O preconceito estético | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
>>> Ilustres convidados
>>> Por que comemorar o dia das mães?
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Notas de um ignorante
Mais Recentes
>>> Michael Jackson
>>> Psicoterapia e Sentido da Vida
>>> Biblia evangelho lucas
>>> Escola Frankfurt
>>> Pimentos & Compahia
>>> Cozinha Saudavél
>>> Beer Ultimate Word Tour
>>> The Great Wines Of France
>>> Viagem Pitoresca Do Brasil
>>> 100 Canetas de Sempre
>>> Fra Agélico
>>> O Prazer de Viver Ligjht
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Master of french Art
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> A Concepção Materialista da História
>>> Garbo
>>> Sucos Para a Saúde
>>> Whitney Houston
>>> Mecanismos Internos
>>> 1001 Discos para Ouvir Antes de Morrer
>>> Kyoto
>>> Tom Cruise - Biografia Não-Autorizada
>>> A Origem e o Retorno
>>> Nelson Rodrigues Na Tv
>>> As Naus
>>> As Mulheres de Meu Pai
>>> Edições de Planeta - Ramakrishna - O Louco de Deus
>>> Great Escapes Africa
>>> O escolhido legado
>>> O Pintor Da Vida Moderna
>>> Turner
>>> 30 Sabores receitas de Ensopados
>>> Os cadernos de Dom Rigoberto
>>> Tantra - Arte e Refinamento do Amor
>>> Amanhecer
>>> Mito e Religião Na Grécia Antiga
>>> O Gigante em Você
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> A cidade de cada um - coleção Vera cruz vol.46
>>> Armadilha ao Contrário
>>> Rimas Da Vida E Da Morte
>>> Carmo
>>> O Próximo
>>> Meu pequeno São-paulino
COLUNAS

Quarta-feira, 29/12/2010
O preconceito estético
Guilherme Pontes Coelho

+ de 7400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu não me lembro do clima, talvez tenha chovido naquela tarde. Este dezembro, em Brasília, tem feito uma estação diferente a cada dia. Talvez tenha chovido mesmo, pois eu estava de carro, e não de bicicleta, como de costume. Durante aquela tarde, eu deveria executar uma simples tarefa. Reabastecer o guarda-roupa, coisa que homens só precisam fazer, quando precisam, uma vez por ano, e calibrar a estante "economia", uma seção da minha biblioteca a que deveria ter dado mais atenção em anos formadores. Adquirir roupas e livros era a tarefa. Acreditava que, por economia de tempo e paciência, o lugar onde eu os encontraria seria um shopping center. O raciocínio estava certo; mas a hora, errada. Dezembro. Gente por todos os lados comprando vale-presentes para amigos ocultos, meias e cuecas para maridos, chocolates (e vale-presentes) para esposas. Uma fauna variada e numerosa, lotando corredores, elevadores, lojas ― e enchendo a paciência de vendedores, que, por sua vez, enchem a dos clientes. Nem menciono as praças de alimentação, o círculo mais tenebroso de todo inferno center.

Mesmo assim, paciência era o que eu mais deveria ter. Lá estava eu, flanando por entre vários tipos, sem pressa, observando vitrines, conferindo preços. Mochila às costas para carregar as futuras compras, água de côco à mão para combater a secura. A diversidade que perambulava pelo shopping era, de alguma maneira, atraente. O mosaico humano é interessantíssimo. Um senhor perguntava ao filho, por telefone, qual era "a cor predileta da sua mãe" ― ele observava uma vitrine de lingerie. Um casal gay de rapazes trocava beijos enquanto a atendente do quiosque de pretzels, sorrindo um tanto envergonhada, tentava lhes entregar o pedido. Uma senhora, aparentemente setuagenária, estampava uma colossal interrogação no rosto enquanto o vendedor colocava, um ao lado do outro, patins cor de rosa sobre o balcão. Vestidas como atrizes de Sex and the City, duas moças, de aparência balzaquiana, passaram por mim, uma delas exalava um perfume conhecido, e que me dá alergia, enquanto a outra dizia "...pois eu prefiro o Vitor Belfort...". Em frente à loja de uma telefônica, a filha pré-adolescente instruía o pai sobre qual celular ele deveria comprar, tinha de ser um "bom pra quem gosta de viajar" ― não achei redundante a especificação que ela deu ao celular, que é um equipamento portátil de comunicação à distância, porque foi a última coisa que ouvi antes que entrassem na loja ―, mas jamais saberei a conclusão daquele raciocínio. Nem saberei se o marido comprou lingerie para esposa, e de que cor. Nem se a senhora na loja de esportes compraria os patins para alguma neta, o que seria clichê, ou se para ela mesma, o que eu acharia, além de clichê, o máximo. Nem se os rapazes gostaram do pretzel. Nem se as balzaquianas praticam alguma arte marcial. Estas cenas recortadas, contudo, é que são a graça.

