Elogio ao cabelo branco | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
35013 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Companhia de Danças de Diadema leva "por+vir" ao palco do Teatro Clara Nunes
>>> 38ª Edição da Feira da Comunidade acontece no domingo, 29 de outubro, na A Hebraica
>>> Alex Flemming inaugura intervenção "Anaconda" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Fundação Ema Klabin abre Festival Internacional de Música Judaica
>>> Projeto Jardim Imaginário inaugura a instalação "Penetra" de Marcius Galan
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Vegetativo
>>> Açaí com granola
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hellbox
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> Bio de Paulo Francis em vídeo
>>> Literatura engajada
>>> Entre o sertão e a biblioteca
>>> Prevendo o previsível
>>> O do contra
>>> Adiós, muchachos
>>> Bang bang: tiroteio de clichês
Mais Recentes
>>> O Contexto Social da Arte
>>> Histoire de Peinture en Italie I (1929)
>>> As Aventuras de Robín Hood
>>> A Ilha do Tesouro
>>> Como manipular Pessoas para uso exclusivo de pessoas de bem
>>> Sinopse dos Quatro Evangelhos
>>> Os Sonhos - o que são e quais as suas causas
>>> Matemática Paiva3
>>> Matemática Paiva2
>>> Matemática Paiva1
>>> Fundamento de Neurologia da Visão
>>> Neuropsicologia da Linguagem
>>> Terapia Bioprogressiva
>>> Manual de Iniciação em Neurocirurgia
>>> Fonoaudiologia e Ortopedia Maxilar na Reabilitação Orofacial
>>> Tratado de Audiologia
>>> Refratometria Ocular e a Arte da Prescrição Medica- 2ª ed.
>>> Conversação Linguagem e Possibilidades-Enforque pós-moderno da Terapia
>>> Hipnose para o Clinico-Uso da Hipnose na Odontologia
>>> Respirometria- A Tecnica
>>> Prevenção e Tratamento da Doença Periodontal Baseado em Evidencias
>>> Caderno de Enfermagem-18 Reanimação
>>> Como educar seus pais////// Obrigado esparro
>>> Os Dois Corpos do Presidente e outros Ensaios
>>> Cristo para Humanidade de hoje Científico, Social e Político
>>> Dias não esquecidos versos soltos-contos-crônicas
>>> A História está Errada
>>> Eram os Deuses Astronautas?
>>> Os Olhos da Esfinge
>>> Elementos de bibliologia volume 1
>>> Gigantes do Futebol Brasileiro
>>> O Dia em que os Deuses Chegaram
>>> Projeto Majestic - A Nave Perdida
>>> Ovni e as Civilizações Extraterrestres
>>> No Começo Eram os Deuses
>>> Avenida Nievski e Notas de Petersburgo de 1836
>>> O Universo em suas Mãos
>>> Antonio Nobre Correspondência autores portugueses
>>> O Mistério de Cygnus - Desvendando o antigo segredo das origens da vida no universo
>>> Dobras no tempo
>>> Administração De Marketing
>>> Meus Enigmas Favoritos
>>> Manual de Reanimação Neonatal
>>> O Enviado
>>> Ovnis S.O.S. à Humanidade
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil
>>> Patologia do Trato Genital Iferior
>>> Kris lundaard ( o mal que habita em mim )
>>> Os Astronautas de Yaveh
>>> Doenças Hepaticas e do Sistema Biliar em Crianças
COLUNAS

Sexta-feira, 16/8/2013
Elogio ao cabelo branco
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5400 Acessos

Os cabelos brancos são incomuns em minha família. Quem os podia ter, mantinha-os pintados de um castanho claro bastante convincente. O avô mais velho ostentava, desde sempre, uns cabelos prateados que em nada se pareciam com algo deselegante. Jeitosos e frequentemente penteados - com um pequeno pente de bolso -, esses cabelos foram motivo, a vida toda, de comentários elogiosos. É daí que conheço o mito do "homem grisalho charmoso".

Entre os parentes ainda mais próximos, vi reproduzido o mesmo expediente: a mãe com um castanho calculado, uma mistura de duas tinturas, para obter um resultado menos artificial. O pai de cabelos eternamente pretos, naturais, com leves insinuações de fios brancos na barba e nas costeletas.

Não somos uma família em que os fios brancos são precoces. Nenhum tio, nenhum primo. Não posso afirmar sobre as mulheres justamente porque nem elas mesmas devem se lembrar da última vez em que viram seus cabelos como são. Fica, então, a história camuflada dos fios de cabelo e, talvez, do envelhecer dessas pessoas. E a mim? O que caberia?

Certa vez, diante de Angela Lago, autora de literatura infantil que admiro muito, tomei coragem e elogiei seus branquíssimos cabelos curtos. Ela, com aquele olhar sorridente, me respondeu dizendo que "depois de certa idade, o branco traz um semblante de paz". Achei bonito, mas a baliza da "certa idade" ainda me desconcertou. O mesmo talvez eu dissesse a Adélia Prado, aquela senhora poeta mineira, que também traz sobre si uma coroa de fios branquíssimos. Quantos conselhos sobre isso ela deve ter enfrentado na vida? E quantos ela solenemente desconsiderou?

É, então, algo em que ponho reparo, desde sempre. Mas nem sei se sempre achei bonito ou interessante. Na verdade, meu incômodo vem das questões com a liberdade e os moldes - não modelos - que configuram o comportamento estético de uma mulher, em nossa sociedade.

Não quero enveredar por um discurso feminista ou cansativo. Quero mesmo é me lembrar da minha trajetória até o momento em que decidi que meus fios brancos ficariam como estão. E já estão há algum tempo.

Minha amiga, professora da Universidade Federal de São Carlos, tem os cabelos médios extraordinariamente grisalhos. E eu disse isso a ela, certa vez, prevendo meu futuro. Mas eu também investigava, junto ao meu elogio, como ela suportava a vida sendo uma mulher grisalha. E, sim, ela tinha umas experiências a contar.

Quantas pessoas se admiraram, ao me ver de perto, com meus fios longamente brancos? Quantas, quase desconhecidas, me deram conselhos sobre desleixo, cuidados, estética, feminilidade e tinturas? Quantos já me disseram, em tom tão delicado quanto auxiliar, que o cabelo branco me envelhece? Ah, caros, é bem o contrário: o envelhecimento é que os traz. Mas afora as questões de cronologia e lógica, estou diante de um conflito entre o que sou e o que devo ser.

Até hoje, desobedeci, francamente, a todos os conselhos, de amigos ou não, sobre cabelos brancos. Também desprezei as indicações de cor e técnica. Balaiagem pode despistar. Não vem ao caso. Mesmo nos salões de beleza, onde minhas características saltam mais aos olhos, tenho me esquivado dos desejos alheios para dar vazão aos meus. E vamos ficando assim, enquanto dura a persistência.

É teimosia? Não creio. É apenas o que é. Simples como as unhas crescerem e as rugas surgirem são os cabelos embranquecerem. Ou não? Curiosamente, isso não me parece extraordinário. Nem nos outros, nem em mim mesma. Onde está minha beleza? Se há alguma, está num conjunto e talvez na pinta ao lado do olho.

Os fios brancos vêm do couro cabeludo e descem até as espáduas. São transgressores, vivazes, destacam-se dos outros fios, tão mais, que são pretos. Fogem do alinhamento de tudo, esvoaçam mais transparentes. Ao contrário dos velhos da cidade, os fios brancos são pouco penteáveis. Alguns, para minha surpresa, são degradê. Vão ficando brancos, numa trajetória que deve ter ocorrido junto com os fatos da vida. Vão ficando mais duros e menos conciliáveis.

Li, numa revista, que os homens andavam platinando os cabelos pretos. Oh, céus! Para homens, isso é platinar. Quantos discursos não temos para nos driblar. Apenas às muito velhas é permitido desistir de se parecerem jovens. Que xampu é esse que deixa seus cabelos de um cinza lindo?

E então, vivia eu, plenamente, meu conflito entre os outros e meu cabelo, quando um amigo, terrivelmente doce, ao falarmos sobre alguma foto em que meus fios alvos apareciam em destaque, disse: "Deixa assim. Isso te dá um charme". Não foi pequeno meu susto ao ouvir um homem dizer o que quase ninguém diz, especialmente a uma mulher. Uma mulher charmosa não costumava ser a grisalha. Não sou ainda isso, mas posso vir a ser. E alguém me acharia, então, charmosa? É isso o que me anima a sempre pensar que há gosto para tudo, neste mundo. O discurso da diversidade é uma brincadeira, eu sei. Ele, geralmente, não passa de meia dúzia de frases na boca da maioria das pessoas. É, ainda, necessário se "encaixar". Mas quando um homem diz que está tudo bem, é pra se comemorar. E quando uma mulher me disser isso - o que é mais difícil -, vou achar que ainda é tempo de a gente viver como quer, inclusive com os cabelos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2013


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
03. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MARAVILHOSA GRAÇA- UMA ANÁLISE CONTUNDENTE E INSTIGANTE DA GRAÇA DE DEUS.
PHILLIP YANCEY
VIDA
(2000)
R$ 9,90



DONA MARIA JOSE - RETRATO DE UMA CIDADÃ BRASILEIRA
ANA ARRUDA CALLADO E DENILDE LEITÃO
RELUME DUMARÁ
(1995)
R$ 12,00



MILT RODRIGUEZ ( O SACERDOCIO DE TODOS OS CRENTES )
MILT RODRIGUEZ
RE
(2013)
R$ 30,00
+ frete grátis



O APOCALIPSE EM PERGUNTAS E RESPOSTAS
JUAN IGNACIO ALFARO
LOYOLA
(1995)
R$ 34,99
+ frete grátis



O PODER DA AUTO-ESTIMA
NATHANAEL BRANDEN
SARAIVA
(1995)
R$ 18,90



O SENTIMENTO DE IDENTIDADE
NICOLE BERRY
ESCUTA
(1991)
R$ 21,10



ROMEU E JULIETA - WILLIAM SHAKESPEARE (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
WILLIAM SHAKESPEARE - ADAPTAÇÃO DE LEONARDO CHIANCA
SCIPIONE
(1997)
R$ 5,00



O FORTE
ADONIAS FILHO
BERTRAND BRASIL/BIBLIOTECA NACIONAL
(2002)
R$ 12,00



AMERICAN ILLUSTRATION SHOWCASE
STANISLAW FERNANDES
AMERICAN SHOWCASE
(1983)
R$ 40,00



O OLHO DA COR - JOSÉ ENDOENÇA MARTINS (TEATRO CATARINENSE)
JOSÉ ENDOENÇA MARTINS
ED. DO AUTOR
(2003)
R$ 14,00





busca | avançada
35013 visitas/dia
947 mil/mês