Elogio ao cabelo branco | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34579 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Coleção de arte sacra é destaque em leilão virtual
>>> Nova voz do samba, Thais Duran revela compositores paulistanos em seu primeiro disco
>>> Yoga é tema de série de atividades no Sesc Belenzinho, entre 24 e 27 de agosto
>>> Grupo Palimpsesto homenageia Violeta Parra
>>> Exposição Asas Na Arte - Artista Henrique Vieira Filho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Jerry Lewis, um verdadeiro louco
>>> Se está ruim para todos, seja melhor que os outros
>>> The game of Prones
>>> Pétalas neon
>>> À Lígia
>>> Um biombo oscila entre o côncavo e o convexo
>>> Síndrome da desesperança
>>> Simbiose
>>> Grafologia
>>> Premiadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com João Moreira Salles
>>> A Teoria Hipodérmica da Mídia
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Os 25 anos do SBT
>>> The rock'n'roll of our time
>>> Sobre o Jabá
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Hells Angels
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
Mais Recentes
>>> Watchaman nele ( O homem espiritual v. 1. 2. E 3)
>>> Empresas feitas para vencer
>>> Casamento Blindado
>>> O Que é Questão Agrária
>>> Iniciando uma Pequena Empresa Com Sucesso
>>> Redes Locais - o Estudo de Seus Elementos
>>> Introdução À Macroeconomia
>>> Introdução À Psicologia
>>> Morcegos Negros
>>> Programação e Métodos Computacionais Volume 1
>>> Hepatite C - Guia Prático para o Convívio Diário Com a Doença
>>> Memórias Anapolino de Faria - Histórias e Estórias
>>> Aventura Poética 1987-1988
>>> Que Nome Darei ao Meu Filho?
>>> Duas Opções - a Vida de um Pequeno Fazendeiro Num País Subdesenvolvido
>>> Até Que a Morte nos Separe
>>> O Fim dos Tempos
>>> Vito Grandam
>>> Beleza Negra (autobiografia de um Cavalo)
>>> Os Computadores! da Mesa de Areia ao Cérebro Eletrônico
>>> Parece Que foi Ontem - Global Juvenil
>>> Haidi - a Filha das Montanhas
>>> Filho da Liberdade
>>> Sigismundo do Mundo Amarelo - 8ª Edição
>>> Os Sete Ladrões de Bagdá/a Bela e a Fera/...
>>> Caçadas na África
>>> Ben-hur
>>> Encanto e Verdade
>>> Paraíso Infantil - Em 3 Volumes -1ª Edição
>>> A Verdade por Trás de o Código da Vinci
>>> Servir sem Medir
>>> Contos e Encontros
>>> Já Estava Escrito
>>> Um Santo, Esculpido pela Vida, Lapidado pela Dor
>>> A Sombra de Schumann
>>> Cinco Anos sem Chover
>>> Um Gosto de Quero Mais - 2ª Edição
>>> Minha Vida Como um Burrito Amassado Com Molho Extra de Pimenta
>>> Taras Bulba
>>> O Velho Carro e o Sonho
>>> Glorinha e o Mar - Coleção Jovens do Mundo Todo
>>> Filho da Rua
>>> Histórias do País de Ali-babá
>>> Álbum das Crianças
>>> Álbum das Crianças
>>> Uma Aventura na Idade Média (ficção:usos e Costumes de uma Época)
>>> O Guarany
>>> Reino Infantil - Volume Terceiro
>>> As Minas do Rei Salomão
>>> Ben-hur
COLUNAS

Sexta-feira, 16/8/2013
Elogio ao cabelo branco
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5300 Acessos

Os cabelos brancos são incomuns em minha família. Quem os podia ter, mantinha-os pintados de um castanho claro bastante convincente. O avô mais velho ostentava, desde sempre, uns cabelos prateados que em nada se pareciam com algo deselegante. Jeitosos e frequentemente penteados - com um pequeno pente de bolso -, esses cabelos foram motivo, a vida toda, de comentários elogiosos. É daí que conheço o mito do "homem grisalho charmoso".

Entre os parentes ainda mais próximos, vi reproduzido o mesmo expediente: a mãe com um castanho calculado, uma mistura de duas tinturas, para obter um resultado menos artificial. O pai de cabelos eternamente pretos, naturais, com leves insinuações de fios brancos na barba e nas costeletas.

Não somos uma família em que os fios brancos são precoces. Nenhum tio, nenhum primo. Não posso afirmar sobre as mulheres justamente porque nem elas mesmas devem se lembrar da última vez em que viram seus cabelos como são. Fica, então, a história camuflada dos fios de cabelo e, talvez, do envelhecer dessas pessoas. E a mim? O que caberia?

Certa vez, diante de Angela Lago, autora de literatura infantil que admiro muito, tomei coragem e elogiei seus branquíssimos cabelos curtos. Ela, com aquele olhar sorridente, me respondeu dizendo que "depois de certa idade, o branco traz um semblante de paz". Achei bonito, mas a baliza da "certa idade" ainda me desconcertou. O mesmo talvez eu dissesse a Adélia Prado, aquela senhora poeta mineira, que também traz sobre si uma coroa de fios branquíssimos. Quantos conselhos sobre isso ela deve ter enfrentado na vida? E quantos ela solenemente desconsiderou?

É, então, algo em que ponho reparo, desde sempre. Mas nem sei se sempre achei bonito ou interessante. Na verdade, meu incômodo vem das questões com a liberdade e os moldes - não modelos - que configuram o comportamento estético de uma mulher, em nossa sociedade.

Não quero enveredar por um discurso feminista ou cansativo. Quero mesmo é me lembrar da minha trajetória até o momento em que decidi que meus fios brancos ficariam como estão. E já estão há algum tempo.

Minha amiga, professora da Universidade Federal de São Carlos, tem os cabelos médios extraordinariamente grisalhos. E eu disse isso a ela, certa vez, prevendo meu futuro. Mas eu também investigava, junto ao meu elogio, como ela suportava a vida sendo uma mulher grisalha. E, sim, ela tinha umas experiências a contar.

Quantas pessoas se admiraram, ao me ver de perto, com meus fios longamente brancos? Quantas, quase desconhecidas, me deram conselhos sobre desleixo, cuidados, estética, feminilidade e tinturas? Quantos já me disseram, em tom tão delicado quanto auxiliar, que o cabelo branco me envelhece? Ah, caros, é bem o contrário: o envelhecimento é que os traz. Mas afora as questões de cronologia e lógica, estou diante de um conflito entre o que sou e o que devo ser.

Até hoje, desobedeci, francamente, a todos os conselhos, de amigos ou não, sobre cabelos brancos. Também desprezei as indicações de cor e técnica. Balaiagem pode despistar. Não vem ao caso. Mesmo nos salões de beleza, onde minhas características saltam mais aos olhos, tenho me esquivado dos desejos alheios para dar vazão aos meus. E vamos ficando assim, enquanto dura a persistência.

É teimosia? Não creio. É apenas o que é. Simples como as unhas crescerem e as rugas surgirem são os cabelos embranquecerem. Ou não? Curiosamente, isso não me parece extraordinário. Nem nos outros, nem em mim mesma. Onde está minha beleza? Se há alguma, está num conjunto e talvez na pinta ao lado do olho.

Os fios brancos vêm do couro cabeludo e descem até as espáduas. São transgressores, vivazes, destacam-se dos outros fios, tão mais, que são pretos. Fogem do alinhamento de tudo, esvoaçam mais transparentes. Ao contrário dos velhos da cidade, os fios brancos são pouco penteáveis. Alguns, para minha surpresa, são degradê. Vão ficando brancos, numa trajetória que deve ter ocorrido junto com os fatos da vida. Vão ficando mais duros e menos conciliáveis.

Li, numa revista, que os homens andavam platinando os cabelos pretos. Oh, céus! Para homens, isso é platinar. Quantos discursos não temos para nos driblar. Apenas às muito velhas é permitido desistir de se parecerem jovens. Que xampu é esse que deixa seus cabelos de um cinza lindo?

E então, vivia eu, plenamente, meu conflito entre os outros e meu cabelo, quando um amigo, terrivelmente doce, ao falarmos sobre alguma foto em que meus fios alvos apareciam em destaque, disse: "Deixa assim. Isso te dá um charme". Não foi pequeno meu susto ao ouvir um homem dizer o que quase ninguém diz, especialmente a uma mulher. Uma mulher charmosa não costumava ser a grisalha. Não sou ainda isso, mas posso vir a ser. E alguém me acharia, então, charmosa? É isso o que me anima a sempre pensar que há gosto para tudo, neste mundo. O discurso da diversidade é uma brincadeira, eu sei. Ele, geralmente, não passa de meia dúzia de frases na boca da maioria das pessoas. É, ainda, necessário se "encaixar". Mas quando um homem diz que está tudo bem, é pra se comemorar. E quando uma mulher me disser isso - o que é mais difícil -, vou achar que ainda é tempo de a gente viver como quer, inclusive com os cabelos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
02. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
03. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
04. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
05. Os novos filmes de Iñárritu de Guilherme Carvalhal


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
03. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉLESTIN FREINET
MARISA DEL CIOPPO ELIAS
VOZES
(2004)
R$ 11,00



FIM DA ETERNIDADE
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 26,40



AS 100 MELHORES PIADAS DE TODOS OS TEMPOS
PAULO TADEU
MATRIX
(2005)
R$ 10,00



SUPERANDO O CÁRCERE DA EMOÇÃO
AUGUSTO CURY
ACADEMIA
(2006)
R$ 6,00



O CORPO EM DEPRESSÃO (AS BASES BIOLÓGICAS DA FÉ E DA REALIDADE)
ALEXANDER LOWEN
SUMMUS
(1983)
R$ 23,00



MACUNAÍMA: O HERÓI SEM NENHUMA CARÁTER
MÁRIO DE ANDRADE
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 10,00



LAS CONTROVERSIAS DE JÉSUS - JOHN R.W. STOTT (ESPANHOL)
JOHN R.W. STOTT
EDICIONES CERTEZA
(1975)
R$ 25,00



O LADO NEGRO DE CAMELOT - SEXO E CORRUPÇÃO NA ERA KENNEDY
SEYMOUR HERSH
LPM
(1998)
R$ 19,90



AS MÃOS SUJAS - JEAN-PAUL SARTRE (TEATRO FRANCÊS)
JEAN-PAUL SARTRE
EUROPA-AMÉRICA
(1972)
R$ 30,00



A LITERATURA NA POLTRONA - JORNALISMO LITERÁRIO EM TEMPOS INSTÁVEIS
JOSÉ CASTELLO
RECORD
(2007)
R$ 21,00





busca | avançada
34579 visitas/dia
1,1 milhão/mês