Elogio ao cabelo branco | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
60877 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Predadores humanos
>>> O gosto da cidade em minha boca
>>> Abominável Mundo Novo
>>> I-ching-poemas de Bruna Piantino
>>> Liberdade
>>> 10 coisas que a Mamãe me ensinou
>>> Bruxas no banheiro
>>> Quero ser Marina Abramović
>>> O Jagunço degolado
>>> O sublime Ballet de Londrina
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Zé Rodrix, 5 anos depois
>>> Daniel Piza Eterno
>>> Conheça o AgroTalento
>>> U2 no metrô
>>> Homenagem a Pipol
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Sobre o Dia das Mães
>>> Lançamento de István Mészáros
>>> Maria Rezende no Sesc BH
>>> Ristridi
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> O Teaser de Capitu
>>> O poder transformador da arte
>>> Simplesmente feliz
>>> Vídeos sobre a Guerra no Rio
>>> Blogs de jornalistas triloaded
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> A via férrea da poesia de Mario Alex Rosa
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> PalavraNaTela2008, by MarioAV
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
COLUNAS

Sexta-feira, 16/8/2013
Elogio ao cabelo branco
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Os cabelos brancos são incomuns em minha família. Quem os podia ter, mantinha-os pintados de um castanho claro bastante convincente. O avô mais velho ostentava, desde sempre, uns cabelos prateados que em nada se pareciam com algo deselegante. Jeitosos e frequentemente penteados - com um pequeno pente de bolso -, esses cabelos foram motivo, a vida toda, de comentários elogiosos. É daí que conheço o mito do "homem grisalho charmoso".

Entre os parentes ainda mais próximos, vi reproduzido o mesmo expediente: a mãe com um castanho calculado, uma mistura de duas tinturas, para obter um resultado menos artificial. O pai de cabelos eternamente pretos, naturais, com leves insinuações de fios brancos na barba e nas costeletas.

Não somos uma família em que os fios brancos são precoces. Nenhum tio, nenhum primo. Não posso afirmar sobre as mulheres justamente porque nem elas mesmas devem se lembrar da última vez em que viram seus cabelos como são. Fica, então, a história camuflada dos fios de cabelo e, talvez, do envelhecer dessas pessoas. E a mim? O que caberia?

Certa vez, diante de Angela Lago, autora de literatura infantil que admiro muito, tomei coragem e elogiei seus branquíssimos cabelos curtos. Ela, com aquele olhar sorridente, me respondeu dizendo que "depois de certa idade, o branco traz um semblante de paz". Achei bonito, mas a baliza da "certa idade" ainda me desconcertou. O mesmo talvez eu dissesse a Adélia Prado, aquela senhora poeta mineira, que também traz sobre si uma coroa de fios branquíssimos. Quantos conselhos sobre isso ela deve ter enfrentado na vida? E quantos ela solenemente desconsiderou?

É, então, algo em que ponho reparo, desde sempre. Mas nem sei se sempre achei bonito ou interessante. Na verdade, meu incômodo vem das questões com a liberdade e os moldes - não modelos - que configuram o comportamento estético de uma mulher, em nossa sociedade.

Não quero enveredar por um discurso feminista ou cansativo. Quero mesmo é me lembrar da minha trajetória até o momento em que decidi que meus fios brancos ficariam como estão. E já estão há algum tempo.

Minha amiga, professora da Universidade Federal de São Carlos, tem os cabelos médios extraordinariamente grisalhos. E eu disse isso a ela, certa vez, prevendo meu futuro. Mas eu também investigava, junto ao meu elogio, como ela suportava a vida sendo uma mulher grisalha. E, sim, ela tinha umas experiências a contar.

Quantas pessoas se admiraram, ao me ver de perto, com meus fios longamente brancos? Quantas, quase desconhecidas, me deram conselhos sobre desleixo, cuidados, estética, feminilidade e tinturas? Quantos já me disseram, em tom tão delicado quanto auxiliar, que o cabelo branco me envelhece? Ah, caros, é bem o contrário: o envelhecimento é que os traz. Mas afora as questões de cronologia e lógica, estou diante de um conflito entre o que sou e o que devo ser.

Até hoje, desobedeci, francamente, a todos os conselhos, de amigos ou não, sobre cabelos brancos. Também desprezei as indicações de cor e técnica. Balaiagem pode despistar. Não vem ao caso. Mesmo nos salões de beleza, onde minhas características saltam mais aos olhos, tenho me esquivado dos desejos alheios para dar vazão aos meus. E vamos ficando assim, enquanto dura a persistência.

É teimosia? Não creio. É apenas o que é. Simples como as unhas crescerem e as rugas surgirem são os cabelos embranquecerem. Ou não? Curiosamente, isso não me parece extraordinário. Nem nos outros, nem em mim mesma. Onde está minha beleza? Se há alguma, está num conjunto e talvez na pinta ao lado do olho.

Os fios brancos vêm do couro cabeludo e descem até as espáduas. São transgressores, vivazes, destacam-se dos outros fios, tão mais, que são pretos. Fogem do alinhamento de tudo, esvoaçam mais transparentes. Ao contrário dos velhos da cidade, os fios brancos são pouco penteáveis. Alguns, para minha surpresa, são degradê. Vão ficando brancos, numa trajetória que deve ter ocorrido junto com os fatos da vida. Vão ficando mais duros e menos conciliáveis.

Li, numa revista, que os homens andavam platinando os cabelos pretos. Oh, céus! Para homens, isso é platinar. Quantos discursos não temos para nos driblar. Apenas às muito velhas é permitido desistir de se parecerem jovens. Que xampu é esse que deixa seus cabelos de um cinza lindo?

E então, vivia eu, plenamente, meu conflito entre os outros e meu cabelo, quando um amigo, terrivelmente doce, ao falarmos sobre alguma foto em que meus fios alvos apareciam em destaque, disse: "Deixa assim. Isso te dá um charme". Não foi pequeno meu susto ao ouvir um homem dizer o que quase ninguém diz, especialmente a uma mulher. Uma mulher charmosa não costumava ser a grisalha. Não sou ainda isso, mas posso vir a ser. E alguém me acharia, então, charmosa? É isso o que me anima a sempre pensar que há gosto para tudo, neste mundo. O discurso da diversidade é uma brincadeira, eu sei. Ele, geralmente, não passa de meia dúzia de frases na boca da maioria das pessoas. É, ainda, necessário se "encaixar". Mas quando um homem diz que está tudo bem, é pra se comemorar. E quando uma mulher me disser isso - o que é mais difícil -, vou achar que ainda é tempo de a gente viver como quer, inclusive com os cabelos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
02. I-ching-poemas de Bruna Piantino de Jardel Dias Cavalcanti
03. A literatura em transe de Marta Barcellos
04. Intervenção militar constitucional de Gian Danton
05. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



>>> Pianista André Mehmari faz recital especial na Biblioteca Mário de Andrade
>>> Arte Postal e pré-estreia de série sobre arte contemporânea
>>> ENDA 2015 acontece entre 29 e 31 de maio, no Teatro Sérgio cardoso
>>> Gilvan Barreto lança livro no Espaço Cult
>>> TV Brasil estreia série "Venha ver o meu mundo!" nesta quinta (21)
>>> Samara Noronha: O 'Caos' rondoniense produzido pelo cantor Vinny!
* clique para encaminhar

Editora Record
Companhia das Letras
Intrínseca
Nova Fronteira
Cortez Editora
José Olympio
Best Seller
Editora Perspectiva
WMF Martins Fontes
Hedra
Bertrand Brasil
Editora Conteúdo
Arquipélago Editorial
Globo Livros
Primavera Editorial
Civilização Brasileira
LIVROS


SERVIÇO SOCIAL, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E TRABALHO
RENATO VELOSO

De R$ 36,00
Por R$ 18,00
50% off
+ frete grátis



LENGA-LENGA
ZULEIKA DE ALMEIDA PRADO

De R$ 27,00
Por R$ 13,50
50% off
+ frete grátis



MINHA ALMA PARA LEVAR
RACHEL VINCENT

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



MALY
LEA MICHAAN

De R$ 46,00
Por R$ 23,00
50% off
+ frete grátis



SARTORIS
FAULKNER, WILLIAM

De R$ 79,00
Por R$ 39,50
50% off
+ frete grátis



CONCEPÇÕES ABERTAS NO ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA
REINER HILDEBRANDT-STRAMANN

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



CLASSIFICADOS E NEM TANTO
MARINA COLASANTI

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



ESPOSA 22
MELANIE GIDEON

De R$ 29,90
Por R$ 14,95
50% off
+ frete grátis



O MISTÉRIO DOS DEUSES
BERNARD WERBER

De R$ 50,00
Por R$ 25,00
50% off
+ frete grátis



O RITUAL DOS CHRYSÂNTEMOS
CELSO KALLARRARI

De R$ 35,00
Por R$ 17,50
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
60877 visitas/dia
1,3 milhão/mês