Os contos de degeneração de Irvine Welsh | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês
Mais Recentes
>>> João da Cruz encerra temporada na Casa das Rosas
>>> 36Linhas lança Graphic Films Collection
>>> Em novo dia e horário, Trilha de Letras presta tributo a Darcy Ribeiro
>>> Teatro do Incêndio é indicado ao Prêmio Governador do Estado
>>> Nathalia Timberg é homenageada no Recordar é TV desta terça (20)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Piada pronta
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Claudio Willer e a poesia em transe
>>> Paul Ricoeur e a leitura
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
>>> Dilúvio, de Gerald Thomas
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas
>>> Crônica de Aniversário
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
Últimos Posts
>>> Tatuagens eólicas
>>> Terra úmida
>>> Cidadão de 2ª Classe - Você se Reconhece Como Um?
>>> Espectros
>>> Bojador
>>> Inversões
>>> Estado alterado
>>> Templo
>>> Divagações
>>> Convicto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ser feliz no trabalho
>>> Autor não é narrador, poeta não é eu lírico
>>> O ódio on-line
>>> Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha
>>> Nuvem Negra*
>>> Contos fantásticos no labirinto de Borges
>>> Ilustres convidados
>>> Por que comemorar o dia das mães?
>>> Poeira, pra que te quero?
>>> Notas de um ignorante
Mais Recentes
>>> Michael Jackson
>>> Psicoterapia e Sentido da Vida
>>> Biblia evangelho lucas
>>> Escola Frankfurt
>>> Pimentos & Compahia
>>> Cozinha Saudavél
>>> Beer Ultimate Word Tour
>>> The Great Wines Of France
>>> Viagem Pitoresca Do Brasil
>>> 100 Canetas de Sempre
>>> Fra Agélico
>>> O Prazer de Viver Ligjht
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> Master of french Art
>>> Tratamentos Naturais De A a Z
>>> A Concepção Materialista da História
>>> Garbo
>>> Sucos Para a Saúde
>>> Whitney Houston
>>> Mecanismos Internos
>>> 1001 Discos para Ouvir Antes de Morrer
>>> Kyoto
>>> Tom Cruise - Biografia Não-Autorizada
>>> A Origem e o Retorno
>>> Nelson Rodrigues Na Tv
>>> As Naus
>>> As Mulheres de Meu Pai
>>> Edições de Planeta - Ramakrishna - O Louco de Deus
>>> Great Escapes Africa
>>> O escolhido legado
>>> O Pintor Da Vida Moderna
>>> Turner
>>> 30 Sabores receitas de Ensopados
>>> Os cadernos de Dom Rigoberto
>>> Tantra - Arte e Refinamento do Amor
>>> Amanhecer
>>> Mito e Religião Na Grécia Antiga
>>> O Gigante em Você
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> O Esino De Filosofia
>>> A cidade de cada um - coleção Vera cruz vol.46
>>> Armadilha ao Contrário
>>> Rimas Da Vida E Da Morte
>>> Carmo
>>> O Próximo
>>> Meu pequeno São-paulino
COLUNAS

Quarta-feira, 17/10/2012
Os contos de degeneração de Irvine Welsh
Luiz Rebinski Junior

+ de 2900 Acessos

Em tempos politicamente corretos, em que as marchas temáticas e ideológicas ganham status de procissão, ler um cara como Irvine Welsh é quase um ato de resistência. O malucão escocês, que há 20 anos mostrou ao mundo com quantos barbitúricos se faz uma geração perdida, continua acertando na dose. Seus personagens anárquicos e desajustados continuam com o mesmo grau de inconsequência de Spud e Sick Boy, a dupla de doidões que protagoniza Trainspotting, primeiro romance de Welsh, que se tornou mundialmente conhecido pelas mãos do cineasta Danny Boyle.

Quem não é muito chegado em uma bitinicagem, pode até torcer o nariz para os temas que Welsh tanto gosta - drogas, no topo da lista -, mas ninguém que tenha lido pelo menos uns três livros na vida pode dizer que o rapaz não tem a manha de contar uma boa história. Welsh é um escritor! A afirmação pode parecer ingênua, mas não é. Já que, nunca é demais repetir, não basta escrever e publicar livros para ser escritor. O papo é mais embaixo. Mas isso é coisa para outro dia, não agora. Welsh é, sobretudo, um romancista. Além de Trainspotting, escreveu outros cinco livros no gênero, como Pornô e Crime. Daí a minha curiosidade em ver como o escritor se sairia escrevendo no gênero que mais gosto: o conto. Romancistas de ofício às vezes se enrolam quando descem o degrau e encaram o primo pobre da literatura. Não é caso de Irvine Welsh.

Welsh, como contista, mantém a pegada literária do romancista, mas sem que os contos tenham cara de romance abortado. Pelo menos é assim em Requentando repolhos, coletânea de histórias curtas (ou quase) que a Rocco, editora de Welsh no Brasil, soltou há pouco tempo por aqui. Uma pena que o tradutor tenha suprimido a segunda parte do título original, algo como "contos de degeneração química". É uma ótima definição para as histórias, que foram publicadas de forma espaçada em periódicos literários, mas que ainda assim se comunicam muito bem.

Chamar um escritor de "perspicaz observador da alma humana" é o que de melhor se pode fazer a um autor, mas o elogio que se pode fazer a Welsh passa longe do etéreo, pois o escocês prefere olhar para as coisas terrenas, mais especificamente para a confusão em que o mundo se meteu depois da Revolução Industrial. Welsh cutuca fundo as feridas do capitalismo, mostrando, de forma sempre divertida, como o sistema fode com gente que até pouco tempo acalentava alguma esperança na vida e no ser humano. Mas não, Welsh não é o que se pode chamar de um autor engajado. Pelo contrário, talvez não haja um autor contemporâneo menos engajado que o malucão escocês. Welsh, de forma magistral, aponta sua machine gun para vários alvos: a igreja, os conservadores, os neo hippies, os modernos, os cuzões, os ricos, os drogados, os homossexuais.

O homossexualismo, aliás, é tema de uma das melhores histórias do livro. "Culpa católica (você sabe que adora isso)" é um bom exemplo da inteligência de Welsh como escritor. E de como um conto pode oferecer tantas possibilidades de leitura e ter tantas reviravoltas quanto um romance. Joe, o personagem do conto, é um beberrão homofóbico que na primeira cena da história espanca um gay na rua. Joe "queria obliterar as feições retorcidas da boneca boiola, mas só conseguiu encher a cara dele de pontapés", enquanto seu amigo Charlie chegava para controlá-lo. Os dois então vão comemorar a surra no gay em um pub em que a irmã gêmea de Charlie se encontra. Lucy (a irmã) e Joe acabam na cama e, neste momento, Joe tem uma espécie de colapso, em que a narrativa de Welsh, entre a piração e a realidade, joga com o leitor. Joe começa a ter alucinações que viram pesadelos. Envolto em uma maldição, ele se vê transando com alguns de seus melhores amigos. Angustiado para se livrar do pesadelo, a certa altura, Joe tem uma epifania e encontra o diabo.

"A confirmação de minha morte induz em mim uma estranha euforia, e um alívio que não é pequeno.

- Então estou morto! Obrigado, porra! Isso quer dizer que eu nunca enrabei meus amigos. Você me deixou meio preocupado com isso!

O velho puto angelical lentamente balança a cabeça com seriedade.

- Você ainda não está do outro lado.

-Você é um espírito inquieto, vagando sobre a Terra.

- Por quê?

- Castigo. Essa é a sua penitência.

Eu não estou a fim disso e pergunto ao escroto:

- Castigo? Eu? Que porra eu fiz de errado?

- Bem, Joe, a verdade é que você não é um mau sujeito... mas anda um pouco misógino e homofóbico. De modo que sua punição é fazer com que você vague pela Terra como um fantasma homossexual, fodendo seus antigos amigos e conhecidos."

E a penitência só se encerrará quando "Joe começar a gostar disso, e deixar de sentir culpa". O conto que parecia ser uma libelo a favor da misoginia, acaba como uma ótima piada, mas sem resvalar no moralismo piegas.

Há duas histórias que lembram muito o cenário e os temas de Trainspotting e devem fazer a cabeça de quem ainda mantém frescas na memória as ruelagens da turma de drogaditos do primeiro romance de Welsh. Em "O incidente de Rosewell", Welsh recria novamente o cenário de poucas possibilidades da juventude originária da classe operária escocesa. No conto, três amigos bolam um plano para receber uma espécie de seguro social dado a pessoas que se machucam gravemente. A tática: espancar um dos três rapazes, que se oferece como voluntário. A partir daí Welsh solta a imaginação e constrói uma história repleta de violência, em que há espaço até para extraterrestres que abduzem a garota mais gostosa da turma. Já em "A festa", um rapaz sofre overdose e é carregado, madrugada a fora, por seus amigos, que só depois de muito tempo percebem que ele está, na verdade, morto.

Welsh sabe conjugar bem essas ideias que, lendo assim, parecem meio despropositadas. Mas o mais interessante na literatura do escritor, é que ele consegue contextualizar essas loucuradas com o ambiente social em que vivem os jovens das classes mais baixas de seu país. Sem, no entanto, que seu texto se torne panfletário. Diferente de Nick Hornby, a quem Welsh dedica um dos contos, o escocês é um escritor versátil, que consegue falar sobre temas diversos, não apenas sobre os assuntos que o consagraram. É assim com "Eu sou Miami", conto de oitenta páginas sobre o professor aposentado Albert Black, que vai visitar o filho rico em Miami e se depara com um mundo estranho, que oprime os seus valores de crsitão convicto. O conto todo é uma reflexão sobre os antagonismos que regem o mundo, sobre a picaretagem dos picaretas, a falsa aura que cobre os puritanos e a sordidez que sustenta o capitalismo.

Requentando repolhos certamente não é para leitores que, como Albert Black, zelam pela moral e fé. Afinal, um livro que abre com a história de um homem que só pensa em futebol no momento em que sua mulher perde as duas pernas ("Falta em cima da linha"), não pode agradar gente de boa índole que milita em causas a céu aberto. Mas que é um puta livro, isso é.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 17/10/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol
02. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
04. Livrarias de Ricardo de Mattos
05. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2012
01. A arte da crônica - 4/1/2012
02. Os contos de degeneração de Irvine Welsh - 17/10/2012
03. O senhor Zimmerman e eu - 9/5/2012
04. O caminho rumo ao som e a fúria - 1/2/2012
05. Luz em agosto - 15/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GIBI EDIÇÃO MARAVILHOSA Nº 89 - CANGACEIROS ( EBAL-1ª SÉRIE-1954
JOSÉ LINS DO REGÔ
EBAL
(1954)
R$ 50,00
+ frete grátis



LAGARTAS ESPERTAS - COL. SURPRESAS COLORIDAS
WENDY MCLEAN & DEE TEXIDOR
TODOLIVRO
(2005)
R$ 25,00



A CIDADE ILHADA
MILTON HATOUM
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 15,00



A ARTE CAVALHEIRESCA DO ARQUEIRO ZEN
EUGEN HERRIGEL
PENSAMENTO
(1979)
R$ 19,87



A LEI DE MURPHY SEGUNDA PARTE
ARTHUR BLOCH
RECORD
(1997)
R$ 10,00



ABBA - QUANDO A VIDA É UMA FESTA!
ABBA
ESCALA
(2012)
R$ 15,90



O MONTE CINCO
PAULO COELHO
OBJETIVA
R$ 4,90



O BRASIL DOS SERTÕES
ALEXANDRE BARROSO
DUNAS RACE
(2016)
R$ 5,40



ADOLPHE MONOD'S FAREWELL
OWEN THOMAS - TRANSLATOR
THE BANNER OF TRUTH
(1962)
R$ 35,00



HISTÓRIAS DE VIDA
LOUISE L. HAY
MADRAS
(2012)
R$ 17,50





busca | avançada
14361 visitas/dia
954 mil/mês