Elogio ao cabelo branco | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
31582 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O novo mundo das letrinhas
>>> 'Arqueologia Contemporânea' ressalta curiosidade da arte
>>> Expedições desvenda a história da capoeira no Brasil nesta terça (24/5)
>>> Estúdio Móvel debate conceito de economia verde no mundo contemporâneo
>>> Samba na Gamboa celebra Dorival Caymmi nesta segunda (23) na TV Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ler para ficar acordado
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Nunca fomos tão vulgares
>>> Submissão, oportuno, mas não perene
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
Colunistas
Últimos Posts
>>> Adriane Pasa no Canadá
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
Últimos Posts
>>> Ceifadores
>>> Eterna carestia
>>> Transparências
>>> E agora Jose ? Ops, Michel...
>>> Côncavo e Convexo
>>> Lúdico e Trágico
>>> Elisa ou Mutações do feminino
>>> Como passar no doutorado?
>>> Juvenal, de poeta a balconista.
>>> Os madrugadores da Avenida Olívia Flores
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marcos Rey e a Idade de Ouro
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> 10 livros de jornalismo
>>> Como detectar MAVs (e bloquear)
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> A última casa de ópio, de Nick Tosches
>>> O que é crítica, afinal?
>>> Os escritos rebeldes de um descolonizador
>>> Literatura e operariado
>>> Millôr por Verissimo
Mais Recentes
>>> LEALTADES INVISIBLES- Reciprocidad en terapia familiar intergeneracional
>>> Le corps entre biologie et la psychanalyse- préface de François Dagognet
>>> ANAMNESE- A Filosofia e o retorno do Reprimido
>>> NOSSA VIDA TEM FUTURO- ESCATOLOGIA CRISTÃ 1
>>> Alô,Senhor Deus,Aqui é Anna ( Hallo, Mister Gott, hier spricht Anna ( ilustrações de Silvio Neuendorf)
>>> SARTRE Y SU EXISTENCIALISMO
>>> THE GOD CODE- The Secret of Our Past, the Promise of Our Future
>>> REFLEXÕES SOBRE A HISTÓRIA
>>> Libertando o coração-Espiritualidade e Psicologia Junguiana
>>> HISTÓRIA CONCISA DO TEATRO BRASILEIRO
>>> CULTURA POPULAR BRASILEIRA
>>> LIÇÕES DRAMÁTICAS - João Caetano
>>> MEU DESTINO É PECAR (Nelson Rodrigues)
>>> O MISTÉRIO DA CONSCIÊNCIA - António Damásio
>>> AO ENCONTRO DE ESPINOZA (As emoções sociais e a neurologia do sentir) - António Damásio
>>> RODA VIVA (Teatro) - Chico Buarque de Hollanda
>>> O CÓDIGO DO SER-Uma busca do caráter e da vocação pessoal ( The soul's Code)
>>> ENY E O GRANDE BORDEL BRASILEIRO
>>> DIÁRIOS I e II, de EUGÈNE IONESCO
>>> COLEÇÃO PRIMEIRAS OBRAS (TEATRO)
>>> HISTÓRIA E EFEMÉRIDES DO TEATRO BRASILEIRO
>>> The Mystery of creation according to RASHI- A new translation and interpretation of Rashi on Genesis 1 - VI
>>> Série heróis do AntigoTestamento- Retratos dos personagens notáveis de Adão e Eva a Os 400 anos de silêncio- 33 volumes
>>> JOÃO- introdução e comentário
>>> homem: habitação de Deus- A experiência cristã vivida em profundidade
>>> VEM, SENHOR JESUS- um estudo do livro de Apocalipse
>>> A CIÊNCIA E O CAMPO AKÁSHICO- Uma teoria Integral de Tudo
>>> LITURGIA DA IGREJA
>>> 1984
>>> O TEATRO NO CRUZAMENTO DE CULTURAS
>>> APRESENTAÇÃO DO TEATRO BRASILEIRO MODERNO
>>> A Encenação Contemporânea - Origens, Tendências, Perspectivas
>>> TEATRALIDADES CONTEMPORÂNEAS
>>> ARENA CONTA: ZUMBI
>>> TEATRO E POLÍTICA; Arena, Oficina e Opinião
>>> CORPO DO ATOR - Metamorfoses, Simulacros
>>> QUARTO DE DESPEJO - Diário de uma favelada
>>> ANTOLOGIA DO TEATRO ANARQUISTA
>>> Blues
>>> O Evangelho Segundo Jesus Cristo
>>> A Caverna
>>> Guerra do Tempo e Outros Relatos
>>> História da Eternidade
>>> História do Cerco de Lisboa
>>> A Consciência das Palavras
>>> Ensaio Sobre a Cegueira
>>> O Observador no Escritório
>>> A CONQUISTA DO REINO DE DEUS ( manuscrito pelo autor)
>>> COMENTARIOS PSICOLOGICOS SOBRE LAS ENSEÑANZAS DE GURDJIEFF Y OUSPENSKY
>>> TEILHARD DE CHARDIN- gênese de um pensamento-cartas 1914-1919
COLUNAS

