Roland Barthes e o prazer do texto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29120 visitas/dia
870 mil/mês
Mais Recentes
>>> ABCDança 2017 segue com programação gratuita até o dia 28 de maio
>>> Crianças travessas também podem gostar de ler
>>> Banda Silibrina, de Gabriel Nóbrega, lança o álbum O Raio com temporada de shows no Jazz nos Fundos
>>> Dom Quixote chega a USP Leste
>>> Documentário
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo
>>> Minha finada TV analógica
>>> Aquarius, quebrando as expectativas
>>> Amy Winehouse: uma pintura
>>> Casa Arrumada
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
Colunistas
Últimos Posts
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
Últimos Posts
>>> Negro (série: Sonetos)
>>> Greve geral
>>> Hoje Ella Fitzgerald faz 100 anos
>>> Vermelho (série: Sonetos)
>>> Os vãos nunca em vão
>>> O VERBO ALQUÍMICO
>>> Procissão
>>> Questionamento
>>> As 13 Razões Pra se Escolher a Vida!
>>> Black Mirror, nós e os outros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leitores (e, não, autores) novos
>>> Jornalismo oral
>>> I don’t know what to say, you don’t care anyway
>>> As redes sociais e a política
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> A fotografia cínica de Maurícius Farina
>>> A era e o poder do Twitter
>>> Os bons companheiros
>>> Diego Reeberg, do Catarse
Mais Recentes
>>> Sobre o Islã
>>> Coração de Mãe + Práticas budistas para transformar a maternidade
>>> Tempos de Planície
>>> Reconstruído pelo Espirito- A Mensagem de Neemias
>>> Tarde Demais para esquecer
>>> I Ching ilustrado
>>> I CHING - Mensagens para o Crescimento Pessoal
>>> Educação e Ensino
>>> Revisão do Cristianismo
>>> Ego e Arquétipo
>>> Fim de Milênio: Os Perigos e Desafios da pós- Modernidade na Igreja
>>> Anatomia Dos Animais Domésticos - Textos e Atlas Colorido
>>> Rousseff
>>> A Arte da Guerra
>>> Ansiedade
>>> Qual é a tua obra?
>>> Revolucione sua qualidade de Vida
>>> A Cabana
>>> O que realmente importa?
>>> Os Segredos da Mente Milionária
>>> Corações descontrolados
>>> Volta ao Lar- Como resgatar e defender sua Criança interior
>>> Iniciação no laboratório de Química
>>> Arte na Educação Escolar
>>> Gestão do Conhecimento
>>> Curso de Física Básica 2-Fluidos, Oscilações e Ondas Calor
>>> Estudo de História - Ensino Médio - Vol. Único
>>> Bio volume único- Teste de Vestibulares e Enem
>>> Atualidades em Ergonomia-Logística, Movimentação de Materiais, Engenharia Industrial, Escritórios
>>> Bio volume único
>>> Marketing de A a Z-80: Conceitos que todo profissional precisa saber
>>> Diálogos sobre educação (Audio-livro)-E se Platão voltasse?
>>> Manual de Matemática-Conceitos básicos para nivelamento
>>> Aplicações de Vygotsky à educação matemática
>>> Educação Especial -Práticas de aprendizagem, convivência e inclusão
>>> PORTUGUÊS: CONTEXTO, INTERLOCUÇÃO E SENTIDO - Vol. 3
>>> Antropologia e Educação: Um saber de fronteira
>>> O prazer da leitura-Como a adaptação de clássicos ajuda a formar leitores
>>> Música(s) e seu Ensino
>>> A Condicão Humana
>>> Bioquímica Básica-Introdução à Bioquímica dos hormônios, sangue, sistema urinário, processos digestivos e absorptivo e micronutrientes
>>> História Concisa da Literatura Brasileira
>>> Gestão do Conhecimento no Brasil-Casos, experiências e práticas de empresas privadas/organizadora
>>> Contabilidade básica-Fundamentos essenciais
>>> Administração da Produção
>>> Moléculas em exposição-O fantástico mundo das substâncias e dos materiais que fazem parte do nosso dia-a-dia
>>> Exemplos de Álgebra Linear sobre Corpos-Volume 1 - Corpos Finitos
>>> Competência Social-Mais que etiqueta, uma questão de atitude
>>> Álgebra Linear
>>> Cultura, Linguagem e Subjetividade no Ensinar e Aprender
COLUNAS

Terça-feira, 21/8/2012
Roland Barthes e o prazer do texto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 12100 Acessos

"O discurso está cansado, exausto de tanto produzir sentido". Com esse diagnóstico Roland Barthes não pretende instituir um saber, mas um certo jeito de viver o saber: "nenhum poder, um pouco de saber, um pouco de sabedoria, e o maior sabor possível".

Com a proposta de "saber com sabor", Barthes reinvindica, além da liberdade crítica, o prazer. Renunciando a qualquer pretensão de uma leitura sistemática, baseada em verdades linguísticas, históricas ou sociológicas. Barthes produz um texto desejado, sonhado, saboreado, transformado em texto prazeroso e deslumbrante, texto barthesiano.

Sua intensão foi buscar a produtividade do texto. Essa produtividade seria sua capacidade de produzir sentidos múltiplos e renováveis, que mudam de leitura a leitura. Ler não seria, então, aplicar modelos prévios, mas criar formas únicas, que são formas virtuais do texto ativadas pela imaginação do leitor. Ao reagir contra a indiferença da semiologia com relação aos objetos, Barthes reivindica a diferença: "cada texto é único em sua diferença. Cada leitura também é única em sua diferença". O próprio Barthes não desejava que seu trabalho fosse usado como modelo científico suscetível de ser aplicado a outros textos.

No seu livro "O prazer do texto", ele assume o individual contra o universal do modelo estruturalista, do corpo contra o conceito, o prazer contra a seriedade acadêmica, o diletantismo contra o cientificismo. Barthes se desloca a partir de então com um à-vontade despudorado, provocando os que exigem do intelectual uma estabilidade ideológica. Barthes não acredita em nenhuma posição de "verdade"; pelo contrário, achava que qualquer posição que se instala, que toma consistência e se repete, torna-se posição ideológica no mau sentido: uma posição que pode ser facilmente recuperada e utilizada pelo sistema dominante, para que ele mesmo se mantenha imutável.

Mas o livro "O prazer do texto" acabou desagradando a gregos e troianos, ou melhor, a marxistas, que o acusavam de ser um aristocrata, um individualista, um alienado; e a estruturalistas, que o acusavam de abandono do método.

Duas tendências coexistiam em Barthes: uma tendência apolínea (seu lado clássico, metódico, "científico") e uma tendência dionisíaca (seu lado sensual, anárquico). A partir de "O prazer do texto", foi a segunda tendência que prevaleceu: o Barthes do corpo, do gozo sensual dos signos, o Barthes escritor.

Barthes falava da escritura como instigadora da pulsão da curiosidade; e acrescentava freudianamente: "toda curiosidade é de fundo sexual. O que é erótico em um texto não é o tema, é o próprio texto. O texto é uma trança, cada fio, cada código é uma voz, essas vozes trançadas ou trançantes forma a escritura. O texto é em suma um fetiche, reduzi-lo à unidade do sentido, por uma leitura abusivamente unívoca, é cortar a trança, é esboçar o gesto castrador".

Assim Barthes desloca o erótico do tema para o texto, mostrando como o "fraseado" é líquido, lubrificado, "ele conjuga numa mesma plenitude o sentido e o sexo". A escritura é isso: "a ciência dos gozos da linguagem e seu kamasutra (dessa ciência, só há um tratado: a própria escritura)".

O texto não exprime nada, desdobra-se num duplo fetichismo: primeiro, o do sujeito que escreve sob suas eleições (a descrição da suavidade das mãos, o contorno dos lábios, o desenho do nariz, os pés) - tudo que no outro faz disparar o desejo; depois, já longe do quadro, o fetiche volta-se para a própria linguagem. Escreve-se, então, não para ser amado, mas para que as palavras sejam amadas, como fetiche. O texto, então, goza não da apreensão do significado, mas da voluptuosidade do significante.

Na verdade, diz Barthes, o sentido de um texto não pode ser outra coisa senão o plural de seus sistemas, sua transcriptibilidade infinita; um sistema transcreve o outro, mas reciprocamente: face ao texto não há língua crítica "primeira", "natural", "nacional", materna. O texto é, de chofre, ao nascer, multilíngue; não há nem língua de saída, nem língua de entrada, pois o texto tem do dicionário não o poder direcional (fechado), mas a escritura infinita.

Giles Deleuze, no seu livro "Dialogues" parece ter se sintonizado ao pensamento de Barthes, como fica claro na sua sugestão do que seria a leitura hoje: "As boas maneiras de ler um texto, é chegar a tratar um livro como se escuta um disco, como se olha um filme... como se é tocado por uma canção: todo tratamento do livro que exigisse um respeito especial, uma atenção de outra espécie, vem de outra época e condena definitivamente o livro. Não há nenhuma questão de dificuldade nem de compreensão: os conceitos são exatamente como sons, cores ou imagens, são intensidades que convêm a você ou não... não há nada a compreender, nada a interpretar."

O poeta inglês Dylan Thomas também sintetiza bem o que seria o pensamento barthesiano ao responder à pergunta: O que é poesia? "Que importa o significado da poesia? Se lhe pedirem uma definição digam: poesia é o que me faz rir ou chorar, que me faz vibrar, o que me faz desejar isso ou aquilo ou nada. O que interessa na poesia é o movimento eterno que está atrás dela, a vasta corrente subterrânea de dor, de loucura ou exaltação, por modesta que seja a intenção do poema".

No fim da vida, em sua "Aula", no Collège de France, a relação entre a língua e o poder se tornará uma assertiva radical. Para Barthes toda língua é uma classificação, a língua é fascista, pois obriga a dizer. Aqui se encontra a radicalização da idéia de discurso e poder de Foucault. Mas como sair da engrenagem fascista da língua? Para Barthes, só a literatura como "revolução permanente da linguagem" pode alterar essa situação.

Segundo Antoine Campagnon, no seu livro Os antimodernos, a questão que Barthes se coloca é: como neutralizar o poder da língua refazendo dela um objeto amado? Diferente do procedimento da vanguarda (surrealismo, principalmente) que incitava o ódio pela linguagem, em "O Neutro" Barthes propõe não a revolução, não a violência, mas a carícia. Ele diz: "Não desinfetar a língua, mas saboreá-la, roçá-la lentamente, ou até mesmo esfregá-la, mas não purificá-la". A língua como "écriture", lugar onde o homem pode exercer livremente sua sensualidade. Em seu Fragmentos de um discurso amoroso ele anota, finalmente: "A linguagem é uma pele: esfrego minha linguagem no outro. É como se eu tivesse palavras ao invés de dedos, ou dedos na ponta das palavras".

Para ir além



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/8/2012


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
02. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INTRODUÇÃO À ECONOMIA
ERALDO SERGIO BARBOSA DA SILVA & OUTROS
FTD
(1996)
R$ 15,00



RELATOS DE SONHOS E DE LUTAS
AMILCAR NEVES
RECORD
(2007)
R$ 14,00



PEGASUS E O FOGO DO OLIMPO - VOLUME 1
KATE OHEARN
LEYA
(2011)
R$ 14,00



QUESTÃO NACIONAL E MARXISMO
JAIME PINSKY
BRASILIENSE
(1980)
R$ 18,00



COMO BRUXOS MANEANDO FEROZES: CUIDADO, CONTROLE E PRÁTICAS "PSI" NAS POLÍTICAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA A RUA
IACÃ MACERATA
GRAMMA
(2016)
R$ 43,00



A CONFRARIA
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2000)
R$ 10,00



A TRÁGICA HISTÓRIA DO DOUTOR FAUSTO E DIDO, A RAINHA DE CARTAGO - CHRISTOPHER MARLOWE (TEATRO INFANTO-JUVENIL)
CHRISTOPHER MARLOWE
DIFEL
(2009)
R$ 10,00



ALMANAQUE DE BICHOS QUE DÃO EM GENTE-VERMES, FUNGOS,BACTÉRIAS,VIRUS & OUTROS BICHOS. COMO RECONHECER, EVITAR E TRATAR
SONIA HIRSCH
CORRE COTIA
(2011)
R$ 39,99



O GARIMPEIRO
BERNARDO GUIMARÃES
CEDIC
(2010)
R$ 5,00



UM CHAPÉU PARA VIAGEM
ZÉLIA GATTAI
RECORD
(1985)
R$ 3,00





busca | avançada
29120 visitas/dia
870 mil/mês