A arte da crônica | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
40989 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Intervenção militar constitucional
>>> 'Eu quero você como eu quero'
>>> Reunião de pais, ops, de mães
>>> O gueto dos ricos
>>> Pendurados no Pincel
>>> Eu matei Marina Abramovic (Conto)
>>> Ivanhoé
>>> 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2)
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Iberê Camargo
>>> Walter Burkert (1931-2015)
>>> Como os EUA veem o Brasil hoje
>>> José Moutinho
>>> Stan Getz e Oscar Peterson
>>> Guilherme Carvalhal
>>> Poesia BR em Paris
>>> Onivaldo Paiva
>>> Humberto Alitto
>>> Cind Canuto
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> Luther King sobre os fracos
>>> Os Franceses, de Ricardo Corrêa Coelho
>>> Desenhando desde criança
>>> A mão pesada do gigante
>>> por que as drogas devem ser legalizadas
>>> Expressar é libertar
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> Alguns filmes do Oscar 2015
>>> A crise dos 28
>>> O fim da Bravo!
COLUNAS

Quarta-feira, 4/1/2012
A arte da crônica
Luiz Rebinski Junior

+ de 2300 Acessos

Humberto Werneck, em uma rápida entrevista, me diz que a crônica é "a vida ao rés do chão", evocando o célebre ensaio de Antonio Candido. Em tempos internéticos, o "causo literário" ainda resiste à superficialidade do mixuguês. E, em grande parte, por conta de Werneck, que se tornou uma espécie de militante de seu ofício: além de espalhar suas pílulas literárias pelos diversos meios de comunicação do país, o autor mineiro tem se esforçado para que a efemeridade crônica da crônica ganhe sobrevida, saia das páginas amareladas e tomadas por ácaros dos arquivos de jornais e reviva nas mãos de novas gerações por meio do livro, esse intrépido objeto que também ousa sobreviver aos tempos virtuais. É que além de cronista dos mais interessantes, Werneck tem se notabilizado por suas antologias, como a imperdível reedição ampliada de Bom dia para nascer, coletânea de crônicas de Otto Lara Resende, publicadas na Folha de S. Paulo no começo dos anos 1990.

E a dívida da crônica brasileira com Werneck não para de crescer: o escritor mineiro encabeça a recente coleção "Arte da Crônica", da avant-garde Arquipélogo Editorial, do timoneiro Tito Montenegro, que, além do livro de Werneck, Esse inferno vai acabar, já publicou Nós passaremos em branco, do curitibano Luís Henrique Pellanda, e Certos Homens, de Ivan Angelo.

O livro de Werneck traz 44 textos publicados em jornais - ah, os jornais, ainda o santuário da crônica! - como O Estado de São Paulo e Brasil Econômico. Se um dos combustíveis da crônica é a urgência do prazo de fechamento do jornal, sua danação, no entanto, é justamente a vida breve que tem. Por isso o livro, como uma fotografia, consegue eternizar o instante retratado pela crônica, esse texto fascinante e tipicamente brasileiro. Melhor para os leitores, que podem ler e reler textos magistrais, que parecem brotar do nada, como "Saudade da coxa de Catupiry", em que Werneck teoriza sobre a modernização dos tira-gostos, hoje irreconhecíveis em meio à infinidade de combinações que jogaram pra escanteio os tradicionais quitutes - entre eles a coxinha, o pastel e quibe, clássicos absolutos de qualquer festinha.

Ainda que muitos cronistas não gostem de ter seu ofício comparado a um trabalho meramente saudosista, a crônica tem na memória e na lembrança grande parte de seu sabor. Assim como aquela pegada cômica, em que a graça está justamente nas desventuras do próprio cronista, ou de algum "amigo" inexistente - sim, porque, assim como na ficção, na crônica há espaço para uma ou outra lorota, claro. Tente não rir de "A gente se acostuma", texto em que Werneck consegue falar do velho clichê que se refere ao nosso "jeitinho" sem fazer apologia ou crítica social.

"Meu amigo Paulo Leite tem seis lâmpadas no teto do banheiro, e faz tempo que cinco estão queimadas, o que no chuveiro o obriga a se posicionar assim meio de lado sob o único foco de luz hoje operante. Se também esse entregar os pontos, o banho noturno do conhecido fotógrafo passará a ser tomado em Braille." Taí um bom cronista: fala de coxinha e lâmpadas queimadas sem ser piegas ou chato. Herdeiro dos grandes cronistas mineiros - de Sabino a Paulo Mendes Campos -, Werneck nos faz acreditar quer tudo é possível - e fácil - com a escrita ao transformar um feijãozinho ralo em uma poderosa feijoada.

No livro há ainda momentos impagáveis, como o lado B de entrevistas saídas "Do caderno de um repórter". Estão lá pequenas histórias sobre grandes entrevistados de Werneck, gente "miúda" como Nelson Rodrigues, Carlos Drummond e Vinícius de Moraes. Textos que, puxados pelo fio da memória, renderiam um belo livro solo.

Nós passaremos em branco

Se Werneck é o alquimista que transforma o comezinho em grande tema, Luís Henrique Pellanda encarna o caçador de tipos em Nós passaremos em branco. Seu habitat é o centro de Curitiba, e sua matéria-prima homens e mulheres eclipsados pelo cotidiano, invisíveis para a maioria da população, que emergem nas crônicas como seres complexos - às vezes místicos, às vezes misteriosos. Não importa apenas contar uma boa história, o escritor dá aos seus personagens contornos épicos, com toques sobrenaturais, traz à tona detalhes que nos escapam, mas não ao cronista. Ao transformar o árido território por onde transitam seus personagens em um palco de alguma beleza, Pellanda reafirma a crença na própria literatura: sabe ele que o grande escritor vive constantemente afrontado pelas pequenezas da vida. Assim surgem os desgraçados que povoam a "Antologia dos demônios de Curitiba", uma série de oito textos que apresenta tipos que povoam o centro da capital paranaense, personagens tão fascinantes quanto esdrúxulos. Estão lá "O Diabo da Cruz Machado", "O morcego da Ermelino" e o "Encosto Bilheteiro", um time de párias de fazer inveja a João Antônio e que deixaria Malagueta, Perus e Bacanaço com caras de coroinhas.

"Há uma numerosa legião de pequenos diabos trafegando pelo centro de Curitiba, responsável, cada um deles, por uma tentação distinta, mesquinha e também pequena. O fato de serem miúdas essas tentações, a ponto de parecerem envergonhadas de sua condição rasteira, não significa, no entanto, que impliquem em perdas desprezíveis. Porque, para Deus, não obstante sua grandeza imensurável, nada é realmente pequeno", escreve o cronista em "O Encosto Bilheteiro".

Mais do que caçar almas penadas de existência torta, Pellanda faz o que, desde Dalton Trevisan, nenhum escritor curitibano havia feito: redesenhar o centro de Curitiba com contornos literários. E há conhecimento de causa nisso. Pellanda conhece as duas pontas da coisa: o centro de Curitiba e o terreno arenoso da escrita, ajudado nisso tudo pela experiência de repórter. O cronista também subverte a urgência da crônica ao burilar seus textos como se fossem contos. Parágrafos lapidados com paciência de artesão, como em "Conan, o milagreiro", crônica que traz a frase escolhida para dar título ao livro. Não é preciso saber onde funcionava o Cine Plaza, em Curitiba, nem ter assistido ao filme The Doors, de Oliver Stone, para se deixar levar pelo corte certeiro do texto do escritor, que relembra a pré-estreia do filme de Stone em uma cidade provinciana, com jovens carentes por uma mísera aparição de uma lenda do rock, ainda que falsamente encarnado por um galã de Hollywood.

"Em suma, o tempo voa, o dia destrói a noite, a noite divide o dia e nós passaremos em branco. Era o sonho de Manuel Bandeira, morrer completamente. Jim Morrison se foi em 1971, há quarenta anos, duas vezes duas décadas, e nos deixou uma única certeza: não há nenhuma vantagem prática em estar enterrado no Père Lachaise, ao lado de Balzac, Chopin, Camus e - ó esperança! - Kardec."

Ainda hoje, depois de uma tradição gloriosa, que fez da crônica um gênero idiossincrasicamente brasuca, não nasceu cronista que saiba explicar o que ao certo é a crônica. Mas não precisa. Livros como os de Werneck e Pellanda, caro leitor, nos traduzem exatamente os diversos sabores desse gênero delicioso.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 4/1/2012

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Intervenção militar constitucional de Gian Danton
02. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro
03. Pendurados no Pincel de Marilia Mota Silva
04. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
05. Saia curta, liberdade longa. de Adriane Pasa


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2012
01. A arte da crônica - 4/1/2012
02. O senhor Zimmerman e eu - 9/5/2012
03. Os contos de degeneração de Irvine Welsh - 17/10/2012
04. Luz em agosto - 15/8/2012
05. O caminho rumo ao som e a fúria - 1/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



>>> Papo de Mãe dá dicas para melhorar o relacionamento familiar
>>> Documentário sobre Angelique Kidjo ganha as telas da TV Brasil
>>> TV Brasil estreia série sobre canções que marcaram época
>>> Mirna Rubim e Jacinta cantam repertório de divas no Rio
>>> Alemão Art leva a arte urbana e o grafite para as telas, em Búzios
>>> Mahôe Bar anuncia parceria com grife nacional e divulga novidades musicais na programação em noite c
* clique para encaminhar

Arquipélago Editorial
José Olympio
Best Seller
Hedra
Companhia das Letras
Intrínseca
Primavera Editorial
Cortez Editora
Bertrand Brasil
Globo Livros
WMF Martins Fontes
Civilização Brasileira
Editora Perspectiva
Editora Record
Nova Fronteira
Editora Conteúdo
LIVROS


A PROMESSA DE FELICIDADE
JUSTIN CARTWRIGHT

De R$ 42,00
Por R$ 21,00
50% off
+ frete grátis



COMO GATA E RATO, COMO CÃO E GATA
LUIZ RAUL MACHADO

De R$ 25,00
Por R$ 12,50
50% off
+ frete grátis



BAHIA - GUIA DO TURISTA BRASILEIRO
ANINHA GONÇALVES

De R$ 43,00
Por R$ 21,50
50% off
+ frete grátis



OPERAÇÃO PORTUGA
SÉRGIO XAVIER FILHO

De R$ 34,90
Por R$ 17,45
50% off
+ frete grátis



O SEGREDO DA FLOR DO MAR
EDUARDO PIRES COELHO

De R$ 48,00
Por R$ 24,00
50% off
+ frete grátis



A TURMA
CHARLES MCCARRY

De R$ 52,90
Por R$ 26,45
50% off
+ frete grátis



UM RETRATO DO ARTISTA QUANDO JOVEM
JAMES JOYCE

De R$ 38,00
Por R$ 19,00
50% off
+ frete grátis



MANUAL DE GENTILEZAS DO EXECUTIVO
STEVE HARRISON

De R$ 36,50
Por R$ 18,25
50% off
+ frete grátis



O ATIRADOR DE IDEIAS
ADILSON XAVIER

De R$ 24,90
Por R$ 12,45
50% off
+ frete grátis



SOBRE A LIBERDADE
JOHN STUART MILL

De R$ 24,00
Por R$ 12,00
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
40989 visitas/dia
1,4 milhão/mês