Gosto da diversidade que algumas aglomerações proporcionam, ainda que observada em tão inquieta época do ano e no mais exasperante dos lugares. Mesmo assim, a missão ia sendo cumprida sem atropelos. Já havia passado por algumas lojas, comprado ali, despistado um vendedor irritante acolá. Então, quando entrei numa sapataria, me deparei com um espécime que há tempos não via e pensava que já estivesse sob ameaça de extinção. Eu, com meus próprios olhos, vi, à minha frente, respirando, uma mulher feia.

Inspirei fundo, expirei longo. Tomei um gole de água de côco. A feiúra hipnotiza. Fiquei olhando, atônito. Ouvi um vendedor se aproximando. Ele me perguntou o que procurava, se algum modelo ou marca específicos. Eu lhe disse, para me livrar dele, que queria um John Lobb, "qualquer modelo de tamanho 41". Duvidava muito que houvesse John Lobb Bootmaker naquela loja, mas ele partiu, muito solícito, para procurar. Não sei por quanto tempo procurou, uma dúzia de minutos, talvez mais. Mas isso não importava, porque eu fingia esperar por ele. O que eu queria mesmo era observar o milagre, aquele fenômeno, à minha frente, a mulher feia.

Hoje, relembrando aquele momento, não duvido que tenha ficado sob a vigilância das câmeras de segurança. Um jovem solitário, aparentemente em transe, carregando uma mochila nas costas, olhando (olhando?) fixamente para uma fêmea. Não duvido que alguns compradores, ao checar o interior da loja, tenham desistido de entrar porque me viram: eu, de olhar vidrado, absorto, impávido, assustador. Também não descarto a hipótese de que os demais clientes e os outros vendedores tenham se sentido, no mínimo, incomodados com a minha presença. Mas tenho certeza de que ela, a mulher feia, nem me percebeu. Ainda bem.

Lá estava, a feiúra. Jamais conseguirei descrever. Não saberia dizer a idade da criatura. Até porque feiúra não tem idade. Beleza também não. Também não sei a cor dela. O que também não importa, porque tanto a feiúra como a beleza não têm cor. Tento dimensioná-la e achar a altura dela, mas me perco, a sinapse não vem. Já vi mulheres feias mais altas e mais baixas que ela. E já vi belas de todas as alturas. Penso na cor do cabelo, na cor dos olhos, coisas que eu possa descrever para que você tenha uma noção de como era a figura. Mas quando tento digitar a cor com que minha mente colore a lembrança, ela muda; então tento digitar a nova cor, e ela muda novamente. Feiúra não tem cor. Mas eu e você já vimos a beleza sob todas as cores, alturas, formas, idades. Nós vivemos, nos termos de Umberto Eco, o politeísmo da beleza.

A mulher feia foi embora. Não lembro se carregava sacolas. Nem consigo descrever como se vestia. Ela sumiu na multidão de compradores. Neste momento, voltando à realidade, me apareceu o vendedor, dizendo que não havia "a marca que o senhor pediu". Agradeci, lhe desejei boas festas, saí andando lentamente em direção à livraria.

Nota do editor
Guilherme Montana mantém o Montana, Blog.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 29/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
02. Píramo e Tisbe de Ricardo de Mattos
03. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait
04. Contra a breguice no Facebook de Marta Barcellos
05. Liberdade de Ricardo de Mattos


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/1/2011
14h29min
Uau, que texto lindo! Adorei! É uma delícia passear por uma redação assim, com descrição fina de todos os acontecimentos em uma pequena passagem por um shopping. Parece um pensamento de começo de tarde... meio torto, meio sonso.
[Leia outros Comentários de Eliza R. P.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GIBI EDIÇÃO MARAVILHOSA Nº 89 - CANGACEIROS ( EBAL-1ª SÉRIE-1954
JOSÉ LINS DO REGÔ
EBAL
(1954)
R$ 50,00
+ frete grátis



LAGARTAS ESPERTAS - COL. SURPRESAS COLORIDAS
WENDY MCLEAN & DEE TEXIDOR
TODOLIVRO
(2005)
R$ 25,00



A CIDADE ILHADA
MILTON HATOUM
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 15,00



A ARTE CAVALHEIRESCA DO ARQUEIRO ZEN
EUGEN HERRIGEL
PENSAMENTO
(1979)
R$ 19,87



A LEI DE MURPHY SEGUNDA PARTE
ARTHUR BLOCH
RECORD
(1997)
R$ 10,00



ABBA - QUANDO A VIDA É UMA FESTA!
ABBA
ESCALA
(2012)
R$ 15,90



O MONTE CINCO
PAULO COELHO
OBJETIVA
R$ 4,90



O BRASIL DOS SERTÕES
ALEXANDRE BARROSO
DUNAS RACE
(2016)
R$ 5,40



ADOLPHE MONOD'S FAREWELL
OWEN THOMAS - TRANSLATOR
THE BANNER OF TRUTH
(1962)
R$ 35,00



HISTÓRIAS DE VIDA
LOUISE L. HAY
MADRAS
(2012)
R$ 17,50





busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês