com uma pequena inversão: a primeira seria o Paraíso; a segunda, o Inferno; e, a terceira, o Purgatório ― mas, como que para encerrar o ciclo, caminhando para o Paraíso.

O protagonista do romance é um jornalista, Dirceu Dumont. Logo nas primeiras páginas, fica-se sabendo que Dumont está começando a escrever um romance, cujo protagonista chama-se Álvaro Garreto, pseudônimo originado do cruzamento entre Almeida Garrett (escritor português), Antonio Barreto (poeta mineiro) e Álvaro de Campos (um dos heterônimos de Fernando Pessoa).

A ideia de escrever o livro vem depois que uma certa Marília (clara referência ao poema "Marília de Dirceu", de Tomás Antônio Gonzaga) lhe entrega vários escritos de Garreto, dizendo-lhe que ele e Dumont são parentes. Porém, Marília não revela a verdadeira identidade do escritor com quem, supostamente, teve um caso de amor. É para forçar-se a pesquisar sobre esse misterioso antepassado que Dumont decide escrever um livro sobre ele.

Ao tentar descobrir quem de fato era Álvaro Garreto, Dumont retoma contato com um ex-colega de redação, o Rezende, através do qual conhece Bárbara, uma mulher misteriosa que lhe levará ao inferno: na volta de uma viagem que fazem a Ouro Preto ― em parte para procurar pistas de Garreto, em parte para se lançarem em uma aventura amorosa ―, eles sofrem um grave acidente de carro. É o começo da derrocada de Dirceu Dumont.

Apenas ele escapa com vida, e para isso contou com uma boa dose de sorte. Somente depois de passar seis meses no hospital, entre cirurgias e tratamentos ― ele agora precisará de uma bengala para poder andar ―, é que Dirceu tem alta. Em seguida vê-se obrigado a abandonar Belo Horizonte e vai morar em Ouro Preto ― consequência de sua inconsequente relação com Bárbara, cujo passado é comprometedor. Já na cidade histórica, torna-se cliente assíduo de um bar na zona boêmia da cidade, cujo dono é um mineiro que se diz espanhol.

Aposentado por invalidez, sem parentes nem amigos, Dumont vive seus dias em Ouro Preto como se fosse um personagem de Beckett, à espera de um Godot que ele sequer sabe se existe e que talvez não apareça jamais.

Apesar das várias referências literárias ― sendo uma delas a Fichas de vitrola ― e do "romance dentro do romance" ― que, no fim das contas, não se concretiza ―, O altar das montanhas de Minas não chega a ser um "metalivro", porque a elas se sobrepõe a vida de Dirceu Dumont e seus revezes, muito menos uma daquelas obras repletas de citações e referências que muitas vezes mais atrapalham do que ajudam. Essas menções, na verdade, são artifícios utilizados pelo autor para, de certa forma, "brincar" com um gênero literário tão praticado na história da literatura, os livros dentro dos livros.

O que está em foco, em O altar das montanhas de Minas, é a história de um homem que, por causa de um movimento mal ensaiado, de uma decisão infeliz, perde o rumo de sua vida e é obrigado a reaprender a viver. Felizmente para Dumont, e também para o leitor que o acompanhar nesta jornada que começa paradisíaca, se torna cruel e termina de maneira terna, nem toda esperança está perdida. As montanhas de Minas lhe reservam um final que, se não é feliz, ao menos não é trágico.

Jaime Prado Gouvêa é um autor que, ainda segundo Caio F., "só peca por publicar tão pouco". Quem sabe agora, com o ressurgimento de seus livros para a nova geração de leitores, Jaime Prado volte a escrever e publicar. Mas, caso isso não aconteça, ao menos tem-se nova oportunidade de ler este escritor de grande talento cuja obra é pequena em quantidade, mas enorme em qualidade e abrangência.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/5/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A nova classe média de Jardel Dias Cavalcanti
02. A sedução da narrativa de Marta Barcellos
03. Festa de família à brasileira de Lucas Rodrigues Pires
04. O inverno de Fante de Fabio Silvestre Cardoso
05. E Essa Violência Que Enternece? de Daniel Aurelio


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2010
01. Meus melhores livros de 2009 - 22/1/2010
02. O altar das montanhas de Minas - 21/5/2010
03. O petista relutante - 29/10/2010
04. Sobre o preço dos livros 1/2 - 20/8/2010
05. Escrevemos para nós mesmos (?) - 10/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


O ÁRABE DO FUTURO
RIAD SATTOUF

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



SOB A LUZ DA LUA
ANDREA CREMER

De R$ 52,00
Por R$ 26,00
50% off
+ frete grátis



CHEGANDO LÁ!
JULIO LOBOS

De R$ 19,00
Por R$ 9,50
50% off
+ frete grátis



PLAYBOOK - O MANUAL DA CONQUISTA
BARNEY STINSON E MATT KUHN

De R$ 24,90
Por R$ 12,45
50% off
+ frete grátis



O CONCEITO DE DIREITO
H. L. A. HART

De R$ 87,40
Por R$ 43,70
50% off
+ frete grátis



A LOJA DE TUDO - JEFF BEZOS E A ERA DA AMAZON
BRAD STONE

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



ACIDENTES DO TRABALHO
GUSTAVO FILIPE BARBOSA GARCIA

De R$ 56,00
Por R$ 28,00
50% off
+ frete grátis



A ASCENSÃO DE TALULLA
GLEN DUCAN

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



KATHERINE
ANYA SETON

De R$ 65,00
Por R$ 32,50
50% off
+ frete grátis



CAÇANDO A REALIDADE - A LUTA PELO REALISMO
MARIO BUNGE

De R$ 85,00
Por R$ 42,50
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
59227 visitas/dia
1,5 milhão/mês