A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
38231 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
>>> Silibrina é uma das bandas brasileiras selecionadas para o SXSW
>>> Chapel Art Show comemora 50 anos e homenageia German Lorca
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Adiós, muchachos
>>> Bang bang: tiroteio de clichês
>>> absolutamente
>>> Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?
>>> Verão Poesia Internacional BH
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> O grande livro do jornalismo
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> Tectônicas por Georgia Kyriakakis
>>> Crítica à arte contemporânea
Mais Recentes
>>> Einstein O Campo Unificado
>>> Dez Lições de Sociologia
>>> Manual do paulistano moderno e descolado
>>> Amor e solidão
>>> Grammar Practice for Intermediate Students
>>> Sombra Errante- a perceptora na narrativa inglesa do século XIX
>>> A mecânica das águas
>>> Judy Moody salva o mundo!
>>> O nascimento do prazer
>>> Cálculo Volume 2
>>> Engenharia de Controle Moderno
>>> Curso de Ciruitos Elétricos Volume 1
>>> Um curso de Cálculo Volume 1
>>> História da Literatura Brasileira - Vol. único
>>> A arte da Guerra - Os treze capítulos - 2ª ed.
>>> Sua Eminência o Cardeal Dom Lucas Moreira Neves
>>> A Princesa Vermelha
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Envergonhada - Vol. 01
>>> Estudos sobre os Lusíadas////Estudos da Língua Portuguesa
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Escancarada - Vol. 02
>>> Hamlet
>>> Fedro
>>> Número Zero
>>> Roma Antiga - De Rômulo a Justiniano. Convencional
>>> Essencial Franz Kafka
>>> The Communist Manisfesto And Other Writings
>>> Harlequin (The Grail Quest) Vol. 01
>>> Nova Visão em Ortodontia-Ortopedia Facial
>>> Sociologia - Introdução à ciência da sociedade (4ª ed.)
>>> Diagnostico,Planejamento e Condutas Clinicas na Técnica Ortodôntica
>>> The Child With Traumatic Brain Injury Or Cerebral Palsy
>>> Teoria Geral do Estado
>>> Roteiro para Mídia Eletrônica - TV, rádio, animação e treinamento corporativo
>>> The Art of The Advocate
>>> O Problema da Obediência em Hobbes
>>> Mitos e Mitologias Políticas
>>> 1946 - Le Droit Mis en Scéne
>>> Enfermagem em Cardiologia
>>> Fundamentos de Dentistica Operatoria
>>> Saude EM Contingencia Com Prudutos Quimicos
>>> O medo de Montalbano
>>> Pátria de Histórias Bahia prosa e poesia
>>> Torrentes Espirituais
>>> Azincourt
>>> A Sarsa de Horeb ou o Mistério da Serpente
>>> Homem e Mulher A Integração como caminho de desenvolvimento
>>> Terra à vista. Histórias de náufragos da Era dos Descobrimentos
>>> A Voz íntima do Amor
>>> Desenho Arquitetônico 2ª ed.
>>> Morar Só - Uma opção de vida
COLUNAS

Terça-feira, 31/8/2010
A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
Wellington Machado

+ de 11700 Acessos
+ 1 Comentário(s)


Ilustra: o urso azul

Qual é a relação entre a mente e o cérebro? A mente, que abriga nossos dilemas, nossa imaginação, catalisa nossas emoções e compõe nossos poemas, músicas, escreve textos, é fruto dessa massa esponjosa que carregamos no crânio? Até que ponto o cérebro, com suas sinapses e milhões de neurônios, influenciam ― se é que influenciam ― o nosso ato de pensar? Essa é uma questão que envolve a investigação de vários ramos da ciência como a neurociência, a psicologia e a biologia molecular, além de outras. Há estudos surpreendentes acerca do tema que podem, se comprovados (e estamos bem perto de uma comprovação), causar uma revolução de grandes proporções para humanidade.

