A arapuca da poesia de Ana Marques | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
38108 visitas/dia
862 mil/mês
Mais Recentes
>>> Punk 77: Tributo aos 40 anos do Punk com shows gratuitos em SP (29/7)
>>> Teatro do Incêndio promove oficina de teatro e artes integradas para jovens e crianças na Bela Vista
>>> A artista Claudia Malaguti participa de coletiva no Centro Cultural Light
>>> MAIOR EXPOSIÇÃO DE POESIA DO BRASIL PROMOVE SARAUS NA CAIXA CULTURAL RIO DE JANEIRO
>>> 2º Festival Cine Inclusão abre inscrições para oficinas de capacitação em cinema para idosos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
>>> Brasil, o buraco é mais embaixo
>>> Nós que aqui estamos pela ópera esperamos
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker
>>> Retratos da ruína
>>> Notas confessionais de um angustiado (VI)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
Últimos Posts
>>> Os opostos se atraem
>>> Coração de mãe
>>> Mascarando a dor
>>> Quanto às perdas II
>>> Pesquisa e blog discutem
>>> Náiades
>>> Equino
>>> Vágado
>>> Raízes II
>>> ITINERÁRIO (Poemeto kafkiano)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O amor é um jogo que ganha quem se perde
>>> A revista Bizz
>>> Retratos da ruína
>>> A essência do sabor
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> Amar la Trama, de Jorge Drexler
>>> Com intervalos de música séria
>>> Recordações da casa dos mortos
>>> Para ler o Pato Donald
Mais Recentes
>>> A Mãe ( Saúde e Cura no Yoga)
>>> O Progresso
>>> 1 Corintios 11 a 16
>>> Uma Introdução à Bíblia. (Coleção completa, 8 volumes)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs a partir da segunda geração (Vol. VIII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. As comunidades cristãs da primeira geração (Vol. VII)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Período Grego e Vida de Jesus (Vol. VI)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Exílio babilônico e dominação persa (Vol. V)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Reino dividido (Vol. IV)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Império de Davio e Salomão (Vol. III)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Formação do Povo de Israel (Vol. II)
>>> Uma Introdução à Bíblia. Porta de entrada (Vol. I)
>>> O mercador de tapetes
>>> O Sári Vermelho
>>> Contos De Todos Os Cantos - Projeto Literário 2013
>>> Quem é Quem na Bíblia
>>> Bíblia Deus Conosco: Introdução à Bíblia
>>> Deus. Onde estás?. Uma introdução prática à Bíblia
>>> Jesus, O Maior Psicólogo Que Já Existiu
>>> O Que Toda Mulher Inteligente Deve Saber
>>> Quem Mexeu No Meu Queijo?
>>> Química - Volume Único - 7ª ed. reformulada
>>> Diário de um Banana
>>> O Arco Íris De Feynman
>>> Meios de Comunicão e Democracia: Além do Estado e do Mercado
>>> Diário de um Banana, Rodrick é o cara
>>> A Escada Dos Anos
>>> A Quinta Estação
>>> O Teorema Katherine
>>> Nenê Bonet
>>> Greenwich Village 1963
>>> A Elite
>>> Pós Modernismo: A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio
>>> A Seleção
>>> Quando Nietzsche chorou
>>> Estudo da Filosofia Espírita
>>> Nietzsche para estressados
>>> O Degustador de Pamonhas
>>> Fronteiras do medo, quando Hollywood refilma o horror japonês
>>> O mundo de Sofia
>>> Casablanca, a criação de uma obra-prima involuntária do cinema
>>> Era Uma Vez no Spaghetti Western: o Estilo de Sergio Leone
>>> Maretenebrae: a queda de Sieghard
>>> O Menino que Perdeu a Magia
>>> Mundo de Fantas
>>> O Reino Dourado: Em Nome de Fanom
>>> Delírio, poesia e morte: a solidão de Álvares de Azevedo
>>> Livraria Limítrofe
>>> As HQs dos Trapalhões
>>> E Cuidado com o Sal
COLUNAS

Terça-feira, 22/11/2011
A arapuca da poesia de Ana Marques
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 11900 Acessos

Da Arte das Armadilhas é o segundo livro de poesia de Ana Martins Marques. É publicado, agora, pela prestigiosa editora Companhia das Letras. O livro aparece dois anos depois do excelente A Vida Submarina, publicado em uma edição muito caprichada pela editora Scriptum, de Belo Horizonte. O primeiro livro recebeu minha resenha aqui no Digestivo, no dia 23/03/2010, sob o título de "Poesia sem ancoradouro".

Na orelha do novo livro, o poeta Armando Freitas Filho chama a atenção para a "beleza sem esforço" da poesia de Ana Marques. Característica presente em ambos os livros. E aí está a marca maior de sua poesia: a capacidade de armar, através da expressão coloquial dos versos, a arapuca que finalmente cairá sobre o leitor, que, desprevenido, se vê aprisionado de uma hora para outra. Como se andando em ritmo compassado, caísse, de repente, num buraco sem saída. É a sensação que fica ao término da leitura de cada poema.

Misto de melancolia e ironia, os poemas não apontam saída para o drama humano, seja em sua relação com o amor, a natureza, o tempo, os objetos do mundo. E, pior, nem o verso escapa da ratoeira que o transforma, depois de capturado, em um "rato morto". "A linguagem/ sem cessar/ arma/ armadilhas", diz um dos poemas.

Entender as armadilhas? Não há como, pois, diz o mesmo poema, "somos nós as presas". E as armadilhas são tantas que nos envolvem em todos os campos e lugares da vida, principalmente no amor que, como a linguagem, também "sem cessar/ arma/ armadilhas". Um dos poemas do livro resume bem a ideia:

CAÇADA

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se

Na poesia de Ana Marques os objetos são traiçoeiros, não são o que aparentam ser, são mesmo, talvez, o contrário do que anunciam ser, como a vida e o amor, que se insinuam como promessa e terminam em fracasso. O título Açucareiro nos remete imediatamente a agradável sensação dos cristais de açúcar docemente derretendo na língua. Mas o que guarda o poema, sua armadilha, é o gosto amargo que aparece a partir de um objeto trivial do mundo cotidiano, o açucareiro, e de onde a poeta desvela o descontentamento com a experiência do amor: "De amargo/ basta/ o amor/ Agridoce,/ ela disse/ Mas a mim/ pareceu/ amargo".

A experiência negativa da vida vai sendo revelada a cada objeto apresentado. O poema Fruteira, nos faz pensar imediatamente em Caravaggio, que apresenta as frutas no ápice de sua potência e beleza e, ao mesmo tempo, num canto de uma ou outra fruta ou folha, já anuncia sua podridão e morte na sugestão do seu apodrecimento. O poema e o quadro são armadilhas que os artistas armam, expondo a doçura da vida, mas que ao primeiro piscar de olhos revela seu contrário imediato: a morte.

FRUTEIRA

Quem se lembrou de pôr sobre a mesa
essas doces evidências
da morte?

O mesmo se dá com relação à faca, que por trás de sua beleza, elegância e brilho, guarda o pior: "Sua fria elegância/ não escamoteia/ o fato:/ é ela que melhor se presta/ ao assassinato". Também o capacho das portas das casas, que vendem a mentira do "lar doce lar", revela-se na poesia de Ana Marques como o desejo de fuga para outro lugar que não a casa, mas a rua: "Home/ sweet/ rua".

Outro objeto carregado de negatividade é o brinco, abandonado na cama de seu querido, que "pode ser" a tentativa de impor uma lembrança, mas acaba "como se fosse/ (mas ó tão inexato)/ o meu amor". Afinal, diz o mesmo poema: "um cachorro estirado ao sol não é o sol". O brinco não é o amor e sua possibilidade, como o amor não é tão exato ou exatamente o quanto se espera que seja.

A condição dos leitores da poesia de Ana Marques, que se deleitam e sofrem a cada poema, pode ser comparada aos pássaros do poema Arapuca: "armando arapucas/ onde os pássaros/ caem cantando". Ao mesmo tempo em que nos inebriamos com a composição dos poemas e sua capacidade de nos pegar no laço, sentimos o quanto é difícil aceitarmos a prisão da arapuca que, apesar de revelar as desilusões, não nos deixa saídas: "Há desilusão/ mas não há/ fuga".

Em entrevista à Folha de São Paulo, Ana Marques fala de sua relação com o mar e seu aparecimento na poesia de alguém que vive em um Estado (Minas Gerais) sem mar. O que ela diz pode ser muito bem usado como uma metáfora da sua própria poesia. Diz Ana: "Acho que o que me atrai poeticamente no mar é ele ser ao mesmo tempo superfície e interior; ao mesmo tempo simples, regular, aberto, plenamente inteligível, e imprevisto, secreto, perigoso".

Não é outra coisa sua própria poesia, aparentemente simples, mas profunda e perigosa. Por trás do delicado rosto melancólico e do belo sapato de boneca da poeta (como na foto de divulgação), esconde-se aquela criança travessa, pronta a armar a arapuca que lhe proporcionará o prazer de ver a presa surpreendida pelo inesperado. Eis a magia da sua poesia.

Sobre ou contra o teatro da representação dos papéis da vida, Ana Marques joga com versos simples, mas que demonstram uma alta capacidade de aceitar e se armar do pior, como no poema Teatro:

TEATRO
Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho

Partindo da inutilidade dos objetos, como no poema Relógio, a poeta exibe ao mesmo tempo a contraposição entre a inutilidade do relógio e a afirmação mais negativa ainda de um outro tempo, um tempo próprio, interior, mas que também não deixa de ser regulado por ações que criam a prisão da vida em formas congeladas: "De que nos serviria/ o relogio? (...)/Se derramamos água:/ dia/ se entornamos vinho:/ noite/ (...) quando abrimos certos livros lentos/ e os mantemos acesos/ à custa de álcool, cigarros, silêncio:/ noite/ se adoçamos o chá:/ dia (...)/ se desabotoas lentamente/ tua camisa branca:/ dia/ se nos despimos com ânsia/ criando em torno de nós um ardente círculo de panos:/ noite (...)".

Apesar de alguns raros momentos bastante leves, o livro Da arte das Armadilhas não deixa o conforto ser dominante. Não dá para acomodar numa almofada macia e rosa a existência dos seres e objetos depois de sua leitura. Então, esses momentos breves de doçura são apenas como a bonita sombrinha que o equilibrista usa, mas com à qual, por mais bela que ela seja, não poderá contar para amortecer sua queda, como diz o poema A queda.

Um poema sugestivo é A descoberta do mundo, também uma metáfora do próprio ofício do poeta, que tenta alcançar o mundo com palavras, mas no fim das contas, solitário e "com os dois pés/ no cimento frio", se torna consciente do fracasso: "onde estás/ no que escrevi?".

Para ser coerente com a alma do livro e sua grandeza, não podemos deixar de pensar que depois de sua leitura "todas as coisas ficam marcadas/ como se estivessem/ impregnadas de veneno", para usar os termos da própria poeta no poema São Paulo.

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 22/11/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
02. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
03. Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
04. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
05. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CINCO NOVELAS EXEMPLARES - MIGUEL DE CERVANTES (LITERATURA ESPANHOLA)
MIGUEL DE CERVANTES
ARTE E LETRA
(2012)
R$ 18,00



RASTRO DA FÉ
MARTHA HUMBARD
BETÂNIA
(1980)
R$ 49,90
+ frete grátis



O TERRAÇO E A CAVERNA
MAURÍCIO LIMEIRA
FUNDAÇÃO CULTURAL DO ESTADO DO PARÁ
(2016)
R$ 27,00
+ frete grátis



MACHADO DE ASSIS - MELHORES CRÔNICAS
MACHADO DE ASSIS
GLOBAL
(2003)
R$ 20,00



DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA E O VATICANO II
LUIZ GONZAGA SCUDELER
PAULUS
(2014)
R$ 17,00



REVELAÇÕES - ASSASSIN'S CREED
OLIVER BOWEN
GALERA
(2013)
R$ 12,00



A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL - OS 2174 DIAS QUE MUDARAM O MUNDO
MARTIN GILBERT
CASA DA PALAVRA
(2014)
R$ 35,00



TRABALHO CORPORAL INTUITIVO
LOIL NEIDHOEFER
SUMMUS
(1994)
R$ 14,00



O LIVRO DAS ATITUDES
SÔNIA CAFÉ
PENSAMENTO
(1992)
R$ 15,75
+ frete grátis



HAMLET - ADAPTAÇÃO DE LEONARDO CHIANCA
WILLIAM SHAKESPEARE
SCIPIONE
(2002)
R$ 27,90





busca | avançada
38108 visitas/dia
862 mil/mês