O altar das montanhas de Minas | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
30740 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> "A roda de cura pelo aiurveda" apresenta os princípios do milenar sistema medicinal indiano
>>> release banda BRVTO AMOR
>>> Estúdio Móvel recebe autores do site de humor Sensacionalista
>>> Estação Plural traz um bate-papo com Emílio de Mello em novo horário na TV Brasil
>>> Pátio Alcântara recebe o clássico 'Mágico de Oz'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O bosque das almas infratoras
>>> Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I
>>> A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura
>>> A Garota do Livro: uma resenha
>>> Sarkozy e o privilégio de ser francês
>>> Noturno para os notívagos
>>> Wanda Louca Liberal
>>> Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco
>>> Um safra de documentários de poesia e poetas
>>> Nos tempos de Street Fighter II
Colunistas
Últimos Posts
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
>>> 75 anos de Charlie Watts
>>> Blockchain by William Mougayar
>>> Caravana em BH
Últimos Posts
>>> Combustíveis
>>> Vibrações
>>> Existencialismo
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> Ajustando o rumo
>>> Da linguagem das águas
>>> A guerra de tróia entre os PHdeuses!!!
>>> Raízes da corrupção
>>> Dr. Onan, o advogado.
>>> O marido perfeito
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Tonezzi: Arte e Pesquisa Sem Fronteiras
>>> Entrevista com Sheila Leirner
>>> As máximas de Chamfort
>>> Lou Andréas-Salomé
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> 10º Búzios Jazz e Blues
>>> Uma Srta. e um Blog
>>> A História das Notas de Rodapé
>>> Drama e glória de escrever
Mais Recentes
>>> A LOUCURA DE ISABELLA (E outras comédias da Commedia Dell`Arte)
>>> MANUAL MÍNIMO DO ATOR - Dario Fo
>>> Religião para Ateus
>>> Mural de Ventos
>>> Sentimento do Mundo
>>> O TEATRO SOVIÉTICO
>>> EL TEATRO RUSO (Del Imperio a los soviets)
>>> A Literatura Brasileira Através dos Textos
>>> BREVE HISTORIA DEL TEATRO SOVIÉTICO
>>> TEORIAS DO TEATRO (Estudo histórico-crítico, dos gregos à atualidade)
>>> O TEATRO E SUA ESTÉTICA (2 volumes) Redondo Júnior
>>> INTRODUÇÃO ÀS GRANDES TEORIAS DO TEATRO - Jean-Jacques Roubine
>>> TEMAS EM CONTEMPORANEIDADE, IMAGINÁRIO E TEATRALIDADE
>>> O IMAGINÁRIO GRUPAL (Mitos, violência e saber no Teatro de Criação)
>>> DIONISO (Apologia do teatro) - O AMADOR DE TEATRO (Ou a regra do jogo)
>>> História da Literatura Brasileira Modernismo
>>> Oriente Médio, A Gênese das Fronteiras
>>> EL TEATRO CONTEMPORANEO POLACO
>>> Kafka
>>> BREVE HISTORIA DEL TEATRO INGLÉS
>>> O TEATRO NA FRANÇA
>>> TEATRO FRANCÊS
>>> O Fauno de Mármore
>>> TEATRO SOCIAL EN ESPAÑA
>>> HISTORIA DEL TEATRO ESPAÑOL
>>> O TEATRO AMERICANO CONTEMPORÂNEO
>>> O TEATRO NORTE-AMERICANO DE HOJE
>>> TEATRO ALEMÃO (Esboço Histórico) Anatol Rosenfeld
>>> PERSPECTIVAS DO MODERNO TEATRO ALEMÃO
>>> TEATRO NA ALEMANHA - 1960/1984
>>> GUGU MANIA
>>> Rangers A Origem Livro 1 O Torneio de Gorlan
>>> Querido Diário Otário-Ano Dois-Aproveite cada dia como se fosse o mais otário
>>> VIVA SEM MEDO- 15 atitudes que você deve tomar diante do câncer e outras doenças
>>> DEUS NÃO EXISTE ( eu rezo para Ele todos os dias)- UMA LEITURA DO PAI NOSSO
>>> A dimensão econômica da soberania sob a perspectiva de sua dimensão política
>>> Efeitos da cláusula de raio nos shopping centers
>>> Geopolítica das Igrejas e Anarquia Religiosa no Brasil
>>> Velhos saberes, novas abordagens - A Geografia à Luz da Contemporaneidade
>>> Entre a memória e o mercado: identidade, (re)significação e cultura empresarial
>>> Direitos existenciais emergentes: uma análise sociológica de casos difíceis no Supremo
>>> Direito Internacional dos Investimentos: o tratamento justo e equitativo dos investidores
>>> Ainda que tardia: escravidão e liberdade no Brasil contemporâneo
>>> O esforço fiscal dos municípios e as transferências intergovernamentais
>>> A identidade brasileira por meio de imagens na obra Triste fim de Policarpo Quaresma
>>> O direito internacional dos investimentos e a promoção do direito ao desenvolvimento: reflexos na indústria do petróleo
>>> Investigando convicções morais: o que pensa a população do Rio de Janeiro sobre os direitos humanos
>>> Judicialização da política no Brasil: a polarização da disputa nas eleiçoes presidenciais
>>> Aspectos históricos do processo transexualizador no Rio de Janeiro
>>> Glissando Versos
COLUNAS

Sexta-feira, 21/5/2010
O altar das montanhas de Minas
Rafael Rodrigues

+ de 5600 Acessos


Ouro Preto

Não deixa de ser curioso o fato de, há cerca de quatro anos, os livros do jornalista e escritor mineiro Jaime Prado Gouvêa estarem disponíveis para aquisição apenas em sebos. Nascido na metade da década de 1940, Jaime Prado trabalhou no Jornal da Tarde e na sucursal de O Globo em Minas Gerais, além de ter integrado o Suplemento Literário de Minas Gerais em diversas fases do periódico, do qual é hoje superintendente.

A curiosidade reside no fato de, apesar de não ter sido um escritor inveterado, Jaime ser autor de uma obra portentosa, apesar de curta. No espaço de dezesseis anos, teve três livros de contos publicados: Areia tornando em pedra (1970), Dorinha Dorê (1975) e Fichas de vitrola (1986). Além desses, em 1991 publicou seu único romance, O altar das montanhas de Minas. Desde então, Jaime absteve-se de publicar ― e, a partir de certo ponto, escrever ― ficção.

Depois de dezesseis anos ― coincidência? ― sem nada publicar, em 2007 foi editada uma seleção do que de melhor havia nos seus livros de contos, segundo o autor, juntamente com mais (em suas palavras) "dois contos e meio" inéditos. Daí se originou o volume Fichas de vitrola & outros contos, uma obra "firme, forte, delicada", como diz o também jornalista e escritor Humberto Werneck, no prefácio do livro. Era o começo do retorno de Jaime Prado Gouvêa às livrarias.

Agora, neste início de ano, foi publicada uma nova edição de O altar das montanhas de Minas (Record, 2010, 208 págs.). Na orelha da primeira edição, reaproveitada nesta nova, Caio Fernando Abreu diz que o romance é "um dos livros mais fortes, belos e comoventes que li nos últimos tempos". Não é nenhuma surpresa, para aqueles que tiveram algum contato com a obra do escritor mineiro, que as palavras de Caio F. continuem de pé, mesmo passados quase vinte anos da publicação original da obra, que não perdeu seu vigor com o tempo.

Tal como a Divina Comédia de Dante Alighieri, O altar das montanhas de Minas é dividido em três partes, cujos títulos poderiam ser os mesmos da obra de Dante, com uma pequena inversão: a primeira seria o Paraíso; a segunda, o Inferno; e, a terceira, o Purgatório ― mas, como que para encerrar o ciclo, caminhando para o Paraíso.

O protagonista do romance é um jornalista, Dirceu Dumont. Logo nas primeiras páginas, fica-se sabendo que Dumont está começando a escrever um romance, cujo protagonista chama-se Álvaro Garreto, pseudônimo originado do cruzamento entre Almeida Garrett (escritor português), Antonio Barreto (poeta mineiro) e Álvaro de Campos (um dos heterônimos de Fernando Pessoa).

A ideia de escrever o livro vem depois que uma certa Marília (clara referência ao poema "Marília de Dirceu", de Tomás Antônio Gonzaga) lhe entrega vários escritos de Garreto, dizendo-lhe que ele e Dumont são parentes. Porém, Marília não revela a verdadeira identidade do escritor com quem, supostamente, teve um caso de amor. É para forçar-se a pesquisar sobre esse misterioso antepassado que Dumont decide escrever um livro sobre ele.

Ao tentar descobrir quem de fato era Álvaro Garreto, Dumont retoma contato com um ex-colega de redação, o Rezende, através do qual conhece Bárbara, uma mulher misteriosa que lhe levará ao inferno: na volta de uma viagem que fazem a Ouro Preto ― em parte para procurar pistas de Garreto, em parte para se lançarem em uma aventura amorosa ―, eles sofrem um grave acidente de carro. É o começo da derrocada de Dirceu Dumont.

Apenas ele escapa com vida, e para isso contou com uma boa dose de sorte. Somente depois de passar seis meses no hospital, entre cirurgias e tratamentos ― ele agora precisará de uma bengala para poder andar ―, é que Dirceu tem alta. Em seguida vê-se obrigado a abandonar Belo Horizonte e vai morar em Ouro Preto ― consequência de sua inconsequente relação com Bárbara, cujo passado é comprometedor. Já na cidade histórica, torna-se cliente assíduo de um bar na zona boêmia da cidade, cujo dono é um mineiro que se diz espanhol.

Aposentado por invalidez, sem parentes nem amigos, Dumont vive seus dias em Ouro Preto como se fosse um personagem de Beckett, à espera de um Godot que ele sequer sabe se existe e que talvez não apareça jamais.

Apesar das várias referências literárias ― sendo uma delas a Fichas de vitrola ― e do "romance dentro do romance" ― que, no fim das contas, não se concretiza ―, O altar das montanhas de Minas não chega a ser um "metalivro", porque a elas se sobrepõe a vida de Dirceu Dumont e seus revezes, muito menos uma daquelas obras repletas de citações e referências que muitas vezes mais atrapalham do que ajudam. Essas menções, na verdade, são artifícios utilizados pelo autor para, de certa forma, "brincar" com um gênero literário tão praticado na história da literatura, os livros dentro dos livros.

O que está em foco, em O altar das montanhas de Minas, é a história de um homem que, por causa de um movimento mal ensaiado, de uma decisão infeliz, perde o rumo de sua vida e é obrigado a reaprender a viver. Felizmente para Dumont, e também para o leitor que o acompanhar nesta jornada que começa paradisíaca, se torna cruel e termina de maneira terna, nem toda esperança está perdida. As montanhas de Minas lhe reservam um final que, se não é feliz, ao menos não é trágico.

Jaime Prado Gouvêa é um autor que, ainda segundo Caio F., "só peca por publicar tão pouco". Quem sabe agora, com o ressurgimento de seus livros para a nova geração de leitores, Jaime Prado volte a escrever e publicar. Mas, caso isso não aconteça, ao menos tem-se nova oportunidade de ler este escritor de grande talento cuja obra é pequena em quantidade, mas enorme em qualidade e abrangência.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 21/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Etapas em combustão de Fabio Gomes
02. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
03. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
04. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
05. A maldade humana de Gian Danton


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2010
01. Meus melhores livros de 2009 - 22/1/2010
02. O altar das montanhas de Minas - 21/5/2010
03. O grande jogo de Billy Phelan - 2/4/2010
04. Sobre o preço dos livros 1/2 - 20/8/2010
05. O petista relutante - 29/10/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MÁGICA FÉ- A VOLTA AO MUNDO EM BUSCA DE DEUS
J.J. BENÍTEZ
NOVAERA
(1997)



UM DISCURSO FATAL
REX STOUT
NOVA FRONTEIRA
(1984)



O MÉDICO E O MONSTRO
ROBERT LOUIS STEVENSON
MELHORAMENTOS
(2004)



SALVANDO VIDAS - UMA HISTÓRIA DO HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO
ILDEFONSO FONSECA
MXM
(2013)



ESAÚ E JACÓ
MACHADO DE ASSIS
MARTIN CLARET
(2001)



SENHORA
JOSÉ DE ALENCAR
MARTIN CLARET
(2007)



DIÁRIO DE UM BANANA 7- SEGURANDO VELA
JEFF KINNEY
VERGARA & RIBA
(2016)



PERSONALIDADE INTRUSA
ELIEZER C. MENDES
INSTITUTO BRASILEIRO DE PARAPSICOLOGIA CLÍNICA
(1976)



A CAIXA-PRETA
AMÓS OZ
COMPANHIA DE BOLSO
(2007)



O CASO THOMAS QUICK
HANNES RASTAM
RECORD
(2014)





busca | avançada
30740 visitas/dia
1,2 milhão/mês