Sexta-feira, 16/8/2013
Elogio ao cabelo branco
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4700 Acessos

Os cabelos brancos são incomuns em minha família. Quem os podia ter, mantinha-os pintados de um castanho claro bastante convincente. O avô mais velho ostentava, desde sempre, uns cabelos prateados que em nada se pareciam com algo deselegante. Jeitosos e frequentemente penteados - com um pequeno pente de bolso -, esses cabelos foram motivo, a vida toda, de comentários elogiosos. É daí que conheço o mito do "homem grisalho charmoso".

Entre os parentes ainda mais próximos, vi reproduzido o mesmo expediente: a mãe com um castanho calculado, uma mistura de duas tinturas, para obter um resultado menos artificial. O pai de cabelos eternamente pretos, naturais, com leves insinuações de fios brancos na barba e nas costeletas.

Não somos uma família em que os fios brancos são precoces. Nenhum tio, nenhum primo. Não posso afirmar sobre as mulheres justamente porque nem elas mesmas devem se lembrar da última vez em que viram seus cabelos como são. Fica, então, a história camuflada dos fios de cabelo e, talvez, do envelhecer dessas pessoas. E a mim? O que caberia?

Certa vez, diante de Angela Lago, autora de literatura infantil que admiro muito, tomei coragem e elogiei seus branquíssimos cabelos curtos. Ela, com aquele olhar sorridente, me respondeu dizendo que "depois de certa idade, o branco traz um semblante de paz". Achei bonito, mas a baliza da "certa idade" ainda me desconcertou. O mesmo talvez eu dissesse a Adélia Prado, aquela senhora poeta mineira, que também traz sobre si uma coroa de fios branquíssimos. Quantos conselhos sobre isso ela deve ter enfrentado na vida? E quantos ela solenemente desconsiderou?

É, então, algo em que ponho reparo, desde sempre. Mas nem sei se sempre achei bonito ou interessante. Na verdade, meu incômodo vem das questões com a liberdade e os moldes - não modelos - que configuram o comportamento estético de uma mulher, em nossa sociedade.

Não quero enveredar por um discurso feminista ou cansativo. Quero mesmo é me lembrar da minha trajetória até o momento em que decidi que meus fios brancos ficariam como estão. E já estão há algum tempo.

Minha amiga, professora da Universidade Federal de São Carlos, tem os cabelos médios extraordinariamente grisalhos. E eu disse isso a ela, certa vez, prevendo meu futuro. Mas eu também investigava, junto ao meu elogio, como ela suportava a vida sendo uma mulher grisalha. E, sim, ela tinha umas experiências a contar.

Quantas pessoas se admiraram, ao me ver de perto, com meus fios longamente brancos? Quantas, quase desconhecidas, me deram conselhos sobre desleixo, cuidados, estética, feminilidade e tinturas? Quantos já me disseram, em tom tão delicado quanto auxiliar, que o cabelo branco me envelhece? Ah, caros, é bem o contrário: o envelhecimento é que os traz. Mas afora as questões de cronologia e lógica, estou diante de um conflito entre o que sou e o que devo ser.

Até hoje, desobedeci, francamente, a todos os conselhos, de amigos ou não, sobre cabelos brancos. Também desprezei as indicações de cor e técnica. Balaiagem pode despistar. Não vem ao caso. Mesmo nos salões de beleza, onde minhas características saltam mais aos olhos, tenho me esquivado dos desejos alheios para dar vazão aos meus. E vamos ficando assim, enquanto dura a persistência.

É teimosia? Não creio. É apenas o que é. Simples como as unhas crescerem e as rugas surgirem são os cabelos embranquecerem. Ou não? Curiosamente, isso não me parece extraordinário. Nem nos outros, nem em mim mesma. Onde está minha beleza? Se há alguma, está num conjunto e talvez na pinta ao lado do olho.

Os fios brancos vêm do couro cabeludo e descem até as espáduas. São transgressores, vivazes, destacam-se dos outros fios, tão mais, que são pretos. Fogem do alinhamento de tudo, esvoaçam mais transparentes. Ao contrário dos velhos da cidade, os fios brancos são pouco penteáveis. Alguns, para minha surpresa, são degradê. Vão ficando brancos, numa trajetória que deve ter ocorrido junto com os fatos da vida. Vão ficando mais duros e menos conciliáveis.

Li, numa revista, que os homens andavam platinando os cabelos pretos. Oh, céus! Para homens, isso é platinar. Quantos discursos não temos para nos driblar. Apenas às muito velhas é permitido desistir de se parecerem jovens. Que xampu é esse que deixa seus cabelos de um cinza lindo?

E então, vivia eu, plenamente, meu conflito entre os outros e meu cabelo, quando um amigo, terrivelmente doce, ao falarmos sobre alguma foto em que meus fios alvos apareciam em destaque, disse: "Deixa assim. Isso te dá um charme". Não foi pequeno meu susto ao ouvir um homem dizer o que quase ninguém diz, especialmente a uma mulher. Uma mulher charmosa não costumava ser a grisalha. Não sou ainda isso, mas posso vir a ser. E alguém me acharia, então, charmosa? É isso o que me anima a sempre pensar que há gosto para tudo, neste mundo. O discurso da diversidade é uma brincadeira, eu sei. Ele, geralmente, não passa de meia dúzia de frases na boca da maioria das pessoas. É, ainda, necessário se "encaixar". Mas quando um homem diz que está tudo bem, é pra se comemorar. E quando uma mulher me disser isso - o que é mais difícil -, vou achar que ainda é tempo de a gente viver como quer, inclusive com os cabelos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 16/8/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
02. O que não fazer em época de crise de Fabio Gomes
03. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes
04. Kleztival: celebrando a música judaica de Heloisa Pait
05. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
03. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TONY CARTANO
TONY CARTANO
RECORD
(2005)



REVISTA LULUZINHA - NÚMERO 47 - JANEIRO 2015
PIXEL
EDIOURO
(2015)



CANTANDO UM BLUES
ISAAC SOARES DE SOUZA
ESTRONHO
(2012)
+ frete grátis



TOCAIA GRANDE - A FACE OBSCURA
JORGE AMADO
RECORD
(1984)
+ frete grátis



PAZ INTERIOR
GEORGE A. MALONEY, S.J.
LOYOLA
(1985)
+ frete grátis



PAIS BRILHANTES PROFESSORES FASCINANTES
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2003)
+ frete grátis



IDEIAS PARA UMA FENOMENOLOGIA PURA E PARA UMA FILOSOFIA FENOMENOLÓGICA
EDMUND HUSSERL
IDÉIAS E LETRAS
(2006)
+ frete grátis



A LITURGIA DA MISSA- TEOLOGIA E ESPIRITUALIDADE DA EUCARISTIA
FREI ALBERTO BECKHAUSER, OFM
VOZES
(1990)
+ frete grátis



BHAGAVAD GITA
KRISHNA - HUBERTO ROHDEN
MARTIN CLARET
(2016)
+ frete grátis



AINDA QUE TENHA MORRIDO, VIVERÀ-ENSAIO SOBRE A RESSURREIÇÃO DOS CORPOS
OLIVIER CLÉMENT, MARKO IVAN RUPNIK
PAULINAS
(2010)
+ frete grátis





busca | avançada
31582 visitas/dia
1,1 milhão/mês