A arte da crônica | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
26301 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Editora do Brasil lança Série sobre Temas Polêmicos
>>> Leda Nagle bate-papo com Jorge Aragão e Rosamaria Murtinho no Sem Censura
>>> CHAMADA PARA PROJETOS 'GOETHE NA VILA'
>>> Esquina: Conversas sobre o Centro
>>> Leilão de arte pelo contragolpe acontece amanhã na Funarte SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas confessionais de um angustiado (IV)
>>> A Imagem do Som
>>> A noite do meu bem, de Ruy Castro
>>> Quando (não) li Ana Cristina César
>>> Elon Musk
>>> Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês
>>> Eu blogo, tu blogas?
>>> A melhor Flip
>>> Brasil em Cannes
>>> Radiohead e sua piscina em forma de lua
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> Preservativo para a inconveniência
>>> Se eterno fosse o amor
>>> A história da canção: entrevista Paulinho Moska
>>> O chato
>>> *Black flag*, etapas da criação em GIF
>>> Amor de A, a Z - Poema
>>> Filme: Um dia Perfeito - Fernando Léon Aranoa
>>> Escrever sobre o quê?
>>> O quadro
>>> Meta linguagem nisso
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Calligaris, o fenômeno
>>> Entrevista com Daniel Galera
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> 1964-2004: Da televisão à internet - um balanço
>>> Deus está nos detalhes?
>>> No Tungcast reloaded
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> CardosOnline 10 anos
>>> 10 grandes
>>> Américas Antigas, de Nicholas Saunders
Mais Recentes
>>> Op-center
>>> Op-center: Reflexo no espelho
>>> A caçada ao outubro vermelho
>>> Op-center: Atos de guerra
>>> Rainbow 6
>>> O urso e o dragão
>>> Op-center: equilíbrio de forças
>>> Viva o Rebolado! - Vida e Morte do Teatro de Revista Brasileiro
>>> O eterno marido
>>> Crime e castigo
>>> O réu
>>> A Modernidade no Teatro, Ali e Aqui, Reflexos Estilhaçados
>>> Pos-Globalizacao, Administração e Racionalidade Econômica
>>> Matemática Financeira para Concurso Público
>>> Internacionalização Competitiva
>>> A Filosofia do I Ching
>>> A Estrutura Das Revoluções Científicas
>>> Rescisão do Contrato de Trabalho - Manual Prático)
>>> Pesquisa de Marketing - Edição Compacta
>>> Leopoldo Fróes e o Teatro Brasileiro
>>> O ator Vasques - Procópio Ferreira
>>> Heiner Müller - Guerra sem Batalha (Uma vida entre duas ditaduras)
>>> Vianinha (Teatro, Televisão, Política)
>>> Vianinha - Cúmplice da Paixão (Teatro)
>>> História dos nossos Gestos - Luís da Câmara Cascudo
>>> Cobra Norato e outros poemas - Raul Bopp
>>> Contos Judaicos com Fantasmas e Demônios
>>> Poesias Completas de Joaquim Cardozo
>>> Rasga Coração (Teatro)
>>> Apresentação da Poesia Brasileira - Manuel Bandeira
>>> Prostituição - Uma visão global
>>> O mestre das Marionetes (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> O Renascimento
>>> As melhores histórias reais de Crime, Mistério e Suspense
>>> Isadora Duncan - Minha Vida (Dança)
>>> As Mil uma Vidas de Leopoldo Fróes (Teatro)
>>> Diário de Hemingway
>>> Groucho Marx - Memórias de um amante desastrado
>>> Vida Teatro (Os grandes atores pernambucanos)
>>> Livro de Horas de Soror Dolorosa
>>> Cultura Popular na Idade Moderna
>>> Manual de Terapia Corporal como base da estética da Voz
>>> Ungáua! (101 Crônicas)
>>> Integração do Corpo
>>> Nelson Rodrigues - Teatro Completo
>>> As Estações do Corpo (Aprenda a olhar o seu corpo para manter a forma)
>>> O Correio do Corpo - Novas vias da antiginástica
>>> Relaxamento Básico - O método fisiológico para aliviar a Tensão
>>> O mito da Atividade Física e Saúde
>>> Em busca da Espiritualidade
COLUNAS

Quarta-feira, 4/1/2012
A arte da crônica
Luiz Rebinski Junior

+ de 2700 Acessos

Humberto Werneck, em uma rápida entrevista, me diz que a crônica é "a vida ao rés do chão", evocando o célebre ensaio de Antonio Candido. Em tempos internéticos, o "causo literário" ainda resiste à superficialidade do mixuguês. E, em grande parte, por conta de Werneck, que se tornou uma espécie de militante de seu ofício: além de espalhar suas pílulas literárias pelos diversos meios de comunicação do país, o autor mineiro tem se esforçado para que a efemeridade crônica da crônica ganhe sobrevida, saia das páginas amareladas e tomadas por ácaros dos arquivos de jornais e reviva nas mãos de novas gerações por meio do livro, esse intrépido objeto que também ousa sobreviver aos tempos virtuais. É que além de cronista dos mais interessantes, Werneck tem se notabilizado por suas antologias, como a imperdível reedição ampliada de Bom dia para nascer, coletânea de crônicas de Otto Lara Resende, publicadas na Folha de S. Paulo no começo dos anos 1990.

E a dívida da crônica brasileira com Werneck não para de crescer: o escritor mineiro encabeça a recente coleção "Arte da Crônica", da avant-garde Arquipélogo Editorial, do timoneiro Tito Montenegro, que, além do livro de Werneck, Esse inferno vai acabar, já publicou Nós passaremos em branco, do curitibano Luís Henrique Pellanda, e Certos Homens, de Ivan Angelo.

O livro de Werneck traz 44 textos publicados em jornais - ah, os jornais, ainda o santuário da crônica! - como O Estado de São Paulo e Brasil Econômico. Se um dos combustíveis da crônica é a urgência do prazo de fechamento do jornal, sua danação, no entanto, é justamente a vida breve que tem. Por isso o livro, como uma fotografia, consegue eternizar o instante retratado pela crônica, esse texto fascinante e tipicamente brasileiro. Melhor para os leitores, que podem ler e reler textos magistrais, que parecem brotar do nada, como "Saudade da coxa de Catupiry", em que Werneck teoriza sobre a modernização dos tira-gostos, hoje irreconhecíveis em meio à infinidade de combinações que jogaram pra escanteio os tradicionais quitutes - entre eles a coxinha, o pastel e quibe, clássicos absolutos de qualquer festinha.

Ainda que muitos cronistas não gostem de ter seu ofício comparado a um trabalho meramente saudosista, a crônica tem na memória e na lembrança grande parte de seu sabor. Assim como aquela pegada cômica, em que a graça está justamente nas desventuras do próprio cronista, ou de algum "amigo" inexistente - sim, porque, assim como na ficção, na crônica há espaço para uma ou outra lorota, claro. Tente não rir de "A gente se acostuma", texto em que Werneck consegue falar do velho clichê que se refere ao nosso "jeitinho" sem fazer apologia ou crítica social.

"Meu amigo Paulo Leite tem seis lâmpadas no teto do banheiro, e faz tempo que cinco estão queimadas, o que no chuveiro o obriga a se posicionar assim meio de lado sob o único foco de luz hoje operante. Se também esse entregar os pontos, o banho noturno do conhecido fotógrafo passará a ser tomado em Braille." Taí um bom cronista: fala de coxinha e lâmpadas queimadas sem ser piegas ou chato. Herdeiro dos grandes cronistas mineiros - de Sabino a Paulo Mendes Campos -, Werneck nos faz acreditar quer tudo é possível - e fácil - com a escrita ao transformar um feijãozinho ralo em uma poderosa feijoada.

No livro há ainda momentos impagáveis, como o lado B de entrevistas saídas "Do caderno de um repórter". Estão lá pequenas histórias sobre grandes entrevistados de Werneck, gente "miúda" como Nelson Rodrigues, Carlos Drummond e Vinícius de Moraes. Textos que, puxados pelo fio da memória, renderiam um belo livro solo.

Nós passaremos em branco

Se Werneck é o alquimista que transforma o comezinho em grande tema, Luís Henrique Pellanda encarna o caçador de tipos em Nós passaremos em branco. Seu habitat é o centro de Curitiba, e sua matéria-prima homens e mulheres eclipsados pelo cotidiano, invisíveis para a maioria da população, que emergem nas crônicas como seres complexos - às vezes místicos, às vezes misteriosos. Não importa apenas contar uma boa história, o escritor dá aos seus personagens contornos épicos, com toques sobrenaturais, traz à tona detalhes que nos escapam, mas não ao cronista. Ao transformar o árido território por onde transitam seus personagens em um palco de alguma beleza, Pellanda reafirma a crença na própria literatura: sabe ele que o grande escritor vive constantemente afrontado pelas pequenezas da vida. Assim surgem os desgraçados que povoam a "Antologia dos demônios de Curitiba", uma série de oito textos que apresenta tipos que povoam o centro da capital paranaense, personagens tão fascinantes quanto esdrúxulos. Estão lá "O Diabo da Cruz Machado", "O morcego da Ermelino" e o "Encosto Bilheteiro", um time de párias de fazer inveja a João Antônio e que deixaria Malagueta, Perus e Bacanaço com caras de coroinhas.

"Há uma numerosa legião de pequenos diabos trafegando pelo centro de Curitiba, responsável, cada um deles, por uma tentação distinta, mesquinha e também pequena. O fato de serem miúdas essas tentações, a ponto de parecerem envergonhadas de sua condição rasteira, não significa, no entanto, que impliquem em perdas desprezíveis. Porque, para Deus, não obstante sua grandeza imensurável, nada é realmente pequeno", escreve o cronista em "O Encosto Bilheteiro".

Mais do que caçar almas penadas de existência torta, Pellanda faz o que, desde Dalton Trevisan, nenhum escritor curitibano havia feito: redesenhar o centro de Curitiba com contornos literários. E há conhecimento de causa nisso. Pellanda conhece as duas pontas da coisa: o centro de Curitiba e o terreno arenoso da escrita, ajudado nisso tudo pela experiência de repórter. O cronista também subverte a urgência da crônica ao burilar seus textos como se fossem contos. Parágrafos lapidados com paciência de artesão, como em "Conan, o milagreiro", crônica que traz a frase escolhida para dar título ao livro. Não é preciso saber onde funcionava o Cine Plaza, em Curitiba, nem ter assistido ao filme The Doors, de Oliver Stone, para se deixar levar pelo corte certeiro do texto do escritor, que relembra a pré-estreia do filme de Stone em uma cidade provinciana, com jovens carentes por uma mísera aparição de uma lenda do rock, ainda que falsamente encarnado por um galã de Hollywood.

"Em suma, o tempo voa, o dia destrói a noite, a noite divide o dia e nós passaremos em branco. Era o sonho de Manuel Bandeira, morrer completamente. Jim Morrison se foi em 1971, há quarenta anos, duas vezes duas décadas, e nos deixou uma única certeza: não há nenhuma vantagem prática em estar enterrado no Père Lachaise, ao lado de Balzac, Chopin, Camus e - ó esperança! - Kardec."

Ainda hoje, depois de uma tradição gloriosa, que fez da crônica um gênero idiossincrasicamente brasuca, não nasceu cronista que saiba explicar o que ao certo é a crônica. Mas não precisa. Livros como os de Werneck e Pellanda, caro leitor, nos traduzem exatamente os diversos sabores desse gênero delicioso.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 4/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio
02. O suicídio na literatura de Cassionei Niches Petry
03. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
04. Terna e assustadora realidade de Elisa Andrade Buzzo
05. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2012
01. A arte da crônica - 4/1/2012
02. Os contos de degeneração de Irvine Welsh - 17/10/2012
03. O senhor Zimmerman e eu - 9/5/2012
04. O caminho rumo ao som e a fúria - 1/2/2012
05. Luz em agosto - 15/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PORTUGUÊS - LINGUAGENS - 3
WILLIAM ROBERTO CEREJA - THEREZA COCHAR MAGALHÃES
SARAIVA
(2010)



O PAI DEUS EM SEU MISTÉRIO
FRANÇOIS-XAVIER DURRWELL
PAULINAS
(1990)



MANUAL SOBRE A MONTAGEM TEATRAL (CONSTRUÇÃO DE PALCOS, CENÁRIOS E CENOGRAFIAS)
RICHARD SOUTHERN
MORAES EDITORES
(2016)
+ frete grátis



JOGADA MORTAL
HARLAN COBEN
ARQUEIRO
(2012)
+ frete grátis



MEU EVEREST
LUCIANO PIRES
GIZ
(2013)
+ frete grátis



A RODA DA VIDA-MEMÓRIAS DO VIVER E DO MORRER
ELIZABETH KUBLER- ROSS, M.G.
SEXTANTE
(1998)
+ frete grátis



O ENEAGRAMA
HELEN PALMER- COMPREENDO-SE A SI MESMO E AOS OUTROS EM SUA VIDA
PAULINAS
(2015)
+ frete grátis



EM NOME DO PAI
THOMAS KENEALLY
GLOBO
(1988)
+ frete grátis



INTRODUCING HTML5 (2ND EDITION)
BRUCE LAWSON AND REMY SHARP
NEW RIDERS
(2012)
+ frete grátis



CURANDO COM AMOR
LEONARD LASKOW
CULTRIX
(1992)
+ frete grátis





busca | avançada
26301 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server