Por quem os sinos dobram em Paris? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
38231 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
>>> Silibrina é uma das bandas brasileiras selecionadas para o SXSW
>>> Chapel Art Show comemora 50 anos e homenageia German Lorca
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Adiós, muchachos
>>> Bang bang: tiroteio de clichês
>>> absolutamente
>>> Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo?
>>> Verão Poesia Internacional BH
>>> Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti
>>> O grande livro do jornalismo
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> Tectônicas por Georgia Kyriakakis
>>> Crítica à arte contemporânea
Mais Recentes
>>> Einstein O Campo Unificado
>>> Dez Lições de Sociologia
>>> Manual do paulistano moderno e descolado
>>> Amor e solidão
>>> Grammar Practice for Intermediate Students
>>> Sombra Errante- a perceptora na narrativa inglesa do século XIX
>>> A mecânica das águas
>>> Judy Moody salva o mundo!
>>> O nascimento do prazer
>>> Cálculo Volume 2
>>> Engenharia de Controle Moderno
>>> Curso de Ciruitos Elétricos Volume 1
>>> Um curso de Cálculo Volume 1
>>> História da Literatura Brasileira - Vol. único
>>> A arte da Guerra - Os treze capítulos - 2ª ed.
>>> Sua Eminência o Cardeal Dom Lucas Moreira Neves
>>> A Princesa Vermelha
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Envergonhada - Vol. 01
>>> Estudos sobre os Lusíadas////Estudos da Língua Portuguesa
>>> As Ilusões Armadas: A Ditadura Escancarada - Vol. 02
>>> Hamlet
>>> Fedro
>>> Número Zero
>>> Roma Antiga - De Rômulo a Justiniano. Convencional
>>> Essencial Franz Kafka
>>> The Communist Manisfesto And Other Writings
>>> Harlequin (The Grail Quest) Vol. 01
>>> Nova Visão em Ortodontia-Ortopedia Facial
>>> Sociologia - Introdução à ciência da sociedade (4ª ed.)
>>> Diagnostico,Planejamento e Condutas Clinicas na Técnica Ortodôntica
>>> The Child With Traumatic Brain Injury Or Cerebral Palsy
>>> Teoria Geral do Estado
>>> Roteiro para Mídia Eletrônica - TV, rádio, animação e treinamento corporativo
>>> The Art of The Advocate
>>> O Problema da Obediência em Hobbes
>>> Mitos e Mitologias Políticas
>>> 1946 - Le Droit Mis en Scéne
>>> Enfermagem em Cardiologia
>>> Fundamentos de Dentistica Operatoria
>>> Saude EM Contingencia Com Prudutos Quimicos
>>> O medo de Montalbano
>>> Pátria de Histórias Bahia prosa e poesia
>>> Torrentes Espirituais
>>> Azincourt
>>> A Sarsa de Horeb ou o Mistério da Serpente
>>> Homem e Mulher A Integração como caminho de desenvolvimento
>>> Terra à vista. Histórias de náufragos da Era dos Descobrimentos
>>> A Voz íntima do Amor
>>> Desenho Arquitetônico 2ª ed.
>>> Morar Só - Uma opção de vida
COLUNAS

Quinta-feira, 21/7/2011
Por quem os sinos dobram em Paris?
Vicente Escudero

+ de 2100 Acessos


Na França, à meia-noite, os sinos dobram pela nostalgia de um escritor de roteiros de Hollywood perdido nas memórias afetivas de seus ídolos literários convivendo numa Paris festiva e boêmia, um redemoinho agregador de artistas dividindo suas expectativas e dúvidas entre um trago e outro, dançando no ritmo do jazz de Cole Porter e se encontrando na casa de Gertrude Stein para discutir ideias e dividir opiniões sobre seus trabalhos. T.S. Eliot esteve lá, com Fitzgerald e Zelda, Pablo Picasso, Dalí e Matisse, todos formando uma particular posteridade descrita por Hemingway, incumbido da função de delator na biografia definitiva da boemia e efervescência cultural dos anos de ouro de Paris, nas primeiras décadas do século XX, em Paris é uma Festa, publicado em 1964, logo após sua morte. Quem não gostaria de voltar no tempo e tomar alguns goles de absinto com seus ídolos, enquanto estavam no auge criativo?

Viajar de volta no tempo ainda é uma tarefa impossível. Para amenizar esta dificuldade técnica, resta apenas ao cinema ligar os dois pontos distantes da história e transportar o espectador para dentro da fantasia, neste caso um retrato fiel, pelo menos sentimental, das emoções do protagonista do novo filme dirigido e escrito por Woody Allen, Meia Noite em Paris. Gil, interpretado por Owen Wilson, é um escritor de roteiros de Hollywood prestes a se casar, em visita a Paris com sua noiva Inez (Rachel McAdams) acompanhada da família. Gil é um roteirista insatisfeito com o trabalho, distante da realidade e indiferente ao presente. Sonha em viver apenas da literatura e abandonar os roteiros açucarados que produz, mas não tem confiança para avançar e terminar o romance que está escrevendo.

Allen mais uma vez faz uma paródia de si mesmo, utilizando Owen Wilson, ator um pouco mais limitado do que as suas escolhas para protagonistas de filmes anteriores, como Hugh Jackman, Ewan McGregor e Jonathan Rhys Meyers. Apesar de suas limitações, Wilson acaba compensando pela sutileza cômica, a trágica passividade expressada nos conflitos com a noiva Inez, sempre disposta a gastar a paciência e o adiantamento recebido por Gil pelo seu último roteiro até os últimos centavos. O roteirista deseja conhecer os becos e cafés tradicionais de Paris, onde seus ídolos literários se escondiam do medo do fracasso, caminhar pela cidade durante a chuva "quando a cidade é mais bela", mas Inez é quase indiferente aos seus impulsos saudosistas e românticos, preocupa-se apenas em replicar a vida que leva na Califórnia, dentro de Paris.

Woody Allen aproveita para depreciar o estilo de vida consumista e espalhafatoso, apresentado por Inez e sua família, ao contrapor Gil Pender ao pedantíssimo escritor e professor universitário chamado Paul (Michael Sheen), amigo de Inez visitando Paris para palestrar na Sorbonne, que encontra o casal logo no início da viagem, enquanto almoçam num restaurante. Paul se esforça para impressionar Inez, tornando-se onipresente na viagem do casal e servindo de modelo de refinamento intelectual e conta bancária a ser alcançado por Gil, segundo Inez. Paul domina os cenários para conseguir demonstrar que sempre domina os assuntos. Enquanto observam uma estátua de Rodin, Paul se encarrega de destrinchar para os presentes, de forma mecânica e burocrática, todos os detalhes factuais e cronológicos que serviram de inspiração para a criação da escultura, complemetando, interrompendo e questionando a apresentação feita pela guia do museu, interpretada por Carla Bruni. Paul, atendendo aos padrões de refinamento exigidos por Inez, também é um enófilo e sabe apreciar a delicadeza do aroma e do sabor de cada safra de vinhos, enquanto Gil está mais preocupado em comer no mesmo bar onde esteve James Joyce ou dividir com a noiva uma quitinete perto da Sorbonne para reviver as agruras de Hemingway e sua primeira esposa, Hadley.

A fotografia de Paris pinta a adoração de Allen pela cidade. O movimento só existe durante a noite, o dia é reservado para o cotidiano banal da família de Inez, contrapondo a boemia noturna de ruas solitárias com o frenesi do trânsito intenso do dia. Gil Pender explora os becos estreitos durante a noite e acaba encontrando num velho calhambeque Peugeot os passageiros que o conduzem para a Paris de suas lembranças, onde encontra os ídolos que construíram suas obras favoritas, discutindo sobre a vida com Hemingway, Fitzgerald, Getrude Stein, T. S. Eliot e outros artistas, além de ter seu livro avaliado por Gertrude Stein e ganhar um conselho que muda o rumo de sua vida. Entre as viagens no tempo, um amor que se encerra no passado acaba renascendo no presente, num jogo entre épocas que imita a composição dos tempos de um romance.

Owen Wilson é uma surpresa interessante no papel de Gil Pender. Suas viagens pelo tempo na Cidade da Luz são uma representação fiel das preferências de Woody Allen e reproduzem o sonho comum dos escritores de algum dia dividir as angústias da escrita com seus ídolos. Nesse processo de reconstrução das imagens de homens e mulheres imperfeitos, mas autores de obras monumentais, a memória sacrifica os defeitos e acaba impondo aos personagens uma aura de santidade, sempre acompanhados de perto pela ingenuidade das lembranças de um admirador do futuro. Na homenagem a Paris, Woody Allen extravasa o humor de costumes e encerra uma reverência aos seus ídolos precursores. E é neste defeito, a sinceridade, que se encontra o grande valor do filme.


Vicente Escudero
Campinas, 21/7/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Isto não é um trote de Marta Barcellos
02. O Jagunço degolado de Wellington Machado
03. Flexibilidade Histórica de Daniel Bushatsky
04. Bruce, Bane e Batman de Vicente Escudero
05. Esquecendo de mim de Marta Barcellos


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA DOBRA NO TEMPO
MADELEINE L'ENGLE
MUNDO CRISTÃO
(2000)
R$ 29,68
+ frete grátis



CRÍTICA DA RAZÃO POPULAR
JOSÉ NEDEL
SANTUÁRIO
(1990)
R$ 10,00



UMA LONGA JORNADA
NICHOLAS SPARKS
ARQUEIRO
(2014)
R$ 8,90



TRILOGIA ERIC BERNE-VOCÊ ESTÁ OK?, OS JOGOS DA VIDA,ANÁLISE TRANSACIONAL EM PSICOTERAPIA
ERIC BERNE
ARTE NOVA ( SUMMUS)
(1977)
R$ 140,40
+ frete grátis



SÃO JORGE DOS ILHÉUS
JORGE AMADO
MARTINS
(1972)
R$ 10,00



A HISTÓRIA SECRETA DAS MENINAS TEMPESTIVAS
INÊS STANISIERE
PLANETA JOVEM
(2008)
R$ 26,00



OS SEGREDOS DO PAI-NOSSO - A SOLIDÃO DE DEUS
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2011)
R$ 12,40



REDESCOBRINDO O BRASIL 500 ANOS DEPOIS
INÁ ELIAS DE CASTRO & MARIANA MIRANDA & CLÁUDIO A.G. EGLER (ORGANIZADORES)
BERTRAND BRASIL
(1999)
R$ 15,00



O LIVRO VERDE DO PÔQUER - TEXAS HOLD'EM
PHIL GORDON
MARCO ZERO
(2010)
R$ 35,00



O HOMEM VOA - A VIDA DE SANTOS DUMONT O CONQUISTADOR DO AR
NANCY WINTERS
DBA
(2000)
R$ 13,00





busca | avançada
38231 visitas/dia
947 mil/mês