O senhor Zimmerman e eu | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Escritor Alexandre Hallais fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
Mais Recentes
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
>>> Criando filhos ( o modo de Deus )
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
>>> O Último Godot
>>> Pós Modernismo: Repensando a Arquitetura
COLUNAS

Quarta-feira, 9/5/2012
O senhor Zimmerman e eu
Luiz Rebinski Junior

+ de 2800 Acessos

Quando soube que o senhor Robert Zimmerman estaria por aqui novamente, fiquei eufórico e logo fui conferir as datas e os locais onde tocaria. Mas o tempo foi passando, passando, os meses chegando e não me cocei pra tentar rever o senhor Zimmerman, já que a província está temporariamente fora do mapa dos gringos que visitam o país. Não vi hotel e não corri pra internet pra tentar comprar o ingresso mais barato no melhor lugar.

Sou um pai de família, não tenho mais saco para isso. Não gosto de sair de casa, não gosto de viajar e não gosto de hotel. Não gosto de fazer e desfazer mala, de usar camisa amarrotada, de economizar meia e não lavar o cabelo quando tenho vontade. Então a chance de eu ver o senhor Robert Zimmerman na minha frente é quase zero. Mas não importa, não sou um cara que cultua ídolos, que em geral são pessoas bem menos geniais que as personas artísticas que encarnam.

Também não esquento muito porque vi o senhor Zimmerman há 15 anos, quando ele esteve no Brasil pela primeira vez. E vou contar uma coisa que talvez pareça uma grande balela para aqueles que não me conhecem e não sabem que eu costumo mentir pouco, muito pouco.

Aconteceu assim:

Eu tinha 15 anos e saí do extremo Sul do Paraná em um ônibus de excursão, com mais dois ou três amigos, rumo a São Paulo. Todo mundo ia com camiseta dos Stones, mas eu ia com apenas um imperativo: ver o senhor Zimmerman tocar aquelas músicas que não eram apenas clássicos do rock, mas sim canções que tinham aura própria, que não eram apenas executadas à exaustão, mas comentadas, discutidas, cada uma com sua própria trajetória, uma história única.

E foi com essa ideia que fiz a viagem de mais de 12 horas até o destino final, a pista de atletismo do parque Ibirapuera, onde os Stones tocariam e o senhor Zimmerman faria um esquenta para "Brown Sugar" e outros hits. Efusivo pela oportunidade de ver o senhor Zimmerman, pulei do ônibus antes do tempo, entrei sozinho no local e assim fiquei por um bom tempo até achar um amigo por acaso no meio da massa. Então, reintegrado aos camaradas, vi a finada Cássia Eller fazer um show inflamado para uma plateia pouco interessada no seu cabelo à época verde e moicano. Foi quando entrou o senhor Zimmerman. É engraçado, mas ele estava vestido exatamente como agora, nas apresentações do último mês: bota, calça social, blazer e um impecável chapéu. Acho mesmo que também era tudo cinza, como agora. Indumentária que servia de uniforme para a banda que o acompanhava. Não sei quem eram os caras de 1998, mas tenho a impressão de que são os mesmos de agora, pelo menos é o que diz minha percepção preguiçosa, que é mais forte do que a vontade de fazer uma pesquisa na internet para informar corretamente aos gatos pingados que vão ler este meu texto. Mas tudo bem, isso aqui não é um texto jornalístico e não preciso falar exatamente a verdade, pode ser algo aproximado, vá lá.

Pouco importa quem era os caras que tocavam com o senhor Zimmerman, pois o senhor Zimmerman faz qualquer um tocar bem ao seu lado. O senhor Zimmerman impõe respeito, afinal é ele quem manda sempre. O senhor Zimmerman não gosta de ensaiar e qualquer um que queira tocar ao seu lado, precisa ensaiar antes, para que consiga acompanhar o senhor Zimmerman quando ele apontar sua guitarra para a direita ou para a esquerda. Não importa a direção, é preciso correr atrás do homem. Pelo menos é essa a minha "tese". Os homens da The band treinaram muito assim, e depois voaram solo, maravilhosamente bem. Mas foi o senhor Zimmerman quem os ensinou a "derrubar a noite".

O fato é que o senhor Zimmerman tocou poucos sucessos naquela noite, não se importando com o fato de que a banda que fungava no seu cangote estivesse vindo com um saco de hits para satisfazer as cabeças que ali estavam. Mas não, o senhor Zimmerman é o anticlímax, e essa é sua marca, desde sempre. Só os desavisados são pegos de surpresa. Aquela era a primeira vez do senhor Zimmerman no país, mas ele não estava disposto a fazer concessões aos anfitriões, foi logo tascando "Silvio", uma música bacana perdida em um álbum fraco. E assim se deu o show, que passou longe de uma tentativa de reviver qualquer coisa. O senhor Zimmerman, diferente de seus admiradores, parece ter pavor ao passado, às velhas canções, apesar de nunca conseguir se livrar delas. Mas ele dá um jeito. É um homem em constante movimento, um insatisfeito por excelência. Por isso nunca apresenta suas músicas conforme as criou. Naquela noite, teve que se render aos Stones fazendo uma cover certinha de sua poderosa "Like a Rolling Stone". Depois vi na TV que sua expressão séria contrastava com a simpatia do senhor Jagger. Parecia um cabo de guerra, não um dueto.

Mas como foi o show, pouco importa. O que estou querendo contar é que logo depois que o senhor Zimmerman saiu de cena, eu também saí. Enfrentava naquele momento um misto de cansaço, ressaca, êxtase e desânimo. Então fui andando a esmo, talvez em busca de uma bebida ou de um banheiro, agora não me recordo. Mas lembro-me que fui andando, contornei a pista, cheguei ao seu ponto mais alto e comecei a descer, em linha reta. Andava de cabeça baixa, contornando as pessoas no caminho. Nas franjas, por onde andava, não havia tanta gente e, aos poucos, o público ia rareando. Os banheiros químicos tinham ficado para trás e eu também já não podia mais ver o palco, apenas a aparelhagem de som que o blindava. Não havia quase nada onde eu estava, apenas uma pequena tenda de circo, com umas poucas pessoas em volta dela. Eu continuei andando, me aproximando da tenda. Não havia cerca nem nada. Alguns homens bebiam e davam risada. Fui chegando e, ao lado de uns caixotes, vi um homem de perfil que olhava concentrado para seu chapéu. Claro, você já deve estar pensando que tive a sorte de encontrar Dylan na coxia. E você acertou: eu, com apenas 15 anos, àquela altura já cansado da minha breve e enfadonha vida de província, encontrei o cara mais genial do rock ali, de bobeira atrás do palco. E ele olhou para mim e simplesmente disse "olá". Eu disse olá também e perguntei se ele ia voltar para o palco com os Stones, como vinha fazendo nos shows pelos Estados Unidos. Ele não tinha a voz gutural dos discos, então deu para ouvi-lo dizer que ia cantar com os Stones, porque era a sua "sina" naquele momento. Nem prestei atenção no que ele disse, se aquilo era uma provocação ou uma crença, apenas concordei. Eu não estava nervoso nem nada, aquilo era uma conversinha mole qualquer, dessas que travamos com um desconhecido em um ponto de ônibus.

E assim foi. De forma natural ele disse que ia cair fora e se foi. Minutos depois, já estava no palco para cumprir sua sina, com o boccudo do senhor Jagger rebolando em sua frente. Não consegui ver direito a cena, pois estava na lateral do palco, em um lugar difícil. Mas escutei tudo.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 9/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
03. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
04. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
05. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2012
01. A arte da crônica - 4/1/2012
02. Os contos de degeneração de Irvine Welsh - 17/10/2012
03. O senhor Zimmerman e eu - 9/5/2012
04. O caminho rumo ao som e a fúria - 1/2/2012
05. Luz em agosto - 15/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




16 LIGHTHOUSE ROAD
DEBBIE MACOMBER
MIRA
(2001)
R$ 17,30



O SEGREDO - THE SECRET
RHONDA BYRNE
EDIOURO
(2007)
R$ 27,00



EDUCAÇÃO E FECUNDIDADE: IDEOLOGIA, TEORIA E MÉTODO NA SOC. REP. HUM.
MARIA IRENE DE Q. F. SZMRECSANYI
HUCITEC
(1988)
R$ 3,00



PÁTRIA MINHA
SIDÓNIO MURALHA
LÍTERO TÉCNICA - PARANÁ
(1980)
R$ 30,00



A CAMINHO DO SUL
ODETTE DE BARROS MOTT
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



VOCÊ É TÃO JOVEM QUANTO A SUA ESPINHA
EDITHA L. HEARN
PIONEIRA
(1979)
R$ 8,75



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G.WHITE
CEDIC
(2010)
R$ 5,00



MESTRE DOS MARES
PATRICK O'BRIAN
RECORD
(2004)
R$ 25,00



A MENSAGEM DO MESTRE
BHAGAVAD GITA
PENSAMENTO
(1978)
R$ 20,00



THE RACE IS ON - EXERCISE YOUR FAITH - A YOUTH MUSICAL
NAN GURLEY, JIM WEBER & BILLY SPRAGUE
WORD/MEADOWGREEN MUSIC CO.
(1984)
R$ 30,00
+ frete grátis





busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês