De olho em você | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Escritor Alexandre Hallais fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As 48 Leis do Poder, por Robert Greene
>>> Gramado e a ausência de favoritismo
>>> Na Campus Party 2009 II
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
Mais Recentes
>>> João Ternura
>>> Fauna de Venezuela
>>> El Libro De La Salsa
>>> Criando filhos ( o modo de Deus )
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
>>> O Último Godot
>>> Pós Modernismo: Repensando a Arquitetura
COLUNAS

Quarta-feira, 1/5/2013
De olho em você
Marilia Mota Silva

+ de 3800 Acessos

Com a chave na mão quer abrir a porta, não existe porta; quer morrer no mar, mas o mar secou; quer ir para Minas, Minas não há mais. (C. Drummond de Andrade, E agora, José?)


O tempo passa lento em cidade pequena. A vida é sossegada. As portas das casas ficam fechadas só no trinco. Vizinho bate palma e vai entrando na sala, cozinha, até mesmo quarto adentro. As crianças vão sozinhas para a escola. Brincam na rua. Crime, violência, bandalheiras do governo ficam longe, não lhes dizem respeito. Na cidade pequena todos se protegem. Ninguém sofre sozinho uma dor ou um segredo. Na cidade pequena a vida é mais suave.

Mas há quem sufoque em cidade pequena. Quem se sinta enjaulado. Os que recusam a trilha que lhes foi prevista, que anseiam por solidão e anonimato. Os que não se ajustam. E por mais que doa e assuste, essas pessoas vão embora, não porque gostem do caminho mais difícil, mas porque não tem escolha: se não forem, sufocam. A cidade grande os acolhe em seu deserto, sua indiferença, e eles se rejubilam! Ser ninguém na multidão, esquecer-se de si na multidão. Oh, liberdade!

Há uns 50 anos quando o mundo nem sonhava com internet, Marshall McLuhan, sociólogo canadense, falando sobre os meios de comunicação de massa - jornais, rádio, televisão - disse que habitávamos uma aldeia global. A expressão tornou-se popular. Se ele visse agora a aldeia que, de fato, nos tornamos! E o que diria das nuvens que se avolumam no horizonte, ameaçando o céu claro e infinito dos primeiros anos. Nuvens que não passam nem se desmancham.

O Google, com esse par de olhos no nome, saberia desde sua fundação o que ambicionava ser quando crescesse? O que tudo vê, tudo pode, tudo controla, ou terá se dado conta das estonteantes possibilidades do caminho ao percorrê-lo?

Aquele carro deles que anda sem restrições pelas cidades, fotografando casas, comércio, ruas para nos oferecer graciosamente imagens exatas dos endereços mais distantes, aquele carro não tira apenas fotografias. Ele está equipado para colher todos os dados, senhas, emails, documentos pessoais de milhares de pessoas desavisadas. Fizeram isso nos EUA. Quem sabe o que fizeram nos outros países, Brasil inclusive? Pegos com a mão na cumbuca, pediram desculpa, disseram que foi um acaso, erro de um funcionário. Erro repetido em 38 estados, só nos EUA! Me engana que eu gosto. Uma multa de sete milhões de dólares encerrou o assunto. Sete milhões para eles deve pesar tanto como cinco centavos para qualquer um, mas não é o valor simbólico da multa que causa desconforto. Nem o fato de que as pessoas prejudicadas, a quem desculpas e indenização seriam devidas, não tem como saber se estão na lista.

As pessoas entendem (vê-se pelos blogues e comentários) que tamanha voracidade por informação é motivada apenas por questões de mercado; interessam-se por nós como consumidores, querem antecipar nossas vontades, realizar nossos sonhos. Seria menos mal se fosse isso porque sempre nos restaria a decisão de comprar ou não, usar um serviço ou não.

Os que nos conduzem nessa era digital certamente contemplam com entusiasmo a profunda transformação social que eles tornaram possível: o acesso à informação, à educação, a transferência do poder para os indivíduos, mudanças que trazem em si o germe da destruição de toda forma de totalitarismo, e sem guerra, sem sacrificar nenhuma vida. Razões de júbilo e motivação de sobra para os corações mais generosos.

Mas o passeio do Google pelo mundo toca um alarme. Assusta perceber o quanto estamos expostos, ignorantes e indefesos - não só como indivíduos, mas como sociedade. Um carro para tirar fotografias dispõe de equipamento (e usa) para, de passagem pela rua, revistar seu computador, contas bancárias, imposto de renda, exames médicos, contatos, amigos, emails, quebrando leis fundamentais e princípios sagrados que tornam possível nossa vida em comunidade.

Google, Apple, Facebook, redes de conunicação global intrincam-se, naturalmente, com segurança nacional. Há interesses mútuos. O aparato para um Estado Policial existe e, ao que parece, anda em fase de testes. A novidade é que o cidadão nem precisa saber. Inevitável lembrar de George Orwell, grande visionário, que imaginou esse futuro, ainda em 1949, em seu livro que se tornou emblemático:"1984": O Grande Irmão, um poder esmagador, sem rosto, onipresente, que invade e controla cada minuto da vida de seus súditos, que sequer sabem quem é seu opressor.

Muita gente não se perturba com essa perspectiva. Tudo o que querem é uma vida protegida, a bolha de paz e liberdade dos subúrbios e seus gramados impecáveis. E prometem ser bem comportados. Mas há sempre os que sufocam no subúrbio, nas cidades pequenas. E dessa vez, não há cidade grande para onde escapar.



Marilia Mota Silva
Washington, 1/5/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
02. Kleztival: celebrando a música judaica de Heloisa Pait
03. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry
04. Quero ser Marina Abramović de Elisa Andrade Buzzo
05. Dooois ou um? de Adriane Pasa


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2013
01. Amor (in)Condicional - 5/6/2013
02. Quatro autores e um sentimento do mundo - 10/4/2013
03. O Precioso Livro da Miriam - 20/2/2013
04. De olho em você - 1/5/2013
05. Mulher-Flamingo - 16/10/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INTERCÂMBIO AÍ VOU EU
FLAVIA MARIANO
ALAÚDE
(2008)
R$ 9,00



FALCÃO MULHERES E O TAFICO
CELSO ATHAYDE E MV BILL
OBJETIVA
(2007)
R$ 25,00



NOVO CONSTRUINDO APRENDENDO MATEMÁTICA VOL.3
MARIA EDUARDA NORONHA / MARIA LUIZA SOARES
CONSTRUIR
R$ 11,99



O PEREGRINO A VIAGEM DO CRISTÃO À CIDADE CELESTIAL
JOHN BUNYAN
MARTIN CLARET
(2011)
R$ 23,10



A CONVIDADA
SIMONE DE BEAUVOIR
CÍRCULO DO LIVRO
(1976)
R$ 15,00



PEYTON PLACE
GRACE METALIOUS
PAN BOOKS
(1972)
R$ 8,00



OS TRÊS MOSQUETEIROS - OS IMORTAIS DA LITERATURA
DIVERSOS A
ABRIL CULTURAL
(1972)
R$ 15,00



TEATRO E POLÍTICA: ARENA, OFICINA E OPINIÃO - UMA INTERPRETAÇÃO DA CULTURA DE ESQUERDA
EDELCIO MOSTAÇO
PROPOSTA
(1982)
R$ 35,00



REPENSANDO AS ORGANIZAÇÕES DE INFORMÁTICA
LUIS GUSTAVO DA SILVA
ÉRICA
(1994)
R$ 8,98



PSICODRAMA - DESCOLONIZANDO O IMAGINÁRIO
ALFREDO NAFFAH NETO
BRASILIENSE
(1979)
R$ 45,00





busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês