Elogio ao cabelo branco | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
52376 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FILOSOFIA DO DIREITO: DEFINIÇÕES E FINS DO DIREITO - OS MEIOS DO DIREITO
>>> TECNICA DE REDACAO - O QUE E PRECISO SABER PARA BEM ESCREVER
>>> BARCO REMENDA O MAR, UM - DEZ POETAS CHINESES CONTEMPORÂNEOS
>>> Arena Sesc Verão acontece em praça da região do Campo Limpo
>>> FOREVER YOUNG
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Proibir ou não proibir?
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
>>> Terna e assustadora realidade
>>> De louco todos temos um pouco
Colunistas
Últimos Posts
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
>>> Vale a pena ver de novo
Últimos Posts
>>> Qual é o seu nome?
>>> Entrevista Anti Crise -
>>> ARQUITETURA ONÍRICA
>>> Sem pesos de consciência
>>> Falando das flores
>>> O espelho
>>> O que a morte disse para Hércules?
>>> Uber confusão
>>> Na solidão dos objetos (Objetos)
>>> AÇÃO DE GRAÇA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sócrates e Xantipa, de Gerald Messadié
>>> Desabafo de uma quase ex-professora
>>> Literatura na estrada (BH)
>>> Você cumpre as promessas de final de ano?
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Marcas da escrita
>>> Na Califórnia dos anos 60
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> Nostalgia
>>> De louco todos temos um pouco
Mais Recentes
>>> O CRISTO MARAVILHOSO
>>> Salmos 1-72,73-150
>>> O EU E O INCONSCIENTE
>>> A Casa Pintada
>>> A Paixão Segundo GH
>>> Diálogos
>>> A Paixão
>>> O self essencial
>>> Lenin: capitalismo de estado e burocracia
>>> Jericoacoara sonhada
>>> História geral das civilizações - Vol. 7
>>> O Sócio
>>> O Júri
>>> O Caibalion
>>> Drive
>>> Conexões
>>> A Identidade Bourne
>>> Como Desenhar 101 Mangás Irados - Com Ilustrações Passo a Passo
>>> O Monstro do Esgoto
>>> Livro de pré-coisas
>>> Contos populares de Angola
>>> Paris: a festa continuou
>>> Os melhores jornais do mundo
>>> A linguística hoje - n. 32
>>> Será Que A Gente Combina?
>>> The Useless Mouths
>>> EXPERIMENTAR CRISTO como as OFERTAS PARA APRESENTÁ-LO NAS REUNIÕES DA IGREJA
>>> O Segundo Sexo 1. Fatos e Mitos
>>> O caminho dos doze passos- tratamento de dependência de álcool e outras drogas
>>> A DROGA- drogas e toxicômanos
>>> Como Conquistar as Pessoas
>>> O ministério celestial de Cristo
>>> JONAS- Um estudo sobre compaixão a do Senhor e a sua
>>> Vendo Cristo no Novo Testamento Vol 4 e 5
>>> Instruções Espirituais- Diálogos com Motovilov
>>> Revista Planeta 5 e 6
>>> Revista Planeta 3 e 4
>>> Rvista Planeta 1 e 2
>>> Morte em Pemberley
>>> Coleção A Ditadura - 4 volumes
>>> Bagagem perdida
>>> French Mapping Of The Americas - The De L' Isle, Buache, Dezauche Succession (1700-1830)
>>> Os redentores - Ideias e poder na América Latina
>>> Guia da medicina homeopática
>>> Pensar é transgredir
>>> O tempo é um rio que corre
>>> Pelas portas do coração
>>> Sementeira de Luz
>>> É tudo tão simples
>>> Mulheres audaciosas da Antiguidade
COLUNAS

Sexta-feira, 16/8/2013
Elogio ao cabelo branco
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4600 Acessos

Os cabelos brancos são incomuns em minha família. Quem os podia ter, mantinha-os pintados de um castanho claro bastante convincente. O avô mais velho ostentava, desde sempre, uns cabelos prateados que em nada se pareciam com algo deselegante. Jeitosos e frequentemente penteados - com um pequeno pente de bolso -, esses cabelos foram motivo, a vida toda, de comentários elogiosos. É daí que conheço o mito do "homem grisalho charmoso".

Entre os parentes ainda mais próximos, vi reproduzido o mesmo expediente: a mãe com um castanho calculado, uma mistura de duas tinturas, para obter um resultado menos artificial. O pai de cabelos eternamente pretos, naturais, com leves insinuações de fios brancos na barba e nas costeletas.

Não somos uma família em que os fios brancos são precoces. Nenhum tio, nenhum primo. Não posso afirmar sobre as mulheres justamente porque nem elas mesmas devem se lembrar da última vez em que viram seus cabelos como são. Fica, então, a história camuflada dos fios de cabelo e, talvez, do envelhecer dessas pessoas. E a mim? O que caberia?

Certa vez, diante de Angela Lago, autora de literatura infantil que admiro muito, tomei coragem e elogiei seus branquíssimos cabelos curtos. Ela, com aquele olhar sorridente, me respondeu dizendo que "depois de certa idade, o branco traz um semblante de paz". Achei bonito, mas a baliza da "certa idade" ainda me desconcertou. O mesmo talvez eu dissesse a Adélia Prado, aquela senhora poeta mineira, que também traz sobre si uma coroa de fios branquíssimos. Quantos conselhos sobre isso ela deve ter enfrentado na vida? E quantos ela solenemente desconsiderou?

É, então, algo em que ponho reparo, desde sempre. Mas nem sei se sempre achei bonito ou interessante. Na verdade, meu incômodo vem das questões com a liberdade e os moldes - não modelos - que configuram o comportamento estético de uma mulher, em nossa sociedade.

Não quero enveredar por um discurso feminista ou cansativo. Quero mesmo é me lembrar da minha trajetória até o momento em que decidi que meus fios brancos ficariam como estão. E já estão há algum tempo.

Minha amiga, professora da Universidade Federal de São Carlos, tem os cabelos médios extraordinariamente grisalhos. E eu disse isso a ela, certa vez, prevendo meu futuro. Mas eu também investigava, junto ao meu elogio, como ela suportava a vida sendo uma mulher grisalha. E, sim, ela tinha umas experiências a contar.

Quantas pessoas se admiraram, ao me ver de perto, com meus fios longamente brancos? Quantas, quase desconhecidas, me deram conselhos sobre desleixo, cuidados, estética, feminilidade e tinturas? Quantos já me disseram, em tom tão delicado quanto auxiliar, que o cabelo branco me envelhece? Ah, caros, é bem o contrário: o envelhecimento é que os traz. Mas afora as questões de cronologia e lógica, estou diante de um conflito entre o que sou e o que devo ser.

Até hoje, desobedeci, francamente, a todos os conselhos, de amigos ou não, sobre cabelos brancos. Também desprezei as indicações de cor e técnica. Balaiagem pode despistar. Não vem ao caso. Mesmo nos salões de beleza, onde minhas características saltam mais aos olhos, tenho me esquivado dos desejos alheios para dar vazão aos meus. E vamos ficando assim, enquanto dura a persistência.

É teimosia? Não creio. É apenas o que é. Simples como as unhas crescerem e as rugas surgirem são os cabelos embranquecerem. Ou não? Curiosamente, isso não me parece extraordinário. Nem nos outros, nem em mim mesma. Onde está minha beleza? Se há alguma, está num conjunto e talvez na pinta ao lado do olho.

Os fios brancos vêm do couro cabeludo e descem até as espáduas. São transgressores, vivazes, destacam-se dos outros fios, tão mais, que são pretos. Fogem do alinhamento de tudo, esvoaçam mais transparentes. Ao contrário dos velhos da cidade, os fios brancos são pouco penteáveis. Alguns, para minha surpresa, são degradê. Vão ficando brancos, numa trajetória que deve ter ocorrido junto com os fatos da vida. Vão ficando mais duros e menos conciliáveis.

Li, numa revista, que os homens andavam platinando os cabelos pretos. Oh, céus! Para homens, isso é platinar. Quantos discursos não temos para nos driblar. Apenas às muito velhas é permitido desistir de se parecerem jovens. Que xampu é esse que deixa seus cabelos de um cinza lindo?

E então, vivia eu, plenamente, meu conflito entre os outros e meu cabelo, quando um amigo, terrivelmente doce, ao falarmos sobre alguma foto em que meus fios alvos apareciam em destaque, disse: "Deixa assim. Isso te dá um charme". Não foi pequeno meu susto ao ouvir um homem dizer o que quase ninguém diz, especialmente a uma mulher. Uma mulher charmosa não costumava ser a grisalha. Não sou ainda isso, mas posso vir a ser. E alguém me acharia, então, charmosa? É isso o que me anima a sempre pensar que há gosto para tudo, neste mundo. O discurso da diversidade é uma brincadeira, eu sei. Ele, geralmente, não passa de meia dúzia de frases na boca da maioria das pessoas. É, ainda, necessário se "encaixar". Mas quando um homem diz que está tudo bem, é pra se comemorar. E quando uma mulher me disser isso - o que é mais difícil -, vou achar que ainda é tempo de a gente viver como quer, inclusive com os cabelos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma entrevista literária de Marta Barcellos
02. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
03. As sobras completas, poesias de Jovino Machado de Jardel Dias Cavalcanti
04. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
05. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SERÁ QUE DEUS JOGA DADOS? - A NOVA MATEMÁTICA DO CAOS
IAN STEWART
JORGE ZAHAR
(1991)



SALVANDO VIDAS - UMA HISTÓRIA DO HOSPITAL DA RESTAURAÇÃO
ILDEFONSO FONSECA
MXM
(2013)



RVISTA PLANETA 1 E 2
LOUIS PAWELS E OUTROS
TRÊS
(1972)



SALMOS 1-72,73-150
DEREK KIDNER
VIDA NOVA
(1981)



MARLON BRANDO
RENÉ JORDAN
ARTENOVA
(1974)



JOGOS VORAZES
SUZANNE COLLINS
ROCCO
(2010)



É POSSÍVEL SER SANTO HOJE- BEM-AVENTURADOS DO SÉCULO XX
PE ANTÔNIO MARIA MARTINS
LOYOLA
(1990)



SUPERADAS - VOLUMES 1 E 2
MAITENA
ROCCO
(2005)



LUCAS- ESTUDO VIDA- VOLUMES 1 E 2
WITNESS LEE
ARVORE DA VIDA
(2009)



ECOLOGIA - COLEÇÃO AVENTURA NA CIÊNCIA
STEVE POLLOCK
GLOBO
(1994)





busca | avançada
52376 visitas/dia
1,5 milhão/mês