O tema é a espinha dorsal de A ilusão da alma (Companhia das Letras, 2010, 256 págs.), mais recente livro de Eduardo Giannetti da Fonseca, cujo personagem principal é um professor de literatura especialista em Machado de Assis. Enquanto proferia uma palestra, o professor notou um lapso de memória que passou a ser recorrente. Ao se submeter a uma bateria de testes, descobre que tem um tumor cerebral. A cirurgia para a sua retirada deixa-lhe uma sequela: a perda parcial da audição. Mas, além da perda auditiva, o professor passa também a não suportar ruídos. Sua única opção é se isolar. E é o que ele faz. Ele se fecha em sua casa entre os livros e passa a se dedicar à filosofia, à investigação incessante e criteriosa da relação entre mente e cérebro. O seu lema, nas palavras de Giannetti, é "a curiosidade está para o conhecimento como a libido está para o sexo". O professor quer apenas conhecer. Não é pouco.

A relação mente-cérebro não é uma questão simples, ao contrário do que se imagina. Como é que o cérebro (realidade objetiva; órgão esponjoso e palpável) se liga à mente (realidade subjetiva, detentora virtual de pensamentos, sentimentos e memória) ― ou vice-versa? O professor descobre que há na história da filosofia duas correntes de pensamento. Há a corrente "fisicalista", os que julgam que o cérebro prevalece sobre a mente ("a alma que olha de fora para dentro"); e há também a corrente "mentalista" ("a alma que olha de dentro para fora"). Ressalte-se que a mente é também a alma (do título), como afirmavam alguns filósofos.

O que vem primeiro: um estímulo cerebral ― provocado por bilhões de neurônios ― que guia o nosso pensamento ou a força imaginativa e voluntária da mente que interfere no cérebro? Temos um ponto de partida. Sabemos que o cérebro, segundo Giannetti, "despista a mente", ou seja, a estimulação elétrica em algumas regiões do cérebro produz sensações visuais, auditivas, olfativas etc. Mas isso é pouco para o nosso professor-filósofo. Ele quer saber mais. A própria estrutura narrativa do livro retrata como se dá esse embate. O autor intercala pensamentos do professor (fluxos de consciência) com textos filosóficos (aparentemente anotações feitas ao longo do estudo).

E essa forma narrativa merece um aparte. A ilusão da alma é classificado como um romance. Mas ele não é somente um romance. É também ensaio. Como é também um livro filosófico. E se formos observar a arquitetura sublinear do texto teremos um excelente manual de como se constrói o conhecimento. Essa mania de rotular os livros trata-se, aparentemente, de uma exigência mercadológica, para colocá-los em alguma estante (negócios, ficção, artes). Existem vários autores que surfam, em suas narrativas, pelos mais diversos estilos (difícil classificar os livros de Nuno Ramos, por exemplo). Essa versatilidade parece se intensificar em nossos dias diante das várias possibilidades de acesso e utilização da informação, principalmente com a internet.

Eduardo Giannetti também parece usufruir dessas diversas possibilidades. Seus primeiros livros (As partes e o todo e Nada é tudo) são coletâneas de ensaios e artigos publicados em jornais, abarcando uma infinidade de temas como economia, ética, história das ideias, política e globalização. Os textos têm rigor filosófico, mas são extremamente acessíveis, cujas leituras são um deleite. Já as obras Vícios privados, benefícios públicos? e Auto-engano são mais voltadas para a economia e filosofia.

A ilusão da alma é irmão, creio, do não menos interessante Felicidade, quando se inicia um flerte do escritor com a ficção. Neste, o autor cria quatro personagens totalmente diferentes ― em ideologia, profissão, comportamento ― como pano de fundo para investigar as várias facetas da felicidade e suas implicações ao longo da história da humanidade. Enfim, A ilusão da alma merece uma classificação mais abrangente, talvez como "romance-filosófico", "ensaio-ficional"; ou simplesmente "romance/ensaio/filosofia".

Mas retornando ao enredo do livro, após se enfurnar nos estudos solitários, o nosso nobre professor chega aos mais atuais estudos da neurociência, que defendem uma surpreendente supremacia do cérebro em relação à mente. Nas palavras do autor, "o processo que culmina numa ação aparentemente voluntária [nossa] tem início no cérebro de modo pré-consciente, antes que a intenção de agir aflore ao espelho da mente (...) o cérebro é responsável sozinho por todas as nossas ações". A constatação prova que há uma ilusão da alma, qual seja, a de que ela tem o poder de coordenar as nossas ações. Temos a ilusão de que temos livre-arbítrio. Essa supremacia cerebral teria, segundo ilustra bem o autor, influenciado diretamente na decisão de Sócrates de não fugir à sua condenação ― como ele teve oportunidade de fazê-lo ― e beber a cicuta que o mataria.

As recentes descobertas ― passando agora do plano da ficção para a vida prática ― podem implicar em consequências alarmantes no campo da economia, por exemplo, no que tange ao mapeamento (cerebral) do nosso comportamento como consumidores. Enquanto vacilamos entre comprar ou não determinado produto, o cérebro já tem a decisão. E que tal um mapeamento do direcionamento dado pelos nossos cérebros sobre as nossas preferências políticas nas eleições?

A ilusão da alma, além de ser um compêndio filosófico e um romance de agradável leitura, levanta questões para seguirmos refletindo. De certa forma, o livro nos desperta para um debate ético-científico. Além disso, Eduardo Giannetti nos dá uma aula sobre como elaborar o conhecimento ― em momento oportuno, diante dessa enxurrada de informações diante da qual estamos ainda desorientados. O autor demonstra que a filosofia ― ou o ato de filosofar ― está acessível a qualquer um, inclusive de maneira interdisciplinar. Há um constante diálogo em A ilusão da alma entre os mais diversos campos do saber, como a neurociência, a biologia, a inteligência artificial e, claro, a literatura, nas palavras e no pensamento de Machado de Assis, Diderot, Dostoiévski, Rilke e Fernando Pessoa. Todos no exercício da alma, mas a serviço do cérebro.

Nota do Editor
Wellington Machado de Carvalho mantém o blog Esquinas Lúdicas.

Para ir além






Wellington Machado
Belo Horizonte, 31/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Digam a Satã que estreei de Luiz Rebinski Junior
02. Os burocratas e a literatura de Celso A. Uequed Pitol
03. Meu querido blog de Ana Elisa Ribeiro
04. Quem acredita em Sobrenatural? de Carla Ceres
05. Traficante, sim. Bandido, não. de Adriana Baggio


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010
05. A sombra de Saramago - 3/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/9/2010
22h57min
Comecei ler ontem, livro intrigante e denso, coisa de um escritor maduro!
[Leia outros Comentários de moises honorio queve]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA DOBRA NO TEMPO
MADELEINE L'ENGLE
MUNDO CRISTÃO
(2000)
R$ 29,68
+ frete grátis



CRÍTICA DA RAZÃO POPULAR
JOSÉ NEDEL
SANTUÁRIO
(1990)
R$ 10,00



UMA LONGA JORNADA
NICHOLAS SPARKS
ARQUEIRO
(2014)
R$ 8,90



TRILOGIA ERIC BERNE-VOCÊ ESTÁ OK?, OS JOGOS DA VIDA,ANÁLISE TRANSACIONAL EM PSICOTERAPIA
ERIC BERNE
ARTE NOVA ( SUMMUS)
(1977)
R$ 140,40
+ frete grátis



SÃO JORGE DOS ILHÉUS
JORGE AMADO
MARTINS
(1972)
R$ 10,00



A HISTÓRIA SECRETA DAS MENINAS TEMPESTIVAS
INÊS STANISIERE
PLANETA JOVEM
(2008)
R$ 26,00



OS SEGREDOS DO PAI-NOSSO - A SOLIDÃO DE DEUS
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2011)
R$ 12,40



REDESCOBRINDO O BRASIL 500 ANOS DEPOIS
INÁ ELIAS DE CASTRO & MARIANA MIRANDA & CLÁUDIO A.G. EGLER (ORGANIZADORES)
BERTRAND BRASIL
(1999)
R$ 15,00



O LIVRO VERDE DO PÔQUER - TEXAS HOLD'EM
PHIL GORDON
MARCO ZERO
(2010)
R$ 35,00



O HOMEM VOA - A VIDA DE SANTOS DUMONT O CONQUISTADOR DO AR
NANCY WINTERS
DBA
(2000)
R$ 13,00





busca | avançada
38231 visitas/dia
947 mil/mês