Hugo Cabret exuma Georges Méliès | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> JOALHERIA BRASILEIRA, HISTÓRIA, MERCADO E OFÍCIO
>>> Visita temática apresenta uma das Casas-Museu mais bonitas de São Paulo
>>> Pátio Alcântara celebra aniversário de São Gonçalo com programação especial
>>> Estação Plural traz uma conversa com a irreverente atriz Grace Gianoukas
>>> West Shopping recebe exposição gratuita 'Ontem, hoje e sempre...Rock'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
>>> Dinheiro não tem cheiro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Roubalheira vai parar o Brasil
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Mens sana in corpore sano
>>> Only time will tell
>>> A peça que faltava no seu projeto
Mais Recentes
>>> Almanaque Anos 70
>>> Almanaque 1964
>>> Enciclopédia do Estudante
>>> O futuro da arquitetura
>>> Manual Completo Do Automovel
>>> Passagens
>>> A Crise Dos 25
>>> A Proteção Do Sagrado
>>> Lições De Trevas
>>> Biblioteconomia No Brasil
>>> Crônicas De Vinho - In Vino Veritas
>>> Escrevendo Pela Nova Ortografia
>>> Vem, Senhor Jesus- Um Estudo do Livro de Apocalipse
>>> Elos da mesma corrente
>>> A Taça De Ouro
>>> Londres Chama
>>> Relações
>>> Turismo E Legado Cultural
>>> A Jornada Volume 2 - Caminhada Diária Com Deus
>>> Aquele mundo de Vasabarros
>>> Balada Do Pensamento
>>> O Menino Da Rosa
>>> Joana e os três pecados
>>> Responsabilidade No Trabalho
>>> Euclides Da Cunha: Da Glória Literária À Morte Trágica
>>> Pedaço Do Meu Coração
>>> Gerência Administrativa
>>> Nos ombros do cão
>>> Que Cara Tem O Aroeira?
>>> Pesquisas Em Relações Econômicas Internacionais
>>> B2b Application Integration
>>> A Grécia Antiga
>>> Aprenda A Usar O Computador E A Internet Através De Imagens
>>> Freakonomics - O Lado Oculto De Tudo Que Nos Afeta
>>> Spirit Nº 2
>>> Lendas Do Índio Brasileiro
>>> Introdução À Botânica Sistemática Vol. 1
>>> Jornalismo E Literatura
>>> Monitores De Mídia
>>> O mundo Pitoresco - Tomo 2 (China e Manchúria...)
>>> O mundo Pitoresco - Tomo 6
>>> Enciclopédia de estudos sociais - Geografia do Brasil, Moral e Civismo - Volume 2
>>> Juanribe pagliarim ( o evangelho reunido)
>>> Enciclopédia de estudos sociais - História do Brasil, Moral e Civismo - Volume 4
>>> Juanribe pagliarin (Jesus a vida completa )
>>> Enciclopédia de estudos sociais - História do Brasil, Moral e Civismo - Volume 3
>>> Reader's Digest, Seleções de livros/ Águas de fronteira - O lugar de uma mulher - Transplante - A guerra dos inocentes
>>> Reader's Digest, Seleções de livros/ Ilha do medo - Para sempre - Reação em cadeia - O solar de tia Harriet
>>> Reader's Digest, Seleções de livros/ Tempo de matar - O falcão da neve - Páreo dura - Dona Julia diz o que pensa
>>> Desmascarando o Espírito de Jezabel
COLUNAS

Terça-feira, 27/3/2012
Hugo Cabret exuma Georges Méliès
Wellington Machado

+ de 5700 Acessos

O espectador não deve ir ver A invenção de Hugo Cabret (Martin Scorsese, 2011) por causa da indicação ao Oscar. O filme tem todos os ingredientes de que a Academia gosta: uma criança encantadora como personagem principal, um cachorro enxerido, um velho mal-humorado, momentos de tensão, tiradas engraçadas e muita fantasia. Difícil não remeter ao apelo infantil de Roberto Begnini em A vida é bela (1997). Só que o guri Hugo Cabret é esperto. Órfão de um relojoeiro, aprendeu o ofício com maestria e é o responsável por acertar os relógios de uma estação de trem em Paris. Como não tem dinheiro, vive furtando croissants nas lanchonetes e surrupia quinquilharias de um velho desiludido, dono de uma loja de reparos em brinquedos.

A invenção de Hugo Cabret marca a estreia de Martins Scorsese (Touro indomável, Táxi Driver, Cabo do medo) no formato 3D, com tudo o que o diretor tem de bom e de vulnerável. Não é novidade que o diretor é um hábil roteirista. Isso foi provado no rocambolesco Depois de Horas (1985) - infelizmente pouco valorizado pela crítica e praticamente ignorado pelo público. "Hugo Cabret" não é diferente. O filme tem uma narrativa bem equilibrada, sem entraves ou excessos. Toda cena é crucial para compor o emaranhado de acontecimentos e reviravoltas.

Mas Scorsese cede ao que há de mais condenável - e evidente - no cinema hollywoodiano: o excesso de "momentos de tensão". O diretor foi (inadvertidamente, espero) tomado pelo vício do cinema americano comum e pelas artimanhas da narrativa de entretenimento. Chamo de "momentos de tensão" aquelas cenas levadas às últimas consequências, no limiar do "último segundo", no qual o personagem principal se safa por um fio. Steven Spielberg acentuou essa artimanha em seus filmes (vide a série Indiana Jones) e criou uma espécie de "molde mental" nas platéias, sobre o qual é alicerçado grande parte dos filmes de entretenimento americano. Infelizmente, Scorsese abusa dessa artimanha à Spielberg.

Mas deixemos isso de lado, pois é o que faz ganhar Oscar. O que interessa no filme, o fio narrativo, é um boneco desenhista movido a corda: um autômato que o pai de Hugo Cabret insistia em consertar. A empreitada é perseguida pelo garoto, a fim de descobrir o desenho que o boneco iria produzir. Por uma série de peripécias habilmente entrelaçadas por Scorsese, Hugo consegue reaver a última peça que faltava para mover o autômato: uma chave em forma de coração. O desenho traçado pela geringonça é uma cena do filme Viagem à lua (1902), do diretor Georges Méliès (1861-1938).

E eis que o grande público do século 21, sentado em confortáveis poltronas, nas mais modernas salas de projeção que a humanidade pôde produzir, em meio a baldes de pipoca e refrigerante, embebido pelas aventuras e fantasias de Hugo Cabret, embarca em uma viagem ao passado, mais especificamente a uma pequena sala do século 19, onde é projetado o primeiro filme da história do cinema, A chegada do trem à estação Ciotat (1895), realizado pelos irmãos Lumière. Na ocasião, as pessoas se abaixaram na sala de projeção, temendo a entrada do trem no ambiente. Apesar da incrível invenção que colocava uma série de fotografias em movimento, os próprios Lumière não punham lá muita esperança naquilo, já que as imagens "apenas" retratavam a realidade crua. O cinematógrafo, recém-inventado, teve sua morte decretada pelos próprios Lumère.

O cinema certamente não existiria hoje, com suas pipocas e poltronas confortáveis, não fosse um curioso espectador que provavelmente também se abaixou em uma daquelas sessões em 1895. O inquieto ilusionista Georges Méliès procurou saber como é que funcionava aquela maquininha que projetava imagens, e deu um novo suspiro no desânimo dos Lumière. O escalafobético Méliès começou a recortar as películas, emendá-las, sobrepô-las, e fez da realidade crua da estação Ciotat um mundo de sonhos e imaginação. Estava inventada a trucagem. Estava inventada a ficção e a fantasia. O primeiro filme colorido da história do cinema não foi feito nos anos 30, mas por Georges Méliès - colorido à mão, quadro a quadro.

Charles Chaplin, Orson Welles, Eisentein, Buñuel, Kubrick, Spielberg e Scorsese teriam de batalhar outra profissão, não fosse Georges Méliès, que levou a cabo o invento dos irmãos Lumière. Esse mágico, que perdeu o encanto com a depressão causada pela Primeira Guerra (1914-1917), viu seus projetos fracassarem, levando-o à ruína financeira. Desiludido, queimou filmes, rasgou storyboards (foi o pioneiro nessa técnica também), derrubou cenários e o estúdio de vidro que usava para captar melhor a luz.

Georges Méliès se enclausurou, abandonou a vida pública e entrou em depressão. Tornou-se um velho mal-humorado, indo ganhar a vida como reformador de brinquedos quebrados na estação em que Hugo Cabret roubava croissants e recuperava um autômato que reproduziria a imagem de uma bala de canhão atingindo o olho da lua no filme Viagem à lua.

A cena da lua, juntamente com vários outros retalhos recuperados de filmes de Méliès, emociona a plateia do século 21, que, estupefata, questiona se o mágico realmente existiu ou se foi criação da mente de Scorsese - este diretor que também faz storyboard para seus filmes e usa e abusa das trucagens (agora feitas digitalmente). Martin Scorsese, um diretor do século 21 que, após filmar clássicos como Táxi Driver e Touro indomável, não se deixa atropelar pela evolução tecnológica, desafiando preconceitos puristas. O diretor estreia no formato 3D em grande estilo, fazendo a neve tocar nossas pupilas, o cão quase morder nosso nariz, e nos conduz a um voo noturno por uma Paris cintilante. História e tecnologia se aliam, fazendo de "Hugo Cabret" uma porta que nos conduz a um só caminho: a paixão pelo cinema.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 27/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
02. Pokémon Go, você foi pego de Luís Fernando Amâncio
03. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I de Elisa Andrade Buzzo
04. Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2012
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès - 27/3/2012
02. De onde vem a carne que você come? - 15/5/2012
03. Daniel Piza: uma lanterna cultural - 24/1/2012
04. Memória externalizada - 3/7/2012
05. Pina, de Wim Wenders - 24/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MODERN PHYSICS AN INTRODUCTORY SURVEY
ARTHUR BEISER
ADDISON-WESLEY PUBLISHING COM
(1968)
R$ 30,00



O ÚLTIMO PORTAL
ELIANA MARTINS E ROSANA RIOS
CIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 14,02



EU, ZUZU ANGEL, PROCURO MEU FILHO
VIRGNIA VALLI
RECORD
(1987)
R$ 57,00



AS SEIS LIÇÕES
MISES, LUDWIG VON
JOSÉ OLYMPIO EDITORA
(1986)
R$ 40,00



DROGA DE AMERICANA
PEDRO BANDEIRA
MODERNA
(2014)
R$ 10,00



THE PHANTOM OF THE OPERA
JENNIFER BASSETT
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2007)
R$ 29,00



LA BELLA Y LA BESTIA - PIEL DE ASNO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
ANÔNIMOS
GLOBUS
(1993)
R$ 25,00



POR CAUSA DA NOITE
JAMES ELLROY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 12,00



O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO (VOLUME DOIS DA SÉRIE O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS)
DOUGLAS ADAMS
SEXTANTE
(2009)
R$ 21,00



TRANSPORTES, CAOS URBANO, MENTIRAS, POLUIÇÃO E MORTE(TENOLOGIA PESADA)
LUIZ AUGUSTO RODRIGUES DA LUZ
AGBOOK
(2011)
R$ 47,00





busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês