Michelle Campos e a poesia dentro do oco | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
65765 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Partituras lança ferramenta de manipulação de áudio para episódio especial
>>> Papo de Mãe discute o fenômeno da "geração ganguru" na TV Brasil
>>> Michel Melamed fala sobre filme rodado em Nova York neste sábado (29) na TV Brasil
>>> Ética no cotidiano pauta debate no programa Café Filosófico deste sábado (29)
>>> DJ belga Marco Bailey é a atração da festa Non Stop
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pantanal
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
>>> Fake-Fuck-Fotos do Face
>>> Silêncio
>>> Dando conta de Minas
>>> Em noite de lua azul
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> O testemunho de Bernanos
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> 16 de Agosto
>>> Elvis 2015
>>> Eugênio Christi
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> Monica Cotrim
>>> Solange Rebuzzi
>>> Aden Leonardo Camargos
>>> Helena Seger
>>> Camila Oliveira Santos
>>> Cassionei Niches Petry
Últimos Posts
>>> Um poeta e três esposas
>>> Um poeta e três esposas
>>> Continuísmo - A Praga Maior
>>> É para ter medo de Virginia Woolf
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> Monumento a Noël Rosa
>>> SUPERLUA
>>> A grandiosa máquina em busca do êxito
>>> Trilogia de um texto só
>>> PONTO DE FUGA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 50 Contos e 3 Novelas de Sérgio Sant'Anna
>>> O caminho rumo ao som e a fúria
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> Hoje a festa é nossa
>>> Babenco traz sua visão do país Carandiru
>>> O fundamentalismo headbanger
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Um thriller desengonçado: A máscara de Atreu
>>> O melhor nacional do ano
>>> Um Bonde Chamado Desejo
Mais Recentes
>>> O Visconde Que Me Amava
>>> Os Evangelhos: Jesus Cristo
>>> MBA Curso Prático de Marketing
>>> Freakonomics o lado oculto e inesperado de tudo que nos afeta
>>> 1001 dicas e conselhos úteis para melhor usar seu computador: um guia práticopara aproveitar todas as possibilidades do seu PC e da internet
>>> Nadando para o século XXI
>>> O amor é mais um labirinto
>>> O Barroco no Brasil
>>> Evandro Carneiro Esculturas
>>> Stores of the year / 7
>>> Os mais belos castelos e fortalezas de Portugal
>>> Jogos sem Regras Game Without Rules
>>> Santiago de Compostela Os 8 portais do caminhos
>>> Museu Imperial
>>> Spanish Style
>>> Candido Portinari 1903-1962
>>> Larousse Encyclopedia of Byzantine and Medieval Art
>>> A América Latina de colonização espanhola
>>> Leilão de novembro de 2006 Pequena História da Arte Moderna e Cont...
>>> Educando os educadores em turismo: manual de educação em Turismo e Hospitalidade
>>> Exposição Vista Alegre Porcelana Portuguesa testemunho da História
>>> A pintura depois do quadro
>>> O ADVOGADO
>>> O CORRETOR
>>> O RELATÓRIO DA CIA - COMO SERÁ O MUNDO EM 2020
>>> À ESPERA DE UM MILAGRE
>>> O FIM DA INFÂNCIA
>>> MERLIM, O MAGO
>>> AS PROFECIAS MAIAS
>>> A VERDADE SOBRE OS INCAS
>>> HISTÓRIA DA AMÉRICA LATINA - VOL. 1 - AMÉRICA LATINA COLONIAL
>>> APRENDER ANTROPOLOGIA
>>> CURSO DE FILOSOFIA - VOL 2
>>> CURSO DE FILOSOFIA - VOL. 1
>>> OLIVRO DAS RELIGIÕES
>>> O IMPÉRIO AMERICANO -HEGEMONIA OU SOBREVIVÊNCIA
>>> HISTÓRIA SOCIAL DA ARTE E DA LITERATURA
>>> HISTÓRIA MEDIEVAL DA PENINSULA IBÉRICA
>>> HISTÓRIA E VERDADE
>>> O ENIGMA DOS MAIAS
>>> INTRODUÇÃO À HISTÓRIA COMTEPORÂNEA
>>> O NOVO SÉCULO
>>> CAMELOT - OS ANOS KENNEDY
>>> HISTÓRIA RURAL MEDIAEVAL
>>> A CIVILIZAÇÃO MAIA
>>> PREPARE SEUS FILHOS PARA O FUTURO
>>> CARTAS DA ZONA DE GUERRA
>>> A RELIGIÃO DO TERCEIRO MILÊNIO
>>> OPERAÇÃO CAVALO DE TRÓIA 4
>>> OPERAÇÃO CAVALO DE TRÓIA 3
COLUNAS

Terça-feira, 26/6/2012
Michelle Campos e a poesia dentro do oco
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2500 Acessos

A editora Scriptum, de Belo Horizonte, acaba de lançar o livro "O Oco da Porcelana", da poeta, artista plástica e ilustradora Michelle Campos. A edição é caprichosa, com uma bela capa e ilustrações internas da própria artista.

Há poemas de todos os tamanhos e tipos no livro: de versos livres a poemas em prosa, alguns com mais de 40 versos e outros com apenas um ou dois versos. O elemento principal do livro talvez seja o tom irônico que predomina sobre a revelação de sentimentos de amor, esperança, desilusões, incertezas etc. Há também a garganta solta, que critica a raison d´ être de nosso tempo vazio.

Umberto Eco define o pós-moderno como um Kunstwollen (um modo de operar) e não uma tendência que possa ser delimitada cronologicamente. Nesse sentido, a operação par excellence da arte de nossa época seria a ironia. Constitui-se como a maneira de se relacionar de forma não inocente com o presente, com nossos sentimentos, enfim, com nossa existência como um todo sem que se caia num sentimentalismo ingênuo e surrado, sem que se caia nos clichês para lá de repisados.

Com o pós-moderno, diz Umberto Eco, predomina a ironia, o jogo metalinguístico, a enunciação elevada ao quadrado. É possível até o leitor não entender o jogo e levar as coisas a sério, qualidade (e risco) da ironia. Mas para o autor uma coisa é séria, não se pode mais falar inocentemente de nada, nem do sentimento mais íntimo que nos corrói, pois uma autoconsciência de que tudo isso já foi dito nos obriga a criar o jogo da ironia como última possibilidade de dizer de verdade o que sente. A relação entre autor e leitor, então, é de que "ambos jogarão conscientemente e com prazer o jogo da ironia... Mas ambos terão conseguido mais uma vez falar de amor", diz Umberto Eco.

Pensando nos termos acima, não há melhor porta de entrada para o livro de Michelle Campos que o poema em prosa "Harakiri Mímico", onde a poeta interroga-se: "O que faço com meus suspiros? Guardo em uma bolsinha de cetim bordada de amargura?" Depois dessa dúvida, vem a enxurrada de interrogações sentimentais que terminam com a afirmação da razão da dor tão exclamada: "Eu devia estar feliz hoje, se naquele dia eu não tivesse te conhecido tão bem...". Do título ao jogo interrogativo, vê-se ao longo do poema uma encenação sem esperança do jogo do amor, tratado com ironia, única forma de poetizar sem pieguices as sentenças do desespero.

O título do livro, "O oco da porcelana", não pode ficar impune, afinal ele se casa perfeitamente com a foto da capa, onde aparece uma ruína de uma casa, onde apenas resta um cabide cor de rosa com uma roupinha de menina pendurada na parede. A palavra porcelana, em seu sentido rococó de brilho, sensibilidade, delicadeza, alinha-se ao rosa e à pureza do vestido infantil. Num jogo irônico a capa anuncia a inocência da infância como um projeto destinado ao fracasso, à ruína, revelando que por trás do charme da porcelana apenas o oco, o vazio, perdura. E é falar de dentro do oco que a poesia de Michelle Campos se propõe.

Parece haver um desencontro entre o poeta e o mundo. Embora essa frase já soe como um clichê, esse desentendimento é que cria a poesia que Schiller chamou de "sentimental". Michelle Campos não deixa de nos relembrar isso: "As palavras ainda me são mais fáceis. Que eu, você, espelhos, tudo". Da impossibilidade de comunicação brota muito de seus versos (característica de nosso mundo pós-moderno, com tantos celulares e internet e pouca comunicação real?). Assim ela diz, numa crueldade irônica: "Ele viu o espelho, ela viu o reflexo. E isso resume tudo".

O drama sentimental é sempre retomado, como ao traduzir a letra da música de Serge Gainsbourg, "Je t'aime, moi non plus", quando a poeta afirma, sem mais, nem menos: "Eu te amo,/ mas não mais". As dores da vida são ditas, linha por linha, numa coragem sem fim: "Hoje vesti o vestido lindo./ (...) Mas a tristeza... a tristeza em nós,/ de laços de fita, ovula uma sangria desatada".

Cura para a vida? Ironiza a poeta sobre suas possíveis saídas: "... e assim se deu minha cura (?)/ uma dose de verdade e um coração comprimido!". "Procuro todos os meus amigos e me abandono e em todos os copos ignoro meus deveres, visto elmo e armadura e lança na mão? ... Ou vou dormir insana, agoniada e masoquista e toco-me aflita." Como se não houvesse saída, apenas o poema pode existir, este que lemos.

Há vários poemas onde se retoma o tema sentimental da perda, da desilusão, do desencanto: "Loção pós-decepção", "Apatrita", "Samba", "Páginas em carne viva" etc. Em geral são exclamações de pequenas e grandes decepções que a vida gera, amores despedaçados, esperanças frustradas, dores repisadas, desesperos e o desejo de gritar contra tudo que atormenta, que fadiga, que faz doer.

Em "Mulher bélica", a impossibilidade amorosa tenciona os versos, jogando-os num campo de batalha: "Amor despedaçado!/ Nem a guerra doeria tanto... Os campos me são mais dóceis,/ com suas marchas imemoriais.../ Seria uma honra ter você em minha vida,/ mas antes de temer a morte, tememos sofre em paz."

Existem também deliciosos poemas quase panfletos, como "Apatrita" e "Maios", que discutem as grades que prendem as mulheres a valores para lá de superficiais. Mas a poeta grita, esperneia contra essa situação, em "Maios":

"Eu não sou uma vagabunda perdida/ Eu não saio, não fumo/ Sou uma recalcada santinha/ Mas não sou católica/ as prostitutas se parecem mais comigo/ do que as demais./ Eu não gasto um real em salão de beleza/ eu fico peluda/ não escolho as roupas que me deixam gostosinha para os homens/ meu cabelo é crespo e vai continuar/ lipoaspiração não é higiene/ eu não vou sofrer com agulhas, fome e academia./ Eu não vou me cortar/ não me filiarei a nenhuma religião machista ou de extorsão/ quem precisa de coleira apertada é cachorro doido, eu tenho ética./ Não vou posar de alternativa, suja e tribal./ eu não sou como vocês/ Eu não pago caro para construir uma aparência débil de conteúdo/ eu não escolho homem pelo carro, não quero ser admirada pela bunda/ não vou me tornar anoréxica, nem casar porque já estou na idade/ cansei de ser simpática por competição/ não sou marketing da sombra do que um dia quase fui/ não vivo para você/ não pintarei as unhas e frequentarei festas da moda/ não venderei minhas ideias por uma calça de marca/ pode me afogar, queimar e colidir meus valores, mas não mais pelos seus/ Não serei tão barata quanto você gostaria que eu fosse./ Tão fácil e tão domável/ permiti que você me manipulasse, descansei no sétimo dia./ Volte para seu vazio./ Eu te aniquilo."

Como diz o apresentador do livro, Adriano Menezes, na poesia de Michelle Campos, "entre a mordaça e o grito vence uma essência que transcende a busca intempestiva que nos bate forte no peito."

Essa essência é a poesia em si mesma, esse momento em que a humanidade grita por sua verdade, como nas palavras de Michelle Campos: "Devolva meu reflexo no espelho... Eu imploro!".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/6/2012

Quem leu este, também leu esse(s):
01. E se Amélia fosse feminista? de Ana Elisa Ribeiro
02. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho
03. Ode a Pablo Neruda de Aline Pereira
04. O orgulho ferido de Marcelo Barbão
05. Minhas Férias de Rafael Azevedo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A origem da dança - 14/2/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


SNIPER AMERICANO
CHRIS KYLE

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



O VÉU
LUIS EDUARDO MATTA

De R$ 52,40
Por R$ 26,20
50% off
+ frete grátis



TXAKAZUÊ
IGOR MIGUEL PEREIRA

De R$ 30,00
Por R$ 15,00
50% off
+ frete grátis



CLASSIFICADOS E NEM TANTO
MARINA COLASANTI

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



CAIXA DE MEMÓRIAS
ALBERTO LUIZ GASTÃO E ANA MARIA BAHIANA

De R$ 99,90
Por R$ 49,95
50% off
+ frete grátis



INFERNO
MEG CABOT

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



POIS É
PAULO RONAI

De R$ 39,00
Por R$ 19,50
50% off
+ frete grátis



LIBERDADE, AINDA QUE TARDE
EDUARDO VETILLO

De R$ 34,00
Por R$ 17,00
50% off
+ frete grátis



A CEIA DOMINICANA
REINALDO SANTOS NEVES

De R$ 55,00
Por R$ 27,50
50% off
+ frete grátis



A PROMESSA DE FELICIDADE
JUSTIN CARTWRIGHT

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
65765 visitas/dia
1,5 milhão/mês