Era Meu Esse Rosto | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
33102 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exibição do documentário "ECO - Cantos da Terra" no Lab Mundo Pensante
>>> Sesc Birigui apresenta por+vir e A Mão do Meio - sinfonia lúdica com a Cia de Danças de Diadem
>>> "Orfãos de São Paulo" é tema de evento com entrada franca
>>> Sesc Ipiranga recebe Cris Narchi
>>> Danças contemporânea e urbana fazem o 'Cartografia do Possível', no CRDSP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
>>> Lugar comum
>>> Chaleira
>>> O que sei do tempo III
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dançando com Shiva
>>> A barbárie contra-ataca
>>> O blogueiro: esse desconhecido
>>> O Tigre Branco
>>> O soldado absoluto
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
>>> L'Empereur
>>> Radiohead e sua piscina em forma de lua
>>> Isso é arte?
>>> Caricaturas ao vivo
Mais Recentes
>>> A Audácia dessa Mulher
>>> Confissões
>>> Abraão a Invenção da Fé
>>> Visão do Paraíso
>>> O Empresário faz a Diferença
>>> O Mistério da Fábrica de Livros
>>> Os 100 Segredos das Pessoas de Sucesso
>>> Patrimônio - Uma História Real
>>> Herança de Sangue - Um Faroeste Brasileiro
>>> As Regras da Sedução
>>> Uma Mulher Livre
>>> Uma República de Leitores: História na Recepção das Cartas Chilenas
>>> Sin City A noite da vingança
>>> Tratamento de Distúrbios da Aprendizagem
>>> Em Busca de Deus - a Plenitude da Alegria Cristã
>>> Universo Kabbalístico
>>> A Boa Confissão
>>> Uma obsessão indecente
>>> Criação, Graça, Salvação
>>> A Mão Esquerda da Criação Origem e Evolução do Universo
>>> Qual o Motivo da Criação?
>>> A Consciência de Zeno
>>> 1789 - a História de Tiradentes
>>> Ricardo de paula Meneghelli ( O final dos tempos )
>>> 10 Mandamentos do Sistema Imunológico
>>> A Todo Vapor! Uma parábola de negócios
>>> Access 2010
>>> Roteiro de Minas
>>> aprenda em 24 horas Java 1.1
>>> Quicken 2015 For Dummies
>>> Sistemas Operacionais Modernos
>>> Por Todos os Poros Poesia
>>> Os Jogos Teatrais de Viola Spolin
>>> Zalina Rolim: Poetisa e Educadora
>>> Viagem Aos Quatro Cantos - com dedicatória ao poeta Francisco Mou
>>> Uma Breve Historia do Tempo
>>> Um só Grito
>>> Um Século De Poesia
>>> Um Homem e Suas Sombras - Com Dedicatória do Autor
>>> Um Homem e Suas Sombras
>>> Um Ciclo Completo - autografado
>>> Um Calafrio Diário - autografado
>>> Um Amor Que Vale A Pena
>>> Toda Poesia é um Canto
>>> Theology and Ministry in Context and Crisis
>>> Taras, Tarô e Outros Vícios
>>> Subsolo - autografado
>>> Stella Maia e Outros Poemas
>>> Sincretismo a Poesia da Geração 60
>>> Senhora - autografado
COLUNAS

Quinta-feira, 18/4/2013
Era Meu Esse Rosto
Eugenia Zerbini

+ de 4000 Acessos

Era meu esse rosto (RJ, Record, 2012, 205 ps.) é o quarto romance de Marcia Tiburi. E um grande romance. Romance tomado como gênero literário, não uma história de amor (os autores mais jovens parecem constrangidos ao assumir que escrevem romances; preferem referir-se a suas obras genericamente, como obras de ficção). Escrito, segundo a autora, entre 1998 e 2011, por ela é considerado como aquele que cristaliza seu maior e melhor afeto.

A linguagem é primorosa, lírica e arrebatadora. Um convite à experiência da leitura em voz alta. Não muito alto, contudo, considerando várias confissões e muitos segredos que são contados no correr das páginas. O relato é por vezes tão sutil que à página só cabe ser virada por meio de um sopro, não com a concretude da mão.

"O mundo é feito de espaço. Nele jaz, inerte, uma pena. Enigma jocoso da pluma contra o chumbo do mundo. À esquerda, pela vidraça da janela está minha tia em seus eternos trinta anos. Dá de comer às divindades do quintal, põe-me grãos à mão e a cabeça de um pintinho a piar-me na boca dizendo-me fala-fala, ou é à boca de uma de minhas irmãs? Não sei".

É uma história de família, em que, sem tender para o realismo mágico, há personagens (ou a lembrança deles) que morrem mais de uma vez. Outro, mesmo morto, vaga pela casa. Esta última, por si só, é um personagem forte em toda a intriga. Tiburi não dá nome aos personagens, tratando-os como avó, avô, tia, tio, irmãs... Há um único nome, talvez a origem de tudo. A ausência de nomes estende-se às cidades em que a trama se desenvolve. Parte do enredo passa-se em V., cidade do Rio Grande do Sul, parte em outra cidade também chamada apenas por V. A falta de nomes confere tintas de arquétipo a cada um dos personagens e os ares de mito à geografia da ação.

Bastam, porém, algumas referências a um dos Vs. para que se identifique Veneza. Com isso, percebe-se que o narrador sai de V (possivelmente a gaucha Vacaria, cidade natal da autora) e volta para o V de La Sereníssima. A partir dessa decifração, domina o leitor o desejo de retornar ao início, em busca de outras chaves, adotando uma leitura mais atenta, contornando o deslumbramento despertado pela linguagem poética.

"Quando me dou conta o monstro está todo à minha frente. Moby Dick é a cidade. Emerge das águas disponível como uma prostitua desde que se possa pagar bem, ou é a maçã de feira que com um pouco de esperteza se pode roubar. Afundo na neblina a clarear a noite e vejo apenas o imenso cadáver que flutua, sobre o qual gôndolas flutuam com cadáveres sobre os quais flutuam cadáveres sobre gôndolas"...

Isso faz com que Era meu esse rosto não seja de leitura fácil. Seu texto é fragmentado e intercalado, podendo parecer um quebra cabeça para o leitor que almeja simplesmente uma boa leitura. Para outro perfil de leitor, aquele mais dedicado e que sabe como conquistar o texto, caberá um sorriso no final.

Como o verbo amar, na versão de Mario de Andrade, ler deveria perfilar-se junto aos verbos intransitivos, atividade individual e intransferível que é. Tendo em conta essa magia que se cria entre o leitor e o livro, há uma única restrição à belíssima obra recém lançada por Marcia Tiburi: o texto de apresentação, assinado por Regina Zilberman, professora da PUCRS e da UFRGS. A grandeza da obra de ficção independe da voz da autoridade, por mais prestigiosa que pareça. O recurso ao discurso competente é uma confirmação (ou será tique?) a que recorrem os acadêmicos nos rodapés e citações de seus trabalhos.

Como ótimo romance que é, esse quarto trabalho de ficção publicado pela autora (que também desenvolve carreira universitária de sucesso) mantém-se de pé por si mesmo, dispensando o selo de qualidade da Academia. Era meu esse rosto não precisa de muletas para cumprir seu caminho. Concluindo, a onírica fotografia da capa do livro merece aplauso, dando pistas para o conteúdo da obra. Conforme a autora, trata-se de fotografia de autoria de Luiz Eduardo Achutti, seu ex-professor. Curioso e inocente, um garotinho procura sua face refletida na água agitada que tem a seus pés.

Publicado em meados do ano passado, Era meu esse rosto é uma das apostas seguras na grande corrida dos prêmios de 2013.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 18/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
02. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
03. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
04. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
05. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2013
01. Anna Karenina, Kariênina ou a do trem - 21/2/2013
02. Era Meu Esse Rosto - 18/4/2013
03. Clube de Leitura Cult - 21/3/2013
04. Livros na ponta da língua - 24/1/2013
05. Clube de leitura da Livraria Zaccara: um ano! - 23/5/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRASILIDADE E A DEMOCRACIA ESCOLAR: O JEITINHO, A MALANDRAGEM E AS FORMAS AUTORITÁRIAS NA ESCOLA PÚBLICA
EVSON MALAQUIAS DE MORAES SANTOS
UNIVERSITÁRIA
(2009)
R$ 8,00



CINQUENTA TONS MAIS ESCUROS
E L JAMES
INTEÍNSECA
(2012)
R$ 8,00



INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA BIBLIOTECONOMIA
RONALDO VIEIRA
INTERCIÊNCIA
(2014)
R$ 55,50



SYMBOLS, PICTOGRAMS & SILHOUETTES + CD
MARTA AYMERICH
INDEX BOOK
R$ 60,00
+ frete grátis



TRAGÉDIAS VOLUME 1 / COMÉDIAS E SONETOS VOLUME 2
WILLIAM SHAKESPEARE
VICTOR CIVITA
(1978)
R$ 70,00



CREPÚSCULO LIVRO DE ANOTAÇÕES DA DIRETORIA
CATHERINE HARWICKE
INTRINSECA
(2009)
R$ 5,00



ANGÚSTIA
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(1979)
R$ 7,90



QUIMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO
TITO CANTO
MODERNA
(2002)
R$ 20,00
+ frete grátis



INEDITOS E DISPERSOS.
ANA CRISTINA CESAR
ÁTICA
(1998)
R$ 40,00
+ frete grátis



O HOMEM DA ROÇA (CAUSOS E CONTOS DAS REGIÕES DE AVARÁ, ITAÍ E TAQUARITUBA)
JOSÉ PIRES CARVALHO
ARCÁDIA
(1996)
R$ 12,00





busca | avançada
33102 visitas/dia
1,0 milhão/mês