Roland Barthes e o prazer do texto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
31563 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dinah Perry e Jorge Garcia realizam ensaio aberto do espetáculo D'arc - Dark
>>> Porto das Monções, filme de Vicentini Gomez, tem exibição grátis no Cine Olido dia 21/8
>>> DOCTOR PHEABES CONVIDA SUPLA NO ROCK IN RIO 2017
>>> Teatro Fase recebe Dedé Santana no drama 'A última vida de um gato'
>>> Galeria Bolsa de Arte apresenta Espelho (El Mensajero), de André Severo, a partir de 22 de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Elas por elas
>>> Ritmo binário
>>> A imagem de Haroldo Maranhão
>>> Rimas geométricas
>>> Por um cisco
>>> Em relação a ti
>>> Sobre os papéis
>>> Universo ardente
>>> Gramática geral
>>> O CIRCO ESOTÉRICO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu só quero chocolate
>>> Conceição: enfim, nos cinemas
>>> O romance espinhoso de Marco Lacerda
>>> Tipos brasileiros
>>> Tipos brasileiros
>>> Tipos brasileiros
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Filosofia do Direito (14) - Coleção OAB Nacional - Saraiva (2014) - Seminovo
>>> Logística Verde: Uma Abordagem Sócio-Ambiental
>>> O rei das fraudes
>>> Filipe da Espanha
>>> A Imagem Proibida + Uma História Intelectual da Iconoclastia
>>> Temas da Prática do Direito
>>> Juventude,cultura e cidadania- Edição Especial
>>> As teses de satanas
>>> Herobrine a lenda
>>> No tempo em que a televisão mandava no Carlinhos
>>> O templo interior
>>> Um amor de verdade
>>> Fundamentos de Física - Volume 1
>>> Felpo Filva
>>> Cálculo - Volume 1
>>> O Homem de Gelo - Confissões de um matador da máfia
>>> Vida espiritual
>>> O reino
>>> Cultura Organizacional
>>> Felizes para Sempre
>>> Logística Ambiental de Resíduos Sólidos
>>> Bem-Casados
>>> Mar de Rosas
>>> Álbum de Casamento
>>> Eu Sou o Mensageiro
>>> Shopping Mall
>>> Will&Will
>>> Belo Desastre
>>> Desastre Iminente
>>> Belo Casamento
>>> Um amor de cinema: Uma lista, dois caras, dez filmes
>>> A Formatura
>>> Estudo Independente
>>> O Teste
>>> Veneno
>>> Feitiço
>>> Poder
>>> Logística Reversa Meio Ambiente e Competitividade
>>> Quem é você, Alasca?
>>> A mitologia grega escrita por eles
>>> As Luzes de Setembro
>>> Extras
>>> Um Milagre Chamado Grace
>>> Ladrão De Almas
>>> Uma Longa Jornada
>>> O que está acontecenco com as nossas garotas
>>> O Que Me Faz Pular
>>> Never Sky - Sob o Céu do Nunca
>>> Extraordinário
>>> Desejo à Meia-Noite
COLUNAS

Terça-feira, 21/8/2012
Roland Barthes e o prazer do texto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 13200 Acessos

"O discurso está cansado, exausto de tanto produzir sentido". Com esse diagnóstico Roland Barthes não pretende instituir um saber, mas um certo jeito de viver o saber: "nenhum poder, um pouco de saber, um pouco de sabedoria, e o maior sabor possível".

Com a proposta de "saber com sabor", Barthes reinvindica, além da liberdade crítica, o prazer. Renunciando a qualquer pretensão de uma leitura sistemática, baseada em verdades linguísticas, históricas ou sociológicas. Barthes produz um texto desejado, sonhado, saboreado, transformado em texto prazeroso e deslumbrante, texto barthesiano.

Sua intensão foi buscar a produtividade do texto. Essa produtividade seria sua capacidade de produzir sentidos múltiplos e renováveis, que mudam de leitura a leitura. Ler não seria, então, aplicar modelos prévios, mas criar formas únicas, que são formas virtuais do texto ativadas pela imaginação do leitor. Ao reagir contra a indiferença da semiologia com relação aos objetos, Barthes reivindica a diferença: "cada texto é único em sua diferença. Cada leitura também é única em sua diferença". O próprio Barthes não desejava que seu trabalho fosse usado como modelo científico suscetível de ser aplicado a outros textos.

No seu livro "O prazer do texto", ele assume o individual contra o universal do modelo estruturalista, do corpo contra o conceito, o prazer contra a seriedade acadêmica, o diletantismo contra o cientificismo. Barthes se desloca a partir de então com um à-vontade despudorado, provocando os que exigem do intelectual uma estabilidade ideológica. Barthes não acredita em nenhuma posição de "verdade"; pelo contrário, achava que qualquer posição que se instala, que toma consistência e se repete, torna-se posição ideológica no mau sentido: uma posição que pode ser facilmente recuperada e utilizada pelo sistema dominante, para que ele mesmo se mantenha imutável.

Mas o livro "O prazer do texto" acabou desagradando a gregos e troianos, ou melhor, a marxistas, que o acusavam de ser um aristocrata, um individualista, um alienado; e a estruturalistas, que o acusavam de abandono do método.

Duas tendências coexistiam em Barthes: uma tendência apolínea (seu lado clássico, metódico, "científico") e uma tendência dionisíaca (seu lado sensual, anárquico). A partir de "O prazer do texto", foi a segunda tendência que prevaleceu: o Barthes do corpo, do gozo sensual dos signos, o Barthes escritor.

Barthes falava da escritura como instigadora da pulsão da curiosidade; e acrescentava freudianamente: "toda curiosidade é de fundo sexual. O que é erótico em um texto não é o tema, é o próprio texto. O texto é uma trança, cada fio, cada código é uma voz, essas vozes trançadas ou trançantes forma a escritura. O texto é em suma um fetiche, reduzi-lo à unidade do sentido, por uma leitura abusivamente unívoca, é cortar a trança, é esboçar o gesto castrador".

Assim Barthes desloca o erótico do tema para o texto, mostrando como o "fraseado" é líquido, lubrificado, "ele conjuga numa mesma plenitude o sentido e o sexo". A escritura é isso: "a ciência dos gozos da linguagem e seu kamasutra (dessa ciência, só há um tratado: a própria escritura)".

O texto não exprime nada, desdobra-se num duplo fetichismo: primeiro, o do sujeito que escreve sob suas eleições (a descrição da suavidade das mãos, o contorno dos lábios, o desenho do nariz, os pés) - tudo que no outro faz disparar o desejo; depois, já longe do quadro, o fetiche volta-se para a própria linguagem. Escreve-se, então, não para ser amado, mas para que as palavras sejam amadas, como fetiche. O texto, então, goza não da apreensão do significado, mas da voluptuosidade do significante.

Na verdade, diz Barthes, o sentido de um texto não pode ser outra coisa senão o plural de seus sistemas, sua transcriptibilidade infinita; um sistema transcreve o outro, mas reciprocamente: face ao texto não há língua crítica "primeira", "natural", "nacional", materna. O texto é, de chofre, ao nascer, multilíngue; não há nem língua de saída, nem língua de entrada, pois o texto tem do dicionário não o poder direcional (fechado), mas a escritura infinita.

Giles Deleuze, no seu livro "Dialogues" parece ter se sintonizado ao pensamento de Barthes, como fica claro na sua sugestão do que seria a leitura hoje: "As boas maneiras de ler um texto, é chegar a tratar um livro como se escuta um disco, como se olha um filme... como se é tocado por uma canção: todo tratamento do livro que exigisse um respeito especial, uma atenção de outra espécie, vem de outra época e condena definitivamente o livro. Não há nenhuma questão de dificuldade nem de compreensão: os conceitos são exatamente como sons, cores ou imagens, são intensidades que convêm a você ou não... não há nada a compreender, nada a interpretar."

O poeta inglês Dylan Thomas também sintetiza bem o que seria o pensamento barthesiano ao responder à pergunta: O que é poesia? "Que importa o significado da poesia? Se lhe pedirem uma definição digam: poesia é o que me faz rir ou chorar, que me faz vibrar, o que me faz desejar isso ou aquilo ou nada. O que interessa na poesia é o movimento eterno que está atrás dela, a vasta corrente subterrânea de dor, de loucura ou exaltação, por modesta que seja a intenção do poema".

No fim da vida, em sua "Aula", no Collège de France, a relação entre a língua e o poder se tornará uma assertiva radical. Para Barthes toda língua é uma classificação, a língua é fascista, pois obriga a dizer. Aqui se encontra a radicalização da idéia de discurso e poder de Foucault. Mas como sair da engrenagem fascista da língua? Para Barthes, só a literatura como "revolução permanente da linguagem" pode alterar essa situação.

Segundo Antoine Campagnon, no seu livro Os antimodernos, a questão que Barthes se coloca é: como neutralizar o poder da língua refazendo dela um objeto amado? Diferente do procedimento da vanguarda (surrealismo, principalmente) que incitava o ódio pela linguagem, em "O Neutro" Barthes propõe não a revolução, não a violência, mas a carícia. Ele diz: "Não desinfetar a língua, mas saboreá-la, roçá-la lentamente, ou até mesmo esfregá-la, mas não purificá-la". A língua como "écriture", lugar onde o homem pode exercer livremente sua sensualidade. Em seu Fragmentos de um discurso amoroso ele anota, finalmente: "A linguagem é uma pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse palavras ao invés de dedos, ou dedos na ponta das palavras".

Para ir além



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/8/2012


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
02. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MÁSCARA DE APOLO (ROMANCE SOBRE O TEATRO CLÁSSICO E A VIDA NA GRÉCIA ANTIGA)
MARY RENAULT
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 10,00



NO CAMINHO DAS COMUNIDADES - ATOS DOS APÓSTOLOS
CENTRO BÍBLICO VERBO
PAULUS
(2001)
R$ 8,00



SANDUÍCHES DE REALIDADE E OUTROS ESCRITOS
ARNALDO JABOR
OBJETIVA
(1997)
R$ 3,00



HIPNOSE PARA INICIANTES -TÉCNICAS PASSO-A PASSO PARA HIPNOTIZAR PESSOAS E REALIZAR A AUTO-HIPNOSE
WILLIAM W. HEWITT
UNIVERSO DOS LIVROS
(2009)
R$ 39,90



EM CASA: UMA BREVE HISTÓRIA DA VIDA DOMÉSTICA
BILL BRYSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 30,00



JUSTICEIRO MAX - MERCENÁRIO
MARVEL COMICS
PANINI
(2015)
R$ 15,00



A VIDA ACIDENTADA DE UM VAMPIRINHO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CARLOS QUEIROZ TELLES E ENEAS CARLOS PEREIRA
FTD
(1994)
R$ 9,00



SOMBRAS DE REIS BARBUDOS - JOSÉ J. VEIGA (LITERATURA BRASILEIRA)
JOSÉ J. VEIGA
DIFEL
(1983)
R$ 5,00



UM SORRISO, POR FAVOR
ROQUE SCHNEIDER
EDIÇÕES LOYOLA
(1980)
R$ 4,00



A IMPORTÂNCIA DE VIVER
LING YUTANG
GLOBO
(1997)
R$ 20,00





busca | avançada
31563 visitas/dia
1,1 milhão/mês