Hebreus e monstros, parte I | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
35479 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Casa das Rosas exibe adaptação cinematográfica de poema de Carlos Drummond de Andrade
>>> Casa das Rosas realiza curso que discute a história da literatura e o desenvolvimento de SP
>>> Banda Comitatus apresenta Beatles e comemora 40 anos de estrada na Tupi
>>> Museu em família traz bate-papo sobre a gastronomia nos livros infantis e ensina receita
>>> Livro de especialista faz mapeamento de fragilidades empresariais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
>>> A Joaninha e alguns vícios
>>> Somente o sol como sombra
>>> Brevidade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Psicodelia e colesterol
>>> Biografia de Freud em quadrinhos é exuberante
>>> Biografia de Freud em quadrinhos é exuberante
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Não li em vão
>>> A crise da pauta
>>> A crise da pauta
>>> A crise da pauta
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
>>> Toma!
Mais Recentes
>>> A Salvação da Alma
>>> O Tiete do Agreste
>>> Guia de alimentos da Dieta de South Beach
>>> Simplesmente Zico
>>> Os 55 Maiores Jogos das Copas do Mundo
>>> Aikido e o Poder das Palavras
>>> A reencarnação de uma rainha
>>> Coisas fragéis 1
>>> Coisas fragéis 2
>>> Incal volume um
>>> Dr. Estranho Shamballa(capa dura)
>>> Nietzsche - Obras Escolhidas(3 livros em um)
>>> A República 14° Edição
>>> Música e ancestralidade na Quixabeira
>>> 50 Ideias de física quântica que você precisa conhecer
>>> Working the Light: A Photography Masterclass
>>> Within the Frame: The Journey of Photographic Vision
>>> Where's Mauriac?
>>> What If. . .?
>>> What Every Pianist Needs to Know About the Body
>>> Vygotsky em Foco - Pressupostos e Desdobramentos
>>> Vygotsky e Bakhtin Psicologia e Educação
>>> Você Sem Limites - Rompendo Barreiras no Desempenho Pessoal
>>> Viver em Vitória
>>> Vitalizando El Programa de La Iglesia
>>> Visão Panorâmica da História da Igreja
>>> Vida Discipular 1 a Cruz do Discípulo
>>> Vida Discipular 1 a Cruz do Discípulo
>>> Viagem ao Centro da Terra
>>> Vencendo a Crise
>>> Velhinho Entalado na Chaminé
>>> Un Capitán de Quince Años - Col. Biblioteca Billiken N.37
>>> Uma Vida Com Prioridades
>>> Uma Interpretação da Bíblia VT
>>> Uma Igreja Com Propósito - dedicatória do Pr Ary Velloso
>>> Uma Alternativa de Missão para a Igreja
>>> Um Por Todos, Todos Por um
>>> Um Dia de Cada Vez
>>> Ulpan Adultos 1 - Unidades 1-19 - Curso de Hebraico
>>> Turismo em Análise V.15 N.2 Novembro 2004
>>> Turismo em Análise V.15 N.1 Maio 2004
>>> Turismo em Análise V.14 N.2 Maio 2003
>>> Turismo em Análise V.14 N.1 Maio 2003
>>> Turismo e Terceira Idade
>>> Turismo e Desenvolvimento
>>> Tu Não Te Moves de Ti - 1ª Edição
>>> Tipos de Pensamento Judaico
>>> Tia, Te Amo
>>> The Quintessence Of Ibsenism
>>> The Power of Prayer in a Believer's Life
COLUNAS

Quarta-feira, 11/8/2010
Hebreus e monstros, parte I
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3200 Acessos

O Senhor lhe ordenou que voltasse ao Egito para libertar Seu povo da tirania do faraó. A ordem foi tão inesperada quanto a própria aparição do Senhor, manifesto numa incandescência não inflamável, que envolvia uma sarça sem consumi-la. Moisés, depois de ouvir perplexo a voz do Senhor, calçou as sandálias (fora ordenado que as retirasse, pisava em solo sagrado) e voltou para casa, suponho que ainda sentindo no espírito as reverberações das palavras EU serei contigo que emanava do mato candente, e contou à sua esposa, Zípora, num misto de entusiasmo e estupefação, o encontro inesperado que tivera enquanto cuidava do rebanho. Narrou o encontro, lhe disse a missão de que estava irresistivelmente incumbido. Ela, convencida por ele dos propósitos de Deus, disse que o acompanharia. E foram ao encontro do faraó, montados sobre o mesmo camelo.

Um desígnio imposto pelo Senhor já é, por si, uma coisa difícil de suportar. No caso de Moisés, era muito mais. Quando saiu de Midiã com o propósito de libertar os hebreus, ele imaginava que o faraó a quem teria de dar a notícia ("Olha, desculpa, mas vou levar todos os escravos hebreus comigo para a Terra Prometida. Sabe como é, foi Ele quem mandou.") fosse seu próprio pai, o homem que o criou, marido da mulher, sua mãe, que o tirou do rio Nilo, ainda bebê, de dentro de um cesto de junco, calafetado com betume e piche.

Moisés e Zípora são recebidos no palácio. A corte toda fica surpresa ao ver, depois de anos desaparecido, Moisés, outrora um príncipe desordeiro, vestido como um dueiro midianita. Surpreso também o próprio príncipe-pastor: o agora faraó é seu irmão Ramessés, que o recebe com ternos abraços. Este encontro traz felicidade imediata ao novo faraó. Ele sempre adorou o irmão baderneiro. Moisés sumira no deserto logo depois de matar, acidentalmente (ao contrário do que está em Êxodo 2.22), um capataz egípcio. O reaparecimento de Moisés quando o então faraó é Ramessés não poderia ser mais conveniente: o soberano poderia perdoar todo e qualquer crime, de quem quer que fosse. O que efetivamente fez, perdoou o crime do irmão.

Os planos de Deus e o destino dos israelitas, contudo, seriam obstáculos grandes demais, maiores que o amor fraterno que havia entre o jovem faraó e o enviado especial do Senhor.

* * *

A história de Moisés e de como ele liderou a fuga dos hebreus do Egito está no Êxodo, segundo livro do Pentateuco, no Velho Testamento. A narrativa acima tem algumas licenças, mas não são minhas. São dos roteiristas do filme O Príncipe do Egito, animação de estreia da Dreamworks, e filme predileto da minha filha, hoje com três anos e oito meses. O curioso é que não somos cristãos nem judeus (nem mesmo batizados), sequer ensinamos a ela o Pai Nosso, nem qualquer coisa similar. Mas sempre que assistimos a este filme juntos, o que aconteceu praticamente todos os dias das férias, vejo os olhinhos dela brilharem quando Moisés firma o bordão na areia e as águas do Mar Vermelho se abrem "qual um muro à sua direita e à sua esquerda" (Êxodo 14.22).

Ela já foi adicta a outros filmes. O Mágico de Oz, Branca de Neve, A Princesa e o Sapo (este, pela trilha jazzística, muito adequado ao gosto musical da criança), Wall-E e, insolitamente, O Cavaleiro das Trevas. Mas com "a história do Moisés" é diferente, é mais intenso. Eu tenho de contar a história a ela na hora de dormir da mesma maneira como é narrada no filme, ela exige. Cada vez que lhe conto, fico impressionado com o fascínio que a jornada do Moisés tem para ela. É o herói da menina. Um herói sem espada nem escudo, sem cavalo branco nem armadura reluzente; herói de chinelos e barba, carregando um cajado, estimulado por uma força absoluta e que em primeiro lugar busca o diálogo. Um herói muito próximo da ingenuidade.

Mas O Príncipe do Egito não é um filme exatamente ingênuo. É um tanto cruel, na verdade. Essa é sua maior virtude. A maneira como a décima praga do Egito é encenada é exemplo disso. A décima praga é a morte dos primogênitos, "desde o primogênito de Faraó, que se assenta no seu trono, até ao primogênito da serva que está junto à mó, e todo o primogênito dos animais" (Êxodo 11.5). No filme, o filho do faraó é atingido pela praga. Quem lhe trouxe a morte, no contexto do filme, foi seu próprio tio Moisés. Você pode achar que é muito para uma criança lidar. Porém, mesmo eu, que sou contra catequizações religiosas, percebo que a riqueza espiritual e a técnica narrativa do filme suavizam o infanticídio divino (há mais cenas de infanticídio na fita, inclusive). Além do mais, dramaticamente, todas as desgraças que caem sobre o faraó o tornam um dos personagens mais trágicos que já vi no cinema "infantil", porque ele não é vilão, um vilão puro e simples, daquele tipo de antagonista cuja única função é criar obstáculos na vida do mocinho, como a Malévola, da Bela Adormecida; nem mesmo daquele outro tipo similar, que até tem motivos, mas que são mesquinhos, como a madrasta da Branca de Neve. Embora o filme seja de Moisés, o faraó Ramessés é reconhecido em suas razões. Herdeiro do trono, pressões e responsabilidades de mil anos sobre si, ama um irmão que está encarregado lhe destruir o império, tem de lutar contra uma força incomensurável. Seu filho morre, seu reino desmorona, seu irmão o trai, o deus dos hebreus o derrota. Trágico.

* * *

A maneira como os conflitos infantis são tratados no cinema mudou. Evoluiu. O cinema evoluiu, inclusive esteticamente.

(Não faço coro com os pessimistas, o cinema está cada vez melhor. Sempre que algum cinéfilo lhe disser que não há mais filmes como antigamente, seja lá quando tenha sido este "antigamente", diga que poucos filmes nascem clássicos: a importância de um filme na história do cinema e na vida do espectador, por suas características básicas (a história contada e como foi narrada), se cristaliza com o tempo. Blade Runner foi um fracasso quando lançado. Iron Giant, já que falo de cinema infantil, ainda espera por ser redescoberto e virar cult.)

Há filmes classificados como "infantis" cujos conflitos, personagens, cenários e tramas são para todas as idades. Ratatouille. Filmes que não subestimam as crianças. O mais importante: filmes que não matam a própria riqueza estética porque tem de passar um ensinamento. Up ― Altas Aventuras. Apenas contam uma história.

Se há um filme perfeito, que respeita o espectador, criança ou adulto, que conta uma história cativante e que, preenchendo todos os requisitos da jornada arquetípica, narra como um pequeno herói adquire confiança, compreensão e maturidade, sem deixar de ser criança!, este filme é Onde vivem os monstros.

Nota do Editor
Guilherme Montana mantém o Montana, Blog.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 11/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dando conta de Minas de Marta Barcellos
02. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
03. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton
04. É Tabu, Ninguém Quer Saber de Marilia Mota Silva
05. Eleanor Catton e seus luminares de Eugenia Zerbini


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COISAS ENGRAÇADAS ACONTECERAM NO CAMINHO PARA O FUTURO
MICHAEL J. FOX
PLANETA
(2011)
R$ 12,00



GÊMEAS - NÃO SE SEPARA O QUE A VIDA JUNTOU
MÔNICA DE CASTRO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2009)
R$ 2,70



O TRISTE FIM DO MENINO OSTRA E OUTRAS HISTÓRIAS
TIM BURTON
GIRAFINHA
(2016)
R$ 25,00



PARAPSICOLOGIA EXPERIMENTAL
HERNANI GUIMARÃES ANDRADE
BOA NOVA
(1976)
R$ 20,00
+ frete grátis



STOCK IMAGE WHAT?ARE THESE THE 20 MOST IMPORTANT QUESTIONS IN HUMAN
MARK KURLANSKY
WALKER BOOKS
(2011)
R$ 20,00



AMALDIÇOADAS - AS CRÔNICAS DAS IRMÃS BRUXAS
JESSICA SPOTSWOOD
ARQUEIRO
(2014)
R$ 22,90



PROJETO BURITI GEOGRAFIA 4° ANO
MARISA MARTINS SANCHEZ
MODERNA
(2013)
R$ 9,30



O TRONO DO SOL - A MAGIA DA ALVORADA
S. L. FARRELL
LEYA
(2012)
R$ 14,99



VIVER É A MELHOR OPÇÃO - A PREVENÇÃO DO SUICÍDIO NO BRASIL E NO MUNDO
ANDRÉ TRIGUEIRO
CORREIO FRATERNO
(2015)
R$ 21,15



DIGA ME COM QUEM ANDA...
JUDITH RICH HARRIS
OBJETIVA
(1999)
R$ 70,00





busca | avançada
35479 visitas/dia
947 mil